Abrir menu principal

Greve dos caminhoneiros no Brasil em 2018

paralisação de caminhoneiros com extensão nacional iniciada no dia 21 de maio, no Brasil
Greve dos caminhoneiros
Fila postos Brasília.jpg
24 de maio: motoristas fazem fila para abastecer, em Brasília.
Início 21 de maio de 2018
Lugar Em todo o Brasil
Classe Motoristas de caminhão e outras categorias.[1][2][3]
Reivindicações
  • Redução no preço do diesel
  • Isenção de pedágio de eixos suspensos
  • Aprovação do projeto de lei 528 de 2015
  • Criação de um marco regulatório para os caminhoneiros
[4]
Lideranças sindicais
  • Caminhoneiros Autonomos (sem liderança definida)
  • CNTA - Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos
  • Unicam - União Nacional dos Caminhoneiros do Brasil
  • Abcam - Associação Brasileira dos Caminhoneiros
[4][5]

A greve dos caminhoneiros no Brasil em 2018, também chamada de Crise do Diesel,[6][7] foi uma paralisação de caminhoneiros autônomos com extensão nacional iniciada no dia 21 de maio, no Brasil, durante o governo de Michel Temer.[8][9][10] Os grevistas se manifestaram contra os reajustes frequentes e sem previsibilidade mínima nos preços dos combustíveis, principalmente do óleo diesel, realizados pela estatal Petrobras com frequência diária, pelo fim da cobrança de pedágio por eixo suspenso[11] e pelo fim do PIS/Cofins sobre o diesel.[12] O preço dos combustíveis vinha aumentando desde 2017 e sua tributação representa 45% do preço final, sendo 16% referente ao PIS/COFINS, de competência da União.[13][14] O preço ao consumidor da gasolina brasileira estava na média mundial na semana da greve, em valores absolutos, enquanto o diesel estava abaixo da média, sendo o segundo mais barato do G8+5, apesar de ser o segundo mais caro na América Latina, ao lado de Paraguai e Argentina.[15][16][17]

A paralisação e os bloqueios de rodovias em 24 estados e no Distrito Federal[18][19] causaram a indisponibilidade de alimentos e remédios ao redor do país, escassez e alta de preços da gasolina, com longas filas para abastecer.[20][21][22] Além disso, várias aulas e provas foram suspensas,[23][24][25] a frota de ônibus foi reduzida, voos foram cancelados em várias cidades, enormes quantidades de alimentos foram desperdiçados e há a possibilidade que 1 bilhão de aves e 20 milhões de suínos morram por falta de ração.[26][27]

Até o dia 24 de maio, pelo menos cinco cidades no Rio Grande do Sul haviam decretado situação de calamidade pública devido aos desabastecimentos,[28][29] enquanto outras cidades de quatro estados decretaram estado de emergência, dentre elas São Paulo e Porto Alegre.[30][31] Desde o início da greve, as ações da Petrobras na B3 caíram 34 por cento, diante da redução do preço do diesel decorrente de negociações, perdendo 137 bilhões de reais em valor de mercado.[32][33] No dia 25, o governo anunciou o uso das Forças Armadas para desobstruir as rodovias.[34][35][36]

A greve e suas repercussões receberam cobertura internacional pela imprensa[37] e dos principais jornais do país.[38][39] A Anistia Internacional classificou o uso das forças armadas para desbloquear as rodovias como "extremamente preocupante".[40] O ministro da segurança pública, Raul Jungmann, afirmou que o governo investiga a prática de locaute,[41] negada pelos grevistas.[42] No Senado, houve protesto,[40] enquanto centrais sindicais,[43] partidos políticos,[44][45][46] e pré-candidatos às eleições presidenciais[47][48][49][50] posicionaram-se a respeito da greve, alguns expressando apoio aos grevistas. Já o ex-ministro Henrique Meirelles afirmou que há um componente político-ideológico no movimento dos caminhoneiros.[49]

Índice

Precedentes

 
Evolução do preços dos combustíveis entre janeiro de 2017 e abril de 2018, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis[51]
 
Preço de fechamento das ações da Petrobras, de 1 de Janeiro de 2018 a 1 de Junho de 2018. Desde o início da greve, as ações da empresa chegaram a perder R$137 bilhões em valor de mercado.

O preço dos combustíveis vinha subindo no Brasil desde 2017, reflexo da política adotada pela Petrobras de acompanhar as variações internacionais no preço do petróleo - no início de 2016, o barril estava a 30 dólares, já na semana anterior à greve de 2018, atingia 80 dólares. Até 2015, o preço ofertado pela Petrobras era influenciado por decisões do governo, que chegou a determinar a venda a prejuízo para tentar conter a inflação, o que causou prejuízo bilionário à estatal. Aliado a isso ocorreu um aumento do dólar perante o real nas semanas que precederam a greve. Quanto ao impacto tributário no preço dos combustíveis, cerca de 45 por cento do preço final são tributos - 29% estaduais e 16% federais.[13][14] Outra paralisação de extensão nacional dos motoristas de caminhão havia ocorrido em 9 de novembro de 2015, tendo como pauta a renúncia de Dilma Rousseff, além da redução do preço dos combustíveis.[52][53]

Em 21 de maio de 2018, o preço da gasolina praticado no Brasil era igual à média mundial (US$ 1,17)[15] e o diesel era comercializado a 8,4% abaixo do preço médio mundial (US$ 0,98 contra US$ 1,07).[16] Dentre 61 países, ordenados daquele com a gasolina mais barata àquele com a mais cara, considerando apenas o preço médio o Brasil figurava na 22.ª posição em Maio de 2018. Considerando o salário médio, fica em 51.º, e considerando ainda o percentual gasto com gasolina, em 56.º.[54]

No dia 16 de maio, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos apresentou um ofício ao governo federal pedindo o congelamento do preço do óleo diesel e a abertura de negociações, mas foi ignorada. No dia 18, a organização lançou um comunicado em que mencionava a possibilidade de paralisação a partir do dia 21, o que de fato ocorreu.[4]

Histórico

 
Preço do Diesel em U$ por litro praticado nos países do G8+5 e média mundial no dia 22 de maio de 2018.[16]

A greve teve início na manhã do dia 21 de maio de 2018.[8] No dia 23, a Câmara dos Deputados aprovou o corte do PIS/Cofins sobre os combustíveis, o que ainda precisaria ser votado no Senado. Ao mesmo tempo, foi aprovada a reoneração da folha de pagamento de 56 setores, a fim de balancear as perdas com o corte tributário, exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal.[55] O governo considera ainda o corte da Cide sobre o diesel.[56]

No dia 23 de maio, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) afirmou que, até o dia 25, liberaria o transporte de remédios e carga viva. Não havendo um acordo entre a categoria e o governo até a data, haveria "paralisação total". A Abcam afirma representar cerca de 600 mil motoristas.[57]

No dia 24, filas se formavam para abastecer em postos, que elevavam o preço da gasolina, e alguns alimentos faltavam em supermercados ao redor do país.[20][21][22] Além disso, aeroportos enfrentavam desabastecimento de combustível, tendo que cancelar voos.[58] O transporte público de algumas cidades foi impactado, bem como os serviços hospitalares.[59] Quatro municípios decretaram situação de calamidade pública devido aos desabastecimentos, no Rio Grande do Sul.[28] No mesmo dia, a Petrobras anunciou uma redução no preço dos combustíveis, o que fez as ações da empresa despencarem 15 por cento[60] uma perda de 45 bilhões em valor de mercado.[59] Ainda no dia 24, transportadoras se juntaram aos motoristas autônomos na paralisação.[9]

Ao longo da semana, outras categorias também se uniram à paralisação. Em São Paulo, aderiram os motoristas de vans;[1] em Brasília e em Porto Alegre, os motoboys,[2][3] bem como os motoristas do Uber.[2] No Rio Grande do Sul, agricultores se somaram ao movimento.[3][61] Alguns grupos, além das reivindicações principais, pediam intervenção militar.[5]

No quinto dia de greve, o Aeroporto Internacional de Brasília começou a operar em "estado crítico". Em Brasília, onze regiões administrativas tiveram diminuição das frotas de ônibus, nove voos foram cancelados no Aeroporto de Brasília e a maioria dos postos de combustível da capital está sem estoque.[27] Em São Paulo, o prefeito Bruno Covas decretou estado de emergência e pode apreender combustível. Segundo o portal G1, o estado de emergência pode evoluir para estado de calamidade pública.[31] Municípios de quatro outros estados, dentre eles Porto Alegre e Campinas, também decretaram situação de emergência.[30] Em entrevista ao SPTV, o prefeito disse que "Não é uma situação corriqueira. Não se trata de um problema menor. Amanhã talvez tenha problema no serviço funerário".[31]

No Rio de Janeiro, a Prefeitura do município decretou estágio de atenção às 16h30min. Serviços como o BRT, ônibus normais, abastecimentos de alimentos e combustíveis estavam em estado de crise.[62] No Centro de Abastecimento do Rio de Janeiro, os alimentos já estavam escassos, 90 por cento dos postos de combustíveis do estado estavam completamente vazios.[63]

O Sincopetro afirmou que, em São Paulo, os postos de gasolina não possuem mais gasolina comum e etanol. Apenas diesel e gasolina aditivada podem ser encontrados na capital.[64]

Ainda no quinto dia, os governos dos estados de Pernambuco e Sergipe, ambos da Região Nordeste, decretaram Situação de Emergência após o agravamento da crise em todos os setores.[65]

Em uma reunião realizada no dia 26 de maio, no Rio de Janeiro, a FUP (Federação Única dos Petroleiros) decidiu aderir as paralisações, comunicando que a partir da 0h de 30 de maio, os trabalhadores pretendem parar as atividades por 72 horas, até às 23h 59min de 1.º de junho.[66][67]

Emprego das Forças Armadas

 
Exército aguarda chegada de combustível no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

Em 25 de maio, diante da proporção que tomou o movimento da greve dos caminhoneiros, o presidente Michel Temer anunciou que usaria as Forças Armadas através da Garantia da Lei e da Ordem (GLO)[36][68] para a desobstrução das estradas no país. A decisão foi tomada em reunião emergencial com ministros.[69][70] Segundo Temer, a situação estaria fora de controle e o governo deve mostrar que não tolerará abusos. Apesar de um acordo entre o Palácio do Planalto e líderes dos caminhoneiros para que a greve fosse suspensa imediatamente, fechado na noite do dia 24, os protestos continuaram no dia seguinte, causando transtorno. O acordo foi de 15 dias, com redução de dez por cento no preço do diesel.[35]

Após a decisão do presidente, o Comandante do Exército, General Eduardo Villas Bôas, "determinou a imediata mobilização de todo o efetivo da força para ser empregada tão logo o presidente Michel Temer realize o pronunciamento anunciando formalmente a operação de desobstrução das ruas ocupadas pelo movimento de caminhoneiros".[71][34][72] No mesmo dia, a Advocacia-geral da União (AGU) acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para que a greve dos caminhoneiros seja declarada ilegal.[73] No mesmo dia, à tarde, a Abcam pediu que caminhoneiros retirem interdições nas rodovias.[74]

Ainda em 25 de maio, o ministro do STF Alexandre de Moraes concedeu uma liminar autorizando o uso das forças de segurança pública para o desbloqueio de rodovias ocupadas por caminhoneiros grevistas, atendendo assim a um pedido do governo federal.[75]

Linha do tempo

 
A Polícia Federal escolta caminhões de combustíveis para garantir a entrega a aeroportos.
 
Protesto de motoristas de transporte escolar em apoio a caminhoneiros paralisa a Avenida Paulista, em 25 de maio.[76]

18 de maio - os caminhoneiros fazem anúncio de greve por tempo indeterminado a partir do dia 21 de maio, caso o governo federal não reduza a zero a carga tributária sobre o diesel (PIS/Cofins).[4]

19 de maio - a Petrobras eleva os preços do diesel em 0,80 por cento e os da gasolina em 1,34 por cento nas refinarias, apresentando como justificativas o aumento internacional dos preços do petróleo e a nova política de preços da empresa.[77]

20 de maio - a Justiça Federal proíbe o bloqueio total de estradas federais por caminhoneiros no Paraná. A ação foi movida pela Advocacia-Geral da União (AGU) a pedido da Superintendência da Polícia Rodoviária Federal (PRF).[78]

21 de maio - os primeiros bloqueios ocorrem em 17 estados e o governo anuncia uma reunião.[79]

22 de maio - os protestos passam a atingir 24 estados.[80] A maioria dos atos impede a passagem dos caminhões, mas permite a passagem de carros e outros veículos. Os primeiros efeitos começam a ser sentidos. Grandes montadoras anunciam que vão reduzir suas produções. A Petrobras reduz o preço dos combustíveis para as refinarias. O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, anuncia que o governo fez um acordo para zerar um dos impostos sobre o diesel e que acabará, em 2020, com a desoneração da folha em todos os setores.[81]

23 de maio - os protestos provocaram desabastecimento, paralisação de exportações e efeitos em várias áreas: linhas de ônibus foram reduzidas pelo país, Correios suspendem postagens, a produção em ao menos 129 frigoríficos e abatedouros foi paralisada, e houve falta de hortifrutigranjeiros.[82] Temer afirma que pediu "trégua" de dois ou três dias aos caminhoneiros para encontrar uma "solução satisfatória". A Petrobras anuncia redução de 10 por cento no diesel; medida deve valer por 15 dias.[83]

24 de maio - a calamidade está instaurada. O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, anunciou que conseguiram chegar a um acordo e que suspenderiam a greve nacional por 15 dias.[84] Duas entidades que representam autônomos, a União Nacional dos Caminhoneiros e a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), não corroboram o acordo.[85]

25 de maio - A lista de aeroportos que ficaram sem combustível aumenta. A falta de combustível limita circulação de ambulâncias e cancela cirurgias em alguns estados. As universidades federais suspenderam aulas por causa da greve.[86] Temer aciona as Forças Armadas através da garantia da lei e da ordem para desbloquear as estradas.[36] A PF apura se houve prática de crimes na greve. A Advocacia-Geral da União (AGU) aciona o Supremo Tribunal Federal para que a greve seja declarada ilegal.[41]

26 de maio - O ministro Carlos Marun afirmou que o governo começará a aplicar multas no valor de cem mil reais por hora parada aos empresários do transporte. Em nota o governo alegou convicção de estar havendo a prática de locaute por parte de empresários do transporte[87] e abriu inquéritos junto à Polícia Federal. Ainda durante o dia haviam 596 pontos ativos de bloqueios pelo país.[88]

27 de maio - Petroleiros começam a aderir as paralisações e a realizar protestos, como na Refinaria Presidente Getúlio Vargas, no Paraná.[89]

28 de maio - O índice Ibovespa abriu em forte queda na manhã. O principal índice da Bolsa registrou queda de 2,45 por cento sendo negociado na casa dos 77 mil pontos. Já o dólar se valorizou e chegou a 3,70.[90] No oitavo dia de greve os maiores impactos foram no transporte público e nas aulas, nas capitais.[91]

29 de maio - A Polícia Federal abriu 48 inquéritos para investigar a ocorrência de locaute na paralisação dos caminhoneiros e encaminhou vários pedidos de prisão, mas todos até agora foram negados pela Justiça.[92]

30 de maio - Um caminhoneiro de 70 anos morre durante a tarde com uma pedrada na cabeça perto de um ponto de manifestação dos grevistas na BR-364, em Vilhena, Rondônia.[93][94][95]

31 de maio - Na quinta-feira, a maioria dos estados amanheceu sem bloqueios ou protestos nas estradas.[96][97] Chegaram a ser registrados atos em cinco estados, mas eles foram encerrados ao longo da manhã.[98] Até o final do dia, um grupo de caminhoneiros mantinham protesto apenas no Porto de Santos.[99][100][101]

1º de junho - Encerrada a greve no Porto de Santos.[102] Com o agravamento da crise, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, pede demissão.[103] A empresa perdeu 40 bilhões de reais em valor de mercado no dia da demissão.[32]

2 de junho - O nome de Ivan Monteiro é anunciado para ocupar a presidência da Petrobras.[104]

Tentativas de acordo

Com o governo federal

Na noite de 24 de maio, após uma reunião de mais de seis horas com representantes de entidades de caminhoneiros, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Carlos Marun (Secretaria de Governo), Eduardo Guardia (Fazenda) e Valter Casimiro (Transportes) anunciaram uma proposta de acordo para suspender a paralisação.[84] O acordo custará cinco bilhões de reais ao governo federal.[105] No entanto, em 25 de maio de 2018, os protestos continuaram em mais de 20 estados e no DF.[10] Os caminhoneiros aguardam aprovação de proposta que foi encaminhada ao Senado.[106]

Em 25 de maio, a Abcam divulgou nota de repúdio ao acordo realizado entre o Governo Federal e as outras entidades representativas do transporte rodoviário. No texto, a entidade diz que procurou o presidente Michel Temer em duas ocasiões – a primeira delas em outubro de 2017 – para discutir o alto preço do óleo diesel, que "representa cerca de 42 por cento do custo do transportador" e que já havia comunicado a intenção da categoria de realizar uma paralisação. "Sem respostas, a entidade iniciou o processo de mobilização da categoria por meio de suas lideranças e redes sociais", afirmou a nota.[107]

As ações acordadas pelo governo até o dia 26 teriam um impacto de 7,4 bilhões de reais nos cofres da União – parte seria o custo advindo do subsídio ao diesel, parte seria a diminuição da receita advinda da isenção tributária. Os recursos adicionais seriam obtidos através de crédito extraordinário, sendo que o controle artificial de preços teria um custo de 4,9 bilhões de reais ao contribuinte. Flávia Limmer, professora de Direito da PUC-Rio, opina que a política de preços da Petrobras deveria ser mantida, e que a solução para a redução do preço dos combustíveis deveria vir a partir de uma redução tributária.[108]

Com os Estados

No Rio de Janeiro, o governador Luiz Fernando Pezão anunciou redução de 16 para 12 por cento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do diesel em troca da suspensão do movimento nas rodovias do estado.[109]

Em 26 de maio, o governador de São Paulo, Márcio França, anunciou ter chegado a um acordo com a categoria, prometendo fim da cobrança do pedágio sobre eixo suspenso, cancelamento de multas aplicadas aos grevistas, desconto no IPVA em 2019, inclusão de um representante da categoria na agência que regula preços de transporte e garantia de o desconto de dez por cento nas refinarias chegar aos pontos.[110]

Impactos

 
Escassez de pães industrializados em prateleiras de supermercado em Porto Alegre

Segundo estimativas de Paulo Feldman, professor da Faculdade de Engenharia de Alimentos da USP, o custo fiscal do acordo é inicialmente de 8 bilhões de reais, bancados pelo contribuinte através de corte de impostos e compensação da Petrobras. Feldman fez uma estimativa preliminar de que os distúrbios causados pela greve geraram perda de produção econômica de pelo menos 30 bilhões de reais. "Causou um impacto muito grande na economia, mas o pior problema é o mau exemplo que foi dado. Não se pensou no bem do Brasil, mas em atender interesses corporativos. Ficou claro que é um governo que cede às pressões de qualquer grupo que conseguir fazer alguma agitação", avaliou.[111]

No quinto dia de greve, ficaram sem combustível os aeroportos de Recife (PE), Maceió (AL), Goiânia (GO), Vitória (ES), Palmas (TO), Ilhéus (BA), Uberlândia (MG), Carajás (PA), São José dos Campos (SP) e Juazeiro do Norte (CE), que são administrados pela Infraero. Entre os aeroportos privatizados, o de Brasília está sem combustível, e os de Belo Horizonte e Porto Alegre estão em situação crítica.[112]

 
Cavaletes e avisos indicam a falta de combustíveis.
  • Falta de combustível nos postos.[20][113]
  • Aeroportos operando em estado crítico; vários voos cancelados.[27][114]
  • Falta de abastecimento de alimentos em várias regiões e consequente aumento nos preços dos produtos alimentícios remanescentes.[115][116]
  • Impacto nas exportações.[117]
  • Suspensão de aulas em escolas e universidades.[23][24]
  • Segunda fase da prova da OAB suspensa.[25]
  • Relatos de falta de produtos em supermercados, principalmente hortifrutigranjeiros.[59]
  • Suspensão de procedimentos em hospitais por conta de falta de medicamentos.[59]
  • Paralisação de produções em fábricas: 19 montadoras de automóveis estão sem atividades.[59]
  • Descarte de leite por parte de produtores por ser um alimento perecível.[59]
  • Ônibus circulam com frota reduzida.[118]
  • Risco de desabastecimento de água potável no Distrito Federal por falta de insumos para o tratamento.[119]
  • A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) calculou, no dia 29 de maio, que 1 bilhão de aves e 20 milhões de suínos poderão morrer por falta de ração no campo.[26]

Segundo a estimativa de diferentes setores, até o dia 27 de maio a paralisação já teria causado prejuízos de dez bilhões de reais. No caso dos laticínios, cujas imagens de derramamentos nas rodovias pelos produtores receberam destaque na mídia, o prejuízo seria de 1,1 bilhão de reais, segundo a Confederação Nacional de Agropecuária.[120]

Em maio a produção industrial caiu em 14 de 15 estados pesquisados pelo IBGE, que atribui a paralisação como o principal motivo da queda. Em média, a queda foi de 10,9%.[121]

Acordo

Na noite do dia 27 de maio, o presidente Michel Temer anunciou a redução do preço do diesel em quarenta e seis centavos por litro na bomba, que este preço permaneceria constante por sessenta dias e que novos reajustes seriam mensais. Além disso, foram publicados em edição extra do Diário Oficial da União três medidas provisórias atendendo exigências dos caminhoneiros. A primeira determina que pelo menos trinta por cento das contratações de frete feitas pela Companhia Nacional de Abastecimento sejam de caminhoneiros autônomos e através do intermédio de cooperativas. A segunda estabelece preços mínimos para os fretes. A terceira isenta os caminhões trafegando vazios em rodovias concessionadas federais, estaduais ou municipais de pagar pedágio sob eixo suspenso.[122]

O acordo não causou consenso entre os líderes sindicais.[123]

No dia 28 de maio, segundo o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros, José da Fonseca Lopes, de setenta a oitenta por cento dos manifestantes já haviam se retirado dos pontos de obstrução, e esperava a desmobilização até o final do dia seguinte. Lopes criticou também aqueles que permaneciam em manifestação para os fins políticos de derrubar o presidente Michel Temer e defender a intervenção militar no Brasil.[124][123]

O diretor do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista e Vale do Ribeira (Sindicam), José Cícero Rodrigues, afirmou que a greve só terminaria quanto a Petrobras confirmasse que do preço do diesel não voltaria a ter reajustes consecutivos.[123]

O diretor do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga de Ijuí (Sinditac-Ijuí), Carlos Alberto Litti Dahmer, afirmou que orientou que cada um tomasse suas próprias decisões e afirmou que não mais há controle nem confiança no governo.[123]

Repercussões

 
Posto de gasolina em Belo Horizonte durante a greve, com placa indicando estar sem combustível.

A greve dos caminhoneiros recebeu cobertura nacional[38][39] e internacional.[37][125]

Senado Federal

Na tribuna, alguns senadores atacaram duramente o presidente da Petrobras, Pedro Parente, pedindo a demissão do executivo.[126] Os ataques mais duros foram desferidos pelo primeiro vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que chegou dizer que Parente age com "arrogância", ao se recusar a alterar a política de preços da Petrobras.[127] O senador foi alvo de críticas do jornalista Reinaldo Azevedo, que considerou Parente como responsável pela recuperação da Petrobras.[128]

José Maranhão (MDB-PB) disse que Parente estipulou uma política que é "contrária aos interesses do país". O senador lembrou que o governo, por ser acionista majoritário da Petrobras, tem mais o poder de estabelecer uma política de preços da companhia. E disse que não existe "um diretor da Petrobras com poderes absolutos que se sobrepõe ao poder do dono da empresa".[127]

Partidos políticos e sindicatos

  • A Central Única dos Trabalhadores (CUT) e outras centrais posicionaram-se a favor do protesto,[43] não obtendo no entanto forte apoio dos caminhoneiros nem da associação que os representam, a Abcam.[129][5]
  • A Confederação Nacional do Transporte (CNT) disse em nota que "não participa, não incentiva e não apoia paralisações de caminhoneiros". A instituição diz ainda que não tem conhecimento de participação de empresas no movimento grevista e, se houver, o empresário responsável deverá ser punido.[130]
  • O professor de Direito da Universidade Estadual do Rio de Janeiro Afrânio Silva Jardim e a socióloga Marília Moschkovich classificaram a paralisação como um locaute, que ocorre quando os patrões não permitem que os funcionários trabalhem para adquirir vantagens das autoridades, algo proibido pela legislação brasileira.[131] O Ministro de Segurança Pública Raul Jungmann expressou que há indícios de aliança entre os caminhoneiros e as empresas de transporte, a fim de diminuir o preço do diesel. O governo investiga se há de fato a prática de locaute.[41][132] Embora manifestantes e companhias neguem, tal hipótese será investigada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica e pela Polícia Federal.[42]

Pré-candidatos à presidência

  • O senador e pré-candidato à presidência pelo Podemos, Álvaro Dias, declarou apoio à greve dos caminhoneiros.[133] Afirmou também que os protestos não podem ser desprezados.[47] "[É uma revolta] de toda uma nação, a sociedade brasileira está cansada da incompetência generalizada dos governos e dos governantes, cansada da corrupção e da impunidade como regra e exige mudanças nos rumos do nosso país."[49]
  • O pré-candidato ao PSDB Geraldo Alckmin pronunciou-se: "Em momentos de grande volatilidade de preço de petróleo, uma das alternativas é ter colchão tributário, que você possa reduzir e, com isso, minimizar, diminuir um pouco o impacto dessas variações". Mas, ponderou, a CIDE "foi muito reduzida, então hoje o impacto é pequeno". "O governo está estudando a questão do PIS/Cofins", completou Alckmin.[50]
  • A pré-candidata ao Rede, Marina Silva, afirmou que o governo Michel Temer errou ao não se antecipar a crise.[48] Marina ainda criticou a Petrobras. "Você segue a lógica de mercado, porque fazendo no olho do furacão com a pressão política, a mensagem que passou externamente é que a Petrobras não está se comportando de acordo com as regras do mercado", disse Marina.[49]
  • O pré-candidato pelo PDT Ciro Gomes afirmou em seu Twitter que "alta dos combustíveis é uma aberração" e criticou a Petrobras.[47]
  • A deputada estadual e pré-candidata pelo PCdoB Manuela d'Ávila afirmou por meio das redes sociais que falta legitimidade ao governo de Michel Temer e isso o impede de ter autoridade diante dos grevistas.[49]
  • O economista Paulo Rabello de Castro, pré-candidato pelo PSC, afirmou que para solucionar a crise é preciso "criar um fundo de estabilização gerenciado fora do ambiente de Governo". O ex-presidente do BNDES defendeu ainda uma reforma tributária.[47]
  • O pré-candidato pelo NOVO, João Amoêdo, defendeu a privatização da Petrobras, o corte de gastos do governo, a redução de impostos em todos os setores e o investimento em novos meios de transporte e fontes de energia.[47]
  • O deputado federal e pré-candidato pelo PSL Jair Bolsonaro apoiou a greve, mas condenando os bloqueios: "O bloqueio de estradas não é salutar. Parar os caminhões, 100% apoio meu. Mas para bloquear estradas não tem meu apoio".[134] No dia 29 de maio de 2018, o deputado defendeu o fim da greve. Segundo Bolsonaro – que inicialmente apoiou a greve – ela tinha chego ao ápice e deveria acabar.[135]

Internacional

Em 25 de maio, o governo dos Estados Unidos emitiu um alerta para os americanos em território brasileiro para que façam estoques de bens domésticos, como comida e água, assim como combustíveis, além de se verificar as condições das estradas antes de viajar de carro e de se conhecer as rotas que levem para fora dos limites da cidade. E ainda avisou que poderia demorar um pouco para a situação voltar aos níveis normais, após o fim da greve, em locais mais distantes dos centros.[136][137]

Também em 25 de maio a Anistia Internacional condenou o uso de força contra protestos de caminhoneiros e que a declarou em nota “a autorização e convocação do uso das Forças Armadas para desocupar as rodovias obstruídas por caminhoneiros em greve é extremamente preocupante. O papel das Forças Armadas não é atuar em protestos, manifestações e greves. A liberdade de expressão e manifestação são um direito humano”.[40] O jornal francês Le Monde também criticou o uso do Exército para desbloquear as estradas e disse que "a crise expõe a fragilidade do governo do Presidente Michel Temer".[138]

Outras repercussões

  • O cantor Roberto Carlos defendeu, em uma apresentação em São José do Rio Preto, a greve dos caminhoneiros.[139] Em um breve discurso, declarou apoio à categoria e se referiu aos trabalhadores como "nossos heróis", sendo aplaudido pelo público.[140]
  • O ator Alexandre Frota também entrou em defesa dos caminhoneiros e apoiou-os na Régis Bittencourt. Frota ainda disse que "se tiver que ser com intervenção militar que seja".[141]
  • A apresentadora Xuxa apoiou em suas redes sociais a greve. "Eu estou de corpo e alma com os caminhoneiros …. não desistam”, disse.[142]
  • A jornalista e apresentadora de telejornal Rachel Sheherazade criticou a greve, diante dos impactos causados pela mesma. Nas redes sociais, Raquel citou todos os problemas pelos quais a população brasileira vem passando nos últimos dias, a exemplo do desabastecimento nos postos de combustíveis do país, da falta de alimentos, de água, gás, remédios nas farmácias, além dos transtornos das estradas brasileiras, e considerou a greve como "irresponsável" e "absurda".[143]
  • Por conta da falta de abastecimento, uma pizzaria de Águas Claras, no Distrito Federal, passou a aceitar a gasolina como forma de pagamento durante o tempo da greve.[144][145][146]
  • Técnicos de futebol lamentaram a permanência de jogos do Campeonato Brasileiro durante a greve.[147]

Ver também

Referências

  1. a b «Motoristas de vans escolares aderem à paralisação em São Paulo». Estadão 
  2. a b c «Motoristas do Uber e motoboys se juntam a caminhoneiros em protestos em Brasília». Estadão. 24 de maio de 2018 
  3. a b c «Agricultores, motoboys e prefeituras aderem à greve dos caminhoneiros». Zero Hora. 25 de Maio de 2018 
  4. a b c d BBC (24 de maio de 2018). «Quem são e o que querem os caminhoneiros que estão parando o país?». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  5. a b c Senra, Ricardo (24 de maio de 2018). «Grupos pró-intervenção militar tentam influenciar rumo de greve dos caminhoneiros». BBC Brasil. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  6. Moura, Renata (24 de maio de 2018). «A cronologia da crise do diesel, do controle de preços de Dilma à greve dos caminhoneiros». BBC Brasil (em inglês) 
  7. «Crise do diesel: governo pede trégua a caminhoneiros». VEJA.com 
  8. a b «Greve dos caminhoneiros se arrasta; afinal, quando isso tudo deve acabar?». UOL. 24 de maio de 2018 
  9. a b Leonardo Goy (24 de maio de 2018). «Greve de caminhoneiros autônomos é reforçada com adesão de transportadoras». Folha de S.Paulo 
  10. a b «Greve de caminhoneiros, no 5º dia, causa reflexos pelo país». G1. Globo.com. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  11. «Representante de caminhoneiros em MT diz que greve não se resume à redução do diesel e cita outras reivindicações». G1 
  12. «Líder dos caminhoneiros diz que greve só será suspensa com fim do PIS/Cofins sobre diesel». O Globo. 24 de maio de 2018 
  13. a b «6 perguntas para entender a alta nos preços da gasolina e do diesel». G1. 23 de Maio de 2018 
  14. a b «"Não, a culpa não é da Petrobras", diz consultor financeiro; entenda como o preço é calculado». Infomoney. 24 de maio de 2018 
  15. a b «Gasoline prices, liter». GlobalPetroPrices. 21 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018.. Cópia arquivada em 25 de maio de 2018 
  16. a b c «Diesel prices, liter». GlobalPetroPrices.com. 21 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018.. Cópia arquivada em 25 de maio de 2018 
  17. «Diesel está abaixo da média e subiu menos». Valor econômico. 25 de maio de 2018. Consultado em 27 de maio de 2018. 
  18. «Ao vivo: 5º dia da greve dos caminhoneiros contra preços dos combustíveis». VEJA.com 
  19. «Greve dos caminhoneiros ainda bloqueia estradas em 24 estados e no Distrito Federal». Extra Online 
  20. a b c «Brazil Truckers Strike for Fourth Day» [Caminhoneiros brasileiros em greve pelo quarto dia] (em inglês). Bloomberg. 24 de maio de 2018 
  21. a b «Gasolina chega a R$ 9,99 em Brasília; motoristas fazem fila em postos». G1. 24 de maio de 2018 
  22. a b «Em 4º dia de greve, cidades ficam sem combustível e sem alimentos». Folha de S.Paulo. 24 de maio de 2018 
  23. a b «Universidade de MG suspende aulas por causa da greve dos caminhoneiros». Estado de Minas. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  24. a b Luciane Cordeiro (25 de maio de 2018). «Aulas de escolas municipais são suspensas por causa da greve dos caminhoneiros». Consultado em 25 de maio de 2018. 
  25. a b «Segunda fase do exame da OAB é adiada por causa da greve dos caminhoneiros». Extra. Globo.com 
  26. a b «Greve dos caminhoneiros é fatal para 1 bilhão de aves e 20 milhões de suínos». EM 
  27. a b c «Aeroporto de Brasília opera em 'estado crítico' e postos ficam sem gasolina; SIGA». G1. Globo.com. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  28. a b «Sobe o número de cidades do RS com decreto de calamidade pública». Correio do Povo. 24 de maio de 2018 
  29. «Sobe o número de cidades do RS com decreto de calamidade pública». Correio do Povo. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  30. a b Lucas Borges Teixeira (25 de Maio de 2018). «Cidades de quatro estados declaram emergência por falta de combustíveis». UOL 
  31. a b c «Bruno Covas decreta estado de emergência em São Paulo e pode apreender combustível». G1. Globo.com. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  32. a b «Petrobras perde R$ 40 bi em valor de mercado com saída de Parente». Veja. 1 de Junho de 2018. Desde o início da greve dos caminhoneiros, em 21 de maio, o valor de mercado da companhia já caiu 137 bilhões de reais. 
  33. «Ações da Petrobras recuam 12,33% com redução do preço do diesel». Veja. Abril. 24 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  34. a b «Governo vai usar Exército para desobstruir rodovias». Exame. Abril. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  35. a b «Temer usará Forças Armadas para conter greve dos caminhoneiros». Correio Braziliense. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  36. a b c Naiara Trindade (25 de maio de 2018). «Governo autoriza atuação da GLO na greve dos caminhoneiros». Estadão. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  37. a b Cobertura internacional inclui, mas não é limitada a
  38. a b «Leia as manchetes de hoje dos principais jornais brasileiros». Valor 
  39. a b «Petrobras reduz em 10% o preço do diesel para conter greve; Azeredo se apresenta e é preso. Jornais de quinta (24)». G1. 24 de maio de 2018 
  40. a b c «Anistia Internacional condena uso de força contra protestos de caminhoneiros». Folha de S.Paulo. 25 de maio de 2018 
  41. a b c «Jungmann diz que governo apura se houve locaute de empresas na paralisação de caminhoneiros». G1. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  42. a b Venturini, Lilian (25 de maio de 2018). «O que é locaute. E o que caminhoneiros e empresários dizem sobre isso». Nexo Expresso. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  43. a b «Centrais apoiam greve dos caminhoneiros». Brasil 247. 24 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. [fonte confiável?]
  44. a b «Nota do PSOL sobre a disparada do preço dos combustíveis». PSOL50.org. 24 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  45. a b «Caminhoneiros: é greve ou locaute?». Causa Operaria. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  46. a b «Unificar as lutas contra a austeridade, o desemprego e o aumento do custo de vida». PCB - Partido Comunista Brasileiro. 24 de maio de 2018 
  47. a b c d e «Pré-candidatos ao Planalto comentam greve de caminhoneiros e Petrobras». Poder 360. 24 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  48. a b «Presidenciáveis comentam medidas do governo para conter greve dos caminhoneiros». Folha de S.Paulo. Uol. 25 de maio de 2018 
  49. a b c d e «O que os presidenciáveis dizem sobre a greve dos caminhoneiros». Uol. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  50. a b «Presidenciáveis comentam medidas do governo sobre greve dos caminhoneiros». Folha PE. 24 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  51. «Série histórica do levantamento de preços e de margens de comercialização de combustíveis». Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. 9 de abril de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  52. José Maria Tomazela (9 de novembro de 2015). «No 1º dia de paralisação, caminhoneiros montam bloqueios em rodovias de 14 Estados». Estadão 
  53. «Greve de caminhoneiros bloqueia rodovias pelo 2º dia». Folha de S.Paulo. 10 de novembro de 2015 
  54. «Gasoline Prices Around the World: The Real Cost of Filling Up» [Preços da gasolina ao redor do mundo: O verdadeiro custo de encher o tanque] (em inglês). Bloomberg. 1 de Maio de 2018 
  55. «Câmara aprova corte do PIS/Cofins sobre diesel e reoneração da folha». Folha de S.Paulo. 23 de Maio de 2018 
  56. «Temer pede trégua a caminhoneiros que protestam contra alta do diesel». G1. 24 de maio de 2018 
  57. Gustavo Garcia (23 de maio de 2018). «Associação de caminhoneiros diz que mantém até sexta-feira liberação de transporte de remédios e carga viva». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  58. Vinícius Casagrande (24 de maio de 2018). «Greve de caminhoneiros: veja situação de aeroportos e dos voos pelo país». UOL 
  59. a b c d e f «Greve de caminhoneiros chega ao 4º dia e causa reflexos pelo país». G1. 24 de maio de 2018 
  60. «Bovespa fecha em queda; ações da Petrobras despencam quase 15% após redução no preço do diesel». G1. 24 de maio de 2018 
  61. «Tratoraço percorre o Centro e agricultores derramam leite na Floriano». Gazeta do Sul. 25 de Maio de 2018 
  62. «Rio entra em estágio de atenção por causa de greve dos caminhoneiros». O Globo. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  63. «Centro de abastecimento desabastecido: Cadeg já tem lojas fechadas por falta de estoque». R7 Notícias. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  64. «Greve: gasolina comum e etanol acabaram em São Paulo, diz Sincopetro». InfoMoney. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  65. «Pernambuco e Sergipe decretam estado de emergência». Valor Econômico. 26 de maio de 2018. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  66. «7.º dia de greve terá falta de combustível e atos de petroleiros, que vão parar também». Gazeta do Povo. 26 de maio de 2018. Consultado em 27 de maio de 2018. 
  67. «Petroleiros anunciam greve de 72 horas a partir da próxima quarta-feira». Folha de S.Paulo. 26 de maio de 2018. Consultado em 27 de maio de 2018. 
  68. Diogo Mainardi, Claudio Dantas e Mario Sabino (25 de maio de 2018). «Governo decretou GLO, confirma Padilha». O Antagonista. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  69. «Temer diz que governo acionou 'forças federais' para desbloquear estradas». globo.com. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  70. «Governo autoriza Exército para liberar estradas se caminhoneiros não cederem». Folha de S. Paulo. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  71. «Comandante do Exército mobiliza as tropas». O Antagonista. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. [fonte confiável?]
  72. «Governo autoriza Exército para liberar estradas se caminhoneiros não cederem». Folha de S.Paulo. Uol. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  73. Vladimir Netto e Fernanda Vivas (25 de maio de 2018). «AGU aciona STF para que greve dos caminhoneiros seja declarada ilegal». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  74. «Associação pede que caminhoneiros retirem interdições nas rodovias». Folha de S.Paulo. Uol. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  75. Mariana Oliveria (25 de maio de 2018). «Ministro do STF autoriza uso de força e impõe multa para desbloqueio de rodovias». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  76. «Protestos em apoio a caminhoneiros fecha Avenida Paulista e rodovias». Infomoney. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  77. «Petrobras eleva preços de gasolina e diesel a novas máximas neste sábado». ANOTICIA.TV. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  78. «Justiça proíbe bloqueio de rodovias no Paraná por caminhoneiros». Jornal do Brasil. 20 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  79. «Caminhoneiros protestam contra reajuste no diesel em 17 estados». Folha de S.Paulo. Uol. 21 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  80. Leticia Pakulski. «Greve dos caminhoneiros atinge estradas de 22 estados, diz PRF». Exame. Abril 
  81. Roniara Castilhos e Filipe Matoso (22 de maio de 2018). «Governo eliminará tributo que incide sobre diesel e acabará em 2020 com desonerações, diz ministro». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  82. «Protestos de caminhoneiros afetam entregas dos Correios e suspendem postagens de Sedex». G1. Globo.com. 23 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  83. Nicolás Satriano (23 de maio de 2018). «Petrobras anuncia redução de 10% no diesel; medida deve valer por 15 dias». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  84. a b Guilherme Mazul. «Governo e caminhoneiros anunciam proposta de acordo para suspender paralisação por 15 dias». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  85. «Associação de caminhoneiros Abcam abandona reunião na Casa Civil com posição de manter greve». Extra. Globo.com. 24 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  86. «Universidades e institutos federais suspendem aulas por causa da greve de caminhoneiros». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  87. «Governo aplicará multa de R$ 100 mil por hora para conter greve | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  88. «Governo alega convicção de locaute| EXAME». folha. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  89. «Petroleiros decidem entrar em greve a partir de quarta-feira». Gazeta do Povo. 26 de maio de 2018. Consultado em 27 de maio de 2018. 
  90. Karla Mamona (28 de maio de 2018). «Bolsa abre em forte queda e dólar bate R$ 3,70 com greve dos caminhoneiros». Exame. Abril. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  91. «Oitavo dia de greve prejudica transporte público e aulas nas capitais». Uol. 28 de maio de 2018. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  92. «Justiça nega pedidos de prisão por locaute na greve dos caminhoneiros». R7 Notícias. 29 de maio de 2018. Consultado em 29 de maio de 2018. 
  93. Caminhoneiro de 70 anos morre após ser atingido por pedrada na cabeça em RO
  94. Caminhoneiro é morto por manifestantes no interior de Rondônia
  95. Caminhoneiro é morto com pedrada na cabeça em rodovia de Rondônia
  96. Em Brasília, Temer agradece a Deus o fim da greve
  97. Feriado começa sem bloqueios de caminhoneiros nas estradas federais
  98. No 11º dia da greve, caminhoneiros mantêm protesto apenas no Porto de Santos; distribuição de alimentos melhora
  99. Paralisação dos caminhoneiros está perto do fim
  100. Caminhoneiros mantêm greve no Porto de Santos
  101. Concentrado no Porto de Santos, grupo de caminhoneiros não aceita fim da greve
  102. «Caminhoneiros decidem pelo fim da greve no Porto de Santos, SP». G1. Globo.com. Consultado em 3 de junho de 2018. 
  103. «Pedro Parente pede demissão da Petrobras». G1. 1º de junho de 2018. Consultado em 1º de junho de 2018. 
  104. Nicola Pamplona (2 de junho de 2018). «Saiba quem é Ivan Monteiro, o novo presidente da Petrobras». Folha de S.Paulo. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  105. «Acordo com caminhoneiros custará R$ 5 bilhões». Folha de S.Paulo. Uol. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  106. «Aprovação de proposta pode suspender greve dos caminhoneiros ainda nesta quinta». Diário de Pernambuco. 24 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  107. «AO VIVO Greve dos caminhoneiros: as notícias da crise dos combustíveis». El País. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. [precisa-se de fonte melhor?]
  108. Mateus Ferraz (25 de Maio de 2018). «Custo para reduzir o diesel deverá ficar para o contribuinte». Zero Hora 
  109. «Governo e caminhoneiros anunciam proposta de acordo para suspender paralisação por 15 dias». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  110. Pereira, Felipe (26 de maio de 2018). «Governo de SP dá desconto em pedágio e IPVA em troca de fim de greve». UOL Economia. Consultado em 27 de maio de 2018. 
  111. João Pedro Caleiro (25 de maio de 2018). «Quem vai pagar a conta do acordo dos caminhoneiros». Exame. Abril. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  112. «Greve de caminhoneiros: veja situação de aeroportos e dos voos pelo país». Uol. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  113. André Graça e Cíntia Acayaba (25 de maio de 2018). «Falta de combustível afeta trabalho de guardas municipais em ao menos 10 cidades da Grande SP». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  114. «Greve deixa aeroportos de Brasília e Recife sem combustível; voos não pousam ou decolam». 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  115. «Greve dos caminhoneiros afeta abastecimento de combustíveis, preço de alimentos e trânsito no RJ». G1. Globo.com. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  116. Ana Luiza Albuquerque (23 de maio de 2018). «Greve afeta abastecimento de alimentos e postos de gasolina no Sul». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  117. «Greve de caminhoneiros causa desabastecimento e prejudica exportações». Exame. Abril. 23 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  118. «Greve de caminhoneiros chega ao 5º dia e causa reflexos pelo país; governo aciona forças federais para desbloquear estradas». G1 
  119. Grigori, Pedro (25 de maio de 2018). «Greve dos caminhoneiros: DF pode ficar sem água potável a partir de terça». Correio Brasiliense. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  120. «Os bloqueios de caminhoneiros nas rodovias que paralisaram o escoamento da produção em todo o País já provocaram perdas de pelo menos 10 bilhões de reais». O Sul. 27 de maio de 2018 
  121. «Greve dos caminhoneiros derrubou indústria em 13 de 14 estados pesquisados pelo IBGE». O Globo. 11 de Julho de 2018 
  122. Santos, Luan (28 de maio de 2018). «Governo publica em edição extra do DO medidas do acordo com caminhoneiros». UOL Economia. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  123. a b c d «Não há mais controle sobre o movimento, afirma líder sindical». Valor Econômico. 26 de maio de 2018. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  124. Peduzzi, Pedro (28 de maio de 2018). «Abcam diz que entre 70% e 80% dos caminhoneiros já se desmobilizaram». Agência Brasil. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  125. Daniella Franco (30 de maio de 2018). «Imprensa da Europa descreve Brasil "em curto-circuito" com greve dos caminhoneiros». RFI 
  126. «Cássio Cunha Lima pede a demissão de Presidente da Petrobras». Estadão. A Tribuna. 24 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  127. a b «Na tribuna, senadores pedem demissão de Pedro Parente». Valor Econômico. 25 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  128. Reinaldo Azevedo (25 de maio de 2018). «Ações da Petrobras caem mais de 14%; Cunha Lima, senador tucano, fala bobagem e cobra a demissão de Parente; já a BRF torce por isso...». Rede TV. Uol. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  129. «Caminhoneiros repelem aproximações da CUT, MST e políticos do PT». www.noticiasagricolas.com.br. 24 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  130. Cinthya Oliveira (25 de maio de 2018). «CNT afirma que não apoia a greve dos caminhoneiros». Hoje em Dia. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  131. «Afrânio Jardim: greve de caminhoneiros é Locaute». Brasil247. 22 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. [fonte confiável?]
  132. «'É locaute', diz Jungmann sobre caminhoneiros». Blog do Josias. 24 de maio de 2018. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  133. Diniz Neto (21 de maio de 2018). «Álvaro Dias declara apoio à greve dos caminhoneiros». CBN Maringá. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  134. Pitombo, João Pedro (24 de maio de 2018). «Bolsonaro diz que apoia caminhoneiros, mas critica bloqueios de estradas». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  135. «Bolsonaro defende o fim da greve dos caminhoneiros e rejeita intervenção militar». InfoMoney. 29 de maio de 2018. Consultado em 29 de maio de 2018. 
  136. Ansa (24 de maio de 2018). «EUA emite alerta por greve de caminhoneiros no Brasil». Metro Jornal. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  137. Redação (25 de maio de 2018). «EUA pedem para quem viajar ao Brasil estocar água e itens domésticos». Veja. Consultado em 25 de maio de 2018. 
  138. «Le Monde: convocar Exército contra greve dos caminhoneiros é decisão "extrema"». RFI. 26 de maio de 2018 
  139. «Roberto Carlos defende greve dos caminhoneiros durante show em SP». Jornal do Brasil. 28 de maio de 2018. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  140. «Roberto Carlos fala em show sobre greve dos caminhoneiros: 'Nossos heróis'». 28 de maio de 2018. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  141. «Alexandre Frota apoia caminhoneiros na Régis Bittencourt: 'Se tiver que ser com intervenção militar, que seja'». Folha de S.Paulo. Uol. 28 de maio de 2018. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  142. «Xuxa dá apoio à greve dos caminhoneiros — com meme ao lado de Angélica». Veja. 28 de maio de 2018. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  143. «Raquel Sheherazade detona greve dos caminhoneiros nas redes sociais: "Querem a falência do país?"». Portal T5. 26 de maio de 2018. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  144. «Pizzaria aceita gasolina como pagamento no DF». G1. 28 de maio de 2018. Consultado em 29 de maio de 2018. 
  145. «Pizzaria em Águas Claras aceita gasolina como pagamento». Correio Braziliense. 28 de maio de 2018. Consultado em 29 de maio de 2018. 
  146. «Pizzaria em Águas Claras recebe gasolina como forma de pagamento». Jornal de Brasília. 28 de maio de 2018. Consultado em 29 de maio de 2018. 
  147. «Técnicos mostram indignação com permanência de jogos em meio à greve». ESPN.com. 28 de maio de 2018. Consultado em 28 de maio de 2018.