Abrir menu principal
Guarizinho
  Distrito do Brasil  
Estado  São Paulo
Município Itapeva
Criado em 1908
População (2010)
 - Total 4 364

Guarizinho é um distrito do município de Itapeva, interior de São Paulo.

Índice

HistóriaEditar

Foi criado como distrito policial no ano de 1897 com o nome de Santana do Guareí, no município de Santo Antônio da Boa Vista (atual cidade de Itaí). Elevado a distrito no ano de 1908 com o nome de Caputera[1], em 1912 teve a sede transferida para o povoado de Água Larga[2], passando esse povoado a ter o nome de Caputera até os dias atuais. A partir daí a antiga sede passou a ser conhecida como Guareí ou Guarí. Em 1929 o distrito é transferido para o município de Faxina (atual cidade de Itapeva)[3] e em 1938 a sede do distrito voltou para o povoado de Guarí, mas o distrito passou a se chamar Guarizinho.

Sua população estimada é de aproximadamente seis mil habitantes incluindo se a sede distrital mais os bairros Caputera (antiga sede), Amarela Velha e Cercadinho, que fazem parte do distrito e tem elevado índice demográfico.

Dados geraisEditar

O distrito, apesar de problemas com a violência decorrentes do asfaltamento da rodovia que liga a sede do município a Paranapanema, vem sendo alvos de políticas públicas do Governo Federal, em especial uma do CONSAD, destinada ao cultivo de vegetais orgânicos [4].

O distrito, situado no médio vale paulista do rio Paranapanema, tem ainda entre suas atividades econômicas a silvicultura[5], destacando se pecuária extensiva leiteira e de corte, na agricultura uma das principais atividades são o cultivo da cana de açúcar e lavouras de soja, milho, trigo, feijão, algodão e citricultura, além de florestas de pinus e eucalipto. A indústria ainda é muito fraca na região tendo se a unidade Takaoka da Cooperativa Agroindustrial Holambra, no Cercadinho como a única empresa de grande porte do distrito se comparada as demais fontes geradoras de emprego e recursos financeiros . No entorno da sede do distrito, predominaa vegetação de porte baixo a rasteiro, com coberturas de terreno parciais ou residuais, além de ocupação por lavouras temporárias.[6].

ComunicaçõesEditar

O distrito era atendido pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[7], que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[8], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[9] para suas operações de telefonia fixa.

Ver tambémEditar

Referências