Grande Prêmio da Bélgica de 2007

Resultados do Grande Prêmio da Bélgica de Fórmula 1 realizado em Spa-Francorchamps em 16 de setembro de 2007. Décima quarta etapa do campeonato, foi vencido pelo finlandês Kimi Räikkönen, que subiu ao pódio junto a Felipe Massa numa dobradinha da Ferrari, com Fernando Alonso em terceiro pela McLaren-Mercedes.[2] Graças a esse resultado, a equipe italiana sagrou-se campeã mundial de construtores pela décima quinta vez em sua história.[3][nota 1]

Grande Prêmio da Bélgica
de Fórmula 1 de 2007
Spa-Francorchamps of Belgium.svg
50º GP da Bélgica em Spa-Francorchamps
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 16 de setembro de 2007
Nome oficial LXIII Grand Prix de Belgique[1]
Local Circuito de Spa-Francorchamps, Stavelot, Valônia, Bélgica
Percurso 7.004 km
Total 44 voltas / 308.176 km
Condições do tempo Parcialmente nublado, ameno e seco
Pole
Piloto
Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari
Tempo 1:45.994
Volta mais rápida
Piloto
Brasil Felipe Massa Ferrari
Tempo 1:48.036 (na volta 34)
Pódio
Primeiro
Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari
Segundo
Brasil Felipe Massa Ferrari
Terceiro
Espanha Fernando Alonso McLaren-Mercedes

ResumoEditar

Exclusão da McLarenEditar

Horas antes do início dos treinos na Bélgica, o Conselho Mundial da FIA puniu a McLaren pelo escândalo de espionagem configurado no uso de dados confidenciais da Ferrari numa manobra ladina do engenheiro ferrarista Nigel Stepney, que os repassou de forma ilegal a Mike Coughlan, funcionário do time britânico. Configurada a culpa da McLaren, a equipe foi excluída do mundial de construtores de 2007 ao ter cassados os pontos que detinha e ser proibida de pontuar nas quatro etapas restantes,[nota 2] além de ter que pagar uma multa de USS̩ 100 milhões a serem pagos em até noventa dias.[4][5]

Como os pilotos Lewis Hamilton e Fernando Alonso estavam sob garantia de imunidade e não participaram do caso, seus pontos não foram afetados. Questionado a respeito do caso, o presidente da Confederação Brasileira de Automobilismo, Paulo Scaglione, declarouː "Chegou-se ao consenso de tirar os pontos da McLaren. Quanto aos pilotos, havia o compromisso de Mosley de que se colaborassem, se beneficiariam. Em momento algum se aventou punir a McLaren por dois anos. Foi a reunião mais tensa em meus três anos no Conselho. Mas na de julho, o debate foi mais acalorado".[5]

Abatido, Ron Dennis prestou esclarecimentos durante a sessão e parecia resignado , mas dava sinais de insatisfação. Embora admitisse que os dados roubados da Ferrari estiveram sob o poder de Mike Coughlan, o chefe da McLaren assegurou não ter utilizado os mesmos.[6] A esse respeito Paulo Scaglione foi taxativoː "Saiu fortalecido o espírito esportivo. Não foi provado o uso, mas a receptação das informações da Ferrari pela McLaren. Tomar ciência dos dados, independentemente de se usar ou não, é uma infração".[5]

Classificação da provaEditar

Treinos classificatóriosEditar

Pos. Piloto Equipe Q1 Q2 Q3 Grid Notas
1 6   Kimi Räikkönen Ferrari 1:46.242 1:45.070 1:45.994 1
2 5   Felipe Massa Ferrari 1:46.060 1:45.173 1:46.011 2
3 1   Fernando Alonso McLaren-Mercedes 1:46.058 1:45.442 1:46.091 3
4 2   Lewis Hamilton McLaren-Mercedes 1:46.437 1:45.132 1:46.406 4
5 10   Robert Kubica BMW Sauber 1:46.707 1:45.885 1:46.996 14 [nota 3]
6 16   Nico Rosberg Williams-Toyota 1:46.950 1:46.469 1:47.334 5
7 9   Nick Heidfeld BMW Sauber 1:46.923 1:45.994 1:47.409 6
8 15   Mark Webber Red Bull-Renault 1:47.084 1:46.426 1:47.524 7
9 12   Jarno Trulli Toyota 1:47.143 1:46.480 1:47.798 8
10 4   Heikki Kovalainen Renault 1:46.971 1:46.240 1:48.505 9
11 3   Giancarlo Fisichella Renault 1:47.143 1:46.603 22 [nota 4]
12 11   Ralf Schumacher Toyota 1:47.300 1:46.618 10
13 14   David Coulthard Red Bull-Renault 1:47.340 1:46.800 11
14 7   Jenson Button Honda 1:47.474 1:46.955 12
15 18   Vitantonio Liuzzi Toro Rosso-Ferrari 1:47.576 1:47.115 13
16 17   Alexander Wurz Williams-Toyota 1:47.522 1:47.394 15
17 19   Sebastian Vettel Toro Rosso-Ferrari 1:47.581 16
18 8   Rubens Barrichello Honda 1:47.954 17
19 22   Takuma Sato Super Aguri-Honda 1:47.980 18
20 20   Adrian Sutil Spyker-Ferrari 1:48.044 19
21 23   Anthony Davidson Super Aguri-Honda 1:48.199 20
22 21   Sakon Yamamoto Spyker-Ferrari 1:49.557 21
Fonte:[7]

CorridaEditar

Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 6   Kimi Räikkönen Ferrari 44 1:20:39.066 1 10
2 5   Felipe Massa Ferrari 44 + 4.695 2 8
3 1   Fernando Alonso McLaren-Mercedes 44 + 14.343 3 6
4 2   Lewis Hamilton McLaren-Mercedes 44 + 23.615 4 5
5 9   Nick Heidfeld BMW Sauber 44 + 51.879 6 4
6 16   Nico Rosberg Williams-Toyota 44 + 1:16.876 5 3
7 15   Mark Webber Red Bull-Renault 44 + 1:20.639 7 2
8 4   Heikki Kovalainen Renault 44 + 1:25.106 9 1
9 10   Robert Kubica BMW Sauber 44 + 1:25.661 14
10 11   Ralf Schumacher Toyota 44 + 1:28.574 10
11 12   Jarno Trulli Toyota 44 + 1:43.653 8
12 18   Vitantonio Liuzzi Toro Rosso-Ferrari 43 + 1 volta 13
13 8   Rubens Barrichello Honda 43 + 1 volta 17
14 20   Adrian Sutil Spyker-Ferrari 43 + 1 volta 19
15 22   Takuma Sato Super Aguri-Honda 43 + 1 volta 18
16 23   Anthony Davidson Super Aguri-Honda 43 + 1 volta 20
17 21   Sakon Yamamoto Spyker-Ferrari 43 + 1 volta 21
Ret 7   Jenson Button Honda 36 Pane hidráulica 12
Ret 17   Alexander Wurz Williams-Toyota 34 Pressão do combustível 15
Ret 14   David Coulthard Red Bull-Renault 29 Pane hidráulica 11
Ret 19   Sebastian Vettel Toro Rosso-Ferrari 8 Dirigibilidade 16
Ret 3   Giancarlo Fisichella Renault 1 Suspensão 22
Fonte:[2]

Tabela do campeonato após a corridaEditar

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas e a campeã mundial de construtores surge grafada em negrito.

Notas

  1. Voltas na liderança: Kimi Räikkönen 42 voltas (1-15; 17-31; 33-44), Felipe Massa 2 voltas (16; 32).
  2. Até o Grande Prêmio da Itália de 2007 os pilotos da McLaren somavam 181 pontos, dos quais 166 foram atribídos à McLaren, até então líder do mundial de construtores. A diferença entre uma soma e outra justifica-se pela cassação dos pontos obtidos pelo time de Woking na Hungria, onde os comissários da FIA entenderam que a equipe britânica agiu de maneira prejudicial aos interesses da competição.
  3. Robert Kubica foi punido em dez posições no grid por trocar o motor antes da corrida.
  4. Giancarlo Fisichella largou em último por trocar o motor após a classificação.

Referências

  1. a b c «2007 Belgian GP – championships (em inglês) no Chicane F1». Consultado em 24 de agosto de 2021 
  2. a b «2007 Formula 1™ ING Belgian Grand Prix - race result» (em inglês). Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  3. Fred Sabino (17 de outubro de 2018). «Reviva dez corridas marcantes de Kimi Raikkonen, que completa 39 anos de idade». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  4. Fred Sabino (23 de fevereiro de 2020). «Escândalo de espionagem que envolveu engenheiros da McLaren acabou sem nenhuma prisão». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de agosto de 2021 
  5. a b c Redação (14 de setembro de 2007). «FIA pune a McLaren mas poupa os pilotos. Matutina – Esportes, p. 34». acervo.oglobo.globo.com. O Globo. Consultado em 25 de agosto de 2021 
  6. Tatiana Cunha (14 de setembro de 2007). «McLaren perde pontos, USS̩ 100 mi e só. Esporte, p. D-3». acervo.folha.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de agosto de 2021 
  7. «2007 Formula 1™ ING Belgian Grand Prix - qualifying» (em inglês). Consultado em 29 de fevereiro de 2020 

Precedido por
Grande Prêmio da Itália de 2007
Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 2007
Sucedido por
Grande Prêmio do Japão de 2007
Precedido por
Grande Prêmio da Bélgica de 2005
Grande Prêmio da Bélgica
63ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio da Bélgica de 2008