Gerardo de Andrade Ponte

Gerardo de Andrade Ponte
Bispo da Igreja Católica
Bispo-emérito de Patos
Atividade eclesiástica
Diocese Diocese de Patos
Nomeação 5 de dezembro de 1983
Predecessor Dom Expedito Eduardo de Oliveira
Sucessor Dom Manoel dos Reis de Farias
Mandato 1983 - 2001
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 8 de dezembro de 1948
Fortaleza
por Dom Antônio de Almeida Lustosa
Nomeação episcopal 6 de fevereiro de 1975
Ordenação episcopal 17 de agosto de 1975
Petrolina
por Dom Paulo Eduardo Andrade Ponte
Lema episcopal OMNIA PROPTER EVANGELIUM
Tudo pelo Evangelho
Brasão episcopal
BishopCoA PioM.svg
Dados pessoais
Nascimento Fortaleza
1 de dezembro de 1924
Morte Fortaleza
24 de maio de 2006 (81 anos)
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Maria Lehena de Andrade Ponte (1891-1976)
Pai: Frederico Ferreira da Ponte (1887-1964)
Funções exercidas - Bispo de Petrolina (1975-1983)
dados em catholic-hierarchy.org
Bispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom Gerardo de Andrade Ponte (Fortaleza, 1 de dezembro de 192424 de maio de 2006) foi bispo da Igreja Católica no Brasil. Esteve à frente das dioceses de Petrolina, Pernambuco, e de Patos, Paraíba.

BiografiaEditar

Nasceu em Fortaleza, Ceará, no dia 1 de dezembro de 1924. Era o décimo dos quinze filhos de Maria Lehena de Andrade Ponte (1891-1976) e de Frederico Ferreira da Ponte (1887-1964), ambos oriundos de famílias tradicionais do norte do Ceará. Recebeu seu nome de um tio paterno. Seu pai foi comerciante e industrial de sucesso, especialmente no ramo agrícola, chegando a possuir várias fazendas em diversas localidades do estado. A religião tinha grande influência na família. Seu bisavô paterno, Vicente Bezerra de Araújo (1829-1920), foi o construtor da igreja de São Vicente, em Jaibaras, Sobral. Frederico também construiu capelas em suas propriedades e foi um dos grandes colaboradores da atual matriz da paróquia de São Gerardo Majella de Fortaleza. Por parte da mãe, vários parentes seguiram a vida religiosa, como o padre José Juvêncio de Andrade (1866-1947), pároco de Crateús entre 1915 e 1942, que foi prefeito do mesmo município até ser deposto pelo Golpe de 1930. Entre seus irmãos, Paulo Eduardo Andrade Ponte também seguiu vida religiosa e chegou ao episcopado; e Luís Roberto Andrade Ponte foi deputado federal pelo Rio Grande do Sul[1].

Estudou teologia no então Seminário de Fortaleza (1945-1948). Fez também filosofia no mesmo Seminário de Fortaleza (1942-1944) e na Faculdade de Filosofia do Ceará (1970-1971). Todo o ensino médio foi sempre com os padres lazaristas do Seminário de Fortaleza (1939-1941). O seu ensino fundamental e básico também ali no velho Seminário de Fortaleza.

Foi ordenado sacerdote em 8 de dezembro de 1948 por D. Antônio de Almeida Lustosa. Logo em seguida, passou a exercer a função de vigário cooperador da Paróquia de Nossa Senhora do Patrocínio. Na sequência, foi titular das seguintes paróquias: São José de Ribamar, em Aquiraz, em 1950; Nossa Senhora de Nazaré, no bairro Montese, Fortaleza, de 1952 a 1954, Nossa Senhora do Patrocínio, em 1954. Em outubro de 1955, foi designado para ser pároco da recém-criada paróquia de Nossa Senhora de Fátima, em Fortaleza, onde permaneceu por vinte anos. Entre 1964 e 1966, foi reitor do Seminário da Prainha. Foi um dos fundadores do Colégio São Tomás de Aquino e o dirigiu até 1975[2].

Em 6 de fevereiro de 1975, foi escolhido pelo papa Paulo VI para substituir D. Antônio Campelo de Aragão à frente da Diocese de Petrolina, em Pernambuco. Sua sagração episcopal ocorreu em 17 de agosto de 1975, oficiada por seu irmão, D. Paulo Ponte, bispo de Itapipoca desde 1971, com o auxílio de D. Miguel Fenelon Câmara Filho, arcebispo-coadjutor de Maceió, e D. Manuel Edmilson da Cruz, bispo-auxiliar de Fortaleza, na Concha Acústica de Petrolina.

Foi o titular daquela diocese por sete anos, até ser resignado para preencher a vaga deixada por D. Expedito Eduardo de Oliveira na Diocese de Patos, Paraíba, em 5 de dezembro de 1983.

Como bispo, defendeu os pobres e oprimidos e criou uma rede de ação em favor da superação da fome e da seca nas duas dioceses Patos e Petrolina, através do PROPAC (Programa de Promoção e Ação Comunitária), o Centro Justiça e Paz, promoveu o Seminário, ordenando dezenas de padres. Incentivou a renovação das paróquias enquanto rede de pequenas Comunidades de Base. Atuou na Rádio Rural de Petrolina e na Rádio Espinharas de Patos com um programa diário ao meio dia. Homem de oração e leitura que doou todos os seus bens à Diocese de Patos e aos pobres. Defensor dos pobres.

Em conformidade com as diretrizes que recomendam a renúncia aos 75 anos, sua resignação ocorreu em 8 de agosto de 2001. Ainda assim, fez questão de permanecer residindo e trabalhando em Patos e, na condição de Bispo Emérito, continuou sendo responsável por boa parte do trabalho de evangelização. Entre os seus grandes atos está a construção da Igreja de Santo Expedito, no bairro das Placas, um templo majestoso de arquitetura invejável entregue a comunidade em outubro de 2004. No fim de 2005, Dom Gerardo lançou um livro intitulado “Lições e Vestígios de uma Jornada de Esperança”[3].

Em janeiro de 2006, submetido a uma operação de próstata em Patos, sofreu complicações durante o ato cirúrgico, vindo a ser acometido de um acidente vascular cerebral, o que o deixou em coma profundo, vindo a ser transferido em uma UTI no AR, para a cidade de Fortaleza, onde reside a maioria dos seus familiares. Na capital cearense, Dom Gerardo veio a ter algumas melhoras, contudo, mais tarde o quadro evoluiu para pior chegando a óbito, em 24 de maio, no Hospital Cura d'Ars. Seu corpo foi velado na matriz de Nossa Senhora de Fátima, em Fortaleza, e depois transladado para Patos e velado na catedral de Nossa Senhora da Guia, até o fim da tarde de sexta-feira, dia 26 de maio de 2006, quando foi sepultado no interior da mesma[4].

Referências

Ligações externasEditar


Precedido por
D. Antônio Campelo, S.D.B.
 
Bispo de Petrolina

6 de fevereiro de 19755 de dezembro de 1983
Sucedido por
D. Paulo Cardoso, O. Carm.
Precedido por
D. Expedito de Oliveira
 
Bispo de Patos

5 de dezembro de 19838 de agosto de 2001
Sucedido por
D. Manuel dos Reis de Farias