Abrir menu principal

Grande Prêmio da Itália de 1996

Grande Prêmio da Itália
de Fórmula 1 de 1996
Monza 1995.jpg
61º GP da Itália realizado em Monza
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 8 de setembro de 1996
Nome oficial Pioneer 67o Gran Premio d'Italia[nota 1]
Local Autódromo Nacional de Monza, Monza, Monza e Brianza, Lombardia, Itália
Total 53 voltas / 305.810 km
Condições do tempo Seco
Pole
Piloto
Reino Unido Damon Hill Williams-Renault
Tempo 1:24.204
Volta mais rápida
Piloto
Alemanha Michael Schumacher Ferrari
Tempo 1:26.110 (na volta 50)
Pódio
Primeiro
Alemanha Michael Schumacher Ferrari
Segundo
França Jean Alesi Benetton-Renault
Terceiro
Finlândia Mika Häkkinen McLaren-Mercedes

Resultados do Grande Prêmio da Itália de Fórmula 1 realizado em Monza em 8 de setembro de 1996.[1] Décima quarta etapa da temporada, teve como vencedor o alemão Michael Schumacher, da Ferrari.[2][nota 2]

Relatório da provaEditar

Mudanças na WilliamsEditar

Quatro dias antes de ir a Monza a equipe Williams oficializou algo tratado como especulação há muito tempo: a substituição de Damon Hill por Heinz-Harald Frentzen como companheiro de Jacques Villeneuve na próxima temporada.[3] Contratado por um ano, o piloto nasceu em Mönchengladbach e esteve na mira de Frank Williams após a morte de Ayrton Senna e também ano passado, quando Frentzen preservou seu vínculo com a Sauber. Junto com o anúncio, a Williams falou por meio de seu proprietário agradecendo aos serviços prestados por Damon Hill e desejou sorte a ele tanto no restante desta temporada quanto na carreira.

Questionado a respeito, Hill foi econômico em suas declarações, mas revelou-se chateado ao ser "demitido" por telefone[4] e sugeriu à imprensa que tirasse as respostas de Frank Williams. Mesmo ao falar sobre seu futuro, o britânico foi evasivo ao dizer que propostas para correr ano que vem não lhe faltam, mas não citou quais. Entretanto, causou surpresa a revelação que Bernie Ecclestone pediu ao quase-campeão da Fórmula 1 para não correr na Fórmula Indy.[4]

Em termos desportivos, tamanha agitação não impediu a Williams de ocupar a primeira fila no treino oficial de sábado com Damon Hill adiante de Jacques Villeneuve e Michael Schumacher espreitando seus rivais na terceira posição esperançoso por uma vitória que a Ferrari não consegue na Itália desde 1988 com Gerhard Berger.[5][6][7]

Consagração na FerrariEditar

Cientes que o título mundial poderia ser decidido em Monza, os pilotos da Williams saíram à frente dos rivais até serem surpreendidos com o arranque de Jean Alesi que colocou sua Benetton na liderança por alguns metros quando Hill interpôs o francês, Häkkinen e Schumacher entre ele e Villeneuve. Após duas voltas Coulthard já estava fora da prova e Häkkinen caiu para o fim do pelotão quando sua asa dianteira foi danificada pelos pneus que se desprenderam das barreiras postas acima das chicanes e assim Schumacher já estava em terceiro. Quase ao mesmo tempo uma imagem ainda mais impactante melhorou a sorte do alemão, pois Hill abandonou ao tocar na "chicane de pneus" e rodar após cinco voltas. Alesi passou a liderar seguido pela dupla da Ferrari com Villeneuve em quarto lugar evidenciando um mau rendimento oriundo de quando escapou da pista logo na primeira chicane ao tentar superar Hill. Tal ousadia o obrigou a parar nos boxes com somente onze voltas encerrando ali suas chances na prova.

Jean Alesi resistiu às investidas de Schumacher até o momento dos pit stops: o piloto da Benetton parou na trigésima primeira volta enquanto o alemão esperou mais dois giros, mas tão logo retornaram dos boxes o ferrarista assumiu a liderança para não mais deixá-la enquanto Alesi estava ainda mais longe de Häkkinen, cuja recuperação impressiona pelo resultado. Assim Michael Schumacher voltou a vencer duas provas em sequência desde outubro do ano passado e confirma o status de maior vencedor de corridas (22) entre os pilotos em atividade para delírio dos 150 mil tifosi presentes no Autódromo Nacional de Monza, alguns dos quais invadiram a pista após a finalização da corrida, cujo pódio foi completado por Jean Alesi e Mika Häkkinen.[8] A seguir vieram os pilotos Martin Brundle e Rubens Barrichello, da Jordan, e fechando a zona dos pontos estava Pedro Paulo Diniz.[9]

O grande derrotado do dia foi Jacques Villeneuve que, além de não reduzir a vantagem de Damon Hill, tem que descontar treze pontos em apenas vinte possíveis.

Décima primeira vitória da Ferrari em Monza.

Último ponto da equipe Ligier.

Primeira vez que dois brasileiros pontuam desde o Grande Prêmio do Pacífico de 1994.

Classificação da provaEditar

Treino oficialEditar

Pos. Piloto Construtor Tempo Diferença
1 5   Damon Hill Williams-Renault 1:24.204
2 6   Jacques Villeneuve Williams-Renault 1:24.521 + 0.317
3 1   Michael Schumacher Ferrari 1:24.781 + 0.577
4 7   Mika Häkkinen McLaren-Mercedes 1:24.939 + 0.735
5 8   David Coulthard McLaren-Mercedes 1:24.976 + 0.772
6 3   Jean Alesi Benetton-Renault 1:25.201 + 0.997
7 2   Eddie Irvine Ferrari 1:25.226 + 1.022
8 4   Gerhard Berger Benetton-Renault 1:25.470 + 1.266
9 12   Martin Brundle Jordan-Peugeot 1:26.037 + 1.833
10 11   Rubens Barrichello Jordan-Peugeot 1:26.194 + 1.990
11 9   Olivier Panis Ligier-Mugen/Honda 1:26.206 + 2.002
12 14   Johnny Herbert Sauber-Ford 1:26.345 + 2.141
13 15   Heinz-Harald Frentzen Sauber-Ford 1:26.505 + 2.301
14 10   Pedro Paulo Diniz Ligier-Mugen/Honda 1:26.726 + 2.522
15 17   Jos Verstappen Footwork-Hart 1:27.270 + 3.066
16 18   Ukyo Katayama Tyrrell-Yamaha 1:28.234 + 4.030
17 19   Mika Salo Tyrrell-Yamaha 1:28.472 + 4.268
18 20   Pedro Lamy Minardi-Ford 1:28.933 + 4.729
19 16   Ricardo Rosset Footwork-Hart 1:29.181 + 4.977
20 21   Giovanni Lavaggi Minardi-Ford 1:29.833 + 5.629
Limite dos 107%: 1:30.098
Fonte:[1]

CorridaEditar

Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 1   Michael Schumacher Ferrari 53 1:17:43.632 3 10
2 3   Jean Alesi Benetton-Renault 53 + 18.265 6 6
3 7   Mika Häkkinen McLaren-Mercedes 53 + 1:06.635 4 4
4 12   Martin Brundle Jordan-Peugeot 53 + 1:25.217 9 3
5 11   Rubens Barrichello Jordan-Peugeot 53 + 1:25.475 10 2
6 10   Pedro Paulo Diniz Ligier-Mugen/Honda 52 + 1 volta 14 1
7 6   Jacques Villeneuve Williams-Renault 52 + 1 volta 2
8 17   Jos Verstappen Footwork-Hart 52 + 1 volta 15
9 14   Johnny Herbert Sauber-Ford 51 Motor 12
10 18   Ukyo Katayama Tyrrell-Yamaha 51 + 2 voltas 16
Ret 16   Ricardo Rosset Footwork-Hart 36 Spun off 19
Ret 2   Eddie Irvine Ferrari 23 Spun off 7
Ret 20   Pedro Lamy Minardi-Ford 12 Motor 18
Ret 19   Mika Salo Tyrrell-Yamaha 9 Motor 17
Ret 15   Heinz-Harald Frentzen Sauber-Ford 7 Spun off 13
Ret 5   Damon Hill Williams-Renault 5 Rodou 1
Ret 21   Giovanni Lavaggi Minardi-Ford 5 Motor 20
Ret 4   Gerhard Berger Benetton-Renault 4 Pane hidráulica 8
Ret 9   Olivier Panis Ligier-Mugen/Honda 2 Spun off 11
Ret 8   David Coulthard McLaren-Mercedes 1 Spun Off 5
Fonte:[1]

Tabela do campeonato após a corridaEditar

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas e a campeã mundial de construtores surge grafada em negrito.

Notas

  1. O número oficial de corridas sob o nome de "Grande Prêmio da Itália" contém uma prova a mais que as efetivamente realizadas.
  2. Voltas na liderança: Damon Hill 5 voltas (1-5), Jean Alesi 25 voltas (6-30), Michael Schumacher 23 voltas (31-53).

Referências

Precedido por
Grande Prêmio da Bélgica de 1996
Campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1996
Sucedido por
Grande Prêmio de Portugal de 1996
Precedido por
Grande Prêmio da Itália de 1995
Grande Prêmio da Itália
66ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio da Itália de 1997