Goya (navio)

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Goya, veja Goya (desambiguação).

Goya foi um cargueiro norueguês lançado ao mar em 4 de abril de 1940 e tomado pela Alemanha Nazista à época da ocupação da Noruega. O navio foi usado pelos alemães que fugiam do cerco do Exército Vermelho e acabou torpedeado por um submarino russo, vindo a afundar e matando cerca de sete mil pessoas.

Goya no estaleiro Akers em Oslo, pouco antes da conclusão

HistóriaEditar

Em 16 de abril de 1945, zarpou da península de Hel, através do Báltico, em direção ao ocidente da Alemanha, transportando militares feridos da Wehrmacht e civis que fugiam do Exército Vermelho. Após ultrapassar a península o navio foi avistado pelo submarino russo L-3 comandado por Vladimir Konovalov. Às 23h52 o capitão soviético deu a ordem de disparo.

Sete minutos após ser atingido, o Goya começou a afundar. Embora o número exato de vítimas jamais venha a ser conhecido, estima-se que morreram entre 6 200[1] e 6 700 pessoas nas águas geladas do Báltico. Apenas 183 passageiros foram resgatados, neste que é mais um dos piores desastres marítimos, em número de vítimas, não só da Alemanha - durante a Segunda Guerra Mundial, como de todos os tempos.

Pelo afundamento, o capitão Konovalov recebeu a mais alta condecoração militar de seu país, a medalha de Herói da União Soviética.

Em 16 de abril de 2003 - cinquenta e oito anos do naufrágio - uma expedição internacional dirigida por Ulrich Restemeyer, localizou os destroços do navio no leito do Mar Báltico, a uma profundidade de setenta e seis metros.

Serviço inicialEditar

Goya foi originalmente construído como um cargueiro pelo estaleiro Akers Mekaniske Verksted em Oslo em 1940. O navio tinha 146 m (475,72 pés) de comprimento e 17,4 m (57,08 pés) de largura e uma velocidade máxima de 18 nós. Após a ocupação alemã da Noruega, o navio foi apreendido pela Alemanha e em 1942 reformado como um transporte auxiliar para os submarinos alemães. Em 1943 ela foi transformada em um navio-depósito, mas no ano seguinte foi transferida para Memel (a moderna Klaipėda), onde foi usada como navio-alvo para a prática de torpedos pelo 24º Flotilla de U-boat.[2]

Em 1945, durante a Operação Hannibal, Goya foi usado como um navio de evacuação que transportava pessoas do leste e sul do Báltico.[2] Seu comandante era o capitão Plünnecke.[3] Goya foi marcado como um navio-hospital que carregava mais de 1 000 leitos de hospital para soldados gravemente feridos.

VítimasEditar

Goya, um cargueiro sem os recursos de segurança de um navio de passageiros, afundou a uma profundidade de aproximadamente 76 metros (249 pés). Quando o navio afundou em menos de quatro minutos, a maioria dos passageiros afundou com ele ou morreu de hipotermia nas águas geladas do Mar Báltico.

O número exato de mortos é difícil de estimar. Os autores citam o número total de passageiros como "mais de 6 000, 6 700, ou 7 200", embora o número exato possa nunca ser conhecido, já que os militares e civis evacuados embarcaram nos navios em circunstâncias caóticas e frequentemente ocupavam todo o espaço disponível em navios que deixavam os enclaves alemães na Prússia Oriental e ocupavam a Polônia. Em qualquer caso, o número de mortos ultrapassou 6 000 e provavelmente chegou a 7 000, tornando o naufrágio um dos piores desastres marítimos em número de vítimas, superado apenas por Wilhelm Gustloff .

O número exato de sobreviventes também é uma questão controversa. A maioria calcula que cerca de 182 pessoas salvas (176 soldados e 4 civis), das quais 9 morreram pouco depois. No entanto, outras figuras também são usadas, principalmente 172 e 183.[4][3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Maritime Disasters of WWII 1944, 1945». members.iinet.net.au. Consultado em 15 de abril de 2021 
  2. a b «MV Goya». Wikipedia (em inglês). 3 de março de 2021. Consultado em 16 de abril de 2021 
  3. a b Heinz Chinnow (1 de fevereiro de 2004). Pomerania: 1945 Echoes of the Past . iUniverse. ISBN 978-0-595-30624-4
  4. Spencer Tucker (30 de novembro de 2011). "Naufrágio de Wilhelm Gustloff, General von Steuben e Goya" . Segunda Guerra Mundial no Mar: Uma Enciclopédia . ABC-CLIO. pp. 800–801. ISBN 978-1-59884-457-3

BibliografiaEditar

  • Fritz Brustat-Naval: Unternehmen Rettung, Koehlers Verlagsgesellschaft, Hamburg, 2001, ISBN 3-7822-0829-3
  • Ernst Fredmann: Sie kamen übers Meer - Die größte Rettungsaktion der Geschichte, Pfälzische Verlagsges., ISBN 3-88527-040-4
  • Heinz Schön: Ostsee '45, Motorbuch Verlag Stuttgart, 1995, ISBN 3-87943-856-0
  • Williams, David, Wartime Disasters at Sea, 1997. ISBN 1852605650
  Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.