Abrir menu principal

Gonzalo Queipo de Llano

Gonzalo Queipo de Llano
Nome completo Gonzalo Queipo de Llano y Sierra
Nascimento 5 de fevereiro de 1875
Tordesilhas, Castela e Leão, Reino da Espanha
Morte 9 de março de 1951 (76 anos)
Sevilha, Andaluzia, Espanha Franquista
Ocupação Oficial, militar e político
Serviço militar
Serviço Exército da Espanha
País Espanha Reino da Espanha (1896–1931)
Segunda República Espanhola República Espanhola (1931–1936)
 Espanha Franquista (1936–1951)
Anos de serviço 1896-1939
Patente Capitão-general
Comando Exército Nacionalista do Sul
Capitão-general da Andaluzia
Divisão geral de Madrid
Conflitos Guerra Hispano-Americana
Guerra do Rife
Guerra Civil Espanhola

Gonzalo Queipo de Llano y Serra (5 de Fevereiro de 1875 - 9 de Março de 1951), 1º Marquês de Queipo de Llano por um ano foi um líder militar Espanhol que se destacou durante o golpe de estado de Francisco Franco e na subsequente Guerra Civil Espanhola e o Terror Branco Espanhol.

BiografiaEditar

Militar de carreira, Llano era um general de brigada em 1923 quando começou a falar contra o exército e Miguel Primo de Rivera. Despromovido, ele serviu três anos de prisão, mas recusou-se a parar de criticar até mesmo na altura da sua libertação, o que resultou na sua demissão em 1928. Em 1930, ele tornou-se um revolucionário, mas depois de uma tentativa fracassada de derrubar o Rei Afonso XIII, ele fugiu para Portugal. Ele retornou à sua terra natal em 1931 após a partida de Afonso XIII e assumiu o comando do 1º Distrito Militar do Exército Republicano Espanhol. Mais tarde, foi nomeado por Niceto Alcalá-Zamora para o Chefe do estado-maior do presidente (a filha de Queipo era casada com um filho de Alcalá-Zamora). Mesmo quando ele ganhou destaque, ele permaneceu crítico dos governos cambiantes, juntando-se a um plano para derrubar o governo da Frente Popular em Maio de 1936.[1]

Durante a Guerra Civil Espanhola, Llano garantiu a captura de Sevilha com uma força de pelo menos 4.000 soldados. Lá, ele ordenou assassinatos em massa.[2][3] Posteriormente, ele foi nomeado comandante do Exército Nacionalista do Sul. A sua influência começou a entrar em declínio em Fevereiro de 1938, quando Francisco Franco se intitulou Chefe Único do Novo Estado e nomeou o seu cunhado Ramón Serrano Súñer para Ministro do Interior e da Propaganda.

Veja tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. Jackson, Gabriel. The Spanish Republic and the Spanish Civil War, 1931–1939. Princeton University Press. Princeton. 1967. pag. 225.
  2. Preston, Paul. The Spanish Civil War: Reaction, Revolution and Revenge. Harper Perennial. London. 2006. pag. 106.
  3. Preston, Paul. 2012. The Spanish Holocaust. Harper Press. Londres. pag. 330–331.

Leitura adicionalEditar

Links externosEditar