Abrir menu principal
Grande Prêmio da África do Sul
de Fórmula 1 de 1982
Kyalami 1968layout.svg
16º GP da África do Sul realizado em Kyalami
Detalhes da corrida
Data 23 de janeiro de 1982
Nome oficial South African Grand Prix
Local Kyalami, Midrand, Província de Gauteng, África do Sul
Total 77 voltas / 316.008 km
Condições do tempo Seco
Pole
Piloto
França René Arnoux Renault
Tempo 1.06:351
Volta mais rápida
Piloto
França Alain Prost Renault
Tempo 1:08.278 (na volta 49)
Pódio
Primeiro
França Alain Prost Renault
Segundo
Argentina Carlos Reutemann Williams-Ford
Terceiro
França René Arnoux Renault

Resultados do Grande Prêmio da África do Sul de Fórmula 1 realizado em Kyalami à 23 de janeiro de 1982. Foi a primeira etapa daquela temporada e também a última vez que uma prova da categoria aconteceu em janeiro. A vitória coube ao francês Alain Prost.[1][2][nota 1]

Índice

O retorno de Niki LaudaEditar

Esta prova marcou o retorno da categoria ao continente africano após a exclusão da edição anterior do campeonato de 1981 por conta da guerra entre a Federação Internacional de Automobilismo Esportivo (FISA) e a Associação dos Construtores da Fórmula 1 (FOCA) pelo controle da categoria.[3] Não obstante o passado rumoroso, a abertura da temporada de 1982 esteve sob ameaça quando Jean-Marie Balestre coagiu os pilotos a assinarem um novo e desvantajoso contrato relativo à outorga da superlicença, manobra que tensionou o ambiente e fomentou uma greve sob a liderança de Didier Pironi, presidente da Grand Prix Drivers' Association, e de Niki Lauda, bicampeão mundial que retomou sua carreira após abandonar as pistas nos treinos oficiais para o Grande Prêmio do Canadá de 1979.[4][5][6]

Balestre e os grevistasEditar

Na quarta-feira anterior à corrida sul-africana os pilotos de Fórmula 1 foram instados a assinar um novo contrato acerca da superlicença, documento que os habilita a participar do campeonato, entretanto o que seria apenas uma formalidade corriqueira ganhou contornos abusivos quando os signatários perceberam o conteúdo leonino de algumas cláusulas, a saber: organizadores, equipes e autoridades ligadas ao automobilismo estariam livres de quaisquer responsabilidade em caso de acidentes, proibição da rescisão contratual e cassação da superlicença mediante críticas às todo-poderosas FISA e FOCA.[4] Aturdidos, os pilotos ouviram de Jean-Marie Balestre que os termos não mudariam. Criado o impasse, restou-lhes embarcar num ônibus rumo ao Sunnyside Hotel, a 30Km de Kyalami, e lá foram entretidos por brincadeiras de Gilles Villeneuve e apresentações de Elio de Angelis ao piano.[7][8] Em determinado momento cogitou-se substituir os corredores rebeldes por outros favoráveis aos termos de Balestre e mesmo adiar o evento para 30 de janeiro, mas a enrascada cessou apenas quando a FISA garantiu que os amotinados não seriam punidos e adiou a discussão sobre as cláusulas da cizânia, aliás redigidas por Max Mosley, assistente de Bernie Ecclestone.[9]

De volta à pista os carros turbocomprimidos conquistaram a seis melhores posições no grid com René Arnoux à frente de Nelson Piquet.[10] No dia seguinte Arnoux ponteou por treze voltas até que Alain Prost, seu companheiro na Renault, tomou-lhe o primeiro lugar. A essa altura o brasileiro Nelson Piquet, décimo colocado após uma largada ruim, já abandonara a prova ao bater sua Brabham num guard rail na terceira volta e para facilitar ainda mais a vida dos franceses, a Ferrari viu estourar o motor de Gilles Villeneuve e Didier Pironi foi obrigado a trocar pneus caindo do terceiro para o décimo primeiro lugar, embora tenha ascendido ao segundo posto antes de abandonar há seis voltas do fim. Na volta 41 Arnoux voltou a liderar quando Prost teve um pneu furado, mas após uma recuperação meritória derrotou seu colega de equipe no sexagésimo quarto giro quando reassumiu a dianteira para não mais perdê-la. Vencedor da etapa inaugural, Alain Prost assumiu pela primeira vez a liderança do mundial de Fórmula 1 tendo ao seu lado Carlos Reutemann, da Williams, naquele que seria o último pódio argentino na história com René Arnoux em terceiro vindo a seguir o quarto lugar de Niki Lauda, o quinto de Keke Rosberg e o sexto de John Watson.[11][nota 2]

Enquanto os pilotos celebravam seus resultados uma atitude traiçoeira de Jean-Marie Balestre cassou a licença dos pilotos grevistas por conta da insurreição de quinta-feira por conta dos prejuízos causados à imagem da Fórmula 1 e aos organizadores da prova, além de estipular uma multa entre cinco e dez mil dólares aos vinte e nove grevistas e a possibilidade de suspendê-los de duas a cinco corridas nos próximos dois anos caso voltem a apoiar um novo boicote.[12][nota 3] Tal ambiente conflituoso e a inexistência de garantias financeiras levou ao cancelamento do Grande Prêmio da Argentina marcado para 7 de março.

Classificação da provaEditar

Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 15   Alain Prost Renault 77 1:32'08"401 5 9
2 5   Carlos Reutemann Williams-Ford 77 + 14"946 8 6
3 16   René Arnoux Renault 77 + 27"900 1 4
4 8   Niki Lauda McLaren-Ford 77 + 32"113 13 3
5 6   Keke Rosberg Williams-Ford 77 + 43"139 7 2
6 7   John Watson McLaren-Ford 77 + 50"993 9 1
7 3   Michele Alboreto Tyrrell-Ford 76 + 1 volta 10
8 11   Elio de Angelis Lotus-Ford 76 + 1 volta 15
9 10   Eliseo Salazar ATS-Ford 75 + 2 voltas 12
10 9   Manfred Winkelhock ATS-Ford 75 + 2 voltas 20
11 23   Bruno Giacomelli Alfa Romeo 74 + 3 voltas 19
12 17   Jochen Mass March-Ford 74 + 3 voltas 22
13 22   Andrea de Cesaris Alfa Romeo 73 + 4 voltas 16
14 33   Derek Daly Theodore-Ford 73 + 4 voltas 24
15 18   Raul Boesel March-Ford 72 + 5 voltas 21
16 4   Slim Borgudd Tyrrell-Ford 72 + 5 voltas 23
17 20   Chico Serra Fittipaldi-Ford 72 + 5 voltas 25
18 28   Didier Pironi Ferrari 71 + 6 voltas 6
Ret 26   Jacques Laffite Ligier-Matra 54 Sistema de combustível 11
Ret 35   Derek Warwick Toleman-Hart 43 Acidente 14
Ret 2   Riccardo Patrese Brabham-BMW 18 Turbo 4
Ret 25   Eddie Cheever Ligier-Matra 11 Sistema de combustível 17
Ret 27   Gilles Villeneuve Ferrari 6 Turbo 3
Ret 1   Nelson Piquet Brabham-BMW 3 Acidente 2
Ret 12   Nigel Mansell Lotus-Ford 0 Pane elétrica 18
Ret 31   Jean-Pierre Jarier Osella-Ford 0 Colisão 26
DNQ 30   Mauro Baldi Arrows-Ford
DNQ 32   Riccardo Paletti Osella-Ford
DNQ 29   Brian Henton Arrows-Ford
DNQ 36   Teo Fabi Toleman-Hart
DNQ 14   Roberto Guerrero Ensign-Ford

Tabela do campeonato após a corridaEditar

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas. Entre 1981 e 1990 cada piloto podia computar onze resultados válidos por temporada não havendo descartes no mundial de construtores.

Notas

  1. Voltas na liderança: René Arnoux 40 voltas (1-13; 41-67), Alain Prost 37 voltas (14-40; 68-77).
  2. Conforme os resultados acima expostos nenhum dos estreantes (Raul Boesel, Mauro Baldi, Riccardo Paletti, Teo Fabi e Roberto Guerrero) pontuou.
  3. Jochen Mass e Teo Fabi não foram punidos pela FISA, mas comprometeram-se a apoiar seu colegas.

Referências

  1. «1982 South African Grand Prix - race result». Consultado em 10 de julho de 2018 
  2. «Chicane F1: Formula 1 Results and Statistics (chicanef1.com)». Consultado em 10 de julho de 2018 
  3. «1981 South African Grand Prix: The one that didn't count (forix.autosport.com)». Consultado em 21 de junho de 2018 
  4. a b Protesto de pilotos ameaça abertura da Fórmula 1 (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 22/01/1982. Primeiro caderno, Esportes, p. 25. Página visitada em 10 de julho de 2018.
  5. Niki Lauda encerra a carreira e Piquet é o primeiro na Brabham (online). O Globo, Rio de Janeiro (RJ), 29/09/1979. Matutina, Esportes, p. 30. Página visitada em 10 de julho de 2018.
  6. Niki Lauda retorna em 82 pela McLaren e diz que não é por problema financeiro (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 13/11/1981. Primeiro caderno, Esportes, p. 22. Página visitada em 10 de julho de 2018.
  7. «Na Garagem: Prost vence GP da greve dos pilotos na África do Sul em 1982 (grandepremio.com)». Consultado em 11 de julho de 2018 
  8. «SABINO, Fred. Elio de Angelis, o "Príncipe Negro" que deixou saudade na Fórmula 1 (globoesporte.com)». Consultado em 11 de julho de 2018 
  9. Balestre admite mudar contrato (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 29/01/1982. Primeiro caderno, Esportes, p. 25. Página visitada em 11 de julho de 2018.
  10. Acordo garante GP e Piquet larga na primeira fila (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 23/01/1982. Primeiro caderno, Esportes, p. 19. Página visitada em 11 de julho de 2018.
  11. Um mau começo de temporada para Piquet (online). Folha de S.Paulo, São Paulo (SP), 24/01/1982. Terceiro caderno, Esportes, p. 29. Página visitada em 11 de julho de 2018.
  12. Prost vence e Fisa suspende os pilotos (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 24/01/1982. Geral, p. 40. Página visitada em 11 de julho de 2018.
Precedido por
Grande Prêmio de Las Vegas de 1981
Campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1982
Sucedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1982
Precedido por
Grande Prêmio da África do Sul de 1981
Grande Prêmio da África do Sul
28ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio da África do Sul de 1983