Gracia Querejeta

diretora de cinema espanhola
Gracia Querejeta
Nascimento 13 de agosto de 1962 (58 anos)
Madri
Cidadania Espanha
Progenitores Pai:Elías Querejeta
Alma mater Universidade Complutense de Madri
Ocupação diretora de cinema, roteirista

Gracia Querejeta (Madri, 13 de agosto de 1962) é uma cineasta espanhola.

Primeiros anosEditar

Querejeta é a filha da desenhadora de vestuário Maria do Carmen Marín Maikila e do produtor Elías Querejeta, que lhe abriu o caminho no mundo do cinema. Nunca teve vocação de ser atriz e estudou História Antiga na Universidade Complutense de Madri.

Carreira profissionalEditar

Em 1992 dirige seu primeiro filme em solitário, Uma estação de passagem, prêmio especial do Júri na Semana de Cinema de Valladolid. A sua ópera prima seguiram A última viagem de Robert Rylands e Quando voltes a meu lado, um filme que conta a história de três irmãs que voltam a se reunir após falecer sua mãe. Neste filme participaram as atrizes Mercedes Sampietro, Julieta Serrano e Adriana Ozores.

Em 2004 dirigiu Héctor. Esta foi galardoada com o prêmio ao melhor filme no Festival de Málaga de Cinema Espanhol em maio de 2004. Sete mesas de billar francês do 2007 supôs-lhe diversas nominações ao prêmio Goya como melhor direção e adaptação de um guion. Em 2008 recebeu o prêmio 'Cidade de Bacia' do Festival internacional de cinema de Mulheres em Direção em reconhecimento a sua trajetória.[1][2]

ObraEditar

  • Uma estação de passagem (1992). Prêmio especial do Júri na Semana de Cinema de Valladolid.
  • O trabalho de rodar (1994). Documentário.
  • A última viagem de Robert Rylands (1996). Prêmio à melhor direção, melhor filme, melhor fotografia, melhor montagem e melhor música outorgados pelo Círculo de Escritores Cinematográficos.
  • Dei Stefano (1997). Capítulo da série O partido do século.
  • Primárias (1998). Documentário codirigido junto a Fernando León de Aranoa e Azucena Rodríguez.
  • Quando voltes a meu lado (1999). Menção especial do Júri no Festival de San Sebastián pela qualidade da direção e interpretação e o prêmio à melhor fotografia.
  • Héctor (2004). Biznaga de Ouro ao melhor filme e prêmio à melhor interpretação feminina (Adriana Ozores) no Festival de Cinema Espanhol de Málaga.
  • Sete mesas de billar francês (2007). Nominação nos Prêmios Goya ao Melhor filme e melhor direção, entre outras, além de conseguir os prêmios a melhor atriz protagonista (Maribel Verdú) e de partilha (Amparo Baró).
  • 15 anos e um dia (2013). Biznaga de Ouro ao melhor filme e outros 3 prêmios no Festival de Cinema Espanhol de Málaga.
  • Felizes 140 (2015)

Polêmica com Javier MaríasEditar

Seu filme A última viagem de Robert Rylands está baseada na novela Todas as almas de Javier Marías. O escritor sustentou uma azeda polêmica no jornal O País com Elías e Graça Querejeta, aos que acusava de ter desfigurado seu livro até o fazer irreconhecível. Exigiu que se suprimisse toda a menção a seu nome e a sua novela nos títulos de crédito da mesma e iniciou um longo processo judicial que, depois de duas sentenças favoráveis ao escritor em 1998 e 2002, terminou o 7 de março de 2006 quando o Tribunal Supremo recusou os recursos apresentados pela produtora de Elías Querejeta e ratificou as sentenças anteriores.

Referências