Abrir menu principal
Guariroba
  Distrito do Brasil  
Estado  São Paulo
Município Taquaritinga
Criado em 1918
População (2010)
 - Total 2 090

Guariroba é um distrito do município de Taquaritinga, no interior do estado de São Paulo[1], Brasil[2]. Sua população é de 2090 habitantes, sendo assim o maior distrito de Taquaritinga. (IBGE 2010).

HistóriaEditar

Por volta do ano de 1917, atraídos pela riqueza do café, fazendeiros se fixaram no local. De acordo com a lei estadual Nº. 1606 de 31 de outubro de 1918, foi criado o distrito de Guariroba, a partir de então foi instalado o cartório de Paz e Anexos do Civil e Tabelionato, para que todos os residentes nas áreas compreendidas pelas divisas do distrito procedessem os registros de óbitos e nascimentos e publicassem os proclamas de casamentos. Desde então o fundador de Guariroba, José Pires de Góes que veio da cidade de Araras, doou terras para a praça da Igreja e mais tarde para o cemitério. Alzino Micali foi o doador das terras onde foi construída a escola do distrito, a E.M. "Ricieri Micalli".

GeografiaEditar

Guariroba fica a 532 metros acima do nível do mar. A extensão territorial é de 285,42 Km². A área urbana é composta pelo centro, pelo conjunto habitacional Damião Antônio Gonçalves e pelo conjunto habitacional Osmar Constâncio; a área rural é composta por sítios e fazendas, bairro da Barra Mansa, Santa Rosa, Cachoeirinha e Itagaçaba. O distrito localiza-se no sudoeste do município de Taquaritinga fazendo divisa com os municípios de Itápolis, Matão e Fernando Prestes, e com os distritos de São Lourenço do Turvo e Nova América. Guariroba também tem importantes rodovias que passam no distrito, a Rodovia Washington Luis e a SP 333, que fazem ligações com importantes cidades como São José do Rio Preto(95 km), Ribeirão Preto(90 km), São Carlos(90 km), Araraquara(50 km), Catanduva(45 km), Bauru(110 km), e a 330 km da capital São Paulo, fica a 12 km do distrito sede.

Pedido de emancipaçãoEditar

O distrito tentou emancipar-se e ser transformado em município no ano de 1990[3], mas não obteve êxito.

ComunicaçõesEditar

O distrito era atendido pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[4], que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[5], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[6] para suas operações de telefonia fixa. No mesmo ano de 2012 surgiu a empresa Gnet Networks levando internet banda larga de alta velocidade ao distrito, em 2017 foi inaugurado a rede de fibras ópticas pela Gnet Networks levando internet de hiper velocidade a população.

EconomiaEditar

A base econômica sempre foi a agricultura, uma característica que se firmou com os imigrantes italianos. Hoje Guariroba ocupa o 1º lugar do município na produção de Goiaba, embora produza também laranja e limão. Duas indústrias têm unidades no distrito: A Killes Indústria e Comércio de Polpas que junto com a Edval Mira Alimentos empregam cerca de 150 pessoas. Essas indústrias são transformadoras de alimentos e processadoras de matéria-prima vinda das lavouras do distrito e da região.

LendasEditar

A “Lenda do Capa Preta” é uma das mais vivas no imaginário dos moradores de Guariroba. Faz referência a um oficial do exército que, por mau comportamento, teria sido enviado para o sertão do Estado, tornando-se um desbravador destas terras. Através de apropriações fez-se grande proprietário de terras, compreendidas desde Nova América até Itajobi. Conta a lenda que durante a noite em matas que rodeiam o Ribeirão dos Porcos, em terras antes pertencentes ao Capa Preta ouve-se, após um vendaval, o barulho de abertura de picadas adentrando a mata, bem como o ruído ensurdecedor de árvores tombando. Os antigos moradores acreditam que esses ruídos seriam povoados pelo Capa Preta em sua apropriação de terras, sempre com muita violência contra posseiros e indígenas.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  2. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  3. «Processos de 1990 na Comissão de Assuntos Municipais com pedido de emancipação» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  4. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  5. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  6. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externasEditar