Abrir menu principal

Grande Prêmio da Austrália de 1996

Grande Prêmio da Austrália de Fórmula 1 de 1996
Albert Lake Park Street Circuit in Melbourne, Australia.svg
Mapa do circuito.
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 10 de março de 1996
Nome oficial LXI Transurban Australian Grand Prix
Local Circuito de Albert Park
Total 58 voltas / 307.574 km
Pole
Piloto
Canadá Jacques Villeneuve Williams-Renault
Tempo 1:32.371
Volta mais rápida
Piloto
Canadá Jacques Villeneuve Williams-Renault
Tempo 1:33.421 (na volta 27)
Pódio
Primeiro
Reino Unido Damon Hill Williams-Renault
Segundo
Canadá Jacques Villeneuve Williams-Renault
Terceiro
Reino Unido Eddie Irvine Ferrari

O 61º Grande Prêmio da Austrália foi uma corrida de Fórmula 1 realizada no Circuito de Albert Park em 10 de março de 1996. Foi a primeira vez que Melbourne sediou a etapa australiana da categoria e também a primeira vez que o país abriu a temporada da Fórmula 1.

Índice

Relatório da provaEditar

BastidoresEditar

Após onze edições consecutivas a Fórmula 1 trocou a pista de Adelaide por outro circuito a fim de correr na Austrália, que pela primeira vez em sua história sedia dois grandes prêmios consecutivos, visto que foi palco da corrida final de 1995.

Não bastasse a mudança de sede e a intensa troca de pilotos e equipes, esta foi a primeira corrida a adotar o sistema de cinco luzes vermelhas como sinal de largada[1] e estas seriam acionadas em sequência após a chegada dos pilotos aos seus lugares no grid. Segue-se então uma pausa pré-determinada e a direção de prova autoriza a competição tão logo as luzes vermelhas sejam apagadas.[2] Outra novidade é que os treinos de classificação ocorreriam apenas aos sábados a partir desta prova.

Originalmente o japonês Taki Inoue correria pela Minardi como piloto pagante, mas como não fizeram o depósito na conta da equipe ele foi trocado por Giancarlo Fisichella,[3] o favorito da Marlboro para correr no time de Faenza desde o início.[4]

TreinosEditar

Jacques Villeneuve fez sua estreia na Fórmula 1 assegurando a pole position numa primeira fila completada por Damon Hill, seu companheiro na equipe Wiiliams.[5]

Por outro lado os carros da equipe Forti, apesar do sétimo lugar na prova do ano passado, não se classificaram para a corrida graças ao limite de 107% em relação ao melhor tempo do grid, dispositivo regulamentar que impede os carros mais lentos de funcionarem como "chicanes móveis" durante o GP.[6]

A corridaEditar

Logo nos primeiros metros a Jordan de Martin Brundle foi lançada para fora da pista após um toque que resultou numa imagem forte para o público e os telespectadores, mas apesar do bólido ter se partido ao meio o piloto nada sofreu.[7] Mediante isso a direção de prova determinou um novo procedimento de largada.

Villeneuve manteve a primeira posição na largada com Hill em segundo ao passo que Schumacher superou Irvine na disputa interna da Ferrari e acelerou para manter-se junto aos líderes numa perseguição que durou dezenove voltas quando o alemão foi em direção aos boxes. Livres do rival ferrarista, os carros de Grove travaram um duelo particular separados por uma diferença na casa de um segundo até que, na metade da corrida, o filho de Gilles Villeneuve fez sua parada e reassumiu a liderança ao ultrapassar Damon Hill no momento em que o inglês voltou do pit lane, mas a pressão exercida sobre Jacques Villeneuve o fez sair da pista na trigésima quarta volta, embora seus reflexos o tenham mantido em primeiro lugar. A essa altura Michael Schumacher já abandonara a disputa graças a uma falha nos freios.

Há cinco giros do fim os esforços de Hill fizeram a vantagem de Villeneuve cair para menos de um segundo e nesse instante o canadense notou que a pressão de óleo do seu carro atingiu níveis perigosos[5] e diminuiu o ritmo abrindo passagem para a vitória de Damon Hill conformando-se com a segunda posição, garantida graças à robusta diferença superior a cinquenta segundos em relação a Eddie Irvine.

O segundo triunfo consecutivo de Damon Hill na Austrália o fez igualar as quatorze vitórias de seu pai, Graham Hill.

ClassificaçãoEditar

Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 5   Damon Hill Williams-Renault 58 1:32:50.491 2 10
2 6   Jacques Villeneuve Williams-Renault 58 +38.020 1 6
3 2   Eddie Irvine Ferrari 58 +1:02.571 3 4
4 4   Gerhard Berger Benetton-Renault 58 +1:17.037 7 3
5 7   Mika Häkkinen McLaren-Mercedes 58 +1:35.071 5 2
6 19   Mika Salo Tyrrell-Yamaha 57 +1 volta 10 1
7 9   Olivier Panis Ligier-Mugen-Honda 57 +1 volta 11  
8 15   Heinz-Harald Frentzen Sauber-Ford 57 +1 volta 9  
9 16   Ricardo Rosset Footwork-Hart 56 +2 voltas 18  
10 10   Pedro Diniz Ligier-Mugen-Honda 56 +2 voltas 20  
11 18   Ukyo Katayama Tyrrell-Yamaha 55 +3 voltas 15  
Ret 20   Pedro Lamy Minardi-Ford 42 Cinto de segurança 17  
Ret 1   Michael Schumacher Ferrari 32 Freios 4  
Ret 21   Giancarlo Fisichella Minardi-Ford 32 Embreagem 16  
Ret 11   Rubens Barrichello Jordan-Peugeot 29 Motor 8  
Ret 8   David Coulthard McLaren-Mercedes 24 Aceleração 13  
Ret 17   Jos Verstappen Footwork-Hart 15 Motor 12  
Ret 3   Jean Alesi Benetton-Renault 9 Colisão 6  
Ret 12   Martin Brundle Jordan-Peugeot 1 Colisão 19  
Ret 14   Johnny Herbert Sauber-Ford 0 Colisão 14  
DNQ 22   Luca Badoer Forti-Ford   Acima dos 107% 21  
DNQ 23   Andrea Montermini Forti-Ford   Acima dos 107% 22  

NotasEditar

  • Volta mais rápida: Jacques Villeneuve 1:32.371
  • Pole position: Jacques Villeneuve 1:33.421 (na volta 27)
  • Único pódio de Irvine na temporada.
  • A prova marcou várias estreias:
    • Do novo circuito, passando de Adelaide para Melbourne;
    • Estreia de Michael Schumacher pela Ferrari, junto com Eddie Irvine;
    • Estreia da nova dupla da Benetton, Gerhard Berger e Jean Alesi;
    • Estreia de Jacques Villeneuve na Fórmula 1, pela Williams. O piloto é filho de Gilles Villeneuve, piloto que fez história nos anos 70 e 80 na Fórmula 1.

Referências