Abrir menu principal
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde setembro de 2019). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Geraldo de Arruda Castro
Nascimento 11 de março de 1933
Matão
Morte 16 de março de 2006 (73 anos)
Itanhaém
Cidadania Brasil
Ocupação pintor, escritor

Geraldo de Arruda Castro (Matão, 11 de março de 1933Itanhaém, 16 de março de 2006) foi um artista gráfico brasileiro, notadamente pintor cubista.

BiografiaEditar

Começou cursando desenho arquitetônico, mas logo destacou-se nos mercados publicitário (como diretor de arte, produtor gráfico e fotógrafo) e editorial (especialmente como ilustrador). Lecionou sobre esses temas por doze anos no Instituto Nobel de Tecnologia de São Paulo. Também foi professor por oito anos de sua própria escola de arte, a Nuclearte.

Além da capital, morou nas cidades de Osasco e Itanhaém, nunca deixando de produzir, editar ou, ao menos, colaborar de alguma forma com vários meios, impressos ou não, e movimentos culturais, tornando-se assim, figura relevante nessas comunidades, não só por sua participação ativa mas também por sua criatividade e bom humor.

Foi colunista da revista "Cidade", em Osasco, e do jornal "Repórter do Litoral", em Itanhaém, onde também fundou, produziu e editou o "Jornáutico" e o programa de rádio "A Galera do Castrinho", transmitido pela Rádio Anchieta.

Em 1995, só não fez o papel e a tinta de "Folhas Soltas", seu primeiro livro de poesias, contos, crônicas, ilustrações e etc. Em 2000 foi a vez da coletânea "Flores da Pedra", dos imortais da Academia Itanhaense de Letras, da qual era co-fundador e chegou a ser presidente (inclusive, é dele a criação do logotipo da entidade).

Como pintor, iniciou-se como autodidata em 1953. Acumulou 40 participações em exposições coletivas e individuais, onde foi premiado treze vezes (Menção Honrosa, Bronze, Prata e Ouro). Em contrapartida, foi membro de júris no Brasil, Espanha e Portugal.

Com quadros em acervos permanentes em várias cidades do Brasil, Castro também enveredou pela pintura mural em clubes e residências particulares.

O nome de Geraldo de Arruda Castro consta das publicações "Arte no Nordeste Hoje" , "Quem é Quem em Osasco" (do jornal "O Diário da Região") e "Dicionário de Artes Plásticas Brasil Júlio Louzada".

Ligações externasEditar