Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1970

Grande Prêmio dos Estados Unidos
de Fórmula 1 de 1970
Watkins Glen International Track Map-1960-1970.svg
Décimo GP dos EUA em Watkins Glen
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 4 de outubro de 1970
Nome oficial XIII United States Grand Prix
Local Watkins Glen International, Watkins Glen, Nova Iorque, EUA
Percurso 3.780 km
Total 108 voltas / 408.240 km
Condições do tempo Nublado, seco
Pole
Piloto
Bélgica Jacky Ickx Ferrari
Tempo 1:03.07
Volta mais rápida
Piloto
Bélgica Jacky Ickx Ferrari
Tempo 1:02.74 (na volta 105)
Pódio
Primeiro
Brasil Emerson Fittipaldi Lotus-Ford
Segundo
México Pedro Rodríguez BRM
Terceiro
Suécia Reine Wisell Lotus-Ford

Resultados do Grande Prêmio dos Estados Unidos de Fórmula 1 realizado em Watkins Glen em 4 de outubro de 1970.[1] Décima segunda etapa da temporada, nela Emerson Fittipaldi, da Lotus-Ford, conseguiu a primeira vitória de sua carreira com Pedro Rodríguez em segundo pela BRM e Reine Wisell em terceiro pela Lotus-Ford. Graças a esse resultado a equipe de Colin Chapman assegurou o título mundial de Jochen Rindt, o único campeão post-mortem na história da categoria.[2][nota 1]

ResumoEditar

Lotus versus FerrariEditar

Presente na Fórmula 1 desde o Grande Prêmio de Mônaco de 1958,[3] a Lotus somou 41 vitórias e três títulos mundiais de pilotos com Jim Clark e Graham Hill, além de igual número de títulos entre os construtores antes de chegar aos Estados Unidos para mais uma etapa do campeonato de 1970. Por sua vez a Ferrari conseguiu 45 vitórias, seis títulos mundiais de pilotos e dois de construtores desde a sua estreia no Grande Prêmio de Mônaco de 1950, graças aos talentos de Alberto Ascari, Juan Manuel Fangio, Mike Hawthorn, Phil Hill e John Surtees, dentre outros condutores de parte a parte.[4][nota 2]

Equivalentes em termos numéricos, os dois times chegaram à pista de Watkins Glen International em situações distintas: a Lotus não disputou as duas últimas provas em respeito à memória de Jochen Rindt, morto em 5 de setembro durante os treinos para o Grande Prêmio da Itália, enquanto a Ferrari soma três vitórias consecutivas, razão pela qual Jochen Rindt lidera o campeonato com 45 pontos enquanto Jacky Ickx vem a seguir com 28 pontos, sendo o único piloto capaz de tomar o título do finado corredor austríaco.

A morte trágica de Jochen Rindt foi seguida pela aposentadoria de John Miles, titulares da Lotus até a estreia de Emerson Fittipaldi como terceiro piloto da equipe no Grande Prêmio da Grã-Bretanha[5] e o brasileiro marcou seus primeiros pontos na corrida seguinte, o Grande Prêmio da Alemanha.[6] Mesmo sendo um calouro, Fittipaldi exercerá papel decisivo na corrida norte-americana, pois seu novo companheiro de time é o estreante Reine Wisell.[7] Por sua vez a Ferrari aposta na combinação entre o arrojo do novato Clay Regazzoni e a experiência de Jacky Ickx, vice-campeão mundial de 1969.

Maranello sai na frenteEditar

Jacky Ickx assegurou a pole position corroborando o bom momento da Ferrari enquanto Jackie Stewart ficou em segundo lugar com sua Tyrrell enquanto a segunda fila contava com a Lotus de Emerson Fittipaldi e a BRM de Pedro Rodríguez enquanto Chris Amon ficou em quinto com a March e Clay Regazzoni levou a outra Ferrari ao sexto lugar num grid formado com vinte e quatro carros.[8]

Para a etapa norte-americana a Surtees disponibilizou um segundo carro para Derek Bell enquanto a BRM inscreveu um quarto carro para Peter Westbury, bicampeão britânico de subida de montanha, mas este não conseguiu classificar-se à disputa, mesmo destino de Pete Lovely numa Lotus privada e Andrea de Adamich guiando uma McLaren-Alfa Romeo. Na seara dos estreantes o sueco Reine Wisell classificou sua Lotus em nono lugar enquanto o norte-americano Gus Hutchison sairá na vigésima segunda posição.[9]

Jochen Rindt campeãoEditar

Jackie Stewart fez uma boa largada e conseguiu a ponta enquanto Pedro Rodríguez e Jacky Ickx revezavam-se em segundo lugar durante boa parte da prova. Até a consolidação deste cenário, contudo, Rodríguez estava adiante das duas Ferrari enquanto Fittipaldi caiu para oitavo. Cauteloso, o brasileiro atingiu a zona de pontuação na décima quinta volta enquanto Stewart mantinha-se adiante de Ickx e Regazzoni colocava-se à frente de Rodríguez e Amon. Quando Regazzoni e Amon foram aos boxes trocar os pneus, Fittipaldi subiu para o quarto posto antes da metade da prova. Na volta 57, foi a vez de Jacky Ickx parar para corrigir um vazamento de combustível e enterrou ali suas chances de título.[9] Nesse momento Stewart estava adiante de Rodríguez e Fittipaldi chegava ao terceiro lugar tendo atrás de si seu companheiro de equipe, Reine Wisell.[9][2]

Após liderar por oitenta e duas voltas, Stewart abandonou por causa de um defeito em sua Tyrrell e assim Rodríguez alcançou a liderança com vinte segundos de vantagem sobre Fittipaldi, mas a sorte do mexicano mudou após a centésima volta quando a BRM chamou seu piloto para reabastecer e assim Fittipaldi chegou ao primeiro lugar. Graças ao bom trabalho executado no pit lane, Rodríguez voltou em segundo adiante de Wisell, ordem inalterada até o fim da corrida. Completando a zona de pontuação, os outros pilotos ficaram a uma volta do vencedor: em quarto lugar chegou a Ferrari de Jacky Ickx numa excelente prova de recuperação cujo ato final foi superar a March de Chris Amon a quatro voltas do final enquanto Derek Bell marcou o único ponto de sua carreira ao chegar em sexto com a Surtees.

Emerson Fittipaldi completou as 108 voltas da prova e recebeu a bandeirada com 36 segundos de vantagem sobre Rodriguez. Ao cruzar a linha de chegada, ele viu Colin Chapman pulando e jogando seu boné para o alto[10] tal como nas vitórias de Jim Clark, Graham Hill e Jochen Rindt.[nota 3] Graças à sua primeira vitória na Fórmula 1, o brasileiro sacramentou o título mundial de Jochen Rindt entre os pilotos e o da Lotus entre os construtores. "Emerson é o ganhador aqui e Jochen o campeão mundial. E tinha que ser assim. Ambos mereciam, o primeiro porque é um grande volante e Rindt porque era o melhor do mundo atualmente",[11] disse o proprietário da Lotus ao comentar o resultado do Grande Prêmio dos Estados Unidos, cuja imagem final tinha Emerson Fittipaldi no alto do pódio tendo ao seu lado o mexicano Pedro Rodriguez e o sueco Reine Wisell, este satisfeito com o melhor resultado de sua carreira.[7][12] Um público estimado em 110 mil pessoas assistiu a corrida.[13]

Primeira vitória do BrasilEditar

Primeiro brasileiro a vencer na Fórmula 1, Emerson Fittipaldi deixa os Estados Unidos em décimo lugar no mundial de pilotos (12 pontos).[nota 4] O êxito em terras norte-americanas atestou o talento precoce do brasileiro, pois o mesmo venceu logo em sua quarta corrida na categoria e ainda foi alçado à história, pois tornou-se o primeiro sul-americano a triunfar desde o pentacampeão Juan Manuel Fangio no Grande Prêmio da Alemanha de 1957.[14] O ídolo argentino, aliás, foi lembrado por Fittipaldi em meio à euforia pela vitória, tal como um amigo recém-falecido: "Rindt é a pessoa que sempre tive em mente desde que iniciei a correr, há 14 meses. Ele e Juan Manuel Fangio sempre foram meus ídolos".[13]

Em 2020 Emerson Fittipaldi relembrou, em depoimento, os 50 anos de sua primeira vitória na Fórmula 1 e nele o bicampeão mundial expôs os bastidores dos dias que antecederam sua consagração, a começar pela surpresa em ser confirmado como primeiro piloto da Lotus, afinal a lógica recomendava a contratação de alguém experiente para soerguer a equipe. A confiança depositada permitiu a Fittipaldi alcançar o terceiro lugar no grid e até mesmo superar uma febre de 40 graus antes do domingo decisivo e quando este chegou, uma surpresa: a pista estava "meio molhada, meio seca" e assim permaneceu até metade da corrida quando seu desempenho melhorou em pista seca e ele pôde assumir a liderança da prova e sentir a emoção da vitória.[15]

"A última volta em Watkins Glen foi uma das mais longas da minha história, parecia que não terminava nunca. Eu escutando tudo, você fica alerta para tudo, se o câmbio não tem barulho, se o motor está certo, se tem gasolina para chegar ao fim. Toda essa preocupação, esse sentimento... Eu lembro que, entrando na última curva, entrando na reta de chegada, aquela imagem que eu tinha do Jochen Rindt vencendo um grande prêmio pela Lotus, do grande Graham Hill, do grande Jim Clark, sempre com o Colin Chapman jogando o boné dele, isso era para mim. Aí eu falava 'não estou acreditando!'. O Chapman pulou na pista, e o starter da corrida era um americano muito famoso, ele pulava muito, aquilo para mim foi um sonho. Ganhei o Grande Prêmio dos Estados Unidos depois de sair de um fim de semana de tragédia".[15]

Com a fleuma que lhe é peculiar, Emerson Fittipaldi definiu aquele como um dos fins de semana mais marcantes de sua carreira, mas não sem antes expressar surpresa por ter ocorrido há cinquenta anos! Bem-humorado, lembrou a reação que teve ao chegar em Nova York e observar que o funcionário do hotel onde se hospedaria estava lendo o caderno esportivo do The New York Times e nele uma manchete destacava: Emerson who (?) won the U.S.Grand Prix. Ao conferir os documentos de seu hóspede, o homem perguntou "Mas esse aqui é você?". "Sim, sou eu", respondeu o brasileiro.[15]

Classificação da provaEditar

Pos Nº. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 24   Emerson Fittipaldi Lotus-Ford 108 1:57:32.79 3 9
2 19   Pedro Rodríguez BRM 108 + 36.39 4 6
3 23   Reine Wisell Lotus-Ford 108 + 45.17 9 4
4 3   Jacky Ickx Ferrari 107 + 1 volta 1 3
5 12   Chris Amon March-Ford 107 + 1 volta 5 2
6 18   Derek Bell Surtees-Ford 107 + 1 volta 13 1
7 8   Denny Hulme McLaren-Ford 106 + 2 voltas 11
8 7   Henri Pescarolo Matra 105 + 3 voltas 12
9 11   Jo Siffert March-Ford 105 + 3 voltas 23
10 15   Jack Brabham Brabham-Ford 105 + 3 voltas 16
11 29   Ronnie Peterson March-Ford 104 + 4 voltas 15
12 16   Rolf Stommelen Brabham-Ford 104 + 4 voltas 19
13 4   Clay Regazzoni Ferrari 101 + 7 voltas 6
14 9   Peter Gethin McLaren-Ford 100 + 8 voltas 21
Ret 1   Jackie Stewart Tyrrell-Ford 82 Óleo 2
Ret 14   Graham Hill Lotus-Ford 72 Embreagem 10
Ret 2   François Cevert March-Ford 62 Roda 17[16]
Ret 30   Tim Schenken De Tomaso-Ford 61 Suspensão 20
Ret 27   Jo Bonnier McLaren-Ford 50 Cano d'água 24
Ret 6   Jean-Pierre Beltoise Matra 27 Handling 18
Ret 31   Gus Hutchison Brabham-Ford 21 Vazamento 22
Ret 20   Jackie Oliver BRM 14 Motor 7
Ret 21   George Eaton BRM 10 Motor 14
Ret 17   John Surtees Surtees-Ford 6 Motor 8
DNQ 32   Peter Westbury BRM
DNQ 28   Pete Lovely Lotus-Ford
DNQ 10   Andrea de Adamich McLaren-Alfa Romeo
Fonte:[1]

Tabela do campeonato após a corridaEditar

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas e os campeões da temporada surgem destacados em negrito. Em 1970 os pilotos computariam seis resultados nas sete primeiras corridas do ano e cinco nas últimas seis. Neste ponto esclarecemos: na tabela dos construtores figurava somente o melhor colocado dentre os carros de um time.

Notas

  1. Voltas na liderança: Jackie Stewart 82 voltas (1-82); Pedro Rodríguez 18 voltas (83-100); Emerson Fittipaldi 8 voltas (101-108).
  2. Na Fórmula 1 o mundial de pilotos existe desde 1958, mas o mundial de construtores foi instituído apenas em 1958.
  3. Stirling Moss (quatro), Innes Ireland (uma), Jim Clark (vinte e cinco), Graham Hill (quatro), Jo Siffert (uma) e Jochen Rindt (seis) foram responsáveis pelas vitórias da Lotus antes de Emerson Fittipaldi. Cabe registrar: embora fosse contatado pela Rob Walker Racing Team, Jo Siffert venceu o Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 1968 utilizando um Lotus 49C concebido por Colin Chapman e Maurice Philippe.
  4. Emerson Fittipaldi tornou-se o quadragésimo quarto piloto a vencer uma corrida válida pelo mundial de Fórmula 1 ao triunfar nos Estados Unidos em 1970 num ranking onde Jim Clark era o primeiro com 25 vitórias. Os britânicos também lideravam entre os países com 85 vitórias e o Brasil, com apenas uma, dividia a última posição com a Suécia dentre os quatorze países listados.

Referências

  1. a b «1970 United States Grand Prix - race result». Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  2. a b Fred Sabino (18 de abril de 2018). «Jochen Rindt é até hoje o único campeão póstumo na história da Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  3. Fred Sabino (18 de maio de 2018). «Lotus e Graham Hill faziam primeira corrida na F1 há 60 anos, em Mônaco». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 3 de agosto de 2020 
  4. Fred Sabino (21 de maio de 2020). «Há 70 anos, 1º GP de Mônaco de F1 teve estreia da Ferrari, caos no início e 1ª vitória de Fangio». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 3 de agosto de 2020 
  5. Fred Sabino (18 de julho de 2020). «Cinquenta anos depois, Emerson Fittipaldi relembra estreia na Fórmula 1, em Brands Hatch». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 3 de agosto de 2020 
  6. Fred Sabino (2 de agosto de 2018). «Primeiros pontos de Emerson Fittipaldi na F1 foram marcados na Alemanha». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 3 de agosto de 2020 
  7. a b «Drivers – Reine Wisell (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 3 de agosto de 2020 
  8. Emerson venceu nos EUA e ganhou 50 mil dólares (online). O Globo, Rio de Janeiro (RJ), 05/10/1970. Matutina, Esportes, p. 03. Página visitada em 3 de agosto de 2020.
  9. a b c «United States GP, 1970 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 3 de agosto de 2020 
  10. Felipe Siqueira (4 de outubro de 2015). «Há 45 anos, Fittipaldi vencia a primeira, e Rindt virava campeão "post-mortem"». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  11. Ganhou em tempo recorde (online). O Globo, Rio de Janeiro (RJ), 05/10/1970. Vespertina, Geral, p. 38. Página visitada em 3 de agostu de 2020.
  12. Emerson Fittipaldi ganha o Grande Prêmio dos EUA (online). Folha de S.Paulo, São Paulo (SP), 05/10/1970. Esportes, p. 10. Página visitada em 4 de agosto de 2020.
  13. a b "Corri com o pensamento no meu amigo Rindt" (online). O Globo, Rio de Janeiro (RJ), 05/10/1970. Vespertina, Geral, p. 38. Página visitada em 4 de agosto de 2020.
  14. Fred Sabino (4 de agosto de 2019). «Juan Manuel Fangio realizou sua obra prima na Fórmula 1 em Nürburgring, em 1957». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  15. a b c Fred Sabino (4 de outubro de 2020). «Há 50 anos, Emerson Fittipaldi deu ao Brasil primeira vitória na F1; veja depoimento exclusivo!». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 4 de outubro de 2020 
  16. Lang, Mike (1982). Grand Prix! Vol 2. [S.l.]: Haynes Publishing Group. p. 137. ISBN 0-85429-321-3 
  17. a b «1970 United States GP – championships (em inglês) no Chicane F1». Consultado em 30 de julho de 2020 

Precedido por
Grande Prêmio do Canadá de 1970
Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1970
Sucedido por
Grande Prêmio do México de 1970
Precedido por
Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1969
Grande Prêmio dos Estados Unidos
13ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1971