Grande Prêmio do Japão de 1990

Grande Prêmio do Japão
de Fórmula 1 de 1990
Suzuka circuit map (1987-2002).svg
Sexto GP do Japão em Suzuka
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 21 de outubro de 1990
Nome oficial XVI Fuji Television Japanese Grand Prix
Local Circuito de Suzuka, Suzuka, Prefeitura de Mie, Região de Kansai, Ilha de Honshu, Japão
Percurso 5.859 km
Total 53 voltas / 310.527 km
Condições do tempo Ensolarado
Pole
Piloto
Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda
Tempo 1:36.996
Volta mais rápida
Piloto
Itália Riccardo Patrese Williams-Renault
Tempo 1:44.233 (na volta 40)
Pódio
Primeiro
Brasil Nelson Piquet Benetton-Ford
Segundo
Brasil Roberto Moreno Benetton-Ford
Terceiro
Japão Aguri Suzuki Larrousse-Lamborghini

Resultados do Grande Prêmio do Japão de Fórmula 1 realizado em Suzuka em 21 de outubro de 1990.[1] Foi a décima quinta e penúltima etapa da temporada e teve como vencedor o brasileiro Nelson Piquet em dobradinha com o seu companheiro de equipe, Roberto Moreno.[2] Em terceiro lugar chegou o japonês Aguri Suzuki e assim formou-se o último pódio não europeu na história da categoria, marca vigente ainda em 2020.[nota 1]

Esta corrida entrou para a história devido à colisão entre o piloto brasileiro Ayrton Senna e o francês Alain Prost com repercussões no campeonato, pois no instante em que saíram da pista, Ayrton Senna conquistou o bicampeonato mundial de pilotos numa reviravolta em relação ao Grande Prêmio do Japão de 1989 quando Prost garantiu o título ao causar um acidente numa disputa com Senna.[3][4] Ao fim da prova a Benetton foi agraciada com a vitória do tricampeão Nelson Piquet e o segundo lugar de Roberto Moreno, que levaram os modelos B190 à primeira dobradinha da história do time e a última entre pilotos brasileiros.[5] Por fim o japonês Aguri Suzuki conseguiu o melhor resultado de sua carreira e também da equipe Larrousse, ao chegar em terceiro com o chassis Lola LC90.[6]

Mesmo fora da prova após o acidente de Ayrton Senna e a saída de Gerhard Berger, a McLaren conquistou o mundial de construtores pelo terceiro ano consecutivo quando a Ferrari de Nigel Mansell abandonou a corrida após 26 voltas por falhas no semieixo.

ResumoEditar

Bastidores e anúnciosEditar

Houve muitos anúncios antes da corrida, a começar pela Brabham que usaria motores Yamaha em 1991 enquanto a Footwork assinou com a Porsche e manteve Alex Caffi e Michele Alboreto como seus pilotos. No sentido inverso Life e Eurobrun abandonaram a categoria.[7] Aliás, Roberto Moreno saiu desta última equipe e juntou-se à Benetton como substituto de Alessandro Nannini,[2] cuja carreira terminou por causa de um acidente de helicóptero em 12 de outubro, quase duas semanas após o Grande Prêmio da Espanha.[8] Outra substituição relacionada a Jerez foi o retorno de Johnny Herbert às pistas em lugar de Martin Donnelly na Lotus, pois o norte-irlandês bateu a mais de 250km/h em um incidente pavoroso e encerrou precocemente a carreira.[9][10]

Desfalque sem solução foi o de Jean Alesi que não correu devido a uma lesão no pescoço durante o treino de sexta-feira. Como a sua posição no grid não foi atribuída a outro competidor, esta foi a terceira corrida consecutiva a ter apenas vinte e cinco participantes em vez dos habituais vinte e seis.[11]

Por fim o britânico Nigel Mansell anunciou seu retorno à Williams num contrato de dois anos sob as garantias de Frank Williams, Patrick Head e da Renault segundo as quais seria o "número um" do time e guiaria um bólido capaz de fazê-lo campeão mundial.

Ecos de 1989Editar

Desolado após abandonar o Grande Prêmio da Espanha, Ayrton Senna parecia ignorar as vantagens que detinha para a etapa japonesa, pois para garantir o título bastaria uma vitória ou mesmo um segundo lugar, desde que a vitória não fosse de Alain Prost e caso o francês termine em terceiro, Senna conquistará o bicampeonato mesmo sem pontuar.[12] Embora favorecido pelos números, a cabeça do piloto brasileiro parecia em outro lugar, pois desde a quarta-feira o mesmo empenou-se em garantir que o local destinado ao pole position fosse trocado da parte interna da reta dos boxes, onde o asfalto era mais "sujo" por causa dos detritos, para a área externa da referida reta, tal como ocorreu nas provas do Brasil, México, Alemanha e Portugal, mas uma ordem de Jean-Marie Balestre, desafeto de Ayrton Senna, amigo de Alain Prost e presidente da Federação Internacional de Automobilismo Esportivo (FISA), vetou a mudança, apesar dos precedentes citados.[4]

Sem ter como mudar a decisão do cartola-mor, Ayrton Senna duelou com Alain Prost e garantiu a pole position quase no fim da sessão, deixando Alain Prost em segundo, mas como este teria mais aderência por largar na parte "limpa" da pista, era o francês da Ferrari que estava em melhor situação, sobretudo porque seu companheiro de equipe, Nigel Mansell, sairia em terceiro lugar adiante de Gerhard Berger, o outro piloto da McLaren. Horas antes da prova nipônica, mais uma frustração atingiu Senna quando os demais pilotos, por unanimidade, concordaram com a proposta de Nelson Piquet segundo a qual "os pilotos pudessem cortar a chicane em caso de necessidade ou acidente",[4] situação idêntica a de 1989 quando o brasileiro retornou à pista depois de sofrer um acidente causado por Prost. Naquela ocasião, Senna voltou à corrida e venceu, mas foi desclassificado antes de subir ao pódio graças à "mão invisível" de Balestre, o que garantiu o tricampeonato mundial a Alain Prost.[3] Originalmente a FISA propusera o seguinte: "o carro que saísse da pista na chicane teria que voltar atrás com a ajuda de um oficial de pista e retornar no mesmo ponto que saíra","[13] mas o risco de um acidente nessas condições levou à contraproposta feita por Nelson Piquet.

A respeito dessa reunião Ayrton Senna afirmou: "Eu me levantei e fui embora. Porque foi exatamente isso que fiz no ano passado e me desclassificaram por esse motivo. Considerando-a um risco à segurança dos pilotos, o brasileiro falou o seguinte sobre a proposta da FISA: "Se eles tivessem aceito que os carros passassem a sair no fim da chicane seria um reconhecimento público de que teriam errado ano passado comigo". Em meio a tantos aborrecimentos, o piloto foi sincero logo depois da prova ao declarar que "a frustração era muito grande na hora da largada".[13]

As chances de Alain ProstEditar

Mesmo em desvantagem numérica, Alain Prost depende apenas de si para chegar ao título, pois caso vença no Japão e na Austrália chegará a 82 pontos válidos (após a aplicação dos descartes) e caso Ayrton Senna seja o segundo nessas provas também somará 82 pontos, mas o francês levaria o campeonato de 1990 por sete vitórias a seis.

Menos de dez segundosEditar

Todo o esforço de Ayrton Senna em acomodar seu bólido no "lado limpo" da pista de Suzuka foi explicado por ele antes de começarem os treinos. "A pole aqui é importante, já que ultrapassar é quase impossível", disse o piloto. Outra de suas declarações rememorou a decisão de 1989 e soou ambígua sobre o duelo com seu rival: "É impossível passar aqui. Se Prost tentar, vamos ter uma situação muito difícil. Não penso mais no passado e aquela batida faz parte do meu passado. Mas passar, em Suzuka, é sempre uma situação de risco".[14]

No momento da largada a previsão de Ayrton Senna confirmou-se quando a Ferrari de Alain Prost tracionou melhor por largar na parte limpa do circuito, mas o arranque do motor Honda permitiu que Senna emparelhasse sua McLaren ao lado do seu adversário figadal e este, ao movimentar-se do centro para a esquerda da pista, deu a Senna a oportunidade para ultrapassar Prost pela parte interna da curva, todavia ao corrigir sua trajetória para fazer a primeira curva à frente de seu adversário, o francês não contava com uma atitude temerária de Senna, que não reduziu a aceleração e assim houve um choque entre ambos a 250 km/h quando o pneu traseiro da Ferrari arrancou o bico da McLaren e os dois carros desgovernados saíram da pista e levantaram muita poeira e detritos antes de ficarem presos na caixa de brita.[4] Para quem desejava um duelo épico restou a frustração: o título mundial de 1990 foi decidido em nove segundos e vinte e oito centésimos em apenas trezentos metros de asfalto.[15]

Quando a poeira baixou, os "brigões" entreolharam-se brevemente antes que Senna virasse as costas para Prost. Imaginando que cancelariam a largada, ambos correram para os boxes a fim de prosseguirem em sua contenda, mas como a direção de prova não tomou qualquer atitude quanto ao acidente ou as atitudes que o motivaram. Terminava ali o campeonato de 1990 e nele Ayrton Senna conquistou o bicampeonato mundial com 78 pontos.[4]

Dois campeões, um acidenteEditar

Alain Prost não hesitou em classificar Senna como "fanático" responsabilizando-o pelo acidente que decidiu o título. "Fazer isso hoje era muito perigoso, sobretudo nessa curva. E ele fez isso deliberadamente".[16] Perguntado quanto as semelhanças deste acidente com o de 1989, quando Prost foi tricampeão numa batida, o francês afirmou que "no ano passado foi totalmente diferente", citando a desvantagem de Senna na pontuação àquela altura, mas a rigor a distinção residia num ponto: Alain Prost provocou o acidente que lhe deu o título em 1989 numa chicane, enquanto Senna deu o troco em alta velocidade numa situação perigosa e de consequências imprevisíveis.[3][17] Duas atitudes que não mereceram qualquer reprimenda por parte da FISA.

Num ciclo infinito de falas e contra-argumentos, Prost sustentava que tinha um carro de vantagem e como líder poderia escolher a trajetória da curva, mas para Senna este direito deve estar atrelado às condições momentâneas da prova às quais Prost deveria manter-se atento e nisso o brasileiro fez a tomada da curva por dentro e executou uma tentativa de ultrapassagem, em tese uma atitude correta inerente ao calor da competição, mas convertida em acidente quando Alain Prost corrigiu a trajetória e aproximou seu carro da McLaren de Ayrton Senna para forçá-lo a recuar, mas este não acionou os freios e os dois bateram.[18]

"Não esperava que Senna fosse capaz de uma manobra dessas. Não sei como ele pode guiar assim. Ele viu que tinha perdido a corrida na largada e aí forçou passagem numa hora impossível",[6] declarou Prost a respeito do ocorrido na etapa japonesa. Tomado pela fúria, o piloto da Ferrari subiu o tom em outra declaração: "Senna mostou, enfim, a sua verdadeira face. Não estou disposto a brigar com irresponsáveis que não têm medo de morrer. Para pessoas assim, a morte é um jogo".[19]

Em sentido inverso, Ayrton Senna admitiu que a posição de largada influiu no resultado da prova. Conforme seu raciocínio, o ideal seria o primeiro colocado no grid largar no lado externo da pista, mas na impossibilidade de fazê-lo, relatou assim o ocorrido: "Eu perdi no pulo, no farol verde. Aí depois comecei a ganhar terreno na aceleração, até a primeira curva. Quando chegou a primeira curva, tinha um espaço e eu entrei. Ele (Prost) fechou a porta e bateu. Não consegui evitar. Se fosse ao contrário, com certeza, a corrida não teria terminado ali". Afirmando estar em paz consigo mesmo, o bicampeão fez desta conquista um revide em relação a 1989: "Este título eu dedico a todos aqueles que lutaram contra mim no ano passado e me machucaram muito. Este ano, está aí a demonstração para eles de quem é o campeão".[20]

Inconformado, Alain Prost sustentava que a atitude de Ayrton Senna no Japão foi proposital, opinião recorrente nas críticas feitas por parte da imprensa especializada, mas somente quando o tricampeão Jackie Stewart, paladino da segurança nas pistas durante os anos sessenta e setenta, afirmou que o piloto brasileiro era alguém sem "ética nem humanidade", veio uma resposta mais incisiva segundo a qual "piloto gente não ganha campeonatos ou títulos. Você tem de ser agressivo".[18] Em 2020 o brasileiro Roberto Moreno opinou a respeito da atitude de Senna. "Acho que ele foi sujo", disse ele para em seguida completar: "Não acho que ele precisava ter feito aquilo para ter ganhado o campeonato. Poderia ganhar sem a batida".[21]

Ayrton Senna aguardou um ano para falar a respeito do acidente controverso e o fez num momento onde Jean-Marie Balestre não comandava mais a FISA e Alain Prost estava em crise com a Ferrari. Em 24 de outubro de 1991 a McLaren divulgou um comunicado onde o piloto falou sobre 1990. "O que eu disse é que havia decidido que não seria eu a abrir passagem no caso de os dois pilotos irem para o mesmo lado da pista. Qualquer piloto faz isso, ocasionalmente. Em momento algum afirmei que bati deliberadamente em Prost". O teor do comunicado, porém, contrasta com as palavras do brasileiro durante entrevista coletiva dias antes no Circuito de Suzuka por ocasião do seu tricampeonato naquele ano. Nela, Ayrton Senna afirmou que fizera a coisa certa ao bater em Prost quando Jean-Marie Balestre vetou a mudança na posição de largada do pole position: "A partir daquela decisão arbitrária, resolvi que, se Prost tomasse a minha frente na primeira curva, não o deixaria passar. Larguei com esse pensamento".[22] Para o brasileiro ficou evidente então, seu direito a uma revanche.

Dobradinha brasileiraEditar

Enquanto os maiorais da temporada brigavam fora da pista com a ferocidade retórica habitual, a corrida prosseguiu normalmente, mas ao final da primeira volta a McLaren o líder Gerhard Berger passou por cima do óleo e dos detritos legados pela batida entre Prost e Senna, abandonando a prova quando seu carro ficou preso na área de escape. Tal descuido deixou a equipe de Ron Dennis à mercê da Ferrari quanto ao mundial de construtores, pois Nigel Mansell assumiu a liderança, seguido por Nelson Piquet e Roberto Moreno, pilotos da Benetton, e pelos carros da Williams, defendida por Thierry Boutsen e Riccardo Patrese, mas logo o piloto italiano abandonou o pelotão de elite quando seus compostos dianteiros desgastaram-se além do previsto e ele teve que ir aos boxes.[23]

A ordem dos ponteiros manteve-se inalterada até a vigésima sexta volta quando Nigel Mansell foi aos boxes e trocou os pneus em menos de seis segundos, todavia sua Ferrari parou por falha na transmissão num infortúnio que garantiu o mundial de construtores para a McLaren. Deste momento em diante a Benetton assumiu o protagonismo da prova com Piquet e Moreno ocupando os primeiros lugares. Quanto maior era o percurso da corrida, mais claro parecia o objetivo da equipe multicor: desgastar minimamente os pneus a fim de evitar um pit stop, motivo pelo qual os carros tinham pouca asa. Na disputa pelo terceiro lugar, Riccardo Patrese manteve Aguri Suzuki atrás de si por dez voltas, mas o japonês o ultrapassou na trigésima sétima passagem e não foi ameaçado até o fim da porfia e desse modo os três cruzaram a linha de chegada à frente de Riccardo Patrese e Thierry Boutsen cujas Williams não rendiam tão bem na prova enquanto Aguri Suzuki levou sua Tyrrell ao sexto lugar.[23][24]

Quando os pilotos da Benetton cruzaram a linha de chegada a equipe explodiu de alegria, extravasando-a com muitos gritos, sorrisos e abraços. Para Nelson Piquet a satisfação de vencer pela primeira vez desde o Grande Prêmio da Itália de 1987[25] sob o comando de Frank Williams, mas não foi apenas isso: ao subir ao pódio o tricampeão brasileiro estava ao lado de Roberto Moreno, um amigo leal que conhecera em Brasília em 1971. Lágrimas festivas e sorrisos de alegria contagiavam aquela cerimônia de premiação encerrando de forma digna uma corrida iniciada sob circunstâncias tão pesarosas. Foi, aliás, o primeiro pódio tanto de Roberto Moreno quanto de Aguri Suzuki, este saudado por seus compatriotas por seu excelente resultado com a Larrousse.[26]

Satisfeito, Nelson Piquet levou seu bom humor à coletiva de imprensa onde, em tom de piada, fez questão de reapresentar-se aos repórteres ali presentes e durante todo o tempo interagia com um emocionado Roberto Moreno e Aguri Suzuki, este às voltas com o seu inglês ruim, mas nada que um pouco de esforço e alegria não resolvessem e não havia melhor momento para isso.[26] Por fim registre-se também a primeira dobradinha na história da equipe Benetton e a última dobradinha entre pilotos brasileiros na Fórmula 1.[27][5]

Treinos classificatóriosEditar

1º treino classificatório
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 28   Gerhard Berger McLaren-Honda 1:38.374
2 1   Alain Prost Ferrari 1:38.684
3 27   Ayrton Senna McLaren-Honda 1:38.828
4 2   Nigel Mansell Ferrari 1:38.969
5 5   Thierry Boutsen Williams-Renault 1:39.577
6 4   Jean Alesi Tyrrell-Ford 1:40.052
7 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 1:40.355
8 23   Pierluigi Martini Minardi-Ford 1:40.899
9 20   Nelson Piquet Benetton-Ford 1:41.041
10 3   Satoru Nakajima Tyrrell-Ford 1:41.208
11 30   Aguri Suzuki Larrousse-Lamborghini 1:41.442
12 11   Derek Warwick Lotus-Lamborghini 1:41.482
13 16   Ivan Capelli Leyton House-Judd 1:41.657
14 19   Roberto Moreno Benetton-Ford 1:41.719
15 15   Maurício Gugelmin Leyton House-Judd 1:42.049
16 29   Eric Bernard Larrousse-Lamborghini 1:42.141
17 8   Stefano Modena Brabham-Judd 1:42.617
18 24   Gianni Morbidelli Minardi-Ford 1:42.858
19 12   Johnny Herbert Lotus-Lamborghini 1:43.111
20 7   David Brabham Brabham-Judd 1:43.156
21 10   Alex Caffi Arrows-Ford 1:43.270
22 9   Michele Alboreto Arrows-Ford 1:43.304
23 25   Nicola Larini Ligier-Ford 1:43.396
24 22   Andrea de Cesaris Dallara-Ford 1:43.601
25 14   Olivier Grouillard Osella-Ford 1:43.993
26 26   Philippe Alliot Ligier-Ford 1:44.106
27 17   Gabriele Tarquini AGS-Ford 1:44.281
28 18   Yannick Dalmas AGS-Ford 1:44.410
29 21   Emanuele Pirro Dallara-Ford -
30 31   Bertrand Gachot Coloni-Ford -
2º treino classificatório
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 27   Ayrton Senna McLaren-Honda 1:36.996
2 1   Alain Prost Ferrari 1:37.228
3 2   Nigel Mansell Ferrari 1:37.719
4 28   Gerhard Berger McLaren-Honda 1:38.118
5 5   Thierry Boutsen Williams-Renault 1:39.577
6 20   Nelson Piquet Benetton-Ford 1:40.049
7 19   Roberto Moreno Benetton-Ford 1:40.579
8 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 1:40.664
9 30   Aguri Suzuki Larrousse-Lamborghini 1:40.888
10 11   Derek Warwick Lotus-Lamborghini 1:41.024
11 16   Ivan Capelli Leyton House-Judd 1:41.033
12 3   Satoru Nakajima Tyrrell-Ford 1:41.078
13 12   Johnny Herbert Lotus-Lamborghini 1:41.558
14 15   Maurício Gugelmin Leyton House-Judd 1:41.698
15 29   Eric Bernard Larrousse-Lamborghini 1:41.709
16 23   Pierluigi Martini Minardi-Ford 1:41.964
17 25   Nicola Larini Ligier-Ford 1:42.339
18 21   Emanuele Pirro Dallara-Ford 1:42.361
19 24   Gianni Morbidelli Minardi-Ford 1:42.364
20 26   Philippe Alliot Ligier-Ford 1:42.593
21 9   Michele Alboreto Arrows-Ford 1:43.610
22 22   Andrea de Cesaris Dallara-Ford 1:43.647
23 14   Olivier Grouillard Osella-Ford 1:43.782
24 10   Alex Caffi Arrows-Ford 1:43.887
25 31   Bertrand Gachot Coloni-Ford 1:45.393
26 18   Yannick Dalmas AGS-Ford 1:46.326
27 8   Stefano Modena Brabham-Judd -
28 7   David Brabham Brabham-Judd -
29 17   Gabriele Tarquini AGS-Ford -
DNS 4   Jean Alesi Tyrrell-Ford [11][nota 2]
Não classificados
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
27 17   Gabriele Tarquini AGS-Ford 1:44.281
28 18   Yannick Dalmas AGS-Ford 1:44.410
29 31   Bertrand Gachot Coloni-Ford 1:45.393
30 4   Jean Alesi Tyrrell-Ford DNS

Grid de largada e classificação da provaEditar

Grid de largada
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 27   Ayrton Senna McLaren-Honda 1:36.996
2 1   Alain Prost Ferrari 1:37.228
3 2   Nigel Mansell Ferrari 1:37.719
4 28   Gerhard Berger McLaren-Honda 1:38.118
5 5   Thierry Boutsen Williams-Renault 1:39.577
6 20   Nelson Piquet Benetton-Ford 1:40.049
7 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 1:40.355
8 19   Roberto Moreno Benetton-Ford 1:40.579
9 30   Aguri Suzuki Larrousse-Lamborghini 1:40.888
10 23   Pierluigi Martini Minardi-Ford 1:40.899
11 11   Derek Warwick Lotus-Lamborghini 1:41.024
12 16   Ivan Capelli Leyton House-Judd 1:41.033
13 3   Satoru Nakajima Tyrrell-Ford 1:41.078
14 12   Johnny Herbert Lotus-Lamborghini 1:41.558
15 15   Maurício Gugelmin Leyton House-Judd 1:41.698
16 29   Eric Bernard Larrousse-Lamborghini 1:41.709
17 25   Nicola Larini Ligier-Ford 1:42.339
18 21   Emanuele Pirro Dallara-Ford 1:42.361
19 24   Gianni Morbidelli Minardi-Ford 1:42.364
20 26   Philippe Alliot Ligier-Ford 1:42.593
21 8   Stefano Modena Brabham-Judd 1:42.617
22 7   David Brabham Brabham-Judd 1:43.156
23 10   Alex Caffi Arrows-Ford 1:43.270
24 9   Michele Alboreto Arrows-Ford 1:43.304
25 22   Andrea de Cesaris Dallara-Ford 1:43.601
26 14   Olivier Grouillard Osella-Ford 1:43.782
Classificação da prova
Pos. Piloto Chassi/Motor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 20   Nelson Piquet Benetton-Ford 53 1:34:36.824 6 9
2 19   Roberto Moreno Benetton-Ford 53 + 7.223 8 6
3 30   Aguri Suzuki Larrousse-Lamborghini 53 + 22.469 9 4
4 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 53 + 36.258 7 3
5 5   Thierry Boutsen Williams-Renault 53 + 46.884 5 2
6 3   Satoru Nakajima Tyrrell-Ford 53 + 1:12.350 13 1
7 25   Nicola Larini Ligier-Ford 52 + 1 volta 17
8 23   Pierluigi Martini Minardi-Ford 52 + 1 volta 10
9 10   Alex Caffi Arrows-Ford 52 + 1 volta 23
10 26   Philippe Alliot Ligier-Ford 52 + 1 volta 20
Ret 11   Derek Warwick Lotus-Lamborghini 38 Câmbio 11
Ret 12   Johnny Herbert Lotus-Lamborghini 31 Motor 14
Ret 9   Michele Alboreto Arrows-Ford 28 Motor 24
Ret 2   Nigel Mansell Ferrari 26 Transmissão 3
Ret 21   Emanuele Pirro Dallara-Ford 24 Alterador 18
Ret 29   Eric Bernard Larrousse-Lamborghini 24 Motor 16
Ret 24   Gianni Morbidelli Minardi-Ford 18 Rodada 19
Ret 16   Ivan Capelli Leyton House-Judd 16 Ignição 12
Ret 22   Andrea de Cesaris Dallara-Ford 13 Rodada 25
Ret 15   Mauricio Gugelmin Leyton House-Judd 5 Motor 15
Ret 7   David Brabham Brabham-Judd 5 Embreagem 22
Ret 28   Gerhard Berger McLaren-Honda 1 Rodada 4
Ret 27   Ayrton Senna McLaren-Honda 0 Colisão 1
Ret 1   Alain Prost Ferrari 0 Colisão 2
Ret 8   Stefano Modena Brabham-Judd 0 Colisão 21
DNS 4   Jean Alesi Tyrrell-Ford - Acidente - [11][nota 2]
DNQ 14   Olivier Grouillard Osella-Ford Não qualificado
DNQ 17   Gabriele Tarquini AGS-Ford Não qualificado
DNQ 18   Yannick Dalmas AGS-Ford Não qualificado
DNQ 31   Bertrand Gachot Coloni-Ford Não qualificado

Tabela do campeonato após a corridaEditar

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas e os campeões da temporada surgem grafados em negrito. Entre 1981 e 1990 cada piloto podia computar onze resultados válidos por ano não havendo descartes no mundial de construtores.

Notas

  1. Voltas na liderança: Gerhard Berger 1 volta (1), Nigel Mansell 25 voltas (2-26), Nelson Piquet 27 voltas (27-53).
  2. a b Vítima de um acidente nos treinos de sexta-feira, o francês Jean Alesi sofreu uma torção que o deixou com fortes dores no pescoço, razão pela qual a Tyrrell não o deixou participar do Grande Prêmio do Japão.

Referências

  1. «1990 Japanese Grand Prix - race result». Consultado em 18 de abril de 2019 
  2. a b Fred Sabino (14 de outubro de 2018). «Os 60 anos de Roberto Pupo Moreno: relembre momentos marcantes do piloto brasileiro». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 19 de abril de 2019 
  3. a b c Fred Sabino (22 de outubro de 2019). «Senna x Prost: auge da guerra teve acidente entre rivais em corrida épica no Japão há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  4. a b c d e Fred Sabino (21 de outubro de 2020). «Senna ganhou bicampeonato da F1 ao atingir Prost na largada do GP do Japão, há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 21 de outubro de 2020 
  5. a b Fred Sabino (21 de outubro de 2020). «Piquet e Moreno fizeram última dobradinha do Brasil na F1 há 30 anos; relembre todas». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  6. a b Mário Andrada e Silva (22 de outubro de 1990). «Senna. Caderno de Esportes – p. D-1». Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de abril de 2019 
  7. Fred Sabino (21 de fevereiro de 2020). «Pior carro da história? Life com motor W12 não se pré-classificou para nenhuma prova em 1990». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 21 de fevereiro de 2020 
  8. Fred Sabino (7 de julho de 2019). «Alessandro Nannini faz 60 anos; italiano venceu um GP e deixou F1 após queda de helicóptero». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 7 de julho de 2019 
  9. Fred Sabino (14 de outubro de 2018). «Johnny Herbert, o piloto que estreou e abandonou a Fórmula 1 carregado». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 19 de abril de 2019 
  10. Fred Sabino (28 de setembro de 2020). «Martin Donnelly sofreu um dos acidentes mais brutais da Fórmula 1 há 30 anos, mas sobreviveu». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  11. a b c Ruth de Aquino (22 de outubro de 1990). «Jean Alesi nem largou. Caderno de Esportes – p. 02». Jornal do Brasil. Consultado em 19 de abril de 2019 
  12. Senna pode ser bicampeão até sem vitória (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 20/10/1990. Primeiro Caderno, Automobilismo, p. 19. Página visitada em 22 de outubro de 2020.
  13. a b Ruth de Aquino (22 de outubro de 1990). «Um título em seis segundos. Caderno de Esportes – Capa». Jornal do Brasil. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  14. Celso Itiberê (19 de outubro de 1990). «Senna na pátria da Honda: toda força contra as Ferrari (2º clichê). Esportes – p. 29». O Globo. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  15. Celso Itiberê (22 de outubro de 1990). «Festa brasileira no Japão . Esportes – p. 02». O Globo. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  16. Mário Andrada e Silva (22 de outubro de 1990). «Prost se acha vítima da estratégia da McLaren. Caderno de Esportes – p. D-4». Folha de S.Paulo. Consultado em 23 de outubro de 2020 
  17. Fred Sabino (21 de outubro de 2018). «Três decisões de título com desfechos bem diferentes marcaram o dia 21 de outubro». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 23 de outubro de 2020 
  18. a b Túlio Moreira (21 de outubro de 2015). «Há 25 anos, Senna dava "troco" em Prost e se tornava bicampeão da F-1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 23 de outubro de 2020 
  19. Trégua curta termina em bate-boca (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 22/10/1990. Esportes, p. 02. Página visitada em 23 de outubro de 2020.
  20. Fernando Rodrigues (22 de outubro de 1990). «"Dedico o título a todos que lutaram contra mim". Caderno de Esportes – p. D-5». Folha de S.Paulo. Consultado em 23 de outubro de 2020 
  21. Julianne Cerasoli (21 de outubro de 2020). «Moreno e o pódio divino». uol.com. UOL Esporte. Consultado em 23 de outubro de 2020 
  22. Senna volta a pedir desculpas a Balestre (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 25/10/1991. Primeiro Caderno, Esportes/Turfe, p. 12. Página visitada em 23 de outubro de 2020.
  23. a b Ruth de Aquino (22 de outubro de 1990). «Piquet reencontra a vitória e festeja com Moreno. Esportes – p. 03». Jornal do Brasil. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  24. «Japanese GP, 1990 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 24 de outubro de 2020 
  25. Fred Sabino (6 de setembro de 2018). «Nelson Piquet disparou para o terceiro título mundial com vitória em Monza». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  26. a b Celso Itiberê (22 de outubro de 1990). «Vitória devolve à F-1 bom humor de Piquet. Esportes – p. 04». O Globo. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  27. Fred Sabino (14 de outubro de 2018). «Benetton encerrou trajetória de 16 temporadas e 260 corridas no GP do Japão de 2001». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  28. a b «1990 Japanese GP – championships (em inglês) no Chicane F1». Consultado em 22 de outubro de 2020 

Precedido por
Grande Prêmio da Espanha de 1990
Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1990
Sucedido por
Grande Prêmio da Austrália de 1990
Precedido por
Grande Prêmio do Japão de 1989
Grande Prêmio do Japão
16ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio do Japão de 1991