Abrir menu principal
Fotografia do Ginásio Parnaibano nos primeiros anos após a sua fundação, ocorrida em 1927.

O Ginásio Parnaibano, atual Colégio Estadual Lima Rebelo,[1] foi fundado em 11 de junho de 1927 no município de Parnaíba, no Piauí, por empenho e dedicação do prefeito José Narcísio da Rocha Filho,[2] a partir de concepção do professor e advogado José Pires de Lima Rebelo.[3] Teve por objetivo inicial oferecer à juventude parnaibana, principalmente à masculina, o ensino secundário preparatório para cursos superiores, abrindo uma nova opção para os que não pretendiam voltar-se imediatamente ao magistério.[4][5][6]

Foram também fundadores do Ginásio Parnaibano: Luiz Galhanone, Monsenhor Roberto Lopes Ribeiro,[7] Alfredo Eduardo Amstein, Henriette Sotter, Carlos Souza Lima, Antônio Godofredo de Miranda, Mirócles Campos Veras (que veio também a ser prefeito de Parnaíba, nos períodos de 1934-1936 e 1937-1945),[2] Francisco de Moraes Correia, Edson da Paz Cunha, José Euclides de Miranda, Constantino Correia e Tomaz Catunda.

O prefeito José Narcísio da Rocha Filho havia contratado o professor e educador Luiz Galhanone para orientar a educação primária em Parnaíba pelos modernos métodos praticados àquela época no estado de São Paulo, de onde era originário, entregando-lhe também a direção do Ginásio Parnaibano, na qual foi sucedido por Luiz Viana, Edson da Paz Cunha, José Pinto Meira de Vasconcelos, Clodoveu Felipe Cavalcante, José de Lima Couto,[8][9] José Nelson de Carvalho Pires e Alexandre Alves de Oliveira.

O plano curricularEditar

O plano curricular para o funcionamento do Ginásio Parnaibano foi definido pelo Decreto no. 950, de 9 de fevereiro de 1928, merecendo ser relembrado pelo elevado nível, mesmo em relação aos atuais, ressaltando-se que o corpo docente foi formado pela elite intelectual da cidade, que se empenhou em sua execução, à semelhança do que ocorreu com a Escola Normal de Parnaíba.

Em 1931, sob o governo do presidente Getúlio Vargas, um contrato foi firmado entre o interventor federal no Piauí, Capitão Landry Sales Gonçalves, a Prefeitura Municipal de Parnaíba e a Sociedade Civil do Ginásio Parnaibano, proprietária da escola, passando o Ginásio Parnaibano a ser um estabelecimento oficial.

No Estado Novo, em 1938, o Ginásio Parnaibano retornaria à condição de estabelecimento particular, após entendimentos com os governos do Estado e do Município, que mantiveram uma subvenção anual.

A Sociedade Civil, proprietária do Ginásio Parnaibano, desde sua fundação, conservava sempre cerca de vinte bolsas para estudantes órfãos ou filhos de proletários da cidade, além de manter gratuitamente cursos preparatórios. Mantinha também a Escola Normal de Parnaíba, que formou centenas de professoras para o ensino primário, durante várias décadas.

O Ginásio Parnaibano tornou-se bastante conceituado na área educacional do Piauí e fora do estado, promovendo uma elevação do nível escolar em Parnaíba que marcou para sempre o município, pois muitos jovens que lá se graduaram com brilhantismo também se destacaram e foram dignos de elogios em cursos superiores de vários centros acadêmicos do país e em suas atividades profissionais.

Desde a fundação, em 1927, o Ginásio Parnaibano e a Escola Normal de Parnaíba funcionaram nas mesmas instalações, até que, pela lei no. 1892, de 21 de novembro de 1959, foram encampados pelo Governo Estadual, ganhando prédios próprios em 1961, na gestão do Governador Petrônio Portela, ocasião em que passaram a ser denominados, respectivamente, de Colégio Estadual Lima Rebelo e de Escola Normal Francisco Correia.

Ex-alunosEditar

Referências

  1. Escola Estadual Lima Rebelo inicia comemoração dos seus 83 anos. Vídeo publicado no portal Pró-Parnaíba, em 06/07/2010. (acessado em 10/07/2010)
  2. a b "Galeria de ex-Prefeitos" - Parnaíba/PI. Arquivado em 9 de julho de 2012, no Wayback Machine. Portal de Parnaíba, Estado do Piauí. (acesso em 08/09/2012)
  3. "Lima Rebello" (mini-biografia de José Pires de Lima Rebello).[ligação inativa] Artigo publicado no portal O Piagüí Culturalista, em 13/03/2010. (acessado em 10/07/2010)
  4. Francisco Iweltman Vasconcelos Mendes. Parnaíba: Educação e Sociedade na Primeira República. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Federal do Piauí (UFPI), 2007. (acessado em 08/09/2012)
  5. Salânia Maria Barbosa Melo e Roberto Kennedy Gomes Franco. Narrativas historiográficas da cultura escolar piauiense – 1930/60. G.T. 11 - História, Memória e Educação. (UESPI/UEMA). Publicado no portal da Universidade Federal do Piauí (UFPI). (arquivo pdf acessado em 08/09/2012)
  6. Castro, S. A. TEMPOS DE GINÁSIO: uma narrativa histórica sobre a experiência educativa do Ginásio/Colégio Parnaibano (1927-1959). Portal da Faculdade Piauiense – FAP Parnaíba. (arquivo pdf acessado em 14/11/2011)
  7. «Um jeito diferente de olhar a IGREJA DE SÃO SEBASTIÃO (com citação a Monsenhor Roberto Lopes Ribeiro). Blog do Pessoa, 10/05/2015. (acessado em 16/12/2015)». Consultado em 16 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2015 
  8. «Professor José de Lima Couto. Comunidade no Orkut/Google. (acessada em 16/12/2015)». Consultado em 16 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2015 
  9. "José de Lima Couto" (mini-biografia). Publicado no portal "O Piagüí Culturalista", em 10/05/2010. (portal acessado em 10/07/2010)[ligação inativa]
  10. Discurso do Deputado Federal José Mentor (PT-SP). Homenagem aos advogados criminalistas atuantes em auditorias da Justiça Militar Federal nas décadas de 60 e 70 (com citação a Assis Mentor Couto de Mello, ...delegado do DOPS). Câmara dos Deputados. Sessão: 288.1.52.O, de 04/12/2003. Publicado no portal da Câmara dos Deputados. (página visitada em 06/07/2010)
  11. 81ª SESSÃO ORDINÁRIA da Assembléia Legislativa de São Paulo, em 19 de agosto de 2003. Pequeno Expediente. Levantamento da sessão às 14h 42m devido ao falecimento do pai (citando Assis Mentor Couto de Mello) do líder do PT na AL-SP, Deputado Estadual Antônio Mentor, e do Deputado Federal pelo PT-SP, José Mentor. Portal da Assembléia Legislativa de São Paulo. (página visitada em 06/07/2010)
  12. Artigo: "Veja o histórico do Senador Chagas Rodrigues". Publicado no Blog do Herlon Moraes, Portal Acesse Piauí, em 08/02/2009. (acessado em 10/07/2010)
  13. "Falece o renomado arquiteto parnaibano Assis Reis". Portal do Jornal da Parnaíba, 20/04/2011. (acesso em 21/04/2011)
  14. "Morre em Salvador o renomado arquiteto piauiense Assis Couto" (Assis Reis, como era conhecido, é considerado um dos maiores arquitetos brasileiros). Brasil Portais - Rede de Portais Regionais, 21/04/2011. (acesso em 21/04/2011)
  15. Pedro A. C. Nery. "ASSIS REIS - arquitetura, regionalismo e modernidade." Portal de Periódicos Eletrônicos da Universidade Federal da Bahia - UFBA. (acesso em 21/04/2011)
  16. A segunda geração moderna da Arquitetura do Brasil. Wikipédia. (acesso em 21/04/2011)
  17. Notícias: "Arquiteto Assis Reis". Portal do Instituto de Arquitetos do Brasil, IAB-RJ. (acesso em 21/04/2011)
  18. Francisco Socorro. "O Legado de Renato Castelo Branco" (Publicado originalmente no site da Escola Superior de Propaganda e Marketing). "Portal Entre Textos". Editor: Dilson Lages Monteiro. (acessado em 18/12/2010)
  19. "Renato Pires Castello Branco - Biografia". Arquivado em 15 de novembro de 2010, no Wayback Machine. "Portal Entre Textos". Editor: Dilson Lages Monteiro. (acessado em 18/12/2010)
  20. Francisco Socorro. "A Publicidade brasileira está precisando de um líder antivírus." Agências de Publicidade de Santa Catarina. Publicidade e Marketing. Portal "Uma Coisa e Outra". (acessado em 18/12/2010)
  21. Vilarins, Henrique. "Renato Castelo Branco é o CARA!" Postado no Blog "Cuia de Idéias", em 31/08/2001. (acessado em 18/12/2010)
  22. "Prêmio Renato Castelo Branco de Responsabilidade Social na Propaganda". ESPM Social. (acessado em 18/12/2010)
  23. "Prêmio Renato Castelo Branco abre votação online para público decidir peça favorita".[ligação inativa] Publicado na coluna "Acontece na ESPM - Notícias", em 04/10/2010. Portal da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). (acessado em 18/12/2010)