Gomes Mendes Guedeão

Gomes Mendes Guedeão (10701170) foi um cavaleiro medieval do Condado Portucalense, foi o herdeiro do morgadio de seus pais e quem deu continuidade à família. Encontra-se documentado para os anos 1121 a c. 1130.

Gomes Mendes Guedeão
Nascimento 1070
Morte 1170

Exerceu o cargo de governador das terras de Celorico de Basto e Panoias, entre os anos de 1132 e de 1139. Recebeu de D. Afonso Henriques o couto do Mosteiro de São Miguel de Refojos de Basto. Nesta doação o rei tem o cuidado de referir “que lo amo porque me fostes sempre fiel”. Fez a doação ao mosteiro de Refojos de um cálice de prata dourada, onde é possível ver a data de 1152. Este cálice actualmente encontra-se no Museu Machado de Castro em Coimbra.

Serviu o como intermediário e garante da fidelidade de D. Teresa no pacto que esta estabeleceu com sua irmã D. Urraca I de Leão. Facto curioso porque apesar de a linhagem se prolongar pelo primeiro filho, foi o segundo que veio a exercer mais importantes funções.

Os Guedões sucederam-se através de seu filho Egas Gomes Barroso, presente na corte entre 1169 e 1183, que foi «criado» desde jovem na corte régia, porque na doação que o rei Afonso I de Portugal lhe fez de Lobrigos[desambiguação necessária] lhe chama «alumpno e fideli vassalo meo».

Frequentou a comunidade do Mosteiro de Santa Maria de Salzedas em Tarouca, de que se fez familiar. Uma das suas filhas casou com o alferes de Sancho I de Portugal, Soeiro Raimundes de Riba de Vizela. Os irmãos desta, todavia, não se encontram na corte. O primogénito é, decerto, Gomes Viegas, de quem descendem os Bastos."

Relações familiares

editar

Foi filho de Mem Guedaz Guedeão (1040 -?) e de Sancha. Casou por duas vezes, a primeira com D. Chamôa Mendes de Sousa (1085 -?), filha de Mem Viegas de Sousa, 8º Senhor da Casa de Sousa e de D. Teresa Fernandes de Marnel, de quem teve:

  1. Egas Gomes Barroso (1100 -?) casou com Urraca Vasques de Ambia, filha de Vasco Guedelha de Âmbia
  2. Gueda Gomes Guedeão (1110 -?) casou com Urraca Henriques de Portocarreiro, filha de Henrique Fernandes Magro e de Ouroana Reimão de Portocarreiro.
  3. Pero Gomes Guedeão (1120 -?) casou com Elvira Mendes de Riba Douro, filha de Mem Moniz de Riba Douro (1070 -?)

O segundo casamento foi com Mór Gomes (1080 -?) de quem teve:

  1. Nuno Gomes Guedeão (c. 1120 -?) casou com Maria Álvares de Rabaldes,
  2. Marinha Gomes Guedeão (c. 1120 -?) casou com Mem Pires de Longos,

Fora o casamento e com uma senhora cujo nome a história não regista teve:

  1. Fernão Gomes “o Cativo” (1110 -?) .

Referências

editar
  • José Mattoso. Ricos-homens, infantes e cavaleiros: a nobreza medieval portuguesa nos séculos XI e XII. Lisboa: 1982
  • Manuel José da Costa Felgueiras Gayo, Nobiliário das Famílias de Portugal, Carvalhos de Basto, 2ª Edição, Braga, 1989. vol. I-pg. 230 (Alcoforados) e vol. IV-pg. 415 (Cogominhos) e vol. IX-pg. 438 (Soverosas) e vol. VI-pg. 10 (Guedes).