Gildão (em latim: Gildo) foi um oficial romano do século IV, ativo durante o reinado conjunto dos imperadores Valentiniano I (r. 364–375), Valente (r. 364–378), Graciano (r. 367–383), Valentiniano II (r. 375–392), Teodósio (r. 378–395), Arcádio (r. 383–408) e Honório (r. 395–423). Conhecido principalmente por ter liderado a chamada Guerra Gildônica contra o Império Romano do Ocidente, durante a qual foi derrotado e morto.

Gildão
Nascimento século IV
Mauritânia
Morte 398
África
Nacionalidade
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Império Romano
Religião Cristianismo

VidaEditar

 
Soldo de Teodósio (r. 378–395)
 
Soldo de Honório (r. 395–423)

Gildão era filho do rei berbere Nubel e irmão de Samaco, Dio, Mazuca, Círia, Mascezel e do usurpador Firmo (r. 372–375), bem como pai duma filha chamada Silvana, que casar-se-ia com Nebrídio, sobrinho da imperatriz Élia Flacila (r. 378–385). É mencionado pela primeira vez em 373, quando serviu na África sob Teodósio, o Velho. Lá, ele prendeu o vigário Vincêncio, um subordinado do conde Romano, e capturou os líderes rebeldes Beles e Ferício. Em 386, Teodósio I (r. 383–395) nomeou-o conde e mestre dos soldados da África e levou sua filha como refém para garantir sua lealdade.[1]

Nas disputas religiosas que assolaram sua província, apoiou os donatistas, que seriam chamados "satélites de Gildão" (em latim: Gildonis satellites). Segundo o poeta cortesão Claudiano, em 394, quando Teodósio reuniu tropas contra Eugênio (r. 392–394), Gildão não auxiliou o imperador.[1] No outono de 397, revoltou-se contra o governo ocidental controlado pelo imperador Honório (r. 395–423) e seu ministro Estilicão, afetando o fornecimento africano de cereais para Roma, e declarou aliança ao governo oriental controlado pelo imperador Arcádio (r. 383–408) e seu ministro Eutrópio.[2]

Em decorrência de sua decisão, foi declarado pelo senado como inimigo público (em latim: hostis publicus). Gildão foi derrotado e morto por um exército liderado por seu irmão Mascezel, cujos filhos havia matado. Suas enormes propriedades foram confiscadas e um oficial chamado "conde do patrimônio de Gildão" (em latim: comes Gildoniaci patrimonii) foi criado para administrá-las.[2]

Referências

  1. a b Martindale 1971, p. 395-396.
  2. a b Martindale 1971, p. 396.

BibliografiaEditar

  • Martindale, J. R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1971). «Gildo». The prosopography of the later Roman Empire - Vol. I AD 260-395. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press