Gisela João

cantora portuguesa
Gisela João
Gisela João
Informação geral
Nascimento 6 de novembro de 1983 (36 anos)
Local de nascimento Barcelos, Barcelos
Portugal Portugal
Gênero(s) Fado,
Ocupação(ões) Cantora,
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 2009 – Actualmente
Página oficial https://www.gisela-joao.pt/

Gisela João (Barcelos, Barcelos, 6 de Novembro de 1983) é uma fadista portuguesa.

PercursoEditar

Uma das vozes do fado, Gisela João é uma importante intérprete da música portuguesa da atualidade, reconhecida com os prêmios Blitz, Time Out, Expresso e o Globo de Ouro para Melhor Intérprete Nacional.  

A presença de Gisela em palcos nacionais e internacionais, bem como as suas atuações, foram determinantes para que se consagrasse como intérprete da música portuguesa, apresentando um Fado contemporâneo sem desvios nem artifícios, enfatizando a tradição e a autenticidade deste estilo.

Gisela começou a interessar-se pelo Fado com oito anos. Entre os 16 e 17 anos de idade, cantou para a "Adega Lusitana", em Barcelos. Em 2000, mudou-se para o Porto para estudar Design, onde começou a cantar em mais uma casa de Fado. Viveu durante seis anos no Porto para, finalmente, o canto impor a sua vontade e a levar para Lisboa.

Em 2009, gravou um álbum com o grupo Atlantihda. É um dos nomes convidados no disco de Fernando Alvim, histórico guitarrista português e "cúmplice" de Carlos Paredes, intitulado "O Fado E As Canções do Alvim" (2011). Participou como Fadista no filme "O Grande Kilapy" (2012).

Numa pequena casa “emprestada” na Mouraria, debateu-se com o peso imenso da solidão, pensou várias vezes em desistir, mas resistiu. Conquistou primeiro meia Lisboa e depois Lisboa inteira, das Casas de Fado à mítica discoteca Lux e do Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém ao Teatro São Luiz.

Tal ascensão levou-a a ser considerada uma das maiores revelações do fado no feminino dos últimos anos para o jornalista António Pires [1].

Faltava gravar um disco, esse grande desafio. E encontrou em Frederico Pereira o cúmplice ideal e iniciaram as gravações.

2013 - 2015: O álbum de estreia "Gisela João"Editar

O ano de 2013 é o da consagração, com a edição do seu disco de estreia Gisela João que foi editado no dia 1º de Julho de 2013. Duas semanas depois, o álbum alcançaria o primeiro lugar no Top de Vendas Nacional, sendo rapidamente aclamado pela grande maioria dos críticos nacionais, considerando-o como o mais importante disco de estreia de um artista português no século XXI, distinções estas que laurearam Gisela com o Prêmio Revelação Amália, com quem o seu talento já foi comparado várias vezes.

O seu álbum de estreia foi também considerado melhor álbum nacional do ano por várias publicações de referência como a Blitz, o Expresso, o Público, a Time Out e o site Cotonete tendo atingido vendas que lhe valeram um Disco de Platina. Gisela João foi ainda distinguida com um Globo de Ouro na categoria de "Melhor Intérprete Individual" e com o prêmio José Afonso 2014, tendo o júri considerado que a fadista é "a melhor voz que já apareceu depois de Amália".

Em 2015, no mês de Janeiro, Gisela João esgota duas das mais emblemáticas salas nacionais: Coliseu do Porto e o Coliseu de Lisboa[1]. Neste mesmo ano, ela ganhou o disco de platina[2] para o seu álbum de estreia e inúmeros concertos e apresentações por palcos estrangeiros, passando por França, Estados Unidos, Inglaterra, Bélgica, Espanha, Suíça, Eslovênia, Alemanha, entre outros. Participou também do álbum de tributo de Amália Rodrigues, Amália: As Vozes do Fado[3], disco que reúne alguns dos artistas mais icônicos do Fado, onde interpreta os temas "Medo" e "Meu Amor, Meu Amor", num dueto com Camané.

O final de 2015 trouxe ainda a série de espetáculos "Caixinha de Música", uma colaboração de Gisela e do Teatro Municipal São Luiz, onde a cantora portuguesa emprestou a sua voz para homenagear alguns dos intérpretes mais importantes desde a primeira metade do século XX até aos dias de hoje, como Serge Gainsbourg, Bryan Ferry, Nick Cave, Ella Fitzgerald, Amy Winehouse, Leonard Cohen e Violeta Parra, entre tantos outros.

2016: "Nua"Editar

Três anos após a edição do álbum de estreia "Gisela João", a Fadista regressou aos discos com a edição de "Nua", o seu segundo álbum, que é uma mescla de clássicos, tradicionais e obras da atualidade. Com letras e músicas de diversos compositores, entre eles, Cartola, sambista e compositor brasileiro, Carlos Paião, Alexandre O'Neil, Capicua e Alain Oulman.

"Nua" foi editado no dia 11 de Novembro de 2016 e foi considerado pela Blitz como sendo o 2º melhor álbum português de 2016 (atrás de "Capitão Fausto Têm os Dias Contados", dos Capitão Fausto).[4]

DiscografiaEditar

A solo

Estúdio

  • Gisela João (CD, Edições Valentim de Carvalho, 2013)
  • Nua (CD, Edições Valentim de Carvalho, 2016)

Ao Vivo

  • Sem Filtro (CD, Edições Blitz, 2015)
  • Ao Vivo (CD+LP, Edições Valentim de Carvalo | Exclusivo Fnac, 2015)

Colaborações

Referências

  1. «Gisela João enfrenta os coliseus com um único convidado especial: o público». PÚBLICO. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  2. «Top nacional: Gisela João já é disco de platina (corrigido)». BLITZ. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  3. «Amália – As Vozes do Fado - Os Dias da Rádio - Antena1 - RTP». www.rtp.pt. Consultado em 10 de dezembro de 2015  C1 control character character in |título= at position 8 (ajuda)
  4. «Melhores do Ano BLITZ: e o melhor álbum nacional de 2016 é...». Blitz. 19 de dezembro de 2016. Consultado em 24 de julho de 2017 

Ligações externasEditar


  Este artigo sobre uma cantora é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.