Abrir menu principal
Griot uolofe do Senegal, 1890
Griots de Sambala, rei de Medina (fulas, Mali), 1890
Baobá sagrado contendo túmulo de griôs (Reserva Bandia, Senegal)
Griot moderno, Diffa, Níger, tocando um Ngoni ou Xalam

Griot (também grafado griô; com a forma feminina griote),[1] jali ou jeli (djeli ou djéli na ortografia francesa), é o indivíduo que na África Ocidental tem por vocação preservar e transmitir as histórias, conhecimentos, canções e mitos do seu povo. Existem griots músicos e griots contadores de histórias.[2][3] Ensinam a arte, o conhecimento de plantas, tradições, histórias e aconselhavam membros das famílias reais. Muitos são intelectuais instruídos no Alcorão por influência islâmica, o que explica por que a maior parte da epopeia africana origina em países com forte presença islâmica na vida, pensamento, arte e história da comunidade.[4]

Existem também os domas, tidos como uma classe superior de griots. Além das funções de contadores, os domas são responsáveis pela organização e ordem de eventos e reuniões da comunidade.[1]

Griots fazem parte das sociedades em vários países da África ocidental, incluindo Mali, Gâmbia, Guiné, e Senegal, e estão presentes entre os mandês ou mandingas (mandingas, malinquês, bambaras, etc.), fulas, hauçás, songais, tuculores, uolofes, sererês, mossis, dagombas, árabes da Mauritânia e muitos outros pequenos grupos.

Índice

Griots famososEditar

Referências

  1. a b René Marc da Costa Silva. «CULTURA POPULAR E EDUCAÇÃO — Salto para o Futuro» (PDF). 2008. Consultado em 23 de julho de 2019 
  2. Carolina Cechella Philippi, Dayanne Schetz, Natália Mendes Cardoso (Dezembro de 2011). «DE VIVÊNCIAS INDIVIDUAIS A EXPERIÊNCIAS COLETIVAS – a prática de Estágio e o Ensino de História da África e Cultura AfroBrasileira» (PDF). Consultado em 23 de julho de 2019 
  3. BRUNA GONÇALVES DE PÁDUA REIS. «ILE ASÈ OJUBO ÒGÚN — TERRITÓRIO DE MEMÓRIA E RESISTÊNCIA NEGRA EM CURITIBA» (PDF). 2017. Consultado em 23 de julho de 2019 
  4. «Revista Fronteiraz, Volume 5 - nº 5 – Agosto/2010» (PDF). 2010. Consultado em 23 de julho de 2019 

BibliografiaEditar

  • Charry, Eric S. (2000). Mande Music: Traditional and Modern Music of the Maninka and Mandinka of Western Africa. Chicago Studies in Ethnomusicology. Includes audio CD. Chicago: University of Chicago Press.
  • Hale, Thomas A. (1998). Griots and Griottes: Masters of Words and Music. Bloomington, Indiana: Indiana University Press.
  • Hoffman, Barbara G. (2001). Griots at War: Conflict, Conciliation and Caste in Mande. Bloomington, Indiana: Indiana University Press.
  • Suso, Foday Musa, Philip Glass, Pharoah Sanders, Matthew Kopka, Iris Brooks (1996). Jali Kunda: Griots of West Africa and Beyond. Ellipsis Arts.
  • Wright, Donald R. (1981). "Uprooting Kunta Kinte: on the perils of relying on encyclopoaedic informants." History in Africa, vol. VIII.

Ligações externasEditar

  • MC Marechal - Griot
  • Jeliya - The art of Jeli (being a griot)