Abrir menu principal

Guararema

município do estado de São Paulo

Guararema é um município brasileiro do estado de São Paulo, localizado na Região Metropolitana de São Paulo e Alto Tietê.

Município de Guararema
Portal Origens de Guararema

Portal Origens de Guararema
Bandeira de Guararema
Brasão de Guararema
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 19 de setembro
Fundação 1652
Emancipação 3 de junho de 1898 (121 anos)[1]
Gentílico guararemense
Prefeito(a) Adriano Toledo Leite (PR)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Guararema
Localização de Guararema em São Paulo
Guararema está localizado em: Brasil
Guararema
Localização de Guararema no Brasil
23° 24' 54" S 46° 02' 06" O23° 24' 54" S 46° 02' 06" O
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária

São Paulo IBGE/2017 [2]

Região imediata

São Paulo IBGE/2017

Região metropolitana São Paulo
Municípios limítrofes 6
Norte: Santa Isabel
Leste: Jacareí e Santa Branca
Sul: Salesópolis e Biritiba-Mirim
Oeste: Mogi das Cruzes
Distância até a capital 81 km[3]
Características geográficas
Área 270,816 km² [4]
População 28,330 hab.
Densidade 104 60 hab,/km²
Altitude 585 m
Clima tropical de altitude Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,731 alto PNUD/2010 [5]
PIB R$ 457 443 mil IBGE/2010[6]
PIB per capita R$ 17 688,52 IBGE/2010[6]
Página oficial
Prefeitura www.guararema.sp.gov.br
Câmara www.cmguararema.sp.gov.br

Índice

HistóriaEditar

Segundo Aureliano Leite em 1560 Braz Cubas se embrenha pelo sertão e descobre ouro em vasta sesmaria que chega quase à margem esquerda do Rio Anhembi (Tietê). A descoberta é comunicada ao Rei por carta datada de 25 de Abril de 1562. Em sua entrada pelo sertão, Braz Cubas desce a seguir pelo Rio Paraíba e, atravessando a Mantiqueira, esbarra no Rio São Francisco. Segundo o historiador, Isaac Grinderg, este foi o primeiro homem a pisar em nosso solo.

1608- A 22 de setembro, Gaspar Vaz obtém uma sesmaria em Mogi.

1611- O próprio Gaspar Vaz fundou o aldeamento da Escada, para onde foram levados índios já catequizados . Já em 1625 o aldeamento havia sido entregue aos jesuítas que sobreviviam da lavoura. Em 1652 os padres jesuítas erigiram a primeira capela no arraial. Devido ao seu posicionamento geográfico, durante séculos a localidade constituiu-se como etapa obrigatória dos caminhantes que iam de São Paulo para o Rio de Janeiro e vice-versa. Por dar proteção aos índios os jesuítas somaram muitos inimigos, inclusive Gaspar Vaz, que defendia a escravização dos índios. Os inimigos atacavam as aldeias e destruíam várias reduções jesuíticas ao sul do Brasil e Uruguai: tão freqüente se tornaram estes ataques, que os jesuítas foram reclamar ao Papa, o qual em 1640 declarou todos os índios da América livres. Com o acontecido os colonos decidiram pela expulsão dos jesuítas de toda a capitania.

Em 15/12/1732 o índio chamado a moda portuguesa de Sebastião Silva é nomeado capitão-mor dos Índios do arraial da Escada, nesse mesmo ano, a primeira capela foi demolida em virtude de má conservação para dar lugar a outra capela. Em 1734, com a vinda dos Franciscanos, ergueu-se um alojamento anexo que passou a funcionar como convento. Construído em taipa de pilão, o conjunto, representativo da Arquitetura Colonial Brasileira, foi tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no dia 25/01/1941. A capela recebeu o nome da Nossa Senhora da Conceição e logo passou a chamar-se Nossa Senhora da Escada. Há várias hipóteses para a mudança do nome. O fato mais provável talvez seja este: "Reza a tradição popular que os indígenas tinham por hábito colocar sobre a sepultura de seus mortos um fardel cheio de alimentos e uma escada para que a subida da alma até o reino de Tupã se realizasse de maneira tranqüila. Conhecedores deste fato, os padres teriam tratado de esculpir degraus ao redor da Virgem, com o objetivo de estabelecer uma ligação entre as crenças pagãs e a religião adventícia, de modo a facilitar a catequização.

Conhecedores dos fatos ocorridos no arraial da Escada. O padre vila de São Miguel, com o apoio do vigário da vara de São Paulo, André Baruel autoriza o supervisor da vila de São Miguel a levar para essa igreja "as imagens e alfaias" da igreja da Escada junto com 46 índios, que aqui viviam, com isso não concorda a Câmara de Mogi das Cruzes, que com povo reunido vai a São Miguel e trás de lá as imagens e os índios que haviam sidos tomados a Escada. (Leonardo Arroyo, " Igrejas de São Paulo").

Foi o Arraial da Escada elevado a FREGUESIA DA ESCADA pela Lei n.º 09 de fevereiro de 1846. Porém, esse fato foi revogado pela Lei n.º 06 de 23 de maio de 1850, pois o Arraial teve atrofiada sua propriedade em conseqüência da atração exercida pelos outros vizinhos. Só em 1872, pela Lei n.º 01 de 28 de fevereiro, foi definitivamente elevado a Distrito de Paz. Foram seus primeiros dirigentes: Benedito Antônio de Paula, Antônio de Mello Franco e Joaquim Alves Pereira. Como vigário da nova paróquia que surgia, veio o Padre Miguel Piement e a 03 de julho de 1872 a capela de Nossa Senhora da Escada foi instituída canonicamente e hoje faz parte do Patrimônio Histórico Nacional.

Em 1875, Dona Laurinda de Souza Leite, a fim de auxiliar uma ex-escrava, Maria Florência, fez-lhe doação de um quinhão de terra situado às margens do rio Paraíba, em lugar plano, distante 3,5 Km do Arraial da Escada, pouco acima da foz do ribeirão Guararema. Levada por sentimentos religiosos, Maria Florência deliberou construir numa parte do terreno recebido, uma capela para o santo de sua devoção, São Benedito. Com o auxílio de outras pessoas e algumas economias suas, Maria Florência em pouco tempo conseguiu terminar a construção da Capela de São Benedito. Aos poucos foram se estabelecendo outros moradores nos arredores da capela, formando-se um vilarejo que recebeu o nome de “GUARAREMA” - (do tupi guarani - Pau D’Alho), devido à abundância dessa árvore nesta região. Em julho de 1876, inaugurou-se o trecho da EFCB - Estrada de Ferro Central do Brasil, entre Mogi das Cruzes e Jacareí com a passagem da estrada de ferro pela Vila: esta se desenvolveu rapidamente e por Decreto n.º8 de 08 de janeiro de 1890, a sede do Distrito de Paz da Escada foi transferida para o povoado de Guararema, que foi elevado à categoria de Município pela Lei n.º 528, de 03 de junho de 1898. Como era preciso ter um prédio para Câmara e outro para cadeia, logo construídos a 19 de setembro de 1899, com a instalação da Primeira Câmara Municipal de Guararema, foram empossados: Major José de Paula Lopes, Joaquim Paião, Maximino Prudêncio de Mello, Benedicto Pinto de Souza, Joaquim Alves Pereira e Benedicto de Souza Ramalho. Em 23 de setembro de 1899 foram realizadas eleições dos Poderes Municipais, sendo presidente o Major José de Paula Lopes e Vice Presidente Joaquim Paião. Foi o 1º. Intendente Municipal (Prefeito): Benedicto de Souza Ramalho. Secretário: o músico e compositor Júlio Cezar Nascimento. Comissão de Justiça e Finanças: Major José de Paula Lopes e Joaquim Alves Pereira. Comissão de Obras Públicas e Higiene: Benedicto de Souza Ramalho, Benedicto Pinto de Souza e Maximino Prudêncio de Mello. A denominação dos habitantes do município é "GUARAREMENSE".

João Augusto Figueredo - Site Prefeitura Municipal de Guararema (http://www.guararema.sp.gov.br/463/turismo/a+cidade/)

ÍndicesEditar

Guararema, único município do Estado a possuir a certificação ISO 9001, acumula outros títulos e índices de destaque.

Em 2017 o município foi avaliado com o melhor desempenho da Região Metropolitana do Estado no Índice de Oportunidades da Educação Básica, com a nota de 5,4. Em 2016 o município alcançou a melhor média no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - 2015, na Região do Alto Tietê no com 6,6 pontos, ficando acima da média do Estado e a Média Nacional.

Ainda em 2017, Guararema foi reconhecida como Município de Interesse Turístico pelo Governo do Estado por conta de suas belezas naturais e infraestrutura turística oferecida aos visitantes.

Neste mesmo ano o município manteve a certificação do Selo VerdeAzul pelo 3º ano consecutivo e se tornou o único da Região Metropolitana do Estado e do Vale do Paraíba a ser certificado, ocupando a 37ª posição no ranking estadual.

Dados do Índice de Efetividade da Gestão, do Tribunal de Contas, consideram como “Muito Efetiva” a gestão do município, sendo a cidade mais bem avaliada da Região do Alto Tietê e acima da média do Estado.

Em outubro de 2018, Guararema completou quase três anos com apenas um assassinato notificado. A estatística é atribuída ao monitoramento feito por câmeras e a colaboração entre autoridades e população[7].

GeografiaEditar

Altitude: 585 metros Área total: 270,816 quilômetros quadrados Densidade demográfica: 104,60 habitantes por quilômetro quadrado

Coordenadas geográficas

Latitude: 23º 26' 15" S Longitude: 46º 03' 45" W

Limites

Biritiba Mirim, Jacareí, Mogi das Cruzes, Salesópolis, Santa Branca e Santa Isabel

Localização

Guararema está a leste da Grande São Paulo e sua distância da capital é de 76 quilômetros. As principais vias de acesso são: Rodovia Ayrton Senna e rodovia Presidente Dutra

Clima[carece de fontes?]
Temperado, com inverno seco.
Temperatura: 27° C

ComunicaçõesEditar

A cidade foi atendida pela Telefônica Jacareí até 1973, quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que transferiu a concessão para a Companhia Telefônica da Borda do Campo (CTBC)[8]. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[9], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[10] para suas operações de telefonia fixa.

Fauna e floraEditar

Com a Mata Atlântica em boa parte do território do município e o rio Paraíba do Sul cortando a cidade, existem muitas espécies de plantas nativas e animais silvestres comumente avistados no município, tais como: tucanos-toco, maritacas, trinca-ferro, capivaras, macacos-prego, gaviões-caboclo e várias espécies da mata nativa.

HidrografiaEditar

Pontos turísticosEditar

 
Pedra Montada, monumento megalítico no parque
Parque Municipal Pedra Montada

Uma verdadeira escultura da natureza.

Construído no entorno de uma belíssima sobreposição de pedras - cada uma medindo cerca de 9m de comprimento por 2,5m de altura, o Parque Municipal da Pedra Montada oferece acesso confortável ao visitante, fazendo do trajeto até as pedras um agradável passeio. O visitante ainda pode estender o passeio até a Pedra do Tubarão, outra escultura da natureza com a forma de tubarão. O passeio até este ponto se dá através de uma caminhada autoguiada com grau de dificuldade moderada, com apoio de bancos para descanso ao longo do caminho. Vale a pena visitar!

Horário de funcionamento: todos os dias, das 8h às 20h

Horário de funcionamento lanchonete/restaurante: quinta a domingo, das 8h às 20h.

Endereço: Estrada Municipal de Guararema - Lagoa Nova- quilômetro 8

Localizada na estrada da Petrobras, o Parque Municipal Pedra Montada abriga uma sui generis escultura natural. Trata-se de uma sobreposição de pedras, cada uma medindo cerca de nove metros de comprimento por 2,5 metros de altura. O "Parque Municipal da Pedra Montada Dr. Isidoro Martins Ruiz", conta com total infraestrutura para a recepção de turistas. Está localizado na Estrada Municipal Hércules Campagnoli, quilômetro 8, bairro Putim.

Ilha Grande
A Ilha Grande, é uma ilha do Rio Paraíba do Sul localizada no centro da cidade. O espaço foi reurbanizado e ganhou trilhas que percorrem a ilha, totalizando 400 metros, playground para crianças, área para prática de exercícios físicos e jardins. Além de todos estes atrativos, a Ilha Grande conta com o Núcleo de Educação Ambiental, o NEA, espaço destinado aos debates e aprendizado sobre os assuntos que permeiam a preservação e o respeito pelo meio ambiente. Horário de Funcionamento: todos os dias, das 7h às 19h Endereço
Praça Lydia Custódio Dominguez - Centro

Inaugurada no final do ano de 2004, a Ilha Grande permite ao visitante dar um passeio em sua pista de 400 metros as margens do rio Paraíba. O local possui total infraestrutura, mostrando que é possível uma total integração entre o homem e o meio ambiente.

Recanto do Américo
 
Um dos pontos mais famosos de Guararema

O Recanto do Américo ou Pau D'Alho é uma praça que foi reurbanizada no ano de 1999 em comemoração ao aniversário de cem anos da cidade e tornou-se um dos mais belos e procurados pontos turísticos do município. Pode-se dizer que é um dos cartões-postais da cidade, onde se pode desfrutar da tranquilidade, além do belo cenário.

O Recanto do Américo oferece, em toda a sua extensão, uma área rica em recursos naturais. As pontes que interligam a praça às ilhas foram todas construídas sob especificações de normas canadenses de construção deste nível e levam o visitante a diferentes pontos sobre as águas do rio Paraíba do Sul, conta com ampla e variada concentração de espécies de mata nativa, remanescentes da Mata Atlântica, além dos recursos fluviais e da bicentenária árvore Pau D'alho, com aproximadamente trinta metros de altura e doze metros de diâmetro. Está localizado na rua Coronel Ramalho, s/n, no Centro.[carece de fontes?]

Igreja Nossa Senhora da EscadaEditar

 
Igreja Freguesia da Escada

A primeira capela foi construída em 1652 pelos jesuítas. Já em 1732, com a expulsão destes da Capitania de São Vicente, a administração do arraial da Escada foi entregue aos Ordem de franciscanos, que construíram uma nova capela onde se encontra a atual Igreja. Sua arquitetura é tipicamente barroca, com suas paredes construídas em taipa de pilão. O Arraial da Escada representa a formação do próprio município de Guararema. Situada no bairro da Freguesia da Escada, a 3,5 quilômetros do centro da cidade, a Igreja resistiu à ação do tempo, passou por reformas e ampliações até ser tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional, no dia 25 de janeiro de 1941. Em 1982, a Igreja passou por uma reforma definitiva quando foi construída a praça em frente. Esta é a única Igreja do Brasil que possui a imagem de São Longuinho, conhecido popularmente como o "santo dos objetos perdidos". No centro da capela, está enterrado o frei José de Santa Bárbara de Bittencourt, que faleceu em 29 de setembro de 1890.[carece de fontes?]

Igreja Nossa Senhora D'AjudaEditar

 
Igreja Nossa Senhora da Ajuda

Foi construída em 1682 em uma colina, às margens do rio Paraíba do Sul. É uma das construções coloniais mais antigas no estado de São Paulo. Para alcançá-la, é necessário escalar 81 degraus. Foi núcleo religioso das fazendas próximas, servindo também de cemitério, enterrando-se os brancos no interior do templo e os escravos atrás. A capela possui uma imagem de Nossa Senhora D'Ajuda, em terracota, provavelmente de origem portuguesa. Em 24 de setembro de 1984, a capela foi tombada como monumento de interesse histórico.[carece de fontes?]

Mirante do GerbásioEditar

 
Pôr do Sol visto do Mirante de Guararema
 
Lugar para Recordar

O famoso “Morro do Gerbásio” por muitos anos foi ponto de visitação da população de Guararema que vislumbrava que o local poderia ser transformado em um ponto de contemplação da cidade por conta da vista privilegiada, de um lado para o Centro expandido, Rio Paraíba do Sul e do lado oposto para a Mata Atlântica.

A partir de março de 2018, o Mirante “Prefeito Gerbásio Marcelino”, que conta com a Praça “Sérgio Lopes da Silva” foi aberto para a visitação com toda a infraestrutura necessária para se tornar um ponto de entretenimento, lazer, gastronomia e contemplação.

O local reúne diversos elementos para tornar a visitação surpreendente e memorável. No espaço “Admirar” é possível contemplar a vista a olhos nus ou utilizando a luneta e sentir o melhor de Guararema.

 
Espaço Admirar

No “Lugar para recordar” é possível fazer as mais incríveis fotografias, mesclando a arte do letreiro que traz em sua composição os elementos que compõem os atrativos históricos e culturais de Guararema e a vista sensacional da exuberante Mata Atlântica.

As nove fontes interativas são um show à parte. Um show de água e luzes em movimento que prometem encantar a todos os visitantes e de forma sustentável, reutilizando a água.

O local dispõe ainda de toda infraestrutura para os visitantes, com banheiros, rampas de acesso e estacionamento, além do monitoramento por câmeras 24 horas, além de restaurante e lanchonete.

O Mirante “Prefeito Gerbásio Marcelino” fica na Rua Inocêncio de Melo, 335, no Centro.

Outros pontos de interesse turísticoEditar

  • Passeio Cultural (Guararema-Luís Carlos) [11]
     
    Locomotiva leva passageiros até a Vila de Luís Carlos
  • Vila de Luís Carlos
  •  
    Vila foi toda restaurada e já foi cenário de filmes e novelas
  • Centro Artesanal
  •  
    Comércio de artesanato local
  • Cine Guararema
  •  
    Prédio do antigo cinema foi restaurado e alia o patrimônio histórico com a modernidade

OrquídeasEditar

Guararema destaca-se pela sua grande produção de orquídeas das mais variadas espécies.

Tudo começou quando, na década de 1960, algumas famílias japonesas adquiriram propriedades na localidade, hoje conhecidas por Colônia Cerejeiras. Eles cultivavam principalmente rosas e, por um longo período, a cidade de Guararema destacou-se por ser produtora desta cultura. Várias famílias começaram a cultivar, além das rosas, outros tipos de flores, como gerberas e orquídeas, sempre em parceria, para aumentar a quantidade e qualidade de suas produções.

A produção de orquídeas foi ganhando força e espaço à medida que investimentos foram feitos, pois existem espécies que levam até sete anos para a primeira floração e isso significa altos gastos com estufas apropriadas, laboratórios, troca constante de vasos, adubação, controle de temperatura entre outros cuidados para uma produção chegar ao mercado. A paciência e perseverança dos produtores de Guararema fizeram com que, hoje, ela seja conhecida nacionalmente como "A Cidade das Orquídeas".[carece de fontes?]

EcoturismoEditar

 
Rio Paraíba do Sul, no trecho que corta o município

As águas não poluídas do rio Paraíba do Sul são um dos atrativos turísticos de Guararema, onde se pode andar de caiaque, jet-ski, nadar e pescar piabas, piabanhas, piaus, curimbatas e outros. A preservação não é apenas das águas, mas ao seu redor, da vegetação e de animais silvestres. Com a nascente no Parque Nacional da Serra da Bocaina, na junção do rio Paraitinga e Paraibuna em São Paulo, o rio Paraíba do Sul desagua na cidade de São João da Barra, no estado do Rio de Janeiro, e sua extensão é de 1 058 quilômetros. Em épocas de chuvas, assume aspecto barrento, mas, logo, volta à sua cor natural: o verde escuro. O rio também possui várias ilhas: duas delas receberam infraestrutura, incluindo pontes que as ligam, atraindo muitos visitantes de várias cidades.

RodoviasEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome História_1
  2. «O recorte das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias de 2017» (PDF). Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. p. 20–34. Consultado em 10 de agosto de 2017 
  3. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  4. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome IBGE_Cidades_2010
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de julho de 2013 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 5 de setembro de 2013 
  7. Município no interior de São Paulo é exemplo de segurança pública | Repórter Brasil | TV Brasil | Notícias, consultado em 19 de outubro de 2018 
  8. «CTBC - Relatório Anual de 1975» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  9. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  10. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  11. Maria Fumaça

Ligações externasEditar