Georgismo


Georgismo, também chamado nos tempos modernos de geoísmo[2] e conhecido historicamente como o movimento do imposto único, é uma filosofia ou ideologia econômica que sustenta que, embora as pessoas devam possuir o valor que elas próprias produzem, a renda econômica derivada da terra, incluindo de todos os recursos naturais e comuns, deve pertencer igualmente a todos os membros da sociedade.[3][4][5] Desenvolvido a partir dos escritos do economista e reformador social americano Henry George, o paradigma georgista busca soluções para os problemas sociais e ecológicos, com base nos princípios de direitos à terra e finanças públicas que procuram integrar eficiência econômica com justiça social.[6][7]

Bóton da campanha georgista da década de 1890 em que o gato no distintivo se refere a um slogan "Você vê o gato?", para fazer analogia com a questão da terra[1]

O georgismo se preocupa com a distribuição da renda econômica causada por monopólios naturais, poluição e controle de bens comuns, incluindo títulos de propriedade de recursos naturais e outros privilégios artificiais (por exemplo, propriedade intelectual). Qualquer recurso natural cuja oferta seja inerentemente limitada pode gerar renda econômica, mas o exemplo clássico e mais significativo de monopólio de terra envolve a extração de renda de terreno comum de localizações urbanas valiosas. No pensamento georgista, embora os indivíduos devam possuir o bem que produzem (propriedade privada), o valor econômico derivado da terra deve pertencer igualmente, sendo socializado a todos os membros da sociedade através de taxas compensatórias. Os georgistas argumentam que tributar a renda econômica é eficiente, justo e equitativo. A principal recomendação política georgista é um imposto avaliado sobre o valor da terra. Os georgistas argumentam que as receitas de um imposto sobre o valor da terra (LVT) podem ser usadas para reduzir ou eliminar os impostos existentes, como a tributação sobre a renda, comércio ou compras que é considerada injusta e ineficiente. Uma parte do movimento georgista se fundamentou na defesa do imposto único sobre a renda da terra e teve notoriedade em seu ativismo.[8] Outros georgistas também defendem a devolução do excedente da receita pública ao povo por meio de uma renda básica ou dividendo do cidadão.

O conceito de obter receitas públicas principalmente de privilégios de terras e recursos naturais foi amplamente popularizado por Henry George em seu primeiro livro, Progresso e Pobreza (1879). A base filosófica do georgismo remonta a vários pensadores antigos, como John Locke,[9] Baruch Spinoza[10] e Thomas Paine.[11] Economistas desde Adam Smith e David Ricardo observaram que um imposto público sobre o valor da terra não causa ineficiência econômica, ao contrário de outros impostos.[12][13] Um imposto sobre o valor da terra também tem efeitos fiscais progressivos.[14][15] Os defensores dos impostos sobre o valor da terra argumentam que eles reduziriam a desigualdade econômica, aumentariam a eficiência econômica, removeriam incentivos para subutilizar terras urbanas e reduziriam a especulação imobiliária.[16]

As ideias georgistas foram populares e influentes durante o final do século XIX e início do século XX.[17] Partidos políticos, instituições e comunidades eram fundados com base nos princípios georgistas naquela época. Os primeiros devotos da filosofia econômica de Henry George eram frequentemente chamados de Single Taxers por seu objetivo político de aumentar a receita pública principalmente ou apenas a partir de um imposto sobre o valor da terra, embora os georgistas endossassem várias formas de captura de renda (por exemplo, senhoriagem) como legítimas.[18] O termo georgism foi inventado mais tarde e alguns preferem o termo geoism (geoísmo) como mais genérico.[19][20]

Doutrinas principaisEditar

 
Um diagrama de oferta e demanda mostra os efeitos da tributação do valor da terra em que a carga do imposto recai inteiramente sobre o proprietário quando o imposto é implementado. O preço rentário do terreno não muda e não há perda de peso morto.

Henry George é mais conhecido por popularizar o argumento de que o governo deveria ser financiado por um imposto sobre valor da terra, vez de impostos sobre o trabalho. George acreditava que, embora experimentos científicos não pudessem ser realizados na economia política, as teorias podiam ser testadas comparando diferentes sociedades com diferentes condições e por experimentos mentais sobre os efeitos de vários fatores.[21] Aplicando esse método, ele concluiu que muitos dos problemas que afligem a sociedade, como pobreza, desigualdade e expansões e crises econômicas, podem ser atribuídos à propriedade privada do recurso necessário, a renda da terra. Em seu livro mais famoso, Progress and Poverty, George argumenta que a apropriação da renda da terra para uso privado contribui para a pobreza persistente, apesar do progresso tecnológico, e faz com que as economias exibam uma tendência para ciclos de expansão e retração. De acordo com George, as pessoas possuem com justiça aquilo que criam, mas as oportunidades naturais e as terras pertencem igualmente a todos.[4]

O imposto sobre o valor da terra é, portanto, o mais justo e igual de todos os impostos. Ela recai apenas sobre aqueles que recebem da sociedade um benefício peculiar e valioso, e sobre eles na proporção do benefício que recebem. É a apropriação pela comunidade, para uso da comunidade, daquele valor que é a criação da comunidade. É a aplicação da propriedade comum para usos comuns. Quando toda a renda é cobrada por impostos para as necessidades da comunidade, então a igualdade ordenada pela Natureza será atingida. Nenhum cidadão terá vantagem sobre qualquer outro, exceto aquela que é dada por sua indústria, habilidade e inteligência; e cada um obterá o que merece. Então, mas não antes, o trabalho terá sua recompensa plena e o capital seu retorno natural.
— Henry George, Progresso e Pobreza, Livro VIII, capítulo 3

George acreditava que havia uma distinção importante entre propriedade comum e coletiva.[22] Embora direitos iguais à terra possam ser alcançados nacionalizando-se a terra e depois arrendando-a a usuários privados, George preferia tributar o valor da terra não aprimorada e deixar o controle da terra principalmente em mãos privadas. O raciocínio de George para deixar as terras sob controle privado e mudar lentamente para o imposto sobre valor da terra era que isso não penalizaria os proprietários existentes que haviam melhorado a terra e também seria menos perturbador e controverso em um país onde os títulos de propriedade já foram concedidos.

Os georgistas observaram que a riqueza criada de forma privada é socializada por meio do sistema tributário (por exemplo, por meio de imposto de renda e vendas), enquanto a riqueza socialmente criada em valores de terra é privatizada no preço de títulos de propriedade e hipotecas bancárias. O oposto seria o caso se a renda da terra substituísse os impostos sobre o trabalho como a principal fonte de receita pública; a riqueza criada socialmente ficaria disponível para uso da comunidade, enquanto os frutos do trabalho permaneceriam privados.[23] De acordo com os georgistas, um imposto sobre o valor da terra pode ser considerado uma taxa de usuário em vez de um imposto, uma vez que está relacionado ao valor de mercado da vantagem locacional criada socialmente, o privilégio de excluir outros dos locais. Os ativos constituídos por privilégio mercantilizado podem ser considerados riqueza, pois possuem valor de troca, semelhante a táxis medalhões.[24] Um imposto sobre o valor da terra, cobrando taxas pelo uso exclusivo da terra como meio de aumentar a receita pública, também é um imposto progressivo que tende a reduzir a desigualdade econômica,[14][15] uma vez que se aplica inteiramente à propriedade de terras valiosas, o que é correlacionado com renda,[25] e geralmente não há meios pelos quais os proprietários podem transferir a carga tributária para os inquilinos ou trabalhadores.

Propriedades econômicasEditar

A teoria econômica padrão sugere que um imposto sobre o valor da terra seria extremamente eficiente - ao contrário de outros impostos, ele não reduz a produtividade econômica.[16] Milton Friedman descreveu o imposto de Henry George sobre o valor não melhorado da terra como o "imposto menos ruim", uma vez que, ao contrário de outros impostos, não imporia uma carga excessiva sobre a atividade econômica (levando a zero ou mesmo "perda de peso morto" negativa); portanto, a substituição de outros impostos mais distorcionários por um imposto sobre o valor da terra melhoraria o bem-estar econômico.[26] Como o imposto sobre o valor da terra pode melhorar o uso da terra e redirecionar o investimento para atividades produtivas, sem fins lucrativos, pode até ter uma perda de peso morto negativo que aumente a produtividade.[27] Como o imposto sobre o valor da terra se aplicaria a especuladores de terras estrangeiros, o Tesouro australiano estimou que o imposto sobre o valor da terra era o único a ter uma carga marginal excedente negativa, o que significa que aumentaria os padrões de vida a longo prazo.[28]

Foi Adam Smith quem primeiro observou a eficiência e as propriedades distributivas de um imposto sobre o valor da terra em seu livro A Riqueza das Nações.[12]

Rendas de terrenos são um objeto de tributação ainda mais apropriado do que a renda de casas. Um imposto sobre o as rendas do solo não aumentaria a renda das casas. Cairia totalmente sobre o proprietário da renda fundiária, que atua sempre como um monopolista e cobra a maior renda que pode ser obtida pelo uso de sua terra. Mais ou menos pode ser obtido a isso conforme os competidores forem mais ricos ou mais pobres, ou podem se dar ao luxo de satisfazer seu desejo por um determinado local de terreno a um custo maior ou menor. Em todos os países, o maior número de concorrentes ricos está na capital, e é aí que sempre se encontram os maiores aluguéis de terra. Uma vez que a riqueza desses concorrentes não seria de forma alguma aumentada por um imposto sobre as rendas do terreno, eles provavelmente não estariam dispostos a pagar mais pelo uso do terreno. Se o imposto deveria ser avançado pelo morador ou se pelo dono do terreno, seria de pouca importância. Quanto mais o morador fosse obrigado a pagar o imposto, menos se inclinaria a pagar pelo terreno; de modo que o pagamento final do imposto recairia totalmente sobre o proprietário da renda da terra.

Tanto a renda do terreno quanto a renda normal da terra são uma espécie de receita da qual o proprietário, em muitos casos, desfruta sem qualquer cuidado ou atenção por conta própria. Embora uma parte dessa receita deva ser tirada dele a fim de custear as despesas do estado, nenhum desânimo será dado a qualquer tipo de indústria. A produção anual da terra e do trabalho da sociedade, a riqueza e receita reais do grande corpo do povo, podem ser os mesmos depois de tal imposto. A renda do terreno e a renda ordinária da terra são, portanto, talvez, a espécie de receita que melhor pode suportar a aplicação de um imposto peculiar. [...] Nada pode ser mais razoável do que um fundo que deve sua existência ao bom governo do estado ser tributado de maneira peculiar, ou contribuir com algo mais do que a maior parte dos outros fundos, para o sustento desse governo.

— Adam Smith, ''The Wealth of Nations'', Livro V, capítulo 2

Benjamin Franklin e Winston Churchill apresentaram argumentos distributivos e eficientes semelhantes para tributar as rendas de terras. Eles observaram que os custos dos impostos e os benefícios dos gastos públicos sempre se aplicam e enriquecem, respectivamente, os proprietários de terras. Portanto, eles acreditavam que seria melhor custear os custos públicos e recuperar o valor dos gastos públicos aplicando encargos públicos diretamente aos proprietários de títulos de terra, em vez de prejudicar o bem-estar público com impostos calculados contra atividades benéficas, como comércio e trabalho.[29][30]

Henry George escreveu que seu plano para um alto imposto sobre valor da terra faria com que as pessoas "contribuíssem com o público, não em proporção com o que produzem ... mas em proporção ao valor das oportunidades naturais [comuns] que detêm [monopolizam]". Ele prosseguiu explicando que "ao tomar para uso público aquele valor que atribui à terra em razão do crescimento e melhoria da comunidade", faria "tornar a posse de terra não lucrativa para o mero proprietário, e lucrativa apenas para o utilizador".[31]

Um alto imposto sobre o valor da terra desencorajaria os especuladores de manter oportunidades naturais valiosas (como imóveis urbanos) não utilizadas ou apenas parcialmente utilizadas. Henry George afirmou que isso teria muitos benefícios, incluindo a redução ou eliminação da carga tributária dos bairros mais pobres e distritos agrícolas; a eliminação de uma multiplicidade de impostos e instituições governamentais obsoletas e caras; a eliminação da corrupção, fraude e evasão na arrecadação de tributos; a capacitação de um verdadeiro livre comércio; a destruição de monopólios; a elevação dos salários ao valor total do trabalho; a transformação de invenções que economizam trabalho em bênçãos para todos; e a distribuição equitativa de conforto, lazer e outras vantagens que são possíveis devido ao avanço da civilização.[32] Desta forma, a vulnerabilidade que as economias de mercado têm às bolhas de crédito e manias imobiliárias seria reduzida.[16]

Fontes de renda econômica e intervenções políticas relacionadasEditar

O fluxo de receita resultante de pagamentos por acesso restrito a oportunidades naturais ou por privilégios planejados sobre regiões geográficas é denominado renda econômica. Os georgistas argumentam que a renda econômica da terra, os privilégios legais e monopólios naturais devem reverter para a comunidade, e não para os proprietários privados. Em economia, "terra" é tudo o que existe na natureza independente da atividade humana. George incluiu explicitamente clima, solo, cursos de água, depósitos minerais, leis/forças da natureza, vias públicas, florestas, oceanos, ar e energia solar na categoria de terra.[33] Embora a filosofia do georgismo não diga nada de definitivo sobre as intervenções políticas específicas necessárias para resolver os problemas apresentados por várias fontes de renda econômica, o objetivo comum entre os georgistas modernos é capturar e compartilhar (ou reduzir) a renda de todas as fontes de monopólio natural e privilégio legal.[34][35]

Henry George compartilhava do objetivo dos modernos georgistas de socializar ou desmantelar a renda de todas as formas de monopólio de terras e privilégio legal. No entanto, George enfatizou principalmente sua política preferida, conhecida como imposto sobre valor da terra, que visava uma forma particular de renda não realizada (aquela que não foi obtida por trabalho, considerada ganho imerecido) conhecida como renda do terreno. George enfatizou a renda do terreno porque os locais básicos eram mais valiosos do que os outros monopólios e todos precisavam de locais para sobreviver, o que ele contrastou com os monopólios de bonde e telégrafo menos significativos, que George também criticou. George comparou o problema a um trabalhador viajando para casa que é emboscado por uma série de ladrões de estrada ao longo do caminho, cada um exigindo uma pequena parte do salário do viajante e, finalmente, no final da estrada, aguarda um ladrão que exige tudo que havia restante do viajante. George raciocinou que fazia pouca diferença desafiar a série de pequenos ladrões quando o ladrão final permanecia para exigir tudo o que o trabalhador comum havia deixado restante.[36] George previu que, com o tempo, os avanços tecnológicos aumentariam a frequência e a importância de monopólios menores, mas esperava que a renda do terreno continuasse dominante.[37] George chegou a prever que as rendas de terreno subiriam mais rápido do que os salários e a renda do capital, uma previsão que a análise moderna mostrou ser plausível, uma vez que a oferta de terra é fixa.[38]

A renda espacial ainda é a principal ênfase dos georgistas por causa de seu grande valor e das conhecidas deseconomias de terras mal utilizadas. No entanto, existem outras fontes de renda que são teoricamente análogas à renda da terra e são tópicos debatidos pelos georgistas. A seguir estão algumas fontes de renda econômica.[39][40][41]

Onde a livre concorrência é impossível, como telégrafos, água, gás e transporte, George escreveu: "[Esses] negócios tornam-se uma função social adequada, que deve ser controlada e administrada por e para todas as pessoas envolvidas." Os georgistas estavam divididos por essa questão dos monopólios naturais e frequentemente favoreciam a propriedade pública apenas das rendas dos direitos de passagem comuns, em vez da propriedade pública das próprias empresas de serviços públicos.[32]

Georgismo e economia ambientalEditar

O conservacionismo inicial da Era Progressista foi inspirado em parte por Henry George e sua influência se estendeu por décadas depois.[52] Alguns economistas ecológicos ainda apoiam a política georgista de imposto sobre o valor da terra como um meio de libertar ou renaturalizar terras não utilizadas e conservar a natureza, reduzindo o alastramento urbano.[53][54][55]

A poluição degrada o valor do que os georgistas consideram como comuns. Como a poluição é uma contribuição negativa, uma retirada dos comuns ou um custo imposto a outros, seu valor é a renda econômica, mesmo quando o poluidor não está recebendo uma renda explícita. Portanto, na medida em que a sociedade determina que a poluição é prejudicial, a maioria dos georgistas propõe limitar a poluição com impostos ou cotas que capturem as rendas resultantes para uso público, restauração ou um dividendo do cidadão.[34][56][57]

O georgismo está relacionado à escola de economia ecológica, uma vez que ambos propõem restrições à poluição baseadas no mercado.[53][58] As escolas são compatíveis na medida em que defendem o uso de ferramentas semelhantes como parte de uma estratégia de conservação, mas enfatizam aspectos diferentes. A conservação é a questão central da ecologia, enquanto a renda econômica é a questão central do geoísmo. Os economistas ecológicos podem definir o preço das multas por poluição de forma mais conservacionista para evitar danos inerentemente não quantificáveis ao meio ambiente, enquanto os georgistas podem enfatizar a mediação entre interesses conflitantes e direitos humanos.[35][59] O geolibertarianismo, um ramo do geoísmo orientado para o mercado, tende a assumir uma postura direta contra o que considera uma regulamentação onerosa e gostaria de ver cotas de poluição leiloadas ou impostos substituindo a maioria das regulações de comando e controle.[60]

Uma vez que os ecologistas estão preocupados principalmente com a conservação, eles tendem a enfatizar menos a questão da distribuição equitativa das rendas de escassez/poluição, enquanto os georgistas insistem que a renda imerecida não se acumula para aqueles que detêm títulos de ativos naturais e privilégio de poluição. Na medida em que os geoístas reconhecem o efeito da poluição ou compartilham valores conservacionistas, eles concordarão com os economistas ecológicos sobre a necessidade de limitar a poluição, mas os geoístas também insistirão que as rendas da poluição geradas por esses esforços de conservação não acumulam para os poluidores e são usadas para fins públicos ou para compensar aqueles que sofrem os efeitos negativos da poluição. Economistas ecológicos defendem restrições semelhantes à poluição, mas, enfatizando primeiro a conservação, podem estar dispostos a conceder aos poluidores privados o privilégio de obter receitas de poluição. Na medida em que os economistas ecológicos compartilham a visão geoísta de justiça social, eles defenderiam o leilão de cotas de poluição em vez de distribuí-las gratuitamente.[53] Essa distinção pode ser vista na diferença entre cap and trade básico e a variação geoísta, cap and share, uma proposta de leilão de licenças temporárias de poluição, com rendas indo para o público, em vez de dar privilégio de poluição de graça para poluidores existentes ou vender licenças perpétuas.[61][62]

Usos da receitaEditar

A receita pode permitir a redução ou eliminação de impostos, maior investimento/gasto público ou a distribuição direta de fundos aos cidadãos como pensão ou renda básica/dividendo do cidadão.[35][63][64]

Na prática, a eliminação de todos os outros impostos implica um alto imposto sobre valor da terra, maior do que qualquer imposto sobre a terra atualmente existente. A introdução ou aumento do imposto sobre o valor da terra faria com que o preço de compra da terra diminuísse. George não acreditava que os proprietários de terras deviam ser compensados e descreveu a questão como análoga à compensação para ex-proprietários de escravos. Outros geoístas discordam sobre a questão da compensação; alguns defendem a compensação completa, enquanto outros endossam apenas a compensação necessária para alcançar as reformas georgistas. Alguns geoístas defendem compensação apenas para uma perda líquida devido a uma mudança de tributação para o valor da terra; a maioria dos contribuintes ganharia com a substituição de outros impostos por um imposto sobre o valor da terra. Historicamente, aqueles que defendiam impostos sobre a renda apenas grandes o suficiente para substituir outros impostos eram conhecidos como endossantes do imposto único limitado.

Sinônimos e variantesEditar

 
"Imposto único é o libertador da sociedade". Pôster georgista de imposto único publicado no The Public, um jornal de Chicago (por volta de 1910–1914)

A maioria dos primeiros grupos de advocacia se descreveu como single taxers e George relutantemente aceitou o imposto único como um nome correto para seu principal objetivo político—a revogação de todos os impostos injustos ou ineficientes, a ser substituído por um imposto sobre o valor da terra (em inglês LVT, land value tax).

Alguns proponentes modernos estão insatisfeitos com o nome georgista. Embora Henry George tenha sido bem conhecido ao longo de sua vida, ele foi amplamente esquecido pelo público e a ideia de um único imposto sobre a terra é anterior a ele. Alguns agora preferem o termo geoísmo,[20][65] com o significado de geo (do grego γῆ ge "terra", como, aliás, é em grego o primeiro composto do nome George (daí georgismo) <(Gr.) Geōrgios < geōrgos "agricultor" ou geōrgia "agricultura," <gē + ergon "trabalho")[66][67] deliberadamente ambíguo. Os termos Compartilhamento da Terra,[68] geonomia[69] e geolibertarianismo[70] também são usados por alguns georgistas. Esses termos representam uma diferença de ênfase e, às vezes, diferenças reais sobre como a renda da terra deve ser gasta (dividendo do cidadão ou apenas substituição de outros impostos), mas todos concordam que a renda da terra deve ser recuperada de seus destinatários privados.

Multas obrigatórias e taxas relacionadas às rendas de terra são as políticas georgistas mais comuns, mas alguns geoístas preferem sistemas de captura de valor voluntário que dependem de métodos como taxas de valor de localização não obrigatórias ou autoavaliadas, Fundos de Posse Coletiva (community land trust)[71] e compra de covenants de valor de terra.[72][73][74][75][76] Alguns geoístas acreditam que compensar parcialmente os proprietários de terras é um compromisso politicamente conveniente para alcançar a reforma.[77][78] Por razões semelhantes, outros propõem capturar apenas aumentos futuros do valor da terra, em vez de toda a renda da terra.[79]

Embora o georgismo tenha sido historicamente considerado uma ideologia radicalmente progressista ou socialista, alguns libertários e minarquistas assumem a posição de que os gastos sociais limitados devem ser financiados usando os conceitos georgistas de captura do valor da renda, mas que nem toda renda de terra deve ser capturada. Hoje, essa adaptação relativamente conservadora costuma ser considerada incompatível com o verdadeiro geolibertarianismo, que exige que as rendas excedentes sejam recolhidas e depois distribuídas de volta aos residentes. Durante o tempo de Henry George, esta filosofia georgista comedida era conhecida como "imposto único limitado", em oposição a "imposto único ilimitado". George discordou da interpretação limitada, mas aceitou seus adeptos (por exemplo Thomas Shearman) como legítimos "single-taxers".[80]

InfluênciaEditar

 
Henry George, cujos escritos e defesa formam a base para o georgismo

As ideias georgistas influenciaram fortemente a política do início do século XX. Os partidos políticos que foram formados com base nas ideias georgistas incluem o United States Commonwealth Land Party dos Estados Unidos, o Henry George Justice Party, a Liga do Imposto Único e o Partido da Justiça da Dinamarca.

No Reino Unido, o governo liberal incluiu um imposto sobre a terra como parte de vários impostos no People's Budget de 1909 com o objetivo de redistribuir riqueza (incluindo um imposto de renda progressivamente graduado e um aumento do imposto sobre herança). Isso causou uma crise política que resultou indiretamente na reforma da Câmara dos Lordes. O orçamento acabou sendo aprovado—mas sem o imposto de terra. Em 1931, o governo trabalhista minoritário aprovou um imposto sobre o valor da terra como parte III da Lei das Finanças de 1931. No entanto, isso foi revogado em 1934 pelo Governo Nacional antes que pudesse ser implementado.

Na Dinamarca, o Partido da Justiça Georgista já esteve representado no Folketinget. Ele fez parte de um governo de centro-esquerda de 1957 a 1960 e também foi representado no Parlamento Europeu de 1978 a 1979. A influência de Henry George diminuiu com o tempo, mas as ideias georgistas ainda surgem ocasionalmente na política. Para a eleição presidencial dos Estados Unidos em 2004, Ralph Nader mencionou George em suas declarações de política.[81]

Os economistas geralmente ainda favorecem um imposto sobre o valor da terra.[82] Milton Friedman endossou publicamente o imposto sobre valor da terra georgista como o "imposto menos ruim".[13] Joseph Stiglitz afirmou que: "Henry George não apenas estava correto ao afirmar que um imposto sobre a terra é não distorcionário, mas em uma sociedade de equilíbrio ... o imposto sobre a terra aumenta a receita apenas o suficiente para financiar o nível (escolhido de forma ideal) de gastos do governo."[83] Ele apelidou essa proposição de teorema de Henry George.[84]

ComunidadesEditar

 
Outdoor de 1914 citando Henry George em Rockford, Illinois

Várias comunidades também foram iniciadas com princípios georgistas durante o auge da popularidade da filosofia. Duas dessas comunidades que ainda existem são Arden, Delaware, que foi fundada em 1900 por Frank Stephens e Will Price, e Fairhope, Alabama, que foi fundada em 1894 sob os auspícios da Fairhope Single Tax Corporation.[85] Algumas comunidades estabelecidas nos Estados Unidos também adotaram políticas fiscais georgistas. Um georgista de Houston, Texas, Joseph Jay "JJ" Pastoriza, promoveu um clube georgista naquela cidade fundado em 1890. Anos mais tarde, como vereador da cidade, ele foi selecionado para servir como Comissário Fiscal de Houston e promulgou um "Plano de Tributação de Houston" em 1912. As benfeitorias nas terras e inventários dos comerciantes eram tributados em 25% do valor avaliado, os terrenos não melhorados eram tributados em 70% da avaliação e a propriedade pessoal era isenta. Esse imposto georgista continuou até 1915, quando dois tribunais o derrubaram por violar a Constituição do Texas em 1915. Isso anulou os esforços em várias outras cidades do Texas, que tomaram medidas para implementar o Plano de Houston em 1915: Beaumont, Corpus Christi, Galveston, San Antonio e Waco.[86]

O protetorado alemão da concessão da Baía de Kiautschou na Baía de Jiaozhou, China, implementou totalmente a política georgista. Sua única fonte de receita do governo era o imposto sobre o valor da terra de seis por cento, que cobrava em seu território. O governo alemão já havia enfrentado problemas econômicos com suas colônias africanas, causados pela especulação imobiliária. Uma das principais razões para usar o imposto sobre o valor da terra na baía de Jiaozhou foi de eliminar essa especulação, o que a política conseguiu.[87] A colônia existiu como protetorado alemão de 1898 até 1914, quando foi tomada por tropas japonesas e britânicas. Em 1922, o território foi devolvido à China.

 
Escola Henry George de Ciências Sociais na cidade de Nova York

As ideias georgistas também foram adotadas em algum grau na Austrália, Hong Kong, Cingapura, África do Sul, Coréia do Sul e Taiwan. Nesses países, os governos ainda cobram algum tipo de imposto sobre o valor da terra, embora com isenções.[88] Muitos governos municipais dos EUA dependem do imposto sobre propriedade como sua principal fonte de receita, embora esses impostos não sejam georgistas, pois geralmente incluem o valor dos edifícios e outras melhorias. Uma exceção é a cidade de Altoona, Pensilvânia, que por um tempo no século XXI apenas tributou o valor da terra, incorporando o imposto em 2002, contando com ele inteiramente para a receita tributária de 2011 e encerrando-o em 2017; o Financial Times observou que “Altoona está usando LVT em uma cidade onde nem terrenos nem edifícios têm muito valor”.[89][90]

Institutos e organizaçõesEditar

Ainda existem várias organizações que continuam a promover as ideias de Henry George. De acordo com o The American Journal of Economics and Sociology, o periódico Land&Liberty, criado em 1894, é "o projeto georgista mais duradouro da história".[91] Fundada durante a Grande Depressão em 1932, a Escola de Ciências Sociais Henry George em Nova York oferece cursos, patrocina seminários e publica pesquisas no paradigma georgista.[92] Também nos Estados Unidos, o Lincoln Institute of Land Policy foi estabelecido em 1974 com base nos escritos de Henry George. Ele "busca melhorar o diálogo sobre desenvolvimento urbano, meio ambiente construído e política tributária nos Estados Unidos e no exterior".[93]

A Henry George Foundation continua a promover as ideias de Henry George no Reino Unido.[94] The IU é uma organização guarda-chuva internacional que reúne organizações em todo o mundo que buscam a reforma do imposto sobre o valor da terra.[95]

RecepçãoEditar

O economista Alfred Marshall acreditava que as opiniões de George em Progresso e Pobreza eram perigosas, prevendo mesmo guerras, terror e destruição econômica com a implementação imediata de suas recomendações. Especificamente, Marshall estava chateado com a ideia de mudanças rápidas e a injustiça de não compensar os proprietários de terras existentes. Em suas palestras sobre Progresso e Pobreza, Marshall se opôs à posição de George sobre compensação, embora endossasse totalmente seu remédio final. Na medida em que o imposto sobre o valor da terra moderadamente substituísse outros impostos e não causasse a queda do preço da terra, Marshall apoiava a tributação do valor da terra por motivos econômicos e morais, sugerindo que um imposto de três ou quatro por cento sobre o valor da terra se encaixaria nessa condição. Depois de implementar os impostos sobre a terra, os governos comprariam valores de terra futuros a preços com desconto e assumiriam a propriedade após 100 anos. Marshall afirmou que esse plano, que ele apoiou fortemente, acabaria com a necessidade de um departamento de cobrança de impostos do governo. Para os países recém-formados onde a terra ainda não era privada, Marshall defendeu a implementação da proposta econômica de George imediatamente.[96][97]

Karl Marx considerou a plataforma de imposto único como uma regressão da transição para o comunismo e se referiu ao georgismo como "a última vala do capitalismo".[98] Marx argumentou que, "A coisa toda é ... simplesmente uma tentativa, enfeitada com o socialismo, para salvar a dominação capitalista e, na verdade, estabelecê-la novamente em uma base ainda mais ampla que a atual."[99] Marx também criticou a maneira como a teoria do imposto sobre o valor da terra enfatiza o valor da terra, argumentando que, "Seu dogma fundamental é que tudo estaria bem se a renda da terra fosse paga ao estado."[99] Georgistas como Fred Harrison (2003) responderam a essas objeções marxistas.[100]

Richard T. Ely, conhecido como o "Pai da Economia Territorial", concordou com os argumentos econômicos para o georgismo, mas acreditava que corrigir o problema da maneira que Henry George queria (sem compensação) era injusto para os proprietários de terras existentes. Ao explicar sua posição, Ely escreveu que "Se todos nós cometemos um erro, uma das partes da transação deveria arcar sozinha com o custo do erro comum?"[101]

John R. Commons apoiou a economia georgista, mas se opôs ao que ele percebeu como uma tendência ambiental e politicamente imprudente de os defensores se apoiarem em uma abordagem única para a reforma tributária, especificamente, o enquadramento de "imposto único". Commons concluiu The Distribution of Wealth com uma estimativa de que "talvez 95% dos valores totais representados por essas fortunas milionárias [sic] são devidos aos investimentos classificados como valores de terra e monopólios naturais, e às indústrias competitivas auxiliadas por tais monopólios", e que "a reforma tributária deve procurar remover todos os encargos do capital e do trabalho e impô-los aos monopólios". No entanto, ele criticou os georgistas por não perceberem que as ideias antimonopólio de Henry George devem ser implementadas com uma variedade de ferramentas políticas. Ele escreveu: "As árvores não crescem no céu—elas pereceriam em um alto vento forte; e uma única verdade, como um único imposto, termina em sua própria destruição." Commons usa a fertilidade natural do solo e o valor das florestas como um exemplo dessa destruição, argumentando que um imposto sobre o valor in situ desses recursos naturais esgotáveis pode resultar em uso excessivo ou extração excessiva. Em vez disso, Commons recomenda uma abordagem baseada no imposto de renda para as florestas semelhante a um imposto georgista moderno sobre recursos naturais.[102][103]

Outros contemporâneos, como o economista austríaco Frank Fetter e o economista neoclássico John Bates Clark, argumentaram que não era prático manter a distinção tradicional entre terra e capital, e usaram isso como base para atacar o georgismo. Mark Blaug, um especialista em história do pensamento econômico, atribui a Fetter e Clark a influência dos economistas tradicionais a abandonar a ideia de "que a terra é um fator único de produção e, portanto, de que exista qualquer necessidade especial de uma teoria especial da renda da terra", alegando que "esta é de fato a base de todos os ataques a Henry George por economistas contemporâneos e certamente a razão fundamental pela qual economistas profissionais o ignoravam cada vez mais".[104]

Robert Solow endossou a teoria do georgismo, mas se acautela da percebida injustiça da expropriação. Solow afirmou que taxar as rendas de terra esperadas "não teria aparência de justiça"; no entanto, seria bom introduzir o georgismo onde os valores de localização ainda não foram privatizados ou se a transição pudesse ser feita lentamente.[105]

George também foi acusado de exagerar a importância de sua "tese da renda toda-devoradora" ao afirmar que é a causa primária da pobreza e da injustiça na sociedade.[106] George argumentava que a renda da terra aumentava mais rápido do que os salários do trabalho porque a oferta de terra é fixa. Economistas modernos, incluindo Ottmar Edenhofer, demonstraram que a afirmação de George é plausível, mas era mais provável de ser verdade durante a época de George do que agora.[38]

Uma das primeiras críticas ao georgismo foi que ele geraria receita pública demais e resultaria em um crescimento indesejado do governo, mas críticos posteriores argumentaram que não geraria receita suficiente para cobrir os gastos do governo. Joseph Schumpeter concluiu sua análise do georgismo afirmando que, "Não é economicamente insustentável, exceto que envolve um otimismo injustificado em relação ao rendimento de tal imposto." Economistas que estudam terra concluem que a crítica de Schumpeter é injustificada porque o rendimento da renda de terra é provavelmente muito maior do que os críticos modernos como Paul Krugman supõem.[107] Krugman concorda que a tributação do valor da terra é o melhor meio de aumentar a receita pública, mas afirma que o aumento dos gastos tornou a renda da terra insuficiente para financiar totalmente o governo.[108] Os georgistas responderam citando estudos e análises que sugerem que os valores de terra de nações como EUA, Reino Unido e Austrália são mais do que suficientes para financiar todos os níveis de governo.[109][110][111][112][113][114][115]

O filósofo político e economista anarco-capitalista Murray Rothbard criticou o georgismo em Man, Economy, and State como sendo filosoficamente incongruente com a teoria do valor subjetivo e afirmando que a terra é irrelevante nos fatores de produção, comércio e sistemas de preços,[116] mas esta crítica é vista por alguns, incluindo outros oponentes do georgismo, como baseada em suposições falsas e raciocínio falho.[117]

O economista austríaco Friedrich Hayek creditou o desenvolvimento de seu interesse por economia ao entusiasmo inicial que teve por Henry George. Mais tarde, Hayek disse que a teoria do georgismo seria muito forte se os desafios da avaliação não resultassem em resultados injustos, mas ele acreditava que incorreria.[118]

Georgistas notáveisEditar

Ver tambémEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Georgismo

Referências

  1. «Seeing the Cat». Henry George Institute 
  2. Foldvary, Fred. «Geoism Explained». The Progress Report. Cópia arquivada em 17 de março de 2015 
  3. «An Introduction to Georgist Philosophy & Activity». Council of Georgist Organizations 
  4. a b Heavey, Jerome F. (julho de 2003). «Comments on Warren Samuels' "Why the Georgist movement has not succeeded"». American Journal of Economics and Sociology. 62 (3): 593–99. JSTOR 3487813. doi:10.1111/1536-7150.00230. human beings have an inalienable right to the product of their own labor 
  5. McNab, Jane. «How the reputation of Georgists turned minds against the idea of a land rent tax» (PDF). Business School, The University of Western Australia. Cópia arquivada (PDF) em 12 de agosto de 2014 
  6. Gaffney, Mason; Harrison, Fred (1994). The Corruption of Economics. Shepheard-Walwyn. London: [s.n.] ISBN 978-0-85683-244-4 
  7. Hudson, Michael; Feder, Kris; and Miller, George James (1994). A Philosophy for a Fair Society. Shepheard-Walwyn, London. ISBN 978-0-85683-159-1.
  8. Henry George - Movimento Social Liberal
  9. Locke, John (1691). «Some Considerations of the Consequences of the Lowering of Interest and the Raising the Value of Money». Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2016 
  10. Gaffney, Mason. «Logos Abused: The Decadence and Tyranny of Abstract Reasoning in Economics» (PDF) 
  11. Agrarian Justice, edição da Wikisource, parágrafo 12
  12. a b Smith, Adam (1776). «Chapter 2, Article 1: Taxes upon the Rent of Houses». The Wealth of Nations, Book V. [S.l.: s.n.] 
  13. a b Tideman, Nicolaus; Gaffney, Mason (1 de janeiro de 1994). Land and Taxation. Shepheard-Walwyn in association with Centre for Incentive Taxation. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-85683-162-1 
  14. a b Binswanger-Mkhize, Hans P; Bourguignon, Camille; Brink, Rogier van den (2009). Agricultural Land Redistribution : Toward Greater Consensus. World Bank. [S.l.: s.n.] A land tax is considered a progressive tax in that wealthy landowners normally should be paying relatively more than poorer landowners and tenants. Conversely, a tax on buildings can be said to be regressive, falling heavily on tenants who generally are poorer than the landlords 
  15. a b Plummer, Elizabeth (março de 2010). «Evidence on the Distributional Effects of a Land Value Tax on Residential Households» (PDF). National Tax Journal. 63: 63–92. doi:10.17310/ntj.2010.1.03 
  16. a b c McCluskey, William J.; Franzsen, Riël C. D. (9 de outubro de 2017). Land Value Taxation: An Applied Analysis. Ashgate. [S.l.: s.n.] ISBN 9780754614906 – via Google Books 
  17. The Forgotten Idea That Shaped Great U.S. Cities by Mason Gaffney & Rich Nymoen, Commons magazine, October 17, 2013.
  18. «"Economics" and Political Economy». Understanding Economics 
  19. Tideman, Nic. «Basic Principles of Geonomics» 
  20. a b Casal, Paula (2011). «Global Taxes on Natural Resources» (PDF). Journal of Moral Philosophy. 8 (3): 307–27. doi:10.1163/174552411x591339. "Geoism" can also invoke a philosophical tradition encompassing the views of John Locke and Thomas Paine as well as Henry George ... 
  21. «Progress and Poverty, Introduction». www.henrygeorge.org 
  22. «Common Rights Vs. Collective Rights». geolib.com 
  23. «Poverty - Earthsharing Canada». earthsharing.ca 
  24. Inman, Phillip (16 de setembro de 2012). «Could we build a better future on a land value tax?». The Guardian 
  25. Aaron, Henry (maio de 1974). «A New View of Property Tax Incidence». The American Economic Review. 64 (2) 
  26. Foldvary, Fred E. "Geo-Rent: A Plea to Public Economists". Econ Journal Watch (April 2005)
  27. Stiglitz, Joseph. «Thomas Piketty and Joseph Stiglitz». INETeconomics 
  28. «Re:Think. Tax discussion paper for March 2015» (PDF). The Australian Government the Treasury. Cópia arquivada (PDF) em 17 de abril de 2015 
  29. Franklin, Benjamin (1840). Memoirs of Benjamin Franklin, Volume 2. McCarty & Davis. [S.l.: s.n.] 
  30. Shine, Mary L. (1922). Ideas of the founders of the American nation on landed property. University of Wisconsin. [S.l.: s.n.] 
  31. George, Henry. "The Single Tax Platform: Adopted by the National COnference of the Single Tax League of the U.S. at Cooper Union, N.Y., Sept. 3, 1890". In Wenzer, Kenneth C (ed.) (1997). An Anthology of Henry George's Thought (em inglês). [S.l.]: University Rochester Press
  32. a b George, Henry (1997). An anthology of Henry George's thought. University of Rochester Press. Rochester, N.Y.: [s.n.] ISBN 978-1878822819 
  33. George, Henry (1905). Protection or Free Trade
  34. a b c d Davies, Lindy. «The Science of Political Economy: What George "Left Out"». Economic Science Course by the Henry George Institute 
  35. a b c d Batt, H. William. «The Compatibility of Georgist Economics and Ecological Economics» 
  36. George, Henry (1886). Protection or Free Trade. Doubleday, Page & Co. New York: [s.n.] 
  37. George, Henry (1997). An Anthology of Henry George's Thought, Volume 1. University Rochester Press. [S.l.: s.n.] ISBN 9781878822819 
  38. a b Mattauch, Linus; Siegmeier, Jan; Edenhofer, Ottmar; Creutzig, Felix (2013) : Financing Public Capital through Land Rent Taxation: A Macroeconomic Henry George Theorem, CESifo Working Paper, No. 4280 http://www.econstor.eu/bitstream/10419/77659/1/cesifo_wp4280.pdf
  39. Tideman, Nicolaus. «Using Tax Policy to Promote Urban Growth» 
  40. a b c d Gaffney, Mason (3 de julho de 2008). «The Hidden Taxable Capacity of Land: Enough and to Spare» (PDF). International Journal of Social Economics 
  41. a b c d Fitzgerald, Karl. «Total Resource Rents of Australia» (PDF). Prosper Australia 
  42. Harriss, C. Lowell (2006). «Nonrenewable Exhaustible Resources and Property Taxation». American Journal of Economics and Sociology. 65 (3): 693–99. doi:10.1111/j.1536-7150.2006.00470.x 
  43. George, Henry (1997). An Anthology of Henry George's Thought, Volume 1. University Rochester Press. [S.l.: s.n.] ISBN 9781878822819 
  44. George, Henry. «Scotland and Scotsmen». Cópia arquivada em 10 de agosto de 2014  Discurso proferido em 18 de fevereiro de 1884 na Prefeitura de Glasgow
  45. Miller, Joseph Dana (1921). «To Hold the Sea In Fee Simple». The Single Tax Review. 21–22: 37 
  46. Darrow, Clarence (14 de janeiro de 2014). «How to Abolish Unfair Taxation» 
  47. Sullivan, Dan. «Are you a Real Libertarian, or a ROYAL Libertarian?» 
  48. Post, Louis F. «Outlines of Louis F. Post's Lectures» 
  49. Zarlenga, Stephen. «Henry George's Concept of Money (Full Text) And Its Implications For 21st Century Reform». American Monetary Institute. Cópia arquivada em 4 de junho de 2013 
  50. George, Henry. «On Patents and Copyrights» 
  51. Niman, Neil B. «Henry George and the Intellectual Foundations of the Open Source Movement» (PDF). Robert Schalkenbach Foundation. A modern counterpart to the nineteenth century focus on land can be found in the twentieth century concern with the establishment of intellectual property rights that fence off a portion of the creative commons in order to construct temporary monopolies. 
  52. Fox, Stephen R. The American Conservation Movement: John Muir and His Legacy. Madison, WI: U of Wisconsin, 1985.
  53. a b c Daly, Herman E., and Joshua C. Farley. Ecological Economics: Principles and Applications. Washington: Island, 2004.
  54. Cato, Molly Scott (2 de setembro de 2013). «The Gypsy Rover, the Norman Yoke and the Land Value Tax» 
  55. Smith, Peter (29 de janeiro de 2014). «Beaver, Rewilding & Land Value Tax have the answer to the UK's Flooding Problem.» 
  56. Ikerd, John. «The Green Tax Shift: Winners and Losers». missouri.edu 
  57. Casal, Paula (2011). «Global Taxes on Natural Resources» (PDF). Journal of Moral Philosophy. 8: 307–27. doi:10.1163/174552411X591339 
  58. Backhaus, Jurgen; Krabbe, J. J. (1991). "Henry George's Contribution to Modern Environmental Policy: Part I, Theoretical Postulates." American Journal of Economics and Sociology 50 (4). p. 485-501. Weborn.
  59. Cobb, Clifford. «Herman Daly Festschrift: Ecological and Georgist Economic Principles: A Comparison» 
  60. Roark, Eric (2013). Removing the Commons: A Lockean Left-Libertarian Approach to the Just Use and Appropriation of Natural Resources. Lexington Books. [S.l.: s.n.] ISBN 9780739174692 
  61. Brebbia, C. A. (2012). Ecodynamics: The Prigogine Legacy. WIT Press. [S.l.: s.n.] ISBN 9781845646547 
  62. Gluckman, Amy. «A Primer on Henry George's "Single Tax"» 
  63. Hartzok, Alanna. «Citizen Dividends and Oil Resource Rents A Focus on Alaska, Norway and Nigeria» 
  64. Gaffney, Mason. «A Cannan Hits the Mark» (PDF) 
  65. Socialism, Capitalism, and Geoism – by Lindy Davies
  66. γῆ. Liddell, Henry George; Scott, Robert; A Greek–English Lexicon no Perseus Project.
  67. Harper, Douglas. "George". Online Etymology Dictionary.
  68. Introduction to Earth Sharing,
  69. «Jeffery J. Smith - Progress.org». www.progress.org 
  70. Fred Foldvary. «Geoism and Libertarianism». Cópia arquivada em 4 de novembro de 2012 
  71. Curtis, Mike. «The Arden Land Trust» 
  72. Adams, Martin. «Sharing the Value of Land: The Promise of Location Value Covenants». Cópia arquivada em 30 de maio de 2014 
  73. Kent, Deirdre. «Land and Money Reform Synergy in New Zealand». Smart Taxes. Cópia arquivada em 5 de junho de 2014 
  74. «Cooperative Individualism - Liberty Schools» (PDF). www.cooperativeindividualism.org. Cópia arquivada (PDF) em 4 de junho de 2016 
  75. «Location Value Covenants - Systemic Fiscal Reform». www.sfrgroup.org 
  76. Foldvery, Fred. «Geoanarchism A short summary of geoism and its relation to libertarianism.» 
  77. Bille, Frank F. «The Danish-American Georgist». Cópia arquivada em 31 May 2014  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  78. Miller, Joseph Dana (1904). Land and Freedom: An International Record of Single Tax Progress, Volume 4. Single Tax Publishing Company. [S.l.: s.n.] pp. 9–15 
  79. Wolf, Martin. «Why we must halt the land cycle». Financial Times 
  80. Barker, Charles A. «The Followers of Henry George». Henry George News. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2015 
  81. «Internet Archive Wayback Machine». 28 de agosto de 2004. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2007 
  82. «Why Henry George had a point». The Economist. 1 de abril de 2015 
  83. Stiglitz, Joseph (1977). «The theory of local public goods». In: Feldstein; Inman. The Economics of Public Services. Macmillan Publishers. London: [s.n.] pp. 274–333 
  84. Arnott, Richard J.; Joseph E. Stiglitz (novembro de 1979). «Aggregate Land Rents, Expenditure on Public Goods, and Optimal City Size» (PDF). Quarterly Journal of Economics. 93 (4): 471–500. JSTOR 1884466. doi:10.2307/1884466 
  85. «Fairhope Single Tax Corporation». Fairhope Single Tax Corporation 
  86. Davis, Stephen (1986). «Joseph Jay Pastoriza and the Single Tax in Houston, 1911–1917» (PDF). 8 (2). Houston Review: history and culture of the Gulf Coast 
  87. Silagi, Michael; Faulkner, Susan N (1984). «Land Reform in Kiaochow, China: From 1898 to 1914 the Menace of Disastrous Land Speculation was Averted by Taxation». The American Journal of Economics and Sociology. 43 (2): 167–77. doi:10.1111/j.1536-7150.1984.tb02240.x 
  88. Gaffney, M. Mason. «Henry George 100 Years Later». Association for Georgist Studies Board. Cópia arquivada em 24 de julho de 2008 
  89. Harding, Robin (setembro de 2014). «Property: Land of opportunity». Financial Times 
  90. «City council decides to cut land value tax». Altoona Mirror. 6 de junho de 2016 
  91. The American Journal of Economics and Sociology, vol. 62, 2003, p. 615
  92. «About Us – Henry George School of Social Science». hgsss.org. Henry George School of Social Science 
  93. «About the Lincoln Institute of Land Policy». Lincolninst.edu 
  94. «The Henry George Foundation» 
  95. The IU. «The IU» 
  96. Marshall, Alfred (1969). “Three Lectures on Progress and Poverty by Alfred Marshall". The Journal of Law & Economics, 12 (1). p. 184–226.
  97. Marshall, Alfred, Principles of Economics. 1920. Library of Economics and Liberty.
  98. Andelson, Robert V. «Henry George and The Reconstruction Of Capitalism» 
  99. a b Marx, Karl. «Letters: Marx-Engels Correspondence 1881». www.marxists.org 
  100. Fred Harrison. «"Gronlund and other Marxists – Part III: nineteenth-century Americas critics", American Journal of Economics and Sociology». findarticles.com 
  101. George, Henry. «A Response to Richard Ely On the Question of Compensation to Owners of Land». Cópia arquivada em 29 de maio de 2014 
  102. Commons, John R. "The Distribution of Wealth", 1893 https://books.google.com/books?id=dhVEAAAAIAAJ
  103. Commons, John R (1922). «A Progressive Tax on Bare Land Values». Political Science Quarterly. 37 (2): 41–68. JSTOR 2142317. doi:10.2307/2142317 
  104. Blaug, Mark. Entrevista em Andelson, Robert V. (1979). Critics of Henry George: An Appraisal of Their Strictures on Progress and Poverty. Blackwell Publishing. p. 686.
  105. a b Foldvery, Fred E. (2005). «Geo-Rent: A Plea to Public Economists» (PDF). Econ Watch. 2 (1): 106–32 
  106. Andelson, ed. (21 de novembro de 2003). Critics of Henry George: An Appraisal of Their Strictures on Progress and Poverty, Vol. 1. Wiley-Blackwell. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1405118255 
  107. Hudson, Michael (1994). A Philosophy for a Fair Society. [S.l.: s.n.] ISBN 9780856831591 
  108. https://psmag.com/news/this-land-is-your-land-3392 "urban economics models actually do suggest that Georgist taxation would be the right approach at least to finance city growth."
  109. Mason Gaffney (13 de março de 2009). «The hidden taxable capacity of land: enough and to spare». International Journal of Social Economics. 36 (4): 328–411. doi:10.1108/03068290910947930 
  110. Foldvery, Fred. «The Ultimate Tax Reform: Public Revenue from Land Rent» (PDF) 
  111. Steven, Cord. «How Much Revenue would a Full Land Value Tax Yield? Analysis of Census and Federal Reserve Data». American Journal of Economics and Sociology. 44 (3): 279–293 
  112. Cord, Steven (julho/agosto de 1991). "Land Rent is 20% of U.S. National Income for 1986". Incentive Taxation. p. 1–2.
  113. Miles, Mike (1990). «What Is the Value of all U.S. Real Estate?». Real Estate Review. 20 (2): 69–75 
  114. Tideman, Nicolaus; Plassman, Florenz Plassman (1988). "Taxed Out of Work and Wealth: The Costs of Taxing Labor and Capital". In The Losses of Nations: Deadweight Politics versus Public Rent Dividends, Londres: Othila Press. 146–174.
  115. Fitzgerald, Karl. «Total Resource Rents of Australia» 
  116. Rothbard, Murray (1962). Man, Economy, and State: A Treatise on Economic Principles. Van Nostrand. [S.l.: s.n.] 
  117. Heinrich, David J (24 de fevereiro de 2004). «Murray Rothbard and Henry George». www.mises.org 
  118. Andelson, Robert V. (janeiro de 2000). «On Separating the Landowner's Earned and Unearned Increment: A Georgist Rejoinder to F. A. Hayek». American Journal of Economics and Sociology. 59 (1): 109–17. doi:10.1111/1536-7150.00016  Hayek escreveu, "It was a lay enthusiasm for Henry George which led me to economics."
  119. Brown, H. G. "A Defense of the Single Tax Principle." The Annals of the American Academy of Political and Social Science 183.1 (1936): 63–69. Quote: "The truth is that I recognize the fundamental justice and common sense of the single-tax idea. But that any other tax than a tax on land values is always and everywhere wrong, regardless of public needs or the nature of this other tax, I do not maintain."
  120. Harter, Lafayette G. John R. Commons, His Assault on Laissez-faire. Corvallis: Oregon State UP, 1962. pp. 21, 32, 36, 38.
  121. "Two Centuries of Economic Thought on Taxation of Land Rents." In Richard Lindholm and Arthur Lynn, Jr., (eds.), Land Value Taxation in Thought and Practice. Madison: Univ. of Wisconsin Press, 1982, pp. 151–96.
  122. Brue, Stanley; Randy, Grant (2012). The Evolution of Economic Thought Supplemental Biography of John Rogers Commons for chapter 19 of the online edition of The Evolution of Economic Thought ed. [S.l.]: Cengage Learning  "After reading Henry George's Progress and Poverty," Commons "became a single-taxer."
  123. Crotty, Raymond D. (1988). A Radical's Response. [S.l.]: Poolbeg. ISBN 9780905169989. Consultado em 29 August 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  124. Sheppard, Barry (24 de agosto de 2014). «'Progress and Poverty' – Henry George and Land Reform in modern Ireland». The Irish Story. Consultado em 29 August 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  125. Daly, Herman. «Smart Talk: Herman Daly on what's beyond GNP Growth». Henry George School of Social Science. Consultado em 24 October 2015. . . . I am really sort of a Georgist.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  126. Gaffney, Mason. «Stimulus: The False and the True Mason Gaffney». Consultado em 13 August 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  127. Douglas, Paul (1972). In the fullness of time; the memoirs of Paul H. Douglas. New York: Harcourt Brace Jovanovich. ISBN 978-0151443765 
  128. Edenhofer, Ottmar (2013). «Hypergeorgism: When is Rent Taxation as a Remedy for Insufficient Capital Accumulation Socially Optimal?». SSRN 2232659 . Extending and modifying the tenet of georgism, we propose that this insight be called hypergeorgism." "From a historical perspective, our result may be closer to Henry George’s original thinking than georgism or the neoclassical Henry George Theorems. 
  129. Edenhofer, Ottmar (25 de junho de 2013). «Financing Public Capital Through Land Rent Taxation: A Macroeconomic Henry George Theorem». SSRN 2284745  
  130. Edenhofer, Ottmar. «The Triple Dividend Climate Change Mitigation, Justice and Investing in Capabilities» (PDF). Consultado em 11 November 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  131. «Foldvary policy reforms». www.foldvary.net. Consultado em 9 October 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  132. Collected Works of Milton Friedman, Hoover Institution. «Is Tax Reform Possible? (February 06, 1978)». Hoover Institution. Consultado em 30 November 2019  Verifique data em: |acessodata= (ajuda) Excerto: "Prof. Friedman:... In my opinion, and this may come as a shock to some of you, the least bad tax is the property tax on the unimproved value of land, the Henry George argument of many, many years ago. "
  133. «Mason Gaffney's Website». masongaffney.org. Consultado em 9 October 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  134. Gaffney, Mason. «Henry George 100 Years Later: The Great Reconciler» (PDF). Consultado em 27 January 2014. Cópia arquivada (PDF) em 3 March 2012  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  135. Airlie Worrall, The New Crusade: the Origins, Activities and Influence of the Australian Single Tax Leagues, 1889–1895 (M.A. thesis, University of Melbourne, 1978).
  136. Turgeon, Lynn. Bastard Keynesianism : the evolution of economic thinking and policymaking since World War II. Westport, Conn: Praeger, 1997
  137. Gaffney, Mason. "Warm Memories of Bill Vickrey". Land & Liberty. http://www.cooperative-individualism.org/gaffney-mason_warm-memories-of-bill-vickrey-1997.htm Arquivado em 2016-11-16 no Wayback Machine.
  138. Gaffney, Mason, and Fred Harrison. The corruption of economics. London: Shepheard-Walwyn in association with Centre for Incentive Taxation, 2006
  139. Hotelling, Harold. “The General Welfare in Relation to Problems of Taxation and of Railway and Utility Rates.” Econometrica, vol. 6, no. 3, 1938, pp. 242–69. https://www.jstor.org/stable/1907054.
  140. Andelson Robert V. (2000). Land-Value Taxation Around the World: Studies in Economic Reform and Social Justice Malden. MA:Blackwell Publishers, Inc. p. 359.
  141. Knack, Ruth Eckdish. «Pay As You Park: UCLA professor Donald Shoup inspires a passion for parking.» (May 2005). Planning Magazine. Consultado em 17 September 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  142. Shoup, Donald C. "The Ideal Source of Local Public Revenue." Regional Science and Urban Economics 34.6 (2004): 753-84.
  143. Washington, Emily (7 de agosto de 2012). «The High Cost of Free Parking Chapters 19–22». marketurbanism.com. Market Urbanism. Consultado em 17 September 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  144. Quotes from Nobel Prize Winners Herbert Simon afirmou em 1978: "Assuming that a tax increase is necessary, it is clearly preferable to impose the additional cost on land by increasing the land tax, rather than to increase the wage tax – the two alternatives open to the City (of Pittsburgh). It is the use and occupancy of property that creates the need for the municipal services that appear as the largest item in the budget – fire and police protection, waste removal, and public works. The average increase in tax bills of city residents will be about twice as great with wage tax increase than with a land tax increase."
  145. Stiglitz, Joseph (2 December 2010). «Working Paper No. 6: Principles and Guidelines for Deficit Reduction» (PDF). Next New Deal The Blog of the Roosevelt Institute. The Roosevelt Institute. p. 5. Consultado em 22 February 2017. Cópia arquivada (PDF) em 6 December 2010. One of the general principles of taxation is that one should tax factors that are inelastic in supply, since there are no adverse supply side effects. Land does not disappear when it is taxed. Henry George, a great progressive of the late nineteenth century, argued, partly on this basis, for a land tax.  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  146. Tideman, Nicolaus. «Global Economic Justice». Schalkenbach Foundation. Consultado em 8 October 2013. Cópia arquivada em June 29, 2013  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  147. «Bill Vickrey: "This paper would benefit from an application of Henry George's idea of taxing land values!"». www.wealthandwant.com. Consultado em 9 October 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  148. Netzer, Dick (November 1996). «Remembering William Vickrey». Land Lines. 8 (6). Consultado em 2 September 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  149. Vickrey, William. "The Corporate Income Tax in the U.S. Tax System, 73 TAX NOTES 597, 603 (1996). Quote: "Removing almost all business taxes, including property taxes on improvements, excepting only taxes reflecting the marginal social cost of public services rendered to specific activities, and replacing them with taxes on site values, would substantially improve the economic efficiency of the jurisdiction."
  150. Cirillo, Renato (Jan 1984). «Léon Walras and Social Justice». The American Journal of Economics and Sociology. 43 (1): 53–60. JSTOR 3486394. doi:10.1111/j.1536-7150.1984.tb02222.x 
  151. Barker, Charles A., 1955. Henry George. New York: Oxford University Press
  152. Boast, Richard (2008). Buying the land, selling the land : governments and Maori land in the North Island 1865–1921. Wellington N.Z: Victoria University Press, Victoria University of Wellington. ISBN 9780864735614 
  153. Daunton, M. J. State and market in Victorian Britain : war, welfare and capitalism. Woodbridge, UK Rochester, NY: Boydell Press, 2008. Quote: "In the election of 1890 he campaigned for radical land reform, arguing for a tax on the 'unearned increment', and advocated the programme of Henry George as a means of 'bursting up the great estates'."
  154. "Winston S. Churchill / The Mother of all Monopolies -- 1909".
  155. MacLaren, Andrew (Autumn 2001). «The People's Rights: Opportunity Lost?». Finest Hour. 112. Consultado em 15 August 2015  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  156. Dugan, Ianthe Jeanne (March 17, 2013). «It's a Lonely Quest for Land-Tax Fans, But, by George, They Press On». Wall Street Journal. Consultado em 25 August 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  157. Stevens, Elizabeth Lesly. "A Tax Policy With San Francisco Roots". July 30, 2011 https://www.nytimes.com/2011/07/31/us/31bcstevens.html Quote: "But Mr. Brown was certainly in good company as a Georgist. Devotees over the years have included Leo Tolstoy, Winston Churchill, Sun Yat-Sen, and the inventor of the board game that would become Monopoly."
  158. Murdoch, Walter. Alfred Deakin: a sketch. Melbourne, Vic: Bookman, 1999. [1923]
  159. Bastian, Peter (2009). Andrew Fisher: An Underestimated Man. Sydney, N.S.W: UNSW Press. pp. 28–30. ISBN 978-1742230047 
  160. [George, Henry, Jr. The Life of Henry George. New York: Doubleday & McClure, 1900.]
  161. Hayes, Rutherford B. «Henry George». Consultado em 26 November 2013. Cópia arquivada em 3 December 2013  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  162. "Hughes, William Morris (Billy) (1862–1952)". Australian Dictionary of Biography: Online Edition.
  163. Stout, Robert (14 April 1885). «ADDRESS BY THE HON. R. STOUT.» (Volume XXII, Issue 7302). PAPERPAST. New Zealand Herald. Consultado em 6 December 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  164. Trescott, Paul B. (2007). Jingji Xue: The History of the Introduction of Western Economic Ideas Into China, 1850–1950. [S.l.]: Chinese University Press. pp. 46–48. ISBN 9789629962425. The foregoing help to demonstrate why Sun Yat-sen would have regarded Henry George as a very credible guide, and why in 1912 Sun could tell an interviewer, 'The teachings of your single-taxer, Henry George, will be the basis of our program of reform.' 
  165. Post, Louis Freeland (April 12, 1912). «Sun Yat Sen's Economic Program for China». The Public. 15: 349. Consultado em 8 November 2016. land tax as the only means of supporting the government is an infinitely just, reasonable, and equitably distributed tax, and on it we will found our new system  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  166. Altgeld, John (1899). Live Questions (PDF). [S.l.]: Geo. S Bowen & Son. pp. 776–81. Cópia arquivada (PDF) em 24 de setembro de 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda)
  167. Chicago Single Tax Club collection, Special Collections and University Archives, University of Illinois at Chicago http://findingaids.library.uic.edu/ead/rjd1/ChiSingleTaxf.html
  168. a b c Gaffney, Mason. «Henry George 100 Years Later: The Great Reconciler». Robert Schalkenbach Foundation. Consultado em 3 September 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  169. Finegold, Kenneth (1995). Experts and politicians: reform challenges to machine politics in New York, Cleveland, and Chicago. Princeton, N.J: Princeton University Press. ISBN 978-0691037349 
  170. Stevens, Elizabeth Lesly (July–August 2012). «The Power Broker». Washington Monthly. July/August 2012. Consultado em 8 December 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  171. Cameron, Clyde. «REVENUE THAT IS NOT A TAX». Consultado em 18 February 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  172. «Single Tax Loses, But Mayor Favoring This Reform Is Chosen By a Small Vote Margin». The Milwaukee Journal. Mar 6, 1912. Consultado em 23 August 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  173. Arnesen, Eric. Encyclopedia of U.S. Labor and Working-class History. New York: Routledge, 2007
  174. Johnston, Robert D. The Radical Middle Class: Populist Democracy and the Question of Capitalism in Progressive Era Portland, Oregon. Princeton, N.J: Princeton University Press, 2003
  175. Gaynor, William Jay. Some of Mayor Gaynor's Letters and Speeches. New York: Greaves Pub., 1913. 214–21. https://books.google.com/books?id=-7kMAAAAYAAJ&pg=PA219#v=onepage
  176. «Socialism in England: James Keir Hardie Declares That It Is Capturing That Country.». California Digital Newspaper Collection. San Francisco Call. 25 September 1895. Consultado em 4 November 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda) Hardie states, "I was a very enthusiastic single-taxer for a number of years."
  177. Howe, Frederic C. The Confessions of a Reformer. Kent, OH: Kent State UP, 1988.
  178. Arcas Cubero, Fernando: El movimiento georgista y los orígenes del Andalucismo : análisis del periódico "El impuesto único" (1911–1923). Málaga : Editorial Confederación Española de Cajas de Ahorros, 1980. ISBN 84-500-3784-0
  179. "Single Taxers Dine Johnson". New York Times May 31, 1910.
  180. "Henry George". Ohio History Central: An Online History of Ohio History.
  181. «Frank de Jong: Economic Rent Best Way to Finance Government». Consultado em 9 November 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  182. Gaffney, Mason. «What's the matter with Michigan? Rise and collapse of an economic wonder» (PDF). Consultado em 28 April 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  183. Cleveland, Polly. «The Way Forward for Detroit? Land Taxes». Washington Spectator. Consultado em 28 April 2014. Cópia arquivada em 28 April 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  184. Gaffney, Mason. «New Life in Old Cities» (PDF). UC Riverside. Consultado em 28 April 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  185. Bryson, Phillip (2011). The economics of Henry George : history's rehabilitation of America's greatest early economist. New York: Palgrave Macmillan. p. 145  Verifique o valor de |url-access=limited (ajuda)
  186. Moore, Robert (1974). Pit-men, preachers & politics the effects of Methodism in a Durham mining community. Cambridge: Cambridge University Press. p. 61  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  187. Barton, Stephen E. (2016). «Berkeley Mayor J. Stitt Wilson: Christian Socialist, Georgist, Feminist». American Journal of Economics and Sociology. 75 (1): 193–216. ISSN 0002-9246. doi:10.1111/ajes.12132. hdl:10.1111/ajes.12132   Parâmetro desconhecido |hdl-access= ignorado (ajuda)
  188. "Some Suggestions for Reform of Taxation", Proceedings, 14th Annual Convention, League of California Municipalities, Santa Barbara, California, October 25, 1911, pp. 152–71. J. Stitt Wilson, "Report from California", The Single Tax Review, V.17, No.1, January–February 1917, pp. 50–52
  189. a b Stewart, John, 1931- (2001). Standing for justice : a biography of Andrew MacLaren, MP. London: Shepheard-Walwyn. ISBN 0856831948. OCLC 49362105 
  190. Baron, Ian (September 1986). «Nkomo Debt to George in Banned Talk» (PDF). Land & liberty. London: HGFUK. Consultado em 30 de julho de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)
  191. Martín Rodríguez, Manuel (2000). «La Liga Española para el Impuesto Único y la Hacienda Municipal de Sevilla en 1914» (PDF). Revista de Estudios Regionales (56). 245 páginas. ISSN 0213-7585 
  192. Jones, Carolyn C. (Spring 1997). «Taxing Women: Thoughts on a Gendered Economy: Symposium: A Historical Outlook: Taxes and Peace" A Case Study of Taxing Women». Southern California Review of Law and Women's Studies Southern California Review of Law and Women's Studies. Consultado em 5 December 2014. Cópia arquivada em 8 December 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  193. a b Rothbard, Murray (2007). Left and Right: A Journal of Libertarian Thought (Complete, 1965–1968). [S.l.]: Ludwig von Mises Institute. p. 263. ISBN 9781610160407. Consultado em 5 December 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  194. Chris Oestereich. "With Liberty and Dividends for All: An Interview with Peter Barnes"; https://medium.com/@costrike/with-liberty-and-dividends-for-all-an-interview-with-peter-barnes-2d3cbd95028c
  195. Beth Shalom Hessel. "Field, Sara Bard"; http://www.anb.org/articles/15/15-00220.html; American National Biography Online April 2014. Access Date: Mar 22 2015
  196. Lane, Fintan. The Origins of Modern Irish Socialism, 1881–1896.Cork University Press, 1997 (pp. 79, 81).
  197. Miller, Joseph Dana (1921). «Mr. Samuel Gompers Replies to Our Criticism». The Single Tax Review. 21–22: 42. Consultado em 31 August 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  198. Gompers, Samuel (1986). The Samuel Gompers Papers: The making of a union leader, 1850–86, Volume 1. [S.l.]: University of Illinois Press. pp. 431–32. ISBN 9780252011375. Consultado em 31 August 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  199. Leubuscher, F. C. (1939). Bolton Hall Arquivado em dezembro 14, 2010[Erro data trocada], no Wayback Machine.. The Freeman. January issue.
  200. Miller, Joseph Dana (1921). The Single Tax Review, Volumes 21–22. [S.l.: s.n.] p. 178. Consultado em 16 December 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  201. Land and Freedom, Volumes 22–23. [S.l.: s.n.] 1922. p. 179. Consultado em 16 December 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  202. «The Land Question Quotations from Historical and Contemporary Sources». Consultado em 5 December 2014. Cópia arquivada em 1 November 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda) Holmes disse, "The passing years have only added to my conviction that Henry George is one of the greatest of all modern statesmen and prophets."
  203. Eckert, Charles R. «Henry George, Sound Economics and the "New Deal"». Consultado em 5 December 2014. Cópia arquivada em 4 June 2016  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  204. Thompson, Noel. Political economy and the Labour Party: The economics of démocratic socialism (1884–2005). Routlegde Ed., 2006, pp. 54–55.
  205. Haggard, Robert (2001). The persistence of Victorian liberalism : the politics of social reform in Britain, 1870–1900. Westport, Conn: Greenwood Press. ISBN 978-0313313059 
  206. Orr, B. S. (2006–2007). Mary Elizabeth Lease: Gendered discourse and Populist Party politics in Gilded Age America. Kansas History: A Journal of the Central Plains, 29, 246–265.
  207. Caves, Roger W. Encyclopedia of the City. Abingdon, Oxon, OX: Routledge, 2005.
  208. Marsh, Benjamin Clarke. Lobbyist for the People; a Record of Fifty Years. Washington: Public Affairs, 1953.
  209. «Single-Taxers again laud Henry George» (PDF). Daily Standard Union. Brooklyn, NY. Sep 8, 1912. p. 12. Consultado em Nov 7, 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  210. Jorgensen, Emil Oliver. The next Step toward Real Democracy: One Hundred Reasons Why America Should Abolish, as Speedily as Possible, All Taxation upon the Fruits of Industry, and Raise the Public Revenue by a Single Tax on Land Values Only. Chicago, IL: Chicago Singletax Club, 1920.
  211. a b Gorgas, William Crawford, and Lewis Jerome Johnson. Two Papers on Public Sanitation and the Single Tax. New York: Single Tax Information Bureau, 1914. https://books.google.com/books?id=v3NHAAAAYAAJ
  212. a b Ware, Louise. George Foster Peabody, Banker, Philanthropist, Publicist. Athens: U of Georgia, 1951. http://dlg.galileo.usg.edu/ugapressbks/pdfs/ugp9780820334561.pdf
  213. Young, Arthur Nichols (1916). Single tax Movement in the United States. S.l: Hardpress Ltd 
  214. Thompson, John (1987). Reformers and war : American progressive publicists and the First World War. Cambridge Cambridgeshire New York: Cambridge University Press  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  215. Powderly, Terence Vincent (1889). Thirty Years of Labor. 1859–1889. [S.l.]: Excelsior publishing house. Consultado em 8 December 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda) "It would be far easier to levy a "single tax," basing it upon land values." "It is because […] a single land tax would prove to be the very essence of equity, that l advocate it.
  216. Mitgang, Herbert (1996). The Man Who Rode the Tiger: The Life and Times of Judge Samuel Seabury. [S.l.]: Fordham Univ Press. ISBN 9780823217229 
  217. Magarey, Susan (1985). Unbridling the tongues of women : a biography of Catherine Helen Spence. Sydney, NSW: Hale & Iremonger. ISBN 978-0868061498 
  218. Wenzer, Kenneth (1997). An Anthology of Henry George's Thought (Volume 1). [S.l.]: University Rochester Press. pp. 87, 243. ISBN 9781878822819 
  219. «Oregon Biographies: William S. U'Ren». Oregon History Project. Portland, Oregon: Oregon Historical Society. 2002. Consultado em 29 de dezembro de 2006. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2006 
  220. Candeloro, Dominic (April 1979). «The Single Tax Movement and Progressivism, 1880–1920». American Journal of Economics and Sociology. 38 (2): 113–27. doi:10.1111/j.1536-7150.1979.tb02869.x. Consultado em 16 July 2015. Cópia arquivada em 17 July 2015  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  221. «The Inquisitive Voter». The Great Adventure. 4 (35). September 11, 1920. The proposition of Henry George will do more to lift humanity from the slough of poverty, crime, and misery than all else.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  222. Eisenstein, Charles. «Post-Capitalism». Consultado em 5 October 2014. Cópia arquivada em 6 October 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  223. a b c «The Funeral Procession» (PDF). New York Times. November 1, 1897. Consultado em 17 November 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  224. Newlin, Keith (2008). Hamlin Garland a life. Lincoln: University of Nebraska Press. pp. 102–27. ISBN 978-0803233478  Verifique o valor de |url-access=limited (ajuda)
  225. https://www.youtube.com/watch?v=vviBboUXhuA Fred Harrison speaks at ALTER Spring Conference 2014
  226. Aller, Pat. «The Georgist Philosophy in Culture and History». Consultado em 2 October 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  227. Steuer, Max (June 2000). «REVIEW ARTICLE A hundred years of town planning and the influence of Ebenezer Howard». The British Journal of Sociology. 51 (2): 377–86. PMID 10905006. doi:10.1111/j.1468-4446.2000.00377.x  Verifique data em: |data= (ajuda)
  228. Meacham, Standish (1999). Regaining Paradise: Englishness and the Early Garden City Movement. [S.l.]: Yale University Press. pp. 50–53. ISBN 978-0300075724. Consultado em 5 August 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  229. Purdom, Charles Benjamin (1963). The Letchworth Achievement. [S.l.: s.n.] p. 1. Consultado em 5 August 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  230. Hubard, Elbert (1907). Little Journeys to the Homes of Great Reformers. East Aurora, New York: The Roycrofters. Consultado em 6 July 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  231. Harrison, F. (May–June 1989). "Aldous Huxley on 'the Land Question' Arquivado em 2014-12-13 no Wayback Machine.". Land & Liberty. "Huxley redeems himself when he concedes that, if he were to rewrite the book, he would offer a third option, one which he characterised as 'the possibility of sanity.' In a few bold strokes he outlines the elements of this model: 'In this community economics would be decentralist and Henry Georgian, politics Kropotkinesque and co-operative.'"
  232. Kunstler, James Howard (1998). «Chapter 7». Home from Nowhere: Remaking Our Everyday World For the 21st Century. [S.l.]: Simon and Schuster. ISBN 9780684837376 
  233. Mace, Elisabeth. «The economic thinking of Jose Marti: Legacy foundation for the integration of America». Consultado em 5 August 2015. Cópia arquivada em 8 September 2015  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  234. Hudson, Michael. «Speech to the Communist Party of Cuba». Consultado em 5 August 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  235. Lora, Ronald; Longton, William Henry, eds. (1999). The Conservative Press in Twentieth-century America. Greenwood Publishing, Inc. p. 310. "Thus, the Freeman was to speak for the great tradition of classical liberalism, which [Albert Jay Nock and Francis Nielson] were afraid was being lost, and for the economics of Henry George, which both men shared."
  236. Norris, Kathleen. «The Errors of Marxism». Consultado em 21 November 2013. Cópia arquivada em 13 December 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  237. Sinclair, Upton. «The Consequences of Land Speculation are Tenantry and Debt on the Farms, and Slums and Luxury in the Cities». Consultado em 3 November 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)Sinclair foi um georgista ativo, mas acabou desistindo de defender explicitamente a reforma porque, "Our opponents, the great rich bankers and land speculators of California, persuaded the poor man that we were going to put all taxes on this poor man's lot."
  238. Gaffney, Mason. «Excerpts from The Corruption of Economics». Consultado em 3 November 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  239. George Bernard Shaw, his life and works. [S.l.]: Stewart & Kidd Company. 1911 
  240. A Great Iniquity.. Liev Tolstói uma vez disse sobre George, "As pessoas não discutem com o ensino de George, elas simplesmente não sabem dela".
  241. Lebrun, Victor. «Leo Tolstoy and Henry George». Consultado em 9 September 2014. Cópia arquivada em 11 September 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  242. Starr, Kevin (1997). The dream endures : California enters the 1940s. New York: Oxford University Press. ISBN 978-0195157970  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda) Wood tinha "fortes tendências em direção à teoria de imposto único de Henry George".
  243. Barnes, Tim. «C.E.S. Wood (1852–1944)». The Oregon Encyclipedia. Consultado em 14 December 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  244. Buckley, William F. Jr. «FIRING LINE: Has New York Let Us Down?» (PDF). PBS, Robert Schalkenbach Foundation. Consultado em 6 November 2014. Cópia arquivada (PDF) em 24 de setembro de 2015  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda) Buckley disse, "The location problem is, of course, easily solved by any Georgist, and I am one."
  245. Perry, Jeffrey (2009). Hubert Harrison the voice of Harlem radicalism, 1883–1918. New York: Columbia University Press. ISBN 978-0231139113 
  246. a b Sklar, Dusty. «Henry George and Zionism». Consultado em 28 October 2014. Cópia arquivada em 28 October 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  247. Kinsley, Michael (Jun 13, 2012). «Inequality: It's Even Worse Than We Thought». Bloomberg. BloombergView. Consultado em 31 October 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  248. Kinsley, Michael. «The Capital-Gains Tax: A Tragedy in Two Acts» (Dec 19, 2012). Consultado em 31 October 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)Kinsley reitera que George é seu economista favorito e que os impostos de terra são a melhor fonte de receita.
  249. «The Land Question Quotations from Historical and Contemporary Sources». Consultado em 31 October 2014. Cópia arquivada em 1 November 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)Em The New Republic (12 de fevereiro de 1992) Kinsley advoga pela remoção de todos os impostos e, ao invés, por se coletar a renda da terra.
  250. Chamberlain, John (1965). Farewell To Reform. [S.l.]: Quadrangle Books. pp. 47–48 
  251. Bernstein, David (May 2003). «Lochner's Feminist Legacy». Michigan Law Review. 101 (6): 1960–1986. JSTOR 3595339. doi:10.2307/3595339  Verifique data em: |data= (ajuda)
  252. Matthews, Dylan (January 7, 2014). «Five conservative reforms millennials should be fighting for». The Washington Post. Wonkblog. Consultado em 26 August 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  253. Dylan Matthews [@dylanmatt] (20 December 2013). «@Bencjacobs @mattyglesias I think we've both been Georgists for a while now, though @AshokRao95 led me to revisit this stuff» (Tweet) – via Twitter  Verifique data em: |data= (ajuda) A conta verificada de afirma, "I think we've both been Georgists for a while now."
  254. Lawson, R (2006). A commonwealth of hope : the New Deal response to crisis. Baltimore: Johns Hopkins University Press. ISBN 978-0801884061 
  255. Mowry, George (1958). The era of Theodore Roosevelt and the birth of modern America, 1900–1912. New York: Harper & Row. ISBN 978-0061330223. I conceded the voice of ultimate wisdom and saw in Henry George the apostle of a new gospel.  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  256. Riis, Jacob A. "The Unemployed: a Problem". (In Peters, John P., Labor and Capital, a chapter on "Socialism and the Single Tax", pp. 425-431. New York, 1902. 12°. Questions of the day, no. 98.)
  257. Burrows, Edwin (1999). Gotham : a history of New York City to 1898. New York: Oxford University Press. p. 1183. ISBN 978-0195140491  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  258. Salam, Reihan (July 15, 2010). «On Property Taxes». Consultado em 19 March 2015  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  259. Traubel, Horace (1896). «Progress and Poverty». The Conservator. 7–9: 252–53. Consultado em 13 December 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  260. Martin Wolf (8 de julho de 2010). «Why we must halt the land cycle». The Financial Times. Consultado em 2 de outubro de 2013 
  261. Merryn Somerset Webb (27 de setembro de 2013). «How a levy based on location values could be the perfect tax». The Financial Times. Consultado em 2 de outubro de 2013 
  262. ©ommons $ense 🔰 [@iddqkfa] (19 May 2014). «Closet georgist, @MerrynSW, on an entertaining BBC program "Simon Evans Goes to Market", about investing in land #LVT» (Tweet) – via Twitter  Verifique data em: |data= (ajuda)
  263. Smith, Charles Joseph (January–February 1941). «Forty Years of the Struggle for Freedom». Land and Freedom. XLI (1). Consultado em 30 October 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  264. Filler, Louis (1993). The muckrakers. Stanford, Calif: Stanford University Press 
  265. Miller, Joseph Dana (ed.), 1917. Single Tax Year Book. NY: Single Tax Review Publishing Company
  266. Worstall, Tim (22 de dezembro de 2012). «What Michael Kinsley Gets Wrong About Taxation». Forbes. Consultado em 23 August 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  267. Matthew, Yglesias (23 de outubro de 2013). «My Five-Point Plan for Fixing Everything». Slate. Consultado em 7 November 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  268. «Archived copy». Consultado em 23 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 5 de maio de 2014. WSJ story on Georgism fails to note that it's clearly correct.  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda)
  269. Wineapple, Brenda. Sister Brother: Gertrude and Leo Stein. Lincoln: U of Nebraska, 2008.
  270. a b Mills, Allen. "Single Tax, Socialism and the Independent Labour Party of Manitoba: The Political Ideas of F.J. Dixon and S.J. Farmer." Labour / Le Travail 5 (1980): 33–56. JSTOR. Weborn 04 Dec. 2014. <https://www.jstor.org/stable/10.2307/25139947?ref=no-x-route:ace15c2e1d6b230b7bafc46e82f39f89>
  271. Smith, Carl (2008). Urban Disorder and the Shape of Belief: The Great Chicago Fire, the Haymarket Bomb, and the Model Town of Pullman, Second Edition. [S.l.]: University of Chicago Press. p. 359. ISBN 9780226764252 
  272. Muse return with new album The Resistance "Sure, he has already launched into a passionate soliloquy about Geoism (the land-tax movement inspired by the 19th-century political economist Henry George)".
  273. Caldwell, John (1994). American paintings in the Metropolitan Museum of Art. New York: The Museum in association with Princeton University Press. ISBN 978-0691037950 
  274. Co-founder of the Henry George Club, Australia.
  275. Williams, Karl. «Walter Burley Griffin». Consultado em 1 October 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  276. «Henry George, our hero in the battle for the right (Songs of the Hutchinsons)». Consultado em 17 November 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  277. «George Inness (1825–1894)». The Metropolitan Museum of Art. Consultado em 27 August 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  278. Schor, Esther (2006). Emma Lazarus. [S.l.]: Random House. ISBN 9780805242751  Autora de "The New Colossus", sobre a Estátua da Liberdade, e do poema "Progress and Poverty", nomeado pelo livro de George, do qual ela disse, "The life and thought of no one capable of understanding it can be quite the same after reading it."
  279. Peseroff, Joyce (March–April 2007). «Emma Lazarus». Tikkun. 22 (2). Consultado em 20 December 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda) Lazarus "supported Henry George's single tax".
  280. Schwartzman, Jack. «A Remembrance of Anna George de Mille and Agnes de Mille». Consultado em 17 November 2013. Cópia arquivada em 24 December 2013  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  281. Eyman, Scott (2010). Empire of Dreams: The Epic Life of Cecil B. DeMille. [S.l.]: Simon and Schuster. pp. 29, 47. ISBN 9781439180419 
  282. Easton, Carol (1996). No Intermissions The Life of Agnes de Mille. [S.l.]: Da Capo Press 
  283. Louvish, Simon (2008). Cecil B. DeMille: A Life in Art. [S.l.]: Macmillan. pp. 40, 249. ISBN 9780312377335 
  284. Eyman, Scott (2010). Empire of Dreams: The Epic Life of Cecil B. DeMille. [S.l.]: Simon and Schuster. p. 314. ISBN 9781439180419 
  285. "Henry George, The Scholar" Arquivado em 2013-10-04 no Wayback Machine. – A Commencement Address Delivered by Francis Neilson at the Henry George School of Social Science, June 3, 1940.
  286. Neilson, Francis (September 1939). «Albert Jay Nock on Henry George – Truth Sets Men Free». The Freeman. Consultado em 1 October 2013. Cópia arquivada em 4 October 2013  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  287. «Happy Birthday, Eddie Palmieri! Alt.Latino Helps El Maestro Blow Out 81 Candles». WMOT. Consultado em 12 January 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  288. McQueen, Humphrey. A New Britannia. St. Lucia, Qld.: U of Queensland, 2004.
  289. Mills, Benjamin Fay (1911). «Louis Prang, Popularizer of Art». Vocations, Vocational Guidance, Hall & Locke Company. 10: 254. Consultado em 13 December 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  290. Taylor, Mark (2010). Arden. [S.l.]: Arcadia Publishing. p. 8. ISBN 9780738585598 
  291. Shields, Jerry. «Forgotten Writings of Arden's Frank Stephens». Collecting Delaware Books 
  292. «Frank Lloyd Wright on Henry George's Remedy». Wealthandwant.com. Consultado em 26 de julho de 2012 
  293. Carlson, Allan. The New Agrarian Mind: The Movement Toward Decentralist Thought in Twentieth-Century America Transaction Publishers, 2004 (p. 51).
  294. Silagi, M.; Faulkner, S. (1993). «Henry George and Europe: Early Efforts to Organize Germany's Land Reformers Failed, but the Pioneers Won a National Demonstration». The American Journal of Economics and Sociology. 52 (1): 119–27. JSTOR 3487644. doi:10.1111/j.1536-7150.1993.tb02753.x. The meeting was chaired by the materialist philosopher Ludwig Biichner. He was an admirer of Henry George and had been won over to the [land reform] movement by Fliirscheim. 
  295. Buttenheim, Harold S. (March 1934). «The Relation of Housing to Taxation». Law and Contemporary Problems. 1, No. 2 (Low-Cost Housing and Slum Clearance: A Symposium): 198–205. JSTOR 1189565. doi:10.2307/1189565  Verifique data em: |data= (ajuda)
  296. Butler, Nicholas. «Progress and Poverty» (PDF). Commencement Speech, Columbia University (1931). Consultado em 23 October 2013. Cópia arquivada (PDF) em 13 December 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  297. «Frank Chodorov». Consultado em 30 November 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  298. «Frank Chodorov». Consultado em 30 November 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  299. Daly, Herman (1994). For the Common Good: Redirecting the Economy Toward Community, the Environment, and a Sustainable Future. [S.l.]: Beacon Press. pp. 258–59, 328–29. ISBN 9780807047057 
  300. «John Dewey: An Appreciation of Henry George». www.wealthandwant.com. Consultado em 9 October 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  301. Onken, Werner. "The Political Economy of Silvio Gesell: A Century of Activism." American Journal of Economics and Sociology 59.4 (2000): 609–22. Weborn 16 Aug. 2014.
  302. «The Life of Leon MacLaren». Consultado em 25 January 2014. Cópia arquivada em 23 December 2013  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  303. «The School of Economic Science». Consultado em 25 January 2014. Cópia arquivada em 6 October 2010  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  304. Van Parijs, Philippe (1992). Introduction to Arguing for Basic Income (PDF). London: Verso. pp. 3–43 
  305. Sterba, James P. (2013). From Rationality to Equality. [S.l.]: Oxford University Press. p. 193. ISBN 9780199580767 
  306. Bertrand Russell (1992). The Basic Writings of Bertrand Russell, 1903–1959. [S.l.]: Psychology Press. p. 492. ISBN 9780415083010 
  307. Bertrand Russell (1962). Freedom versus Organization. [S.l.]: W. W. Norton & Company 
  308. «Archived copy». Consultado em 19 de abril de 2013. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda) Letter addressed to a Mr. Krumreig
  309. Vallentyne, Peter. Left-libertarianism: A Primer. In Vallentyne, Peter; Steiner, Hillel (2000). "Left-libertarianism and Its Critics: The Contemporary Debate". Houndmills, Basingstoke, Hampshire: Palgrave Publishers Ltd. "Georgist libertarians—such as eponymous George (1879, 1892), Steiner (1977, 1980, 1981, 1992, 1994), and Tideman (1991, 1997, 1998)—hold that agents may appropriate unappropriated natural resources as long as they pay for the competitive value of the rights they claim."
  310. Babson, Roger (Aug 20, 1943). «Roger Babson Sees Many Changes To Come After the War Has Ended». The Evening Independent. Consultado em 22 August 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  311. Brandeis, Louis (1971). Letters of Louis D. Brandeis: Vol. 1. [S.l.: s.n.] p. 82. ISBN 9781438422565 
  312. «101+ Famous Thinkers on Owning Earth». Consultado em 22 October 2013. Cópia arquivada em 5 January 2012  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda) Brandeis disse, "I find it very difficult to disagree with the principles of Henry George... I believe in the taxation of land values only."
  313. How to Abolish Unfair Taxation: An Address Before a Los Angeles Audience, Delivered March 1913 https://books.google.com/books/about/How_to_Abolish_Unfair_Taxation.html?id=rlOFHAAACAAJ
  314. Darrow, Clarence. «The Land Belongs To The People» (PDF). www.umn.edu. Everyman. Consultado em 3 August 2014. Cópia arquivada (PDF) em 8 August 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  315. «The Centre for Incentive Taxation». 20 (4). August 1994. Darrow replied about Georgism, "Well, you either come to it or go broke."  Verifique data em: |data= (ajuda)
  316. Two letters written in 1934 to Henry George's daughter, Anna George De Mille Arquivado em 2011-04-12 no Wayback Machine.. Em uma carta, Einstein escreve, "A divulgação dessas obras é uma causa realmente merecedora, pois nossa geração em especial tem muitas e importantes coisas a aprender com Henry George."
  317. Elazar, Daniel (February 4, 1955). «Earth Is the Lord's». Newspapers.com. The Wisconsin Jewish Chronicle. Consultado em 23 November 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  318. Wilhelm, Donald (September 5, 1942). «Henry Ford Talks About War and Your Future». Liberty Magazine. Consultado em 23 November 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda) Henry Ford disse, "[...] every American family can have a piece of land. We ought to tax all idle land the way Henry George said — tax it heavily, so that its owners would have to make it productive"
  319. MacCallum, Spencer H. (Summer–Fall 1997). «The Alternative Georgist Tradition» (PDF). Fragments. 35. Consultado em 30 October 2014. Cópia arquivada (PDF) em 30 October 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  320. Foldvary, Fred E. (April 2004). «Heath: Estranged Georgist». American Journal of Economics and Sociology. 63 (2): 411–31. doi:10.1111/j.0002-9246.2004.00295.x  Verifique data em: |data= (ajuda)
  321. «Justice for Mumia Abu-Jamal». Cópia arquivada em August 6, 2007  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  322. Kennedy, Margrit. «Money & The Land Grab». YouTube. Share the Rents. Consultado em 12 December 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  323. Lincoln, John. «Fighting For Fundamentals». Consultado em 5 December 2013. Cópia arquivada em 24 December 2013  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  324. Magie inventou The Landlord's Game, predecessor ao Monopoly
  325. Dodson, Edward J. «How Henry George's Principles Were Corrupted Into the Game Called Monopoly». Consultado em 1 October 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  326. Gaffney, Mason. «Henry George Dr. Edward McGlynn & Pope Leo XIII» (PDF). Consultado em 25 January 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  327. «Offers $250,000 For a Single Tax Campaign: Joseph Fels Pledges That Sum for Five Years Here and in England. If There Is An Equal Fund Commission of Single Taxers Formed to Raise the Fund – Roosevelt, Taft, and Hughes Said to be Friendly.». New York Times. May 8, 1909. Consultado em 30 October 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  328. Post, Louis F. (April 2002). The Prophet of San Francisco: Personal Memories & Interpretations of Henry George. [S.l.]: The Minerva Group. ISBN 9780898758337  Verifique data em: |data= (ajuda)
  329. Thomas B. Buell (1974). The Quiet Warrior. Boston: Little, Brown. ISBN 9780870215629 
  330. «American Single Taxers Invade Tiny Andorra; Fiske Warren Carries Their Gospel to the Republic Hidden for Twelve Centuries in the Pyrenees Between France and Spain». New York Times. April 16, 1916. Consultado em 9 December 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  331. Sinclair, Upton. «The Consequences of Land Speculation are Tenantry and Debt on the Farms, and Slums and Luxury in the Cities». Consultado em 29 July 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  332. Stanley, Buder (1990). Visionaries and Planners: The Garden City Movement and the Modern Community. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780195362886  Wallace descreveu Progress and Poverty como “Undoubtedly the most remarkable and important book of the present century.”
  333. Dudden, Arthur (1971). Joseph Fels and the single tax movement. [S.l.]: Temple University Press  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)