Grande Igreja

página de desambiguação da Wikimedia
Os Padres da Igreja em uma representação do século XI de Kiev

O termo "Grande Igreja" (em latim: ecclesia magna) é um termo da historiografia do cristianismo primitivo que descreve seu rápido crescimento e desenvolvimento estrutural 180-313 d.C (por volta do período Ante-Niceno) e sua reivindicação de representar o cristianismo dentro do Império Romano.[1] O termo está associado principalmente ao relato católico romano da história da teologia cristã, mas também é usado por historiadores não católicos.

A "época da Grande Igreja" é contada como começando no final do século II, quando, apesar da perseguição aos cristãos, a religião se estabeleceu numericamente e organizacionalmente,[2] tornando-se a igreja estatal do Império Romano em 380.[1] No entanto, a Igreja Ortodoxa Oriental se separou no Concílio de Calcedônia em 451, ambos devido a diferenças cristológicas.[3][4]

Em contraste, no uso católico moderno, a "Grande Igreja" significa amplamente a unidade " una, santa, católica e apostólica" da Igreja Católica (Igreja Latina) - continuando em autoridade dos apóstolos até hoje - e todos os bispos que permaneceram em comunhão com o papa.[5]

As sedes de Roma e Constantinopla (Igreja Ortodoxa Oriental), ambas aplicando a definição calcedônia, permaneceram em plena comunhão durante os sete primeiros concílios ecumênicos (325-787) e até o Grande Cisma (1054).

Os grupos da Igreja do Leste, da Ortodoxia Oriental e da Igreja Ortodoxa Oriental que retornaram à plena comunhão com Roma, especialmente a partir do século XVI, passaram a ser denominados igrejas católicas orientais.

Irineu (século II   c. 202)

Cunningham, e separadamente, Kugel e Greer afirmam que a declaração de Irineu no Contra X Heresias, capítulo X 1–2 (escrita 180 d.C) é a primeira referência registrada à "Grande Igreja" como a existência de uma igreja cristã mundial com um conjunto principal de crenças compartilhadas. [6] [7] Irineu declara:

A Igreja, embora dispersa por todo o mundo, até os confins da terra, recebeu dos apóstolos e de seus discípulos esta fé:... Como já observei, a Igreja, tendo recebido essa pregação e essa fé, embora espalhados por todo o mundo, ainda, como se ocupando apenas uma casa, preserva-a cuidadosamente ... Pois as igrejas que foram plantadas na Alemanha não acreditam ou entregam algo diferente, nem as da Espanha, nem as da Gália, nem as do Oriente, nem as do Oriente, nem as do Egito, nem as da Líbia, que foram estabelecidas nas regiões centrais do mundo. Mas, como o filho, aquela criatura de Deus, é o mesmo em todo o mundo, também a pregação da verdade brilha em todos os lugares e ilumina todos os homens que estão dispostos a conhecer a verdade.

Cunningham afirma que dois pontos na escrita de Irineu merecem atenção. Primeiro, que Irineu distinguiu a Igreja do singular das "igrejas" no plural e, mais importante, Irineu sustenta que somente na Igreja singular maior é que se encontra a verdade transmitida pelos apóstolos de Cristo.[6]

No início do século III, a Grande Igreja a que Irineu e Celso se referira havia se espalhado por uma parte significativa do mundo, com a maioria de seus membros morando nas cidades (veja os primeiros centros do cristianismo).[8] O crescimento foi menos do que uniforme em todo o mundo. A Crônica de Arbela afirmou que em 225 d.C, havia 20 bispos em toda a Pérsia, enquanto, aproximadamente ao mesmo tempo, as áreas vizinhas de Roma tinham mais de 60 bispos. Mas a Grande Igreja do século III não era monolítica, consistindo de uma rede de igrejas conectadas através de zonas culturais por linhas de comunicação que às vezes incluíam relacionamentos pessoais.

A Grande Igreja cresceu no século II e entrou no século III principalmente em dois impérios: o romano e o persa, com a rede de bispos geralmente agindo como o elemento coeso entre as zonas culturais.[9] Em 313, o decreto de Milão encerrou a perseguição aos cristãos e, em 380, a Grande Igreja reuniu seguidores suficientes para se tornar a igreja estatal do Império Romano em virtude do decreto de Tessalônica.[1]

Referências históricasEditar

Em Contra Celsum 5,59 e 5,61, o padre Orígenes da Igreja menciona o uso de Celso no final do século II dos termos "igreja das multidões" ou "grande igreja" para se referir às tradições de consenso emergentes entre os cristãos da época, quando o cristianismo estava tomando forma.[10][11]

No século IV, como Santo Agostinho comentou sobre o Salmo XXII, ele interpretou o termo como significando o mundo inteiro, escrevendo: "A grande Igreja, irmãos, o que é? Uma porção escassa da terra é a grande Igreja? A grande Igreja significa o mundo inteiro".[12] Agostinho continuou a expor como todas as igrejas se consideravam "a grande Igreja", mas que somente o mundo inteiro podia ser visto como a grande Igreja.

Fundamentos teológicos e separaçãoEditar

A época da Grande Igreja testemunhou o desenvolvimento de conceitos teológicos-chave que agora formam o tecido das crenças religiosas da grande maioria dos cristãos.[1]

Confiando nas Escrituras, no misticismo predominante e na piedade popular, Irineu formalizou alguns dos atributos de Deus, escrevendo no livro IV das heresias , capítulo 19 : "Sua grandeza carece de nada, mas contém todas as coisas". [13] Irineu também se referiu ao uso precoce da fórmula "Pai, Filho e Espírito Santo", que apareceu como parte dos Credos Cristãos, escrevendo Contra Heresias (Livro I, Capítulo X): [14]

A Igreja ... crê em um Deus, o Pai Todo-Poderoso, Criador do céu, e da terra, e do mar, e todas as coisas que estão neles; e em um Cristo Jesus, o Filho de Deus, que se encarnou para a nossa salvação; e no Espírito Santo.

Por volta de 213 d.C em Adversus Praxeas (capítulo 3) Tertuliano forneceu uma representação formal do conceito da Trindade, ou seja, que Deus existe como uma "substância", mas três "Pessoas": O Pai, o Filho e o Espírito Santo.[15][16] Tertuliano também discutiu como o Espírito Santo procede do Pai e do Filho. O Primeiro Concílio de Niceia em 325 e mais tarde o Primeiro Concílio de Constantinopla em 381 formalizaram esses elementos.[17]

Em 451, todos os bispos da Grande Igreja receberam ordem de comparecer ao Concílio de Calcedônia para discutir questões teológicas que surgiram.[3] Isso acabou sendo um ponto de virada no qual as igrejas ocidentais e orientais se separaram com base em diferenças cristológicas aparentemente pequenas e começaram a fraturar a reivindicação do termo Grande Igreja pelos dois lados.[4]

Teorias modernas sobre a formação da Grande IgrejaEditar

As publicações católicas oficiais, e outros escritores, às vezes consideram que o conceito de "Grande Igreja" já pode ser encontrado nas Epístolas de Paulo, como em "Esta é a minha regra em todas as igrejas" ( 1 Coríntios 7,17 ) e nos Padres Apostólicos, como as cartas de Inácio de Antioquia.[18] A exegese chegou a localizar a ecclesia magna nas traduções da Vulgata Latina da "grande congregação" (kahal rab) da Bíblia Hebraica.[19] Essa interpretação também foi oferecida pelo papa Bento XVI [20] e por Martinho Lutero.[21]

Dennis Minns (2010) considera que o conceito de "Grande Igreja" foi desenvolvido por heresiologistas polêmicos como Irineu. [22] A apresentação da unidade e ortodoxia cristãs primitivas (veja o cristianismo proto-ortodoxo) e a contra-apresentação de grupos como as seitas denominadas "gnósticas" pelos primeiros heresiologistas como Irineu são questionadas pelos historiadores modernos.[23]

Roger E. Olson (1999) usa o termo para se referir à Grande Igreja na época do Concílio de Calcedônia (451), quando o Patriarca de Constantinopla</a> e o Bispo de Roma estavam em comunhão uns com os outros.[24]

Em contraste com o "cristianismo judaico"Editar

O termo é contrastado com os cristãos judeus que vieram a ser cada vez mais claramente separados da Grande Igreja.[25] Wilhelm Schneemelcher e outros que escrevem no Novo Testamento Apócrifos distinguem os escritos como sendo sectários ou da Grande Igreja.[26][27]

Gabriele Waste (2005) está entre os estudiosos alemães que usam referências semelhantes, onde a "Große Kirche" ("Grande Igreja") é definida como "Ecclesia ex gentibus" (Igreja dos Gentios) em comparação com a "Ecclesia ex circumcisione" (Igreja da circuncisão).[28]

No mundo anglófono, Bruce J. Malina (1976) contrastou o que ele chama de "judaísmo cristão" (geralmente denominado " cristianismo judaico") com "o cristianismo ortodoxo historicamente percebido que sustenta a ideologia da emergente Grande Igreja".[29][30]

Na bolsa de estudos francófona, o termo Grande Église (latim: Ecclesia magna) também foi equiparado às seções "mais helenizadas " em oposição às " judaizantes "da igreja primitiva [31] e a revolta de Bar Kokhba é vista como um estágio definitivo. na separação entre o judaísmo e o cristianismo da "Grande Église".[32] Aqueles que enfatizam essa visão binária do cristianismo primitivo incluem Simon Claude Mimouni e François Blanchetière .

Veja tambémEditar

ReferênciasEditar

2

  1. a b c d Peter Stockmeier in the Encyclopedia of Theology: A Concise Sacramentum Mundi edited by Karl Rahner ISBN 0860120066 (New York: Seabury Press, 1975) pp. 375–376 "In the following period, c. 180, these structures already determine essentially the image of the Church which claims a universal mission in the Roman Empire. It has rightly been termed the period of the Great Church, in view of its numerical growth, its constitutional development and its intense theological activity." Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Rahner375" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Rahner375" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Rahner375" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  2. Peter Stockmeier in the Encyclopedia of Theology: A Concise Sacramentum Mundi edited by Karl Rahner ISBN 0860120066 (New York: Seabury Press, 1975) p 378: "The epoch of the Great Church began about the end of the 2nd century. In spite of oppressive measures Christianity became firmly established numerically and structurally and so paved the way for the Church of the empire"
  3. a b Pocket History of Theology by Roger E. Olson and Adam C. English (Nov 14, 2005) ISBN 0830827048 Intervarsity Press pp. 46–47 Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Olson46" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  4. a b Christian Community in History Volume 1 by Roger D. Haight (Sep 16, 2004) ISBN 0826416306 pp. 212–213 Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Roger212" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  5. Roger E. Olson The Story of Christian Theology: Twenty Centuries of Tradition & ... 1999 p. 278 "According to the Roman Catholic account of the history of Christian theology, the Great Church catholic and orthodox lived on from the apostles to today in the West and all bishops that remained in fellowship with the bishop of Rome have"
  6. a b An Introduction to Catholicism by Lawrence S. Cunningham (Feb 16, 2009) ISBN 0521846072 p. 4–5 Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Larry4" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  7. Early Biblical Interpretation by James L. Kugel and Rowan A. Greer (Jan 1, 1986) ISBN 0664250130 p. 109.
  8. History of the World Christian Movement: Volume 1: Earliest Christianity To 1453 by Dale T. Irvin and Scott Sunquist(Jan 10, 2002) ISBN 0567088669 pp. 103–107.
  9. History of the World Christian Movement: Volume 1: Earliest Christianity To 1453 by Dale T. Irvin and Scott Sunquist (January 10, 2002) ISBN 0567088669 pp. 107–109.
  10. Birth of the Church by I. Davidson (Apr 22, 2005) ISBN 1854246585 p. 381
  11. History of the World Christian Movement: Volume 1: Earliest Christianity To 1453 by Dale T. Irvin and Scott Sunquist (January 10, 2002) ISBN 0567088669 pp. 102–103
  12. Expositions on the Book of Psalms Volume I by Augustine of Hippo Henry Parker, Oxford, 1847 p. 159
  13. Irenaeus of Lyons by Eric Francis Osborn (Nov 26, 2001) ISBN 0521800064 pp. 27–29
  14. Vickers, Jason E. Invocation and Assent: The Making and the Remaking of Trinitarian Theology. Wm. B. Eerdmans Publishing, 2008. ISBN 0-8028-6269-1 pp. 2–5
  15. The Trinity by Roger E. Olson, Christopher Alan Hall 2002 ISBN 0802848273 pp. 29–31
  16. Tertullian, First Theologian of the West by Eric Osborn (4 Dec 2003) ISBN 0521524954 pp. 116–117
  17. Life in the Trinity: An Introduction to Theology with the Help of the Church Fathers by Donald Fairbairn (Sep 28, 2009) ISBN 0830838732 pp. 48–50
  18. Monsignor David Bohr, Archbishop Timothy M. Dolan The Diocesan Priest: Consecrated and Sent Collegeville, Minnesota: Liturgical Press, 2009)2010 p42 "The term ordinatio was originally used in Rome for appointing civil 17 Certainly the concept of the "Great Church" can be found already in the epistles of St. Paul (e.g., 1 Cor 7:17) and in the letters of St. Ignatius of Antioch."
  19. Telesphor Smyth-Vaudry Peter's name: or, A divine credential in a name 1909 p84 "26) — "I will give thanks to thee in a great Church." (Ps. 34. 18.) — "I have declared thy justice in a great Church" (Ps. 39. 10). So divinely universal is the "great Church" — the Ecclesia magna — prophesied by David, that her very enemies ..."
  20. Joseph Ratzinger, Pope Benedict XVI, Michael J. Miller -Dogma and Preaching: Applying Christian Doctrine to Daily Life 2011 p18 "... which the ecclesia, or perhaps the ecclesia magna (Ps 22 [21]:25) constitutes the audience. In the New Testament there is a change—necessarily so, inasmuch as now the psalm with its situation emerges from the hypothetical and indefinite ..."
  21. Gregory of Tours: History and Society in the Sixth Century 2001 -p. 164 "The 'ecclesia magna' (according to Luther, the 'great commonality' Cgro8e Gemeine')) of Hist, n 34 refers to Psalm 35, v. 18; on the 'universalis aeclesia' of Hist, rv 42: 474, 1, see p. 166, n. 44, below. 36 Hist, n 23: 68, 17f.; see also Chapter 3 ..."
  22. Denis Minns Irenaeus: An Introduction 2010 p17 "In this book I have presumed that there was a reality corresponding to the term 'the Great Church', and that, by and large, Irenaeus represents it. This is a convenient simplification, but a simplification nonetheless. If we can speak of a 'Great Church' at all, this is at least partly because polemical theologians like Irenaeus identified certain views as incompatible with Christian truth and declared those who held them to be beyond Christian fellowship."
  23. James L. Kugel, Rowan A. Greer Early Biblical interpretation 1986 p119 "The Gnostics are thought of as a perverse mirror image of the Great Church with their own succession of teachers and their own Rule of faith. ... Instead, we must understand what happened as the gradual emergence of unity out of diversity."
  24. Roger E. Olson The Story of Christian Theology: Twenty Centuries of Tradition & ... 1999 p. 251 "PART V A Tale of Two Churches The Great Tradition Divides Between East & West Up to this point the story of Christian theology has been the story of a relatively unified Great Church, both catholic and orthodox. We have seen how heresies ... After the council, the Great Church was identified with the bishops in fellowship with the emperor and patriarch of Constantinople in the East and the bishop of Rome (also considered a patriarch) in the West, and these three usually maintained ..." p278 "According to the Roman Catholic account of the history of Christian theology, the Great Church catholic and orthodox lived on from the apostles to today in the West and all bishops that remained in fellowship with the bishop of Rome have"
  25. Theological dictionary of the New Testament. Gerhard Kittel, Gerhard Friedrich – 1966 Vol. 3 – p. 518 EKKLESIA "48 As Jewish Christians came to be more and more clearly separated from the Great Church, it is probable that they called both their assemblies and their places of assembly auvccycoyi!|. In the very earliest period all Christians, both Jew and ..."
  26. Wilhelm Schneemelcher, R. McL. Wilson New Testament Apocrypha: Writings Relating to the Apostles ...- 2003 – p. 414 Acts of Peter and The Twelve Apostles "... of consideration: a) from the content and tenor of the text it is difficult to understand it as a product of the Great Church; it is ... The special way in which the ideal of poverty is presented in ActPt makes one instinctively think of the Ebionites. b) ..."
  27. Alois Grillmeier Christ in Christian tradition (1965), vol. 1, p. 45 "Besides such Targumim, it seems that the existence of Jewish-Christian Midrashim, paraphrases of the Old Testament, can also be proven. It is further claimed that the early Christian sources, whether Jewish-Christian or from the great Church,"
  28. Minemosyne – p. 251 "Diese bildeten die „Ecclesia ex circumcisione", der später die aus den Heidenvölkern herkommende „Große Kirche" oder „Ecclesia ex gentibus" gegenüberstand. Die Judenchristen, zu denen die Edelsten der Nation gehörten, umfaßten ..."
  29. Edwin K. Broadhead Jewish Ways of Following Jesus: Redrawing the Religious Map of ... 2010 – p. 33 "1) Jewish Christianity is "the historically perceived orthodox Christianity that undergirds the ideology of the emergent Great Church."16 2) Judaism refers to rabbinic, Pharisaic Judaism. 3) Christian Judaism is, in a first century context, "a phase ...
  30. B. J. Malina, Jewish Christianity or Christian Judaism: Toward a hypothetical Definition', JSJ 8 (1976), pp.
  31. Revue théologique de Louvain Fondation universitaire de Belgique 2005– 36 p. 229 "Plutôt que des membres de la Grande Église séduits par le prosélytisme juif, ces chrétiens sont vraisemblablement les héritiers ..."
  32. Revue des études juives: 2004 v163 p. 43 "... la révolte de Bar Kokhba a donc constitué une étape définitive dans la séparation entre le judaïsme et la «Grande Église». ... S.C. Mimouni, Le judéo-christianisme ancien, op. cit., et D. Marguerat, «Juifs et chrétiens: la séparation», in J.-M."