Grande incêndio de Esmirna

O Grande Incêndio de Esmirna ou Catástrofe de Esmirna[1][2] (em grego: Καταστροφή της Σμύρνης; em turco: 1922 İzmir Yangını; em armênio/arménio: Զմիւռնիոյ Մեծ Հրդեհ) destruiu grande parte da cidade portuária de Esmirna (parte da atual Turquia) em setembro de 1922. Relatórios de testemunhas afirmam que o incêndio começou em 13 de setembro de 1922[3] e durou até ser extinto em 22 de setembro. Ocorreu quatro dias depois que as forças turcas retomaram o controle da cidade em 9 de setembro de 1922, encerrando efetivamente a Guerra Greco-Turca de 1919–1922 no campo, mais de três anos após o exército grego ter desembarcado em Esmirna em 15 de maio de 1919. A estimativa grega e as mortes de armênios resultantes do fogo variam de 10 mil[4][5][6] a 100 mil.[7]

Esmirna em chamas em 14 de setembro de 1922.
A cidade após o incêndio.

Aproximadamente 50 mil[8] a 400 mil[9] refugiados gregos e armênios encheram a orla para escapar do incêndio. Eles foram forçados a permanecer lá em duras condições por quase duas semanas. Tropas turcas e irregulares começaram a cometer massacres e atrocidades contra a população grega e armênia na cidade antes do início do incêndio. Muitas mulheres foram estupradas.[10][11] Dezenas de milhares de homens gregos e armênios (estimativas variam entre 25 mil e pelo menos 100 mil) foram posteriormente deportados para o interior da Anatólia, onde muitos deles morreram em condições adversas.[12]

O incêndio subsequente destruiu completamente os bairros grego e armênio da cidade; os bairros muçulmanos e judeus escaparam de danos.[13] Existem relatos de testemunhas oculares diferentes sobre quem foi responsável pelo incêndio; várias fontes e estudiosos atribuem a culpa a soldados turcos, que atearam fogo a casas e negócios gregos e armênios.[14] Fontes turcas tradicionais sustentam que os gregos e armênios começaram o fogo para manchar a reputação dos turcos.[15][16] Testemunhos oculares[17] foram impressos em muitos jornais ocidentais.[18][19]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Stewart, Matthew. "Catastrophe at Smyrna." History Today, Volume: 54 Issue 7.
  2. Tsounis, Catherine (8 de setembro de 2010). «Remembering Smyrna: The Asia Minor Catastrophe». Queens Gazette. Consultado em 13 de maio de 2011 
  3. Horton, George. The Blight of Asia. Indianapolis: The Bobbs-Merrill Company, 1926; repr. London: Gomidas Institute, 2003, p. 96.
  4. Naimark. Fires of Hatred, pp. 47–52.
  5. Biondich, Mark (2011). The Balkans: Revolution, War, and Political Violence Since 1878. [S.l.]: Oxford University Press. p. 92 
  6. Naimark, Norman M. Fires of Hatred: Ethnic Cleansing in Twentieth-Century Europe. Cambridge: MA: Harvard University Press, 2002, p. 52.
  7. Irving Louis Horowitz; Rudolph J. Rummel (1994). «Turkey's Genocidal Purges». Death by Government. [S.l.]: Transaction Publishers. ISBN 978-1-56000-927-6 , p. 233.
  8. Edward Hale Bierstadt, Helen Davidson Creighton. The Great betrayal: A Survey of the Near East Problem (1924), R. M. McBride & company, p. 218
  9. "U.S. Red Cross Feeding 400,000 Refugees," Japan Times and Mail, 10 November 1922.
  10. Trudy Ring; Noelle Watson; Paul Schellinger (2013). Southern Europe: International Dictionary of Historic Places. [S.l.]: Routledge. p. 351. ISBN 9781134259588. Consultado em 23 de fevereiro de 2014. Kemal's triumphant entry into Smyrna... as Greek and Armenian inhabitants were raped, mutilated, and murdered. 
  11. Abulafia, David (2011). The Great Sea : A Human History of the Mediterranean. New York: Oxford University Press. p. 287. ISBN 9780195323344. Consultado em 23 de fevereiro de 2014. As the refugees crowded into the city, massacres, rape and looting, mainly but not exclusively by the irregulars, became the unspoken order of the day... Finally, the streets and houses of Smyrna were soaked in petrol... and on 13 September the city was set alight. 
  12. Abulafia, David (2011). The Great Sea : A Human History of the Mediterranean. New York: Oxford University Press. p. 588. ISBN 9780195323344. ... and at least as many were deported into the Anatolian interior, where most vanished. 
  13. Stewart, Matthew (1 de janeiro de 2003). «It Was All a Pleasant Business: The Historical Context of 'On the Quai at Smyrna'». The Hemingway Review. 23 (1): 58–71. doi:10.1353/hem.2004.0014 
  14. «Snuffed Out In A Single Week». The Sunday Times. UK. 15 de junho de 2008. Arquivado do original em 15 de junho de 2011 , via the Internet Archive
  15. "İzmir 1922: A port city unravels" Arquivado em 3 de março de 2016, no Wayback Machine., Reşat Kasaba, Washington University, pp. 5–6
  16. La Grande Guerre et la guerre gréco-turque ue par les instituteurs de l'Alliance israélite universelle d'İzmir, İstanbul: The İsis Press, 2003, p. 68.
  17. list of them here
  18. i.e. The Daily Telegraph 19 September 1922: Incendiaries at work – Destruction of christian quarters
  19. Daily Mail: [1]

Ligações externasEditar