Grupamento de Fuzileiros Navais de Ladário

O Grupamento de Fuzileiros Navais de Ladário (GptFNLa) é uma parcela do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil.

HistóriaEditar

O Grupamento remonta à criação, por Decreto de 13 de Outubro de 1932, da "Primeira Companhia Regional de Fuzileiros Navais"", organizada no Rio de Janeiro, e embarcada, inicialmente, no vapor Almirante Jaceguay até Montevidéu e, posteriormente, no Navio-Auxiliar Uruguay. Sob o comando do então Segundo-Tenente (FN) Antônio Ferreira de Mello, a Companhia chegou a Ladário a 5 de Janeiro de 1933, ficando provisóriamente alojada em um barracão de madeira do Arsenal de Marinha de Ladário. Posteriormente a Companhia foi transferida para um prédio em precárias condições, que com o trabalho dos Fuzileiros Navais, transformou-se em uma instalação adaptada para a habitação da tropa. Em 1942, finalmente, a Companhia transferiu-se para o prédio antes ocupado pela Aviação Naval, onde até hoje permanece.

Primeira das Companhias Regionais do CFN, manteve a sua denominação até 7 de Março de 1963, quando, pelo Decreto n.º 51.811-A, foi alterada Grupamento de Fuzileiros Navais de Ladário, mantendo-se com as mesmas tarefas da extinta Primeira Companhia; a partir de então foram ampliados o seu efetivo e a sua estrutura organizacional, passando a contar com uma Companhia de Fuzileiros e uma Companhia de Comando e Serviços.

Em 1995 a Marinha adquiriu os terrenos que correspondem hoje à Área de Adestramento do Rabicho, possibilitando um incremento significativo nas operações ribeirinhas no âmbito do comando do 6.º Distrito Naval.

Em 2002, a OM passou por nova reestruturação, com a inclusão da 2a. Companhia de Fuzileiros Navais.

Atualmente o GptFNLa está estruturado como unidade de Combate, visando o seu emprego em operações ribeirinhas, por meio da constituição de Grupamentos Operativos de Fuzileiros Navais, os quais poderão ser reforçados por destacamentos da Força de Fuzileiros da Esquadra. A fim de manter elevado o seu grau de adestramento, o GptFNLa participa de diversos exercícios com os meios da Flotilha do Mato Grosso, do 4.º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral, do Exército Brasileiro, da Força Aérea Brasileira, além de exercícios conjuntos com as Marinhas da Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai. Nesse contexto destacam-se as operações ADERIBEX, RIBEIREX, PANTANAL, CONJUNTA, NINFA e ACRUX.

O GptFNLa desenvolve anualmente o "Curso Expedito de Operações no Pantanal" (C-Exp-OPant), com o propósito de preparar o seu núcleo combatente na arte das operações em ambiente pantaneiro. O C-Exp-OPant vem alcançando um alto nível de qualidade, demonstrado pelo aumento na solicitação de vagas por militares das Forças Armadas e Auxiliares, bem como de militares de Marinhas de nações amigas.

Ver tambémEditar