Grande Prêmio do Brasil de 1989

Resultados do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 realizado em Jacarepaguá em 26 de março de 1989. Primeira etapa do campeonato, foi vencido pelo britânico Nigel Mansell, da Ferrari, com Alain Prost em segundo pela McLaren-Honda e Mauricio Gugelmin em terceiro pela March-Judd.[2][3][4]

Grande Prêmio do Brasil
de Fórmula 1 de 1989

Décimo (e último) GP do Brasil em Jacarepaguá
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 26 de março de 1989
Nome oficial XVIII Grande Prêmio do Brasil[1]
Local Jacarépaguá, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Percurso 5.031 km
Total 61 voltas / 306.891 km
Condições do tempo Muito quente, seco, ensolarado
Pole
Piloto
Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda
Tempo 1:25.302
Volta mais rápida
Piloto
Itália Riccardo Patrese Williams-Renault
Tempo 1:32.507 (na volta 47)
Pódio
Primeiro
Reino Unido Nigel Mansell Ferrari
Segundo
França Alain Prost McLaren-Honda
Terceiro
Brasil Mauricio Gugelmin March-Judd

Resumo

editar

O acidente de Philippe Streiff

editar

Eram aproximadamente onze da manhã de 15 de março de 1989 quando um acidente com a AGS do piloto francês Philippe Streiff interrompeu os testes de pré-temporada que a Fórmula 1 realizava no Autódromo de Jacarepaguá. Naquele instante, o bólido modelo JH23B perdeu o controle na Curva do Cheirinho a uma velocidade aferida entre 220 e 260 km/h,[5] bateu contra o guard rail, voou sobre a tela de proteção e caiu de cabeça para baixo ao atingir o solo, num impacto que descolou o santantônio e prensou o corpo de Streiff.[6] Desacordado, o piloto foi vítima dum atendimento demorado, irregular e improvisadoː não havia colar cervical disponível, removeram o capacete de Streiff sem autorização antes de levarem o piloto à Clínica São Vicente, localizada a 30 quilômetros do circuito.[6][7] Estabilizado, ele deveria realizar a cirurgia para a fixação da coluna no momento seguinte, mas a família preferiu transferi-lo para a capital francesa sob os cuidados do médico Gerard Saillant. Uma vez em Paris, constatou-se a tetraplegia de Philippe Streiff.[6] Em 2017, o médico brasileiro Dino Altmann assegurou que o piloto não estava tetraplégico ao sair do Rio de Janeiro.[7]

A ausência de marcas de frenagem na pista indicava uma quebra de suspensão como causa do acidente, mas outra coisa também foi notada. "Se ele tivesse batido na caixa de brita, teria ficado. Mas como a área é pequena, ele passou por cima e nada mais o conteve",[5] afirmou o major Paulo Roberto Pinheiro, supervisor de operações do Corpo de Bombeiros. Além do que, o resgate de Streiff envolveu um risco adicional, pois o macacão do piloto estava encharcado de gasolina e a equipe de socorro teve que debelar um princípio de incêndio. Devido às capotagens resultantes do impacto, a AGS estava a oitenta metros do local do acidente.[8] O bombeiro Roosevelt Rodrigues abaixou-se quando o carro voou sobre o aramado, mas sofreu cortes na testa ao ser atingido por uma roda solta, enquanto José Alício de Souza, operário responsável pela instalação de um módulo de arquibancadas, fraturou o pé esquerdo.[8][nota 1]

Philippe Streiff estreou na Fórmula 1 pela Renault no Grande Prêmio de Portugal de 1984. Seu melhor resultado foi o terceiro lugar no Grande Prêmio da Austrália de 1985 pela Ligier,[9] correndo depois pela Tyrrell antes de assinar com a AGS, disputando 53 corridas.[10]

Brabham de volta às pistas

editar

Fruto de uma sociedade entre Jack Brabham e Ron Tauranac, a Brabham estreou no Grande Prêmio da Alemanha de 1962. Campeã mundial de pilotos e construtores com o próprio Jack Brabham em 1966 e Denny Hulme em 1967, foi comprada por Bernie Ecclestone em 1972 e nela o brasileiro Nelson Piquet foi campeão em 1981 e 1983.[11] O comando da equipe manteve-se inalterado até 1987 quando findou o contrato com a BMW e o papel de Bernie Ecclestone como presidente da FOCA[nota 2] exigia atenção integral do magnata britânico, motivo pelo qual a Brabham não correu em 1988, encerrando sua primeira passagem pela Fórmula 1 com os títulos descritos anteriormente, além de 39 pole positions e 35 vitórias em 328 corridas disputadas.[12] No final deste ano o empresário suíço Joachim Lüthi adquiriu a Brabham e a inscreveu para o certame de 1989 com os pilotos Martin Brundle e Stefano Modena.[11]

O passado vitorioso da Brabham não a livrou de ser uma das nove equipes a disputar a pré-classificação no Brasil, a maioria das quais (Brabham, Osella, Zakspeed e Onyx) terá dois carros na pista, grupo da qual a AGS está alijada por ora. Brundle e Modena ocuparam os primeiros lugares nesse treino, à frente da EuroBrun de Gregor Foitek e a Osella de Nicola Larini. Após o ocorrido com a equipe de Streiff, a FISA aumentou para cinco as vagas da classificação prévia,[13] e assim Bernd Schneider foi contemplado para a satisfação da Zakspeed. Na seara dos estreantes, apenas Gregor Foitek avançou para o próximo nível, enquanto Bertrand Gachot, Joachim Winkelhock (com a última AGS presente) e Volker Weidler ficaram pelo caminho, assim como a equipe Onyx.[1]

Enquanto alguns retornam, outros nem puderam estrear. Reprovada no teste de impacto ordenado pela FISA para os interessados em competir na Fórmula 1, a FIRST Racing continuará restrita à Fórmula 3000 Internacional. Fundada em 1987 pelo ex-piloto Lamberto Leoni, a equipe contava com o brasileiro Ricardo Divila em seu corpo técnico e tinha Gabriele Tarquini como piloto.[14][15]

Igual ao ano que passou?

editar

Celebrado como o "Rei do Rio" graças às cinco vitórias logradas em Jacarépaguá,[16] Alain Prost terminou o ano de 1988 em alta ao vencer o Grande Prêmio da Austrália, mas o clima de festa no certame em questão eclipsou as mais ferinas declarações do bicampeão a respeito da McLaren em sete temporadas pelo time britânico.[nota 3] Numa entrevista aos jornalistas franceses naquele instante, o francês acusou a Honda de favorecer Ayrton Senna. Alegando "não contar tudo o que sabia" afim de evitar sua demissão, ele afirmou que pretende deixar a McLaren em 1989, quando termina o seu contrato,[17] ou, no máximo, em 1990. O cerne de suas lamúrias está na intimidade de Ayrton Senna com os funcionários da montadora japonesa, razão pela qual Osamu Goto deu o melhor carro ao brasileiro durante os testes em Monza, além de, conforme Prost, conceder ao rival o direito a longas "discussões privadas" nas quais Senna esmiuçava detalhes no acerto do carro enquanto as necessidades do francês ficavam em segundo plano.[18]

Enquanto Alain Prost vituperava contra sua própria equipe, a Ferrari preferiu agirː trouxe ao Brasil o modelo F1 640 (ou F1-89). Projetado por John Barnard e testado por Roberto Moreno, o novo carro possuía como novidade o câmbio semiautomático acionado por duas "borboletas" presas ao volante. Tal sistema permitiria um engate de marchas mais rápido e manteria em alta a rotação do motor V12 que impulsionava os bólidos vermelhos. Confiabilidade à parte, Nigel Mansell e Gerhard Berger não se desgarrariam do volante ao longo das provas e usariam a embreagem apenas para tirar o F1-89 da inércia, ganhando terreno diante da concorrência graças ao motor em rotação constante e ao acionamento mais rápido do carro na hora da largada.[19]

Com uma reputação vencedora a zelar, a Williams disputará o campeonato de 1989 com uma versão revisada do FW12 até que o novo bólido da equipe esteja pronto. Para empurrar seus carros, Frank Williams e Patrick Head uniram-se à Renault, cujos motores V10 ao dispor de Thierry Boutsen e Riccardo Patrese possuem acionamento pneumático, recurso que dispensa molas para acionar as válvulas do motor e permite dosar a rotação extraída dos mesmos, diminuindo as chances de quebra.[20][21] Patrese, aliás, fez o melhor tempo no treino de sexta-feira, deixando Ayrton Senna para trás. Projetista da McLaren, Gordon Murray foi direto ao pontoː "Vão dar mais trabalho que as Ferrari".[22]

Trinta pilotos foram à pista no sábado com o fito de disputar vinte e seis vagas disponíveis para a corrida e destes o mais rápido foi Ayrton Senna. Logo em sua primeira tentativa ele cravou o melhor tempo, retornando ao asfalto na parte final da sessão quando marcou 1:25.302 com a McLaren, recorde da pista de Jacarépaguá (a marca anterior pertencia ao próprio Senna em 1986 ao volante da Lotus) confirmando a trigésima pole position de sua carreira. Mesmo prejudicado por uma avaria no motor, Riccardo Patrese foi o segundo colocado graças ao tempo obtido na sexta-feira, mesmo cenário que garantiu a Gerhard Berger o terceiro lugar. Nas posições seguintes estavamː Thierry Boutsen, Alain Prost e Nigel Mansell, formando um grid no qual McLaren, Williams e Ferrari exibiam a nova relação de forças na Fórmula 1, bem diferente das corridas de 1988, quando a equipe fundada por Bruce McLaren esmagava a concorrência com facilidade. Neste cenário o "melhor do resto" foi Ivan Capelli, sétimo colocado com a March. Quanto aos demais brasileiros, Nelson Piquet terminou em nono com a Lotus e Mauricio Gugelmin em décimo segundo na outra March.[4]

Merece destaque o décimo lugar do estreante Johnny Herbert. Contratado pela Benetton como substituto de Thierry Boutsen, o piloto britânico quase teve a perna direita amputada num acidente na Fórmula 3000 em Brands Hatch a 21 de agosto de 1988 quando Gregor Foitek atingiu Herbert por trás. Desgovernado, o bólido atingiu o muro e o impacto expôs as pernas de Johnny Herbert, que foram esmagadas num segundo choque. Graças às cirurgias e a um tratamento médico intensivo, ele estreou na Fórmula 1, embora tivesse que ser carregado para entrar e sair do carro.[23] Herbert, inclusive, não foi o único remanescente daquele dia a chegar na Fórmula 1, pois o também estreante, Olivier Grouillard, classificou-se em vigésimo segundo, na 200ª (ducentésima) corrida da Ligier.[4][24] Menos sorte tiveram Gregor Foitek e os veteranos Yannick Dalmas, René Arnoux (a bordo da outra Ligier) e Roberto Moreno, desbastados no treino. Restaram vinte e seis pilotos habilitados a largar.[4]

Mais um erro do campeão

editar

"Ayrton Senna. Não há a menor dúvida de que ele foi o responsável pela batida".[25] Com apenas uma frase, Paul Catalano, dirigente da FISA presente no Autódromo de Jacarepaguá, resumiu a perplexidade de quem assistia a corrida, pois logo nos primeiros metros, o ídolo brasileiro estava fora de combate. "Dei uma bobeada. Demorei alguns segundos para largar e, depois, troquei muito cedo a primeira pela segunda marcha".[26] Grosseira de tão simples, a explanação de Senna é um eufemismo para descrever sua má largada. Na hora que as luzes foram apagadas, a Williams de Riccardo Patrese saiu à frente enquanto a McLaren de Ayrton Senna mal teve forças para reagir, afinal o campeão de 1988 foi alcançado pela Ferrari de Gerhard Berger, cujo ímpeto o fez emparelhar com Ayrton Senna. Este, para não ser ultrapassado, bloqueou seu rival austríaco por dentro e depois pela direita, obrigando a Ferrari a por as rodas na grama. Berger, entretanto, não se intimidou e logo havia três carros na curva um de Jacarepaguá. Com espaço diminuto, Senna estava cercado pelos dois lados[27] e nisso um choque entre ele e Berger tirou da prova o piloto da Ferrari e uma trombada com a Williams de Patrese fez o brasileiro perder o bico do carro.[27][28][29][30]

Obrigado a parar nos boxes, Ayrton Senna aguardou por duas voltas até que trocassem a asa dianteira do carro, mas na quinta volta retornou para corrigir novos problemas na McLaren e ficou estacionado mais uma volta. Carregando tamanho prejuízo, ele sequer pôde figurar entre os coadjuvantes da prova, afinal terminou a corrida em décimo primeiro, a duas voltas do vencedor.[31] Zerar na pontuação foi um desastre para Senna, todavia o maior prejuízo reside nos três erros crassos cometidos em apenas dez meses, algo incomum para um campeão mundial.

Para a Folha de S.Paulo, o piloto brasileiro foi "a vítima e o réu"[29] de suas próprias ações. Mais visceral, Renato Maurício Prado abriu sua coluna em O Globo com uma indagaçãoː "Que maldita compulsão será esta, que leva Ayrton Senna a 'fechar a porta' a todos que tentam ultrapassá-lo, ainda que seja na primeira curva da primeira prova do ano?".[32] De fato, o Ayrton Senna que foi a Jacarepaguá em 26 de março de 1989 era um arremedo do campeão mundial de 1988. Diante de 70 mil torcedores compareceu uma versão afoita e irreconhecível do piloto com atitudes iguais às do Grande Prêmio de Mônaco de 1988 quando liderava com 55 segundos de vantagem, desconcentrou-se e bateu, entregando a vitória a Alain Prost,[33] sendo que no Grande Prêmio da Itália de 1988 foi piorː ele bateu em um retardatário e perdeu uma vitória certa a duas voltas para o fim daquela prova.[34] A este sumário de erros acrescente-se agora o fiasco de 1989 no Brasil.[27]

Questionado sobre a manobra canhestra de Ayrton Senna, o jornalista Celso Itiberê foi sucintoː "Errou e muito". Segundo ele, a hesitação do brasileiro no momento da largada resultou em uma aceleração à meia-força, impedindo o pleno funcionamento do motor Honda. Por esta razão, sua McLaren ficou atrás de Patrese e ao alcance de Berger antes do acidente. "Se alguma coisa faltou ao campeão naquele momento, foi bom senso. Um toque no freio, o austríaco passaria e Ayrton teria ainda 61 voltas à sua dispodição para recuperar o pouco tempo perdido", escreveu Itiberê nas páginas de O Globo.[35]

Estreia vitoriosa pela Ferrari

editar

Riccardo Patrese escapou ileso do acidente entre seus adversários e assumiu a liderança em dobradinha com Thierry Boutsen. A alegria da Williams, no entanto, reduziu-se em pouco tempoː no terceiro giro o britânico Nigel Mansell colocou sua Ferrari na vice-liderança, pois Boutsen sofreu com um superaquecimento no motor, causando quando um pedaço da McLaren de Senna resvalou no capacete do belga e obstruiu o radiador de seu carro, fazendo-o sair da corrida em sua estreia pelo time de Frank Williams.[25] Em terceiro lugar, Alain Prost estava adiante de um grupo formado por Ivan Capelli (March), Derek Warwick (Arrows) e Alessandro Nannini (Benetton).[36] Correndo sem ligar para o calor ou o asfalto abrasivo de Jacarepaguá, o "leão" descontava a diferença em relação a Patrese, a quem perseguia com afinco. Enquanto isso, um problema na injeção de combustível na Lotus pôs fim ao domingo de Nelson Piquet e Alain Prost realizou seu único pit stop na décima quinta volta, dez antes de Patrese.[3]

Nigel Mansell ultrapassou Riccardo Patrese na volta dezesseis, mas a necessidade de ir para os boxes o fez devolver a ponta ao italiano da Williams cinco giros mais tarde, perdendo também o segundo lugar para Alain Prost. Na volta vinte e três o "professor" assumiu a liderança, mas a embreagem de sua McLaren piorava gradativamente enquanto os pneus novos da Ferrari turbinaram Mansell, que reassumiu o primeiro lugar na volta vinte e oito com uma ultrapassagem no fim da reta.[28] Órfã de seus campeões, a torcida brasileira passou a torcer por Maurício Gugelmin, cativo na zona de pontuação desde a décima quinta passagem, sobretudo após duelar com os carros da Benetton. Após a segunda rodada de pit stops, o piloto da March era o quinto, atrás de Mansell, Prost, Warwick e Herbert, assinalando a melhor volta até aquele instante.[37]

As condições da pista e o ritmo empregado para alcançar a liderança e manter-se nela, obrigaram Mansell a um novo pit stop, no qual ele trocou os pneus e também o volante do carro. Nesse ínterim Prost reassumiu a ponta por duas voltas (44 e 45), contudo o francês estava com os pneus muito desgastados e não quis trocá-los, pois se fosse para os boxes temia que a falta de embreagem fizesse o motor apagar, razão pela qual não pôde resistir quando o bólido vermelho de Mansell regressou ao primeiro lugar. Com o carro em más condições, o francês via Gugelmin aproximar-se no miolo do circuito, embora a potência do motor Honda e a experiência de Prost o fizessem recuperar terreno na reta.[31] Além disso, o brasileiro da March estava na alça de mira de Patrese depois que a Williams trocou seus pneus, obrigando Gugelmin a atacar e defender-se ao mesmo tempo. Decidido a ultrapassar, Patrese quebrou o recorde do circuito (1:32.507) na quadragésima sétima volta e chegou a superar Gugelmin pouco antes de abandonar por falha no alternador na volta cinquenta e um.[28] Resingando, do italiano saiu da corrida com um prêmio de consolaçãoː 177 corridas disputadas na Fórmula 1, tornando-se, então, o piloto mais experiente da história.[38][nota 4]

As boas condições do carro permitiram que Nigel Mansell administrasse a sua vantagem e cruzasse a linha de chegada em primeiro lugar, seguido pelo extenuado Alain Prost, resultado possível graças ao tato de Maurício Gugelmin, que preferiu garantir o terceiro lugar ao ver subir a temperatura do motor Judd. Em quarto terminou o estreante Johnny Herbert, da Benetton, com Derek Warwick em quinto pela Arrows e Alessandro Nanini em sexto com a outra Benetton.[4]

Líder do mundial de pilotos e construtores graças aos nove pontos de Nigel Mansell, a Ferrari venceu pela quarta vez no Brasil, a primeira em Jacarepaguá desde Carlos Reutemann em 1978.[16][nota 5] O britânico, inclusive, é o terceiro piloto da história a vencer em sua estreia pela Casa de Maranello após Juan Manuel Fangio no Grande Prêmio da Argentina de 1956 e Giancarlo Baghetti em Grande Prêmio da França de 1961.[39][40][nota 6] Em segundo lugar, Alain Prost enalteceu sua "corrida de sobrevivência" pela McLaren, enquanto Maurício Gugelmin fez história graças ao terceiro lugar, único pódio de sua carreira e também o último dos 21 pódios da March.[41]

Triste fim de Jacarepaguá

editar

O acidente que vitimou Philippe Streiff foi um episódio grave para a reputação do Jacarépaguá, mas não o único. Faltando menos de uma hora para a corrida, o torcedor Ildefonso de Castro, 38 anos, morreu instantaneamente ao cair do último degrau da arquibancada no início do retão na curva Pace (setor J) devido a uma tábua que cedeu a 15 metros de altura, obrigando os bombeiros a interditar parte da área ao detectarem mais tábuas soltas.[42] Diante das repercussões negativas, a Confederação Brasileira de Automobilismo agiu rápidoː em 19 de abril, Piero Gancia consulrou a FISA sobre o retorno da Fórmula 1 ao Autódromo de Interlagos. "Não estamos tentando roubar o GP do Rio. Queremos, isto sim, salvar o GP do Brasil, que após os incidentes deste ano está ameaçado de não existir",[43] declarou o presidente da CBA. Em 8 dezembro de 1989, a FISA divulgou o calendário do ano seguinte, sacramentando o regresso da Fórmula 1 a São Paulo a partir de 1990 num circuito reformado.[44][45][46]

Encerrado o vínculo com a Fórmula 1, o autódromo carioca alternou períodos de ostracismo com o brilho de eventos renomados como a MotoGP (1995-2004) e a Rio 200, etapa brasileira da Champ Car (1996-2000), além de sediar competições nacionais como Fórmula Truck e Stock Car Pro Series, dentre outras.[47][nota 7] Sede dos Jogos Pan-Americanos de 2007, o Rio de Janeiro modificou parte do circuito para erguer o Complexo Esportivo Cidade dos Esportes, sendo que demoliram o autódromo em 2012.[48] Surgiu então o Parque Olímpico do Rio de Janeiro, principal estrutura voltada à realização dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016.

Um projeto relativo ao Autódromo de Deodoro, a ser construído no bairro homônimo da capital fluminense, foi apresentado em substituição a Jacarépaguá.[48] Todavia, a questão dos impactos ambientais impediu o começo das obras em 2013.[49] Oito anos depois, uma lei aprovada pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro converteu a Floresta do Camboatá, área de Mata Atlântica onde o novo autódromo seria construído, em um refúgio da vida silvestre.[50][51] Em maio de 2024, surgiu uma proposta de construção de um autódromo no bairro de Guaratiba, mediante compensações ambientais.[52]

Classificação

editar

Pré-classificação

editar
Pos. N.º Piloto Construtor Tempo Dif.
1 7   Martin Brundle Brabham-Judd 1:27.764
2 8   Stefano Modena Brabham-Judd 1:28.147 + 0.383
3 33   Gregor Foitek EuroBrun-Judd 1:29.604 + 1.840
4 17   Nicola Larini Osella-Ford 1:29.679 + 1.915
5 34   Bernd Schneider Zakspeed-Yamaha 1:30.417 + 2.653
6 21   Alex Caffi Dallara-Ford 1:30.747 + 2.983
7 18   Piercarlo Ghinzani Osella-Ford 1:31.150 + 3.386
8 39   Volker Weidler Rial-Ford 1:31.964 + 4.200
9 32   Pierre-Henri Raphanel Coloni-Ford 1:32.019 + 4.255
10 41   Joachim Winkelhock AGS-Ford 1:32.982 + 5.218
11 35   Aguri Suzuki Zakspeed-Yamaha 1:33.079 + 5.315
12 36   Stefan Johansson Onyx-Ford 1:35.232 + 7.468
13 37   Bertrand Gachot Onyx-Ford 1:37.932 + 10.168

Treinos classificatórios

editar
Pos. N.º Piloto Construtor Q1 Q2 Grid
1 1   Ayrton Senna McLaren-Honda 1:26.205 1:25.302
2 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 1:26.172 7:12.732 + 0.870
3 28   Gerhard Berger Ferrari 1:26.271 1:26.394 + 0.969
4 5   Thierry Boutsen Williams-Renault 1:27.367 1:26.459 + 1.157
5 2   Alain Prost McLaren-Honda 1:27.095 1:26.620 + 1.318
6 27   Nigel Mansell Ferrari 1:27.249 1:26.772 + 1.470
7 16   Ivan Capelli March-Judd 1:27.525 1:27.035 + 1.733
8 9   Derek Warwick Arrows-Ford 1:27.937 1:27.408 + 2.106
9 11   Nelson Piquet Lotus-Judd 1:28.423 1:27.437 + 2.135
10 20   Johnny Herbert Benetton-Ford 1:27.626 1:27.754 + 2.324
11 19   Alessandro Nannini Benetton-Ford 1:28.394 1:27.865 + 2.563
12 15   Maurício Gugelmin March-Judd 1:27.956 1:28.581 + 2.654
13 7   Martin Brundle Brabham-Judd 1:29.138 1:28.274 + 2.972
14 8   Stefano Modena Brabham-Judd 1:28.621 1:28.942 + 3.319
15 22   Andrea de Cesaris Dallara-Ford 1:29.005 1:29.206 + 3.703
16 23   Pierluigi Martini Minardi-Ford 1:30.077 1:29.435 + 4.133
17 38   Christian Danner Rial-Ford 1:30.460 1:29.455 + 4.153
18 3   Jonathan Palmer Tyrrell-Ford 1:30.443 1:29.573 + 4.271
19 17   Nicola Larini Osella-Ford 1:31.341 1:30.146 + 4.844
20 4   Michele Alboreto Tyrrell-Ford 1:32.260 1:30.255 + 4.953
21 12   Satoru Nakajima Lotus-Judd 1:30.942 1:30.375 + 5.073
22 26   Olivier Grouillard Ligier-Ford 1:30.410 1:30.666 + 5.108
23 24   Luis Pérez-Sala Minardi-Ford 1:30.702 1:30.643 + 5.341
24 10   Eddie Cheever Arrows-Ford 1:30.657 1:31.068 + 5.355
25 34   Bernd Schneider Zakspeed-Yamaha 1:32.346 1:30.861 + 5.559
26 30   Philippe Alliot Lola-Lamborghini 1:31.872 1:31.009 + 5.707
27 29   Yannick Dalmas Lola-Lamborghini 1:32.411 1:31.260 + 5.958
28 25   René Arnoux Ligier-Ford 1:34.232 1:31.376 + 6.074
29 33   Gregor Foitek EuroBrun-Judd 1:31.791 1:53.570 + 6.489
30 31   Roberto Moreno Coloni-Ford 1:32.561 1:34.894 + 7.259
Fontes:[2]

Corrida

editar
Pos. N.º Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 27   Nigel Mansell Ferrari 61 1:38:58.744 6 9
2 2   Alain Prost McLaren-Honda 61 + 7.809 5 6
3 15   Maurício Gugelmin March-Judd 61 + 9.370 12 4
4 20   Johnny Herbert Benetton-Ford 61 + 10.493 10 3
5 9   Derek Warwick Arrows-Ford 61 + 17.866 8 2
6 19   Alessandro Nannini Benetton-Ford 61 + 18.241 11 1
7 3   Jonathan Palmer Tyrrell-Ford 60 + 1 volta 18
8 12   Satoru Nakajima Lotus-Judd 60 + 1 volta 21
9 26   Olivier Grouillard Ligier-Ford 60 + 1 volta 22
10 4   Michele Alboreto Tyrrell-Ford 59 + 2 voltas 20
11 1   Ayrton Senna McLaren-Honda 59 + 2 voltas 1
12 30   Philippe Alliot Lola-Lamborghini 58 + 3 voltas 26
13 22   Andrea de Cesaris Dallara-Ford 57 + 4 voltas 15
14 38   Christian Danner Rial-Ford 56 Câmbio 17
Ret 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 51 Alternador 2
Ret 10   Eddie Cheever Arrows-Ford 37 Colisão 24
Ret 34   Bernd Schneider Zakspeed-Yamaha 36 Colisão 25
Ret 7   Martin Brundle Brabham-Judd 27 Semieixo 13
Ret 16   Ivan Capelli March-Judd 22 Suspensão 7
Ret 11   Nelson Piquet Lotus-Judd 10 Injeção de combustível 9
DSQ 17   Nicola Larini Osella-Ford 10 Desalinhado no grid 19 [nota 8]
Ret 8   Stefano Modena Brabham-Judd 9 Semieixo 14
Ret 5   Thierry Boutsen Williams-Renault 3 Motor 4
Ret 23   Pierluigi Martini Minardi-Ford 2 Chassis 16
Ret 28   Gerhard Berger Ferrari 0 Colisão 3
Ret 24   Luis Pérez-Sala Minardi-Ford 0 Colisão 23
DNQ 29   Yannick Dalmas Lola-Lamborghini
DNQ 25   René Arnoux Ligier-Ford
DNQ 33   Gregor Foitek EuroBrun-Judd
DNQ 31   Roberto Moreno Coloni-Ford
DNPQ 21   Alex Caffi Dallara-Ford
DNPQ 18   Piercarlo Ghinzani Osella-Ford
DNPQ 39   Volker Weidler Rial-Ford
DNPQ 32   Pierre-Henri Raphanel Coloni-Ford
DNPQ 41   Joachim Winkelhock AGS-Ford
DNPQ 35   Aguri Suzuki Zakspeed-Yamaha
DNPQ 36   Stefan Johansson Onyx-Ford
DNPQ 37   Bertrand Gachot Onyx-Ford
Fontes:[2][nota 9]

Tabela do campeonato após a corrida

editar
  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas. Entre 1981 e 1990 cada piloto podia computar onze resultados válidos por temporada não havendo descartes no mundial de construtores.

Notas

  1. Em 28 de setembro de 1986 o piloto Nelson Balestieri faleceu durante uma sessão de testes da Fórmula Ford em Jacarepaguá. Com o autódromo deserto e parte da pista ainda fechada, ele deixou os boxes às seis da manhã e teve sua visão ofuscada pelo sol batendo numa barra de ferro situada à altura de seu capacete, morrendo instantaneamente.
  2. A extinta FOCA precedeu uma série de entidades antes de originar o Formula One Group, comprado pela Liberty Media em 2017.
  3. Alain Prost correu pela McLaren ao lado de John Watson (1980), Niki Lauda (1984, 1985), Keke Rosberg (1986), Stefan Johansson (1987) e por fim, Ayrton Senna (1988, 1989).
  4. O recorde anterior de corridas disputadas na Fórmula 1 foi estabelecido por Jacques Laffite, piloto da Ligier, no Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 1986.
  5. Niki Lauda venceu o Grande Prêmio do Brasil pela Ferrari em 1976 e Carlos Reutemann em 1977 e 1978, triunfos anteriores ao êxito de Nigel Mansell em 1989.
  6. Conforme permitia o regulamento de então, a vitória de Juan Manuel Fangio no Grande Prêmio da Argentina de 1956 foi dividida com o italiano Luigi Musso.
  7. No Brasil, o conceito de "Fórmula Indy" abrange, aos olhos da torcida, os campeonatos organizados pela Associação Automobilística Americana, United States Auto Club, Champ Car e Indy Racing League.
  8. Nicola Larini foi desclassificado ao posicionar seu carro quase três metros adiante de sua posição de largada.
  9. Voltas na liderança: Riccardo Patrese 17 voltas (1-15; 21-22), Nigel Mansell 37 voltas (16-20; 28-44; 47-61), Alain Prost 7 voltas (23-27; 45-46).

Referências

  1. a b c d «1989 Brazilian GP – championships (em inglês) no Chicane F1». Consultado em 21 de junho de 2021 
  2. a b c «1989 Brazilian Grand Prix - race result». Consultado em 19 de agosto de 2018 
  3. a b Fred Sabino (26 de março de 2019). «Maurício Gugelmin subiu pela única vez ao pódio na Fórmula 1 na última prova no Rio, há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 26 de março de 2019 
  4. a b c d e «Brazilian GP, 1989 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 27 de abril de 2019 
  5. a b Redação (16 de março de 1989). «Streiff se acidenta e é operado da coluna. Primeiro Caderno – Automobilismo, p. 32». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 21 de junho de 2022 
  6. a b c Fred Sabino (15 de março de 2019). «O triste destino de Philippe Streiff, tetraplégico após acidente há 30 anos, em Jacarepaguá». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 21 de junho de 2022 
  7. a b Fred Sabino (26 de junho de 2018). «Philippe Streiff teve carreira interrompida após acidente em Jacarepaguá». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 21 de junho de 2022 
  8. a b Cecília Guedes (16 de março de 1989). «Streiff capota e sofre cirurgia de emergência no Rio. Esportes, p. D-4». acervo.folha.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 22 de junho de 2022 
  9. «Drivers – Philippe Streiff (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 22 de junho de 2022 
  10. «Philippe Streiff – Grands Prix started (em inglês) no Stats F1». Consultado em 22 de junho de 2022 
  11. a b «Constructors – Brabham (Motor Racing Developments Ltd.) (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 22 de junho de 2022 
  12. «Brabham – overall statistics (em inglês) no Stats F1». Consultado em 22 de junho de 2022 
  13. Flávio Gomes (25 de março de 1989). «Brabham confirma seu favoritismo na pré-classificação. Esportes, p. D-2». acervo.folha.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 22 de junho de 2022 
  14. «People – Richard Divila (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 2 de julho de 2022 
  15. Fred Sabino (2 de março de 2020). «Apesar da boa reputação nas pistas, Gabriele Tarquini detém recorde indesejado na F1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 3 de julho de 2022 
  16. a b Fred Sabino (29 de janeiro de 2021). «Circuitos clássicos #12: por dez vezes, Jacarepaguá recebeu GP do Brasil de Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 22 de junho de 2022 
  17. Sérgio Rodrigues (21 de julho de 1987). «Prost renova com McLaren por mais duas temporadas. Primeiro Caderno – Esportes, p. 23». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 22 de junho de 2022 
  18. Any Bourrier (13 de novembro de 1988). «Prost acusa Honda de favorecer Senna. Matutina – Esportes, p. 45». acervo.oglobo.globo.com. O Globo. Consultado em 22 de junho de 2022 
  19. Fred Sabino (1 de fevereiro de 2019). «Há 30 anos, Ferrari apresentava primeiro carro com câmbio semiautomático na história da F1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 22 de junho de 2022 
  20. Mário Andrada e Silva (25 de março de 1989). «Perto do recorde, o "velho" Patrese é surpresa no primeiro dia de treinos. Esportes, p. D-1». acervo.folha.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 22 de junho de 2022 
  21. «Constructors – Williams F1 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 22 de junho de 2022 
  22. Flávio Gomes (25 de março de 1989). «Williams surpreende Murray. Esportes, p. D-1». acervo.folha.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 22 de junho de 2022 
  23. Fred Sabino (21 de agosto de 2020). «Johnny Herbert teve carreira na F1 comprometida antes mesmo de estrear devido a acidente brutal». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 23 de junho de 2022 
  24. «Ligier – Grands Prix started 1989 (em inglês) no Stats F1». Consultado em 26 de junho de 2022 
  25. a b Redação (27 de março de 1989). «Bergerː "Se alguém errou, não fui eu". Matutina – Esportes, p. 06». acervo.oglobo.globo.com. O Globo. Consultado em 24 de junho de 2022 
  26. Redação (27 de março de 1989). «O campeão enfim reconheceː "Dei uma bobeada na largada". Matutina – Esportes, p. 06». acervo.oglobo.globo.com. O Globo. Consultado em 24 de junho de 2022 
  27. a b c Fred Sabino (9 de maio de 2020). «Até a consagradora vitória de 1991, Ayrton Senna enfrentou incômodo tabu no GP do Brasil». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 9 de maio de 2020 
  28. a b c Redação (27 de março de 1989). «Gugelmin brilha, Nigel Mansell vence. Matutina – Esportes, p. 06». acervo.oglobo.globo.com. O Globo. Consultado em 24 de junho de 2022 
  29. a b Mário Andrada e Silva; Flávio Gomes; Cecília Guedes (27 de março de 1989). «Na estréia, (sic) Nigel Mansell derruba o "rei do Rio". Esportes, p. D-2». acervo.folha.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 24 de junho de 2022 
  30. Marcelo França (27 de março de 1989). «Berger bate cedo e corre menos de 3 km. Esportes– Capa». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 24 de junho de 2022 
  31. a b Redação (27 de março de 1989). «Mansell vence na terra de dois "inimigos". Esportes– p.03». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 24 de junho de 2022 
  32. Renato Maurício Prado (27 de março de 1989). «Quando é que Ayrton Senna vai crescer?. Matutina – Esportes, p. 06». acervo.oglobo.globo.com. O Globo. Consultado em 25 de junho de 2022 
  33. Fred Sabino (15 de maio de 2018). «Há exatos 30 anos, em Mônaco, o maior erro da carreira de Ayrton Senna». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 24 de junho de 2022 
  34. Fred Sabino (11 de setembro de 2018). «Há 30 anos, batida banal de Senna e vitória da Ferrari em nome do Comendador». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 24 de junho de 2022 
  35. Celso Itiberê (27 de março de 1989). «Bastava saber física. Matutina – Esportes, p. 10». acervo.oglobo.globo.com. O Globo. Consultado em 25 de junho de 2022 
  36. «Brazil 1989 – lap by lap (em inglês) no Stats F1». Consultado em 25 de junho de 2022 
  37. Redação (27 de março de 1989). «Senna bate em Berger na largada. Esportes, p. D-2». acervo.folha.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de junho de 2022 
  38. Fred Sabino (17 de abril de 2018). «Riccardo Patrese teve uma das carreiras mais longevas da história da Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 26 de junho de 2022 
  39. Fred Sabino (22 de janeiro de 2021). «Brasil pontuou pela primeira vez na história da Fórmula 1 há 65 anos, com Chico Landi». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 26 de junho de 2022 
  40. Fred Sabino (27 de novembro de 2020). «Giancarlo Baghetti conseguiu a incrível proeza de vencer prova de estreia na Fórmula 1, em 1961». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 26 de junho de 2022 
  41. «March – Podiums (em inglês) no Stats F1». Consultado em 26 de junho de 2022 
  42. Redação (27 de março de 1989). «Torcedor morre ao cair da arquibancada. Matutina – Esportes, p. 08». acervo.oglobo.globo.com. O Globo. Consultado em 28 de junho de 2022 
  43. Redação (19 de abril de 1989). «Gancia viaja para mudar GP. Primeiro Caderno – Esporte, p. 26». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil (2ª edição). Consultado em 28 de junho de 2022 
  44. Reali Júnior (9 de dezembro de 1989). «Fisa avalia Interlagos em janeiro. Esportes, p. 27». acervo.estadao.com.br. O Estado de S. Paulo. Consultado em 28 de junho de 2022 
  45. Fred Sabino (27 de janeiro de 2020). «Última corrida de Fórmula 1 no velho traçado de Interlagos teve vitória de René Arnoux, há 40 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 28 de junho de 2022 
  46. Fred Sabino (1 de fevereiro de 2020). «Com participação de Ayrton Senna, pista de Interlagos ganhou novo traçado há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 28 de junho de 2022 
  47. «Circuits – Jacarepagua (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 28 de junho de 2022 
  48. a b Redação (19 de fevereiro de 2013). «Autódromo de Jacarepaguá já está totalmente demolido; assista». sportv.globo.com. SporTV News. Consultado em 28 de junho de 2022 
  49. Redação (10 de maio de 2012). «Obras do Autódromo de Deodoro, no Rio, vão começar em janeiro de 2013». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 29 de junho de 2022 
  50. Gabriel Barreira (26 de março de 2019). «Construção de autódromo em Deodoro volta a ser discutida no RJ». g1.globo.com. G1 Rio de Janeiro. Consultado em 26 de março de 2019 
  51. Pedro Henrique Marum (12 de novembro de 2021). «Câmara Municipal do Rio aprova Camboatá como refúgio e sepulta pista em Deodoro». grandepremio.com. Grande Prêmio. Consultado em 29 de junho de 2022 
  52. Bruna Rodrigues (29 de maio de 2024). «Novo projeto de autódromo no Rio inclui preservação ambiental». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2024 

Precedido por
Grande Prêmio da Austrália de 1988
FIA Campeonato Mundial de Fórmula 1
Ano de 1989
Sucedido por
Grande Prêmio de San Marino de 1989
Precedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1988
Grande Prêmio do Brasil
18ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1990