Abrir menu principal
Gilberto Gil
Álbum de estúdio de Gilberto Gil
Lançamento 1969
(ver histórico de lançamentos)
Gravação Em 4 canais nos estúdios J.S., em Salvador, Scatena, em São Paulo, e Philips, no Rio de Janeiro, entre abril e maio de 1969[1]
Gênero(s) Tropicália, MPB, psicodélico, experimental[2]
Formato(s) Disco de vinil[1]
Gravadora(s) Philips Records, Water Music, PolyGram, Universal Music
Produção Manoel Barenbein[1]
Arranjos Rogério Duprat, Chiquinho de Moraes[1]
Cronologia de Gilberto Gil
Tropicália ou Panis et Circensis
(1968)
Gilberto Gil
(1971)
Singles de Gilberto Gil
  1. "Aquele Abraço[3]"
    Lançamento: 1969

Gilberto Gil, também conhecido com o sobrenome de "Cérebro Eletrônico", é o nome do terceiro álbum de estúdio do cantor e compositor brasileiro Gilberto Gil, lançado em 1969, pela Philips[3]. O álbum traz, como seu antecessor, o rock psicodélico - forte característica do movimento tropicalista[4]. Apesar da boa recepção do álbum, este só teve um single, considerado o primeiro grande sucesso de Gil, "Aquele Abraço", enquanto trazia um repertório de nove faixas, onde além da canção já citada, apenas "Cérebro Eletrônico" ganhou mais algum destaque, anos depois, com a regravação de Marisa Monte, em 1996. O b-side de "Aquele Abraço", "Omã Iaô", foi lançada como faixa bônus nos relançamentos, ao lado de canção compostas pelo próprio Gilberto Gil, Caetano Veloso e Jorge Ben - esses dois últimos participam de "Queremos Guerra", de Jorge Ben.

Recepção da críticaEditar

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
allmusic      [2]

Assim como nos demais álbuns, a crítica da allmusic, foi feita por John Bush, que inicia sua resenha dizendo que este álbum é um dos mais experimentais de Gil, até aquele momento, ao mesmo tempo que mostra o pop emergindo no Brasil. Segundo Bush, Gil traz seu primeiro maior sucesso - o single "Aquele Abraço" -, mas, ainda resiste com músicas de estilo fortemente carnavalesco, como seu álbum em 1968. "A maioria das canções experimentais está no Lado B, são eles "2001" e "Objeto Semi-Identificado", pois possuem trechos de palavras faladas, são cheios de partes ímpares, e uma dependência do estúdio, raramente visto em qualquer outro álbum pop".

FaixasEditar

Todas as faixas escritas por Gilberto Gil, exceto onde notado.

Lado A[5]
N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Cérebro Eletrônico"    3:34
2. "Volks-Volkswagen Blue"    3:40
3. "Aquele Abraço"    5:23
4. "17 Légua e Meia"  Humberto Teixeira, Carlos Barroso 4:14
5. "A Voz do Vivo"  Caetano Veloso 3:46
Lado B[5]
N.º TítuloCompositor(es) Duração
6. "Vitrines"    3:35
7. "2001"  Rita Lee, Tom Zé 4:33
8. "Futurível"    5:46
9. "Objeto Semi-Identificado"  Gilberto Gil, Rogério Duarte, Rogério Duprat 5:16

Ficha técnicaEditar

Histórico de lançamentosEditar

Lista das datas de lançamentos, mostrando o país, a gravadora e o número de catálogo
Lançamento original
País Data Formato Gravadora Catálogo
Brasil[3] 1969[5] Disco de vinil Philips Records R 765.087 L
Japão[6]
Re-lançamentos
Japão[6] 2 de setembro de 1998 CD Philips Records PHCA-4227
Brasil[6] 1998 PolyGram[2] 518 122-2
Estados Unidos 24 de setembro de 2008 Water Records 00035181

Referências

  1. a b c d e «Gilberto Gil (1969) - Gilberto Gil». Site oficial. Consultado em 13 de junho de 2011 
  2. a b c d «Gilberto Gil (Cérebro Eletrônico) - Gilberto Gil : AllMusic». allmusic. Consultado em 13 de junho de 2011 
  3. a b c «Gilberto Gil - Discografia - Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 13 de junho de 2011 
  4. Sixpack, Joe. «Gilberto Gil Discography Page 1: 1963-1980 (Slipcue E-Zine)». Slipcue. Consultado em 13 de junho de 2011 
  5. a b c «Gilberto Gil - Gilberto Gil (Vinyl, LP) at Discogs». Discogs. Consultado em 13 de junho de 2011 
  6. a b c d «Gilberto Gil - Gilberto Gil (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 13 de junho de 2011