Abrir menu principal
Granada de atordoamento do exército israelense.

Uma granada de atordoamento, também conhecida como granada de luz e som, é um explosivo não letal usado para desorientar temporariamente os sentidos dos inimigos. Ela é projetada para produzir um clarão de luz cegante e um altíssimo barulho, de mais de 170 decibéis (dB),[1] sem causar danos permanentes. Foi usada pela primeira vez o SAS do Exército Britânico no final da década de 1970.[2]

O clarão produzido momentaneamente ativa a todas as células fotorreceptoras no olho, impossibilitando o funcionamento da visão por cerca de cinco segundos até a restauração do funcionamento normal, livre de estímulos, do olho. Uma pós-imagem também será visível por um tempo considerável, prejudicando a capacidade da vítima de mirar com precisão. O alto estrondo tem a intenção de causar perda temporária da audição, e também perturba o fluido do ouvido, causando a perda do equilíbrio.

A explosão concussiva de sua detonação ainda pode ferir, e o calor gerado pode incendiar materiais inflamáveis, tais como combustível. Os incêndios que ocorreram durante o cerco à embaixada iraniana em Londres foram causadas por granadas atordoantes.[3]

Índice

ConstruçãoEditar

Ao contrário de uma granada de fragmentação, granadas de atordoamento são construídas com uma estrutura feita para permanecer intacta durante a detonação, contendo a maioria de sua força explosiva e evitando lesões causadas por estilhaços,[4] apesar de ter grande recortes circulares para permitir a passagem da luz e do som da explosão. O preenchimento consiste em uma mistura pirotécnica metal-oxidante de magnésio ou alumínio, e de um oxidante como perclorato de amônio.[5]

Letalidade de granadas atordoantesEditar

Apesar de granadas atordoantes serem geralmente projetados para serem não letais, várias lesões e mortes foram atribuídas ao seu uso. Entre esses, incluem-se:

  • Em 1989, a polícia de Minneapolis, Minnesota, invadiu a residência de um casal de idosos, Lloyd Smalley e Lillian Weiss atrás de drogas, após receber informações incorretas de um informante. As granadas de atordoamento usadas pela polícia atearam fogo na casa. A polícia disse que estava certa de que ninguém estava dentro, e por isso, em primeiro momento, não fez nenhuma tentativa de resgate. Smalley e Weiss morreram devido à inalação de fumaça.[6][7][8][9][10]
  • Em Maio de 2003, uma mulher chamada Alberta Spruill morreu de um ataque cardíaco após uma equipe da polícia detonou uma granada de atordoamento em sua residência no Harlem, Nova Iorque, enquanto olhando para um traficante de drogas que já estava sob custódia da polícia. Sua família ganhou 1,6 milhão de dólares num processo contra a cidade.[11]
  • Em fevereiro de 2010, a polícia de Minneapolis, Minnesota, invadiu o apartamento de Rickia Russell à procura de drogas. Enquanto Russell jantava com seu namorado, a polícia jogou uma granada de atordoamento depois de arrombar a porta. A explosão causou em Rickia queimaduras na cabeça e de terceiro grau em ambas as panturrilhas.  Não foram encontradas drogas em seu apartamento e o Conselho da de Cidade de Minneapolis concordou em pagar 1 milhão de dólares em danos.[12]
  • Em janeiro de 2011, na Califórnia, homem chamado Rogelio Serrato morreu por inalação de fumaça depois de uma granada de atordoamento lançada por uma equipe da SWAT por sua casa em chamas.[13] Acreditou-se que o homem se escondia no sótão quando o incêndio começou.[14]
  • Em janeiro de 2014, um homem ficou gravemente ferido durante um tumulto da Revolução Ucraniana de 2014, após tentar pegar uma granada de atordoamento viva e não detonada. A granada detonou segundos antes que ele pudesse alcançá-la. A explosão causou danos à sua mão e braço direitos, levando à perda da maioria de seus dedos, bem como grande perda de sangue. Sua condição de saúde é desconhecida.[15] No entanto, um vídeo do ocorrido foi enviado para o LiveLeak.[16]
  • Em 28 de Maio de 2014, o rosto de um bebê de 19 meses de idade foi gravemente queimado e mutilado quando uma granada de atordoamento foi jogada dentro de seu cercado por uma equipe da SWAT à procura de drogas em uma residência Cornelia, Geórgia. O bebê sobreviveu com deformação facial.[17]
  • Em 3 de agosto de 2014, um macedônio torcedor da equipe futebolística FK Vardar foi gravemente ferido durante uma partida de futebol depois de tentar jogar uma granada de atordoamento utilizada pela polícia quando uma briga entre a polícia e os fãs estourou nas arquibancadas do Estádio Tumbe Kafe em Bitola. A granada explodiu em sua mão, causando-lhe a perda de dois dedos e danos estruturais graves a seu braço.[18]

Veja tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. «Measurement of Exposure to Impulsive Noise at Indoor and Outdoor Firing Ranges during Tactical Training Exercises» (PDF). Consultado em 25 de agosto de 2013 
  2. «SAS - Weapons - Flash Bang | Stun Grenade». Eliteukforces.info. Consultado em 29 de maio de 2013 
  3. «Go! Go! Go! Thirty years on, the SAS heroes who stormed the Iranian embassy recall in heart-stopping detail their most daring mission». Mail Online. Consultado em 17 de maio de 2016 
  4. Koerner, Brendan (22 de outubro de 2004). «What Are Stun Grenades?». Slate (em inglês). ISSN 1091-2339 
  5. https://med.unsw.edu.au/sites/default/files/news/letters_200415_6.pdf
  6. Governmentabuse.info[ligação inativa]
  7. Karren Mills, "City Image Tarnished By Allegations of Police Racism," Associated Press, March 21, 1989.
  8. David Chanen, "Police device used in search is considered safe, official says," Minneapolis Star Tribune, March 17, 2000, p. 7B.
  9. The case is also cited in “Botched Police Raids not so rare” Google News
  10. The case is also cited in “Botched raid costs Minneapolis $1 million”, Star Tribune December 9, 2011 Star Tribune
  11. Shaila K. Dewan (29 de outubro de 2003). «City to Pay $1.6 Million in Fatal, Mistaken Raid». The New York Times. Consultado em 29 de maio de 2013 
  12. Carlyle, Erin (10 de dezembro de 2011). «Rickia Russell wins $1 million police brutality settlement after burns from flashbang grenade». City Pages. Consultado em 7 de outubro de 2014. Arquivado do original em 13 de outubro de 2014 
  13. Gratz, Matt (26 de julho de 2011). «California SWAT burns innocent man to death with flash-bang stun grenade». Political Fail Blog. Consultado em 29 de maio de 2013. Arquivado do original em 26 de abril de 2013 
  14. «Rogelio Serrato died in a fire during the Jan. 5 raid in the 200 block of San Antonio Drive». Fugitive.com. Consultado em 29 de maio de 2013 
  15. the aliens are here bro (20 de janeiro de 2014). «LiveLeak - The moment man lost his hand to a stun grenade.». LiveLeak.com. Consultado em 24 de fevereiro de 2014 
  16. Liveleak.com
  17. «Toddler critically injured by 'flash bang' during police search». 29 de maio de 2014. Consultado em 30 de maio de 2014 
  18. «Macedonia: Fan nearly lost hand after police throw grenade in the away sector.». 3 de agosto de 2014. Consultado em 3 de agosto de 2014. Arquivado do original em 5 de agosto de 2014 

Ligações externasEditar