Abrir menu principal
Giraffas
Empresa de capital fechado
Slogan Sabor e Alegria
Atividade Restaurantes
Fundação agosto de 1981 (1981-08)
Fundador(es)
  • Mauro Lacerda
  • Muniz Neto
Sede Lago Sul, DF, Brasil
Área(s) servida(s) Brasil, Estados Unidos, Paraguai
Locais 385 (2012)
Proprietário(s)
  • Carlos Guerra
  • Ivan Aragão
Presidente Alexandre Guerra
Produtos Fast food
Faturamento Aumento R$ 777 milhões (2014)[carece de fontes?]
Website oficial www.giraffas.com.br

Giraffas é uma rede de fast-food brasileira, fundada no Lago Sul, no Distrito Federal em agosto de 1981 por dois amigos, os empresários Mauro Lacerda e Muniz Neto, com seu primeiro restaurante no comércio local da QI 09.

Seus pratos que incluem arroz, feijão, ovo frito e carnes grelhadas. Com um faturamento que ultrapassou os 500 milhões de reais em 2010, o Giraffas está em 128 municípios brasileiros, além de Miami, FL, Estados Unidos, e em Ciudad del Este, no Paraguai.[1]

Índice

NomeEditar

O nome "Giraffas" foi escolhido por conta da moda que o empresário da noite Ricardo Amaral criou na época, com as discotecas Hippopotamus e Crocodilos. Quanto aos dois F's(efes) da marca, a ideia veio devido ao nome originário de girafa em latim, que se escreve giraffa. A ideia das duas girafas como logo foi criada pela agência Rato, com as girafinhas em troca de sanduíches. Em 1981, a marca foi vendida para dois estudantes, Carlos Guerra e Ivan Aragão.[1]

HistóriaEditar

Fundada em Brasília, onde hoje é atualmente o Lago Sul, no Distrito Federal em agosto de 1981 por dois amigos, os empresários Mauro Lacerda e Muniz Neto, com seu primeiro restaurante no comércio local da QI 09. Em 1991, adotou o sistema de franquias, tornando possível a expansão e instalação de restaurantes em São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Goiás, Paraíba, Bahia e Sergipe.[1]

Passou por dificuldades após a implementação do plano real. Com a queda da inflação, o lucro diminuiu e o modelo adotado pelos sócios mostrou-se inviável, fazendo com que a empresa entrasse em concordata. Em 1996, devido à crise financeira, foi vendida a três amigos dos donos: Felipe Barreto, Luciana Morais e Luciana Vasconcelos. O trio, sem experiência no ramo, apostou no sistema de franquias para crescer e, em 1998, se desfez das dez únicas lojas de posse da empresa herdadas da antiga administração.[1]

Em 2002, obteve o maior crescimento proporcional no segmento nacional e em 2003 conseguiu obter 21% de crescimento, entrando em mais dois estados brasileiros: Espírito Santo e Paraná. Em 2004 e 2005, seu principal foco foi a diversificação dos produtos, entre eles o quiosque de sorvetes Giraffas. Ainda em 2005 é inaugurado seu primeiro restaurante na cidade de Barreiras, na Bahia.[1]

Em 2006, comemorou 25 anos com um festival de bandas de rock locais em Brasília, o Giraffestival, atingindo a marca de 200 restaurantes espalhados pelo Brasil e inaugura as primeiras franquias no Pará e Mato Grosso. Em 2006 também foi lançado o Trio RBD, que vinha com um brinde sobre a banda. Em 2007, foi inaugurada a sua primeira franquia no estado do Tocantins.[1]

Em 2008, no mês de dezembro, é inaugurada a primeira loja da franquia no Estado do Ceará, no Shopping Via Sul. O Giraffas em 2011 inaugurou seu primeiro restaurante internacional, nos Estados Unidos, na cidade de Miami. O Giraffas pretende abrir cinco restaurantes naquele país até 2012 e cinquenta unidades em dez anos.[1]

Em 2011, a rede Giraffas começou a ser mais valorizada não somente no Brasil como internacionalmente. Além de seu restaurante nos Estados Unidos, o Giraffas investiu em um restaurante internacional no Paraguai, inaugurado em 2010. A rede hoje é comparada no Brasil com outras grandes redes de fast-food, como Mc Donald's e Burger King.[1]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g h Luciana Barreto (20 de setembro de 2011). «Como a lanchonete Giraffas virou um negócio de 500 milhões de reais». Revista Exame. Consultado em 5 de agosto de 2016 

Ligações externasEditar