Guerra Civil da Rodésia

conflito na África Austral de 1964–1979

A Guerra Civil de Rodésia ou Rhodesian Bush War (designação em inglês), também conhecida como a Segunda Chimurenga (termo shona que significa luta revolucionária), foi uma guerra civil na antiga Rodésia (atual Zimbábue) de Julho de 1964 até 1979 [11] após a declaração de independência e a formação de um governo de minoria branca para lidar com a guerrilha africana de ideologia marxista.

Guerra Civil de Rodésia
Segunda Chimurenga
Descolonização de África e Guerra Fria
RhodesiaAllies1975.png
A situação geopolítica da guerra após a independência de Angola e Moçambique em 1975. A Rodésia em verde, a África do Sul e o protetorado do Sudoeste Africano (atual Namíbia) em violeta e outros estados, que apoiavam os guerrilheiros nacionalistas, em laranja.
Data 1964–1979
Local Rodésia
Desfecho Acordo de Lancaster House
  • Fim do conflito armado
  • Eleições livres com participação do ZANU/ZAPU
  • Formação do Zimbabwe e estabelecimento de um governo liderado pela maioria negra
Mudanças territoriais O Zimbabwe tem sua independência reconhecida internacionalmente
Beligerantes
Rodésia Rodésia (1964–Junho de 1979)
Flag of Zimbabwe Rhodesia (1979).svg Zimbabwe-Rodésia (Junho–Dezembro de 1979)
FROLIZI (1978–1979)

Apoiado por:
África do Sul
Portugal Portugal (1964–1974)
Flag of ZANU-PF.svg ZANU (ZANLA)
Zimbabwe African People's Union flag.svg ZAPU (ZIPRA)
FROLIZI (Outubro de 1971–1978)
Moçambique FRELIMO[1]

Apoiado por:
Flag of the African National Congress.svg Umkhonto we Sizwe
 Zambia
 União Soviética
 China
 Cuba
 Alemanha Oriental
Comandantes
Rodésia Ian Smith
Rodésia P. K. van der Byl
Rodésia Peter Walls
Flag of Zimbabwe Rhodesia (1979).svg Abel Muzorewa
Flag of Zimbabwe Rhodesia (1979).svg Ndabaningi Sithole (1978–1979)
Flag of Zimbabwe Rhodesia (1979).svg James Chikerema (1978–1979)
Flag of ZANU-PF.svg Herbert Chitepo
Flag of ZANU-PF.svg Robert Mugabe
Flag of ZANU-PF.svg Ndabaningi Sithole (1964–1978)
Flag of ZANU-PF.svg Josiah Tongogara
Flag of ZANU-PF.svg Edgar Tekere
Flag of ZANU-PF.svg Solomon Mujuru
Moçambique Samora Machel
Zimbabwe African People's Union flag.svg Joshua Nkomo
Flag of the African National Congress.svg Joe Slovo
Forças
Rodésia Em 1976:
5 000 soldados[2]
8 000 policias[2]
45 000 reservas[2]
Flag of Zimbabwe Rhodesia (1979).svg Em 1979:
5 000 soldados[3]
10 000[3] - 10.800 policias[4]
15 000[4] - 35 000 reservas[3]
Flag of South Africa (1928–1994).svg Em 1979:
8 000 policias[3][4]
19 000 reservas[4]
Mercenários (1979):[3]
Flag of South Africa (1928–1994).svg 1 600 - 4 500[3]
Israel 600 - 800[3]
França 1 800[3]
Estados Unidos 1 000[3]
Portugal 2 800[3]
Reino Unido 2 000[3]
Alemanha 1 050[3]
Em 1976:
Flag of ZANU-PF.svg 3 000 - 5 000[2]
ZAPU: 3 000 - 5 000[2]
Em 1979:
Flag of ZANU-PF.svg 11 000 - 14 000[2]
ZAPU: 12 000[2] -
20 000[3]
Assessores (1979):
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas 1 400[5]
Alemanha Oriental 700[5]
Cuba 500[5]
Flag of the African National Congress.svg 8 000 - 10 000 (1977)[6]
Baixas
1 120 membros das forças de segurança da Rodésia mortos[7] + 10 000 guerrilheiros mortos[8]
20 000 – 30 000 mortos (total)[9][10]

O conflito opôs as forças do governo da Rodésia sob o comando de Ian Smith (posteriormente o governo de Zimbabwe-Rodésia sob Abel Muzorewa) contra as forças da União Nacional Africana do Zimbábue de Robert Mugabe e a União do Povo Africano do Zimbábue de Joshua Nkomo. A guerra e acordos de paz que se seguiram levaram à implementação do sufrágio universal, do fim do domínio da minoria branca na Rodésia e o governo de curta duração de Zimbabwe-Rodésia, e resultou na criação da República do Zimbabwe, sob a liderança do primeiro-ministro Robert Mugabe. A guerra terminou com a vitória dos rebeldes e eventualmente à imposição da ditadura de Robert Mugabe.

Em 1957, o conflito começou com uma série de protestos e atos de desobediência civil por negros, que acabaram por ser suprimidos. Em 1964, a situação ficou tão precária que houve um levante armado das milícias dos principais grupos políticos africanos contra o governo local pró-britânico; no ano seguinte à independência é declarada pelos brancos; mas em 1972 inicia-se a intervenção de diferentes forças estrangeiras a favor de distintos grupos; em 1978, tenta-se fazer uma aliança entre alguns grupos guerrilheiros e o governo enfrenta os grupos negros mais radicais, porém no ano seguinte, mas estes últimos tinham quebrado a aliança e tomaram o poder. Após os acordos de paz em 1980, foram realizadas eleições em que Mugabe conseguiu o poder, posteriormente o novo governo passa a eliminar seus rivais políticos, especialmente os Matabele (Ndebele do Norte), grupo étnico organizado na ZIPRA, a guerrilha e os partidos políticos que em 1981 romperam sua aliança de governo com o ZAPRA de Mugabe (que foi apoiado pela maioria shona), a repressão foi terrível, entre 1982 e 1985 cerca de 20.000 Matabele foram mortos .[12]

O número de mortos durante a guerra civil foi estimado em 30 mil no total,[10] em sua maioria insurgentes e civis.

AntecedentesEditar

A origem da guerra na Rodésia pode ser atribuída à conquista da região pela Companhia Britânica da África do Sul no final do século 19 e à dissidência dos líderes nativos que se opunham ao domínio estrangeiro.[13] Os britânicos começaram a se estabelecer na Rodésia do Sul na década de 1890 e, embora nunca tenha recebido o status de domínio total, esses colonos efetivamente governaram o país depois de 1923.

Em seu famoso discurso "Wind of Change", o primeiro-ministro do Reino Unido, Harold Macmillan, revelou a nova política da Grã-Bretanha de permitir apenas a independência de suas colônias africanas sob o governo da maioria.[14] Mas muitos rodesianos brancos estavam preocupados que tal mudança imediata causaria o caos que resultou no antigo Congo Belga após sua independência em 1960.[14]

A relutância da Grã-Bretanha em se comprometer levou à declaração unilateral de independência da Rodésia (UDI) em 11 de novembro de 1965. Embora a Rodésia tivesse o apoio privado da vizinha África do Sul e de Portugal, que ainda possuía Moçambique, ela nunca obteve o reconhecimento diplomático de nenhum país.[15][16]

Embora o voto na Rodésia fosse constitucionalmente aberto a todos, independentemente da raça, os requisitos de propriedade impediram muitos negros de participar.[17] A nova constituição de 1969 reservou oito assentos no parlamento de 66 assentos apenas para "não-europeus", com outros oito reservados para chefes tribais.

Em meio a esse cenário, os nacionalistas africanos defenderam a luta armada para instaurar o domínio negro, denunciando principalmente a disparidade de riqueza entre as raças. Duas organizações nacionalistas rivais surgiram em agosto de 1963: a União do Povo Africano do Zimbábue (ZAPU) e a União Nacional Africana do Zimbábue (ZANU), após desacordos sobre táticas, bem como conflitos de personalidade e tribalismo.[18] A ZANU e sua ala militar ZANLA eram chefiadas por Robert Mugabe e consistiam principalmente de tribos Shona. A ZAPU e sua ala militar ZIPRA consistiam principalmente de Ndebele sob Joshua Nkomo.[13]

Política da Guerra Fria

A política da Guerra Fria contribuiu para o conflito. A União Soviética apoiou a ZIPRA e a China apoiou a ZANLA. Cada grupo travou uma guerra separada contra as forças de segurança da Rodésia, e os dois grupos às vezes também lutaram entre si.[19] Em junho de 1979, os governos de Cuba e Moçambique ofereceram ajuda militar direta à Frente Patriótica, mas Mugabe e Nkomo recusaram.[20] Outras contribuições estrangeiras incluíram oficiais militares da Coreia do Norte, que ensinaram militantes do Zimbábue a usar explosivos e armas em um acampamento perto de Pyongyang.[21] Em abril de 1979, 12.000 guerrilheiros ZANLA estavam treinando na Tanzânia, Etiópia e Líbia, enquanto 9.500 de seus 13.500 quadros existentes operavam na Rodésia.[22] A África do Sul deu clandestinamente apoio material e militar ao governo rodesiano.[15]

Apoiado por procuração pelos Estados Unidos e seus aliados ocidentais, a Frente Rodesiana (RF) assumiu uma posição intransigente contra a ideologia comunista da ZIPRA e ZANLA. Ian Smith expôs isso ainda mais, retratando o conflito como principalmente de natureza anticomunista.[23] Os brancos da Rodésia, e uma porcentagem de negros, viam a demanda britânica pelo governo da maioria como um ataque direto ao seu modo de vida. Tendo testemunhado anteriormente a rebelião de Mau Mau, os rodesianos se recusaram a permitir que a política de governo da maioria entrasse em vigor. Grande parte da economia rodesiana, bem como a terra, era controlada por rodesianos brancos e, temendo o confisco total pelo ZIPRA ou ZANLA, o RF optou por manter o governo minoritário não oficial. Ao ignorar outros fatores que contribuíram para o conflito, Smith e a RF conseguiram fortalecer os laços com o Ocidente, mas a Grã-Bretanha permaneceu neutra. A divisão entre comunistas e anticomunistas fez com que a luta se espalhasse pelas fronteiras da Rodésia. As nações africanas vizinhas, apoiadas principalmente pela Coréia do Norte, China e União Soviética, usaram o apoio material comunista para começar a lançar ataques de guerrilha contra a RF.

Os Estados Unidos assumiram a posição oficial de que não reconheceriam a Rodésia como um estado independente, mas alguns soldados americanos que haviam participado do combate no Vietnã se juntaram à Frente Rodesiana. A RF criou campanhas publicitárias para atrair soldados de países ocidentais, e a RF acumulou uma força de quase 1.400 soldados altamente treinados em forças especiais e guerrilha, elevando a força militar total da RF para mais de 10.000 homens. Alguns dos soldados americanos profissionais que entraram na RF diretamente na força tornaram-se membros de fato do governo rodesiano.[24]

A União Soviética se envolveu na Guerra da Rodésia para combater a pressão do Ocidente anticomunista e desafiar a presença chinesa na região.[25] A tecnologia militar soviética apareceu rapidamente no interior do Zimbábue e, em 1979, a ZIPRA estava utilizando armamento SAM para atingir ativos civis da Rodésia e aeronaves Viscount.[26] Assim como fizeram em vários outros países e conflitos africanos, os russos apoiaram as forças da oposição com armas e treinamento. Além da assistência física, Moscou lançou uma campanha de propaganda exagerando o envolvimento britânico no conflito para aumentar o apoio à intervenção. Os soviéticos eram grandes fornecedores de munições e treinamento, mas se recusaram a entrar diretamente no conflito. Os chineses, por outro lado, eram limitados em suas habilidades para oferecer ajuda tangível ao ZANLA. A influência chinesa ao longo do conflito concentrou-se principalmente em esforços de sabotagem em pequena escala e propaganda antiocidental.[27]

Inevitavelmente, a guerra ocorreu no contexto da Guerra Fria regional na África, e envolveu-se em conflitos em vários países vizinhos. Tais conflitos incluíram a Guerra da Independência de Angola (1961–1975) e a Guerra Civil Angolana (1975–2002), a Guerra da Independência de Moçambique (1964–1974) e a Guerra Civil de Moçambique (1977–1992), a Guerra da Fronteira Sul-Africana (1966 –1989), e os conflitos de Shaba I (1977) e Shaba II (1978).[28]

Percepções

O conflito foi visto pelos grupos nacionalistas e pelo governo do Reino Unido da época como uma guerra de libertação nacional e racial. O governo da Rodésia viu o conflito como uma luta entre uma parte da população do país (os brancos) em nome de toda a população (incluindo a maioria negra) contra vários partidos financiados externamente compostos por radicais e comunistas predominantemente negros. Os Nacionalistas consideravam o seu país ocupado e dominado por uma potência estrangeira, nomeadamente a Grã-Bretanha, desde 1890.[29]

O governo britânico, na pessoa do governador, governou indiretamente o país a partir de 1923, quando substituiu a British South Africa Company e concedeu o status de autogoverno a um governo eleito localmente, composto predominantemente por brancos. O partido da Frente Rodesiana de Ian Smith foi eleito para o poder em 1962 e declarou unilateralmente a independência em 11 de novembro de 1965 para preservar o que considerava o autogoverno que possuía desde 1923.[29]

O governo da Rodésia afirmou que estava defendendo os valores ocidentais, o cristianismo, o estado de direito e a democracia lutando contra os comunistas, mas não estava disposto a comprometer a maioria das desigualdades políticas, econômicas e sociais. A administração Smith alegou que a voz legítima da população negra Shona e Ndebele eram os chefes tradicionais, não os nacionalistas ZANU e ZAPU, a quem considerava usurpadores perigosos e violentos.[30]

Em 1978-1979, o governo Smith tentou atenuar o poder da causa nacionalista aderindo a um "Acordo Interno" que acabou com o governo da minoria, mudou o nome do país para Zimbábue-Rodésia e organizou eleições multirraciais, que foram realizadas em 1979 e vencida pelo bispo Abel Muzorewa, que se tornou o primeiro chefe de governo negro do país. Insatisfeitos com isso e estimulados pela recusa da Grã-Bretanha em reconhecer a nova ordem, as forças nacionalistas persistiram.

ConsequênciasEditar

De acordo com as estatísticas do governo rodesiano, mais de 20.000 foram mortos durante a segunda guerra. De dezembro de 1972 a dezembro de 1979, 1.120 membros das forças de segurança rodesianas foram mortos, junto com 10.050 guerrilheiros que foram mortos na Rodésia, e um número desconhecido em Moçambique e Zâmbia, 7.790 civis negros e 468 civis brancos.[31]

Depois de assumir o poder, Robert Mugabe agiu de forma incremental para consolidar seu poder, formando um governo de coalizão com seus rivais da ZAPU e a minoria branca. O Exército da Rodésia foi fundido com as forças de guerrilha para formar as Forças de Defesa do Zimbábue, e as forças de segurança da Rodésia foram fundidas com as forças ZANLA e ZIPRA. Joshua Nkomo recebeu uma série de cargos no gabinete. O governo sul-africano recrutou pessoal branco das Forças de Segurança da Rodésia no que foi designado como Operação Inverno e cerca de 5.000 aceitaram isso.

No entanto, Mugabe estava dividido entre manter sua coalizão estável e as pressões para atender às expectativas de seus seguidores por mudanças sociais. Os confrontos entre as forças ZANLA e ZIPRA ocorreram em 1980 e 1981. Em fevereiro de 1982, Mugabe demitiu Nkomo e dois outros ministros ZAPU de seu gabinete, desencadeando combates acirrados entre apoiadores do ZAPU na região de língua Ndebele do país e o governante ZANU. Entre 1982 e 1985, os militares esmagaram a resistência armada de grupos Ndebele em Matabelelândia e Midlands em uma repressão militar conhecida como Gukurahundi, um termo Shona que se traduz aproximadamente como "a chuva precoce que lava a palha antes das chuvas da primavera". As campanhas de Gukurahundi também eram conhecidas como Massacres de Matabelelândia.[32]

A Quinta Brigada dos militares do Zimbábue, treinada na Coréia do Norte, foi enviada para Matabelelândia para esmagar a resistência. A jornalista alemã Shari Eppel estima que aproximadamente 20.000 matabeles foram assassinados nestes primeiros anos após a guerra;[33] a maioria dos mortos foram vítimas de execuções públicas.

A violência entre ZANLA e ZIPRA continuou até 1987. Em dezembro de 1987, os dois grupos chegaram a um acordo que os viu se fundirem em um partido conhecido como ZANU PF, liderado por Mugabe. Mugabe então se tornou presidente e ganhou poderes adicionais, pois o cargo de primeiro-ministro foi abolido.

Além das fronteiras do Zimbábue, como resultado da ajuda rodesiana e do apoio à RENAMO, a Guerra Civil da Rodésia também ajudou a influenciar a eclosão da Guerra Civil de Moçambique, que durou de 1977 a 1992 e ceifou um milhão de vidas.[34]

NotasEditar

  1. Page 65 Robert Mugabe and the Betrayal of Zimbabwe, 2004.
  2. a b c d e f g Uppsala conflict data expansion. Non-state actor information. Codebook Arquivado em 21 de janeiro de 2012, no Wayback Machine. pp. 222-224.
  3. a b c d e f g h i j k l m From the barrel of a gun: the United States and the war against Zimbabwe, 1965-1980, de Gerald Horne, pp. 294, UNC Press Books, 2001, citas 47-48; 50-52.
  4. a b c d Rhodesia: Tactical Victory, Srategic Defeat, pp. 1-2 (Veasé capitulo 3).
  5. a b c Newsatelier - Afrikaserie Simbabwe
  6. Political terrorism: a new guide to actors, authors, concepts, data bases, theories, & literature, Alex Peter Schmid & A. J. Jongman, pp. 658, Transaction Publishers, edición de 2005 (original de 1988).
  7. Rhodesian Bush War — Second Chimurenga — Zimbabwe Liberation Struggle
  8. "Rhodesian Bush War/Second Chimurenga/Zimbabwe Liberation Struggle" (Globalsecurity.com)
  9. Moorcraft, Paul (2008). The Rhodesian War: A Military History. [S.l.]: Jonathan Ball Publishers. ISBN 9781844156948 
  10. a b BBC NEWS | Programmes | UK Confidential | Government compromise in 1971 Rhodesian talks 2 de enero de 2002.
  11. Peter N. Stearns & William Leonard Langer. The Encyclopedia of World History: Ancient, Medieval, and Modern, Chronologically Arranged, 2001, pp. 1069.
  12. Matabeleland: Its Struggle for National Legitimacy, and the Relevance of this in the 2008 Election 26 de marzo de 2008.
  13. a b Rogers 1998, p. 37.
  14. a b Wessels 2010, pp. 68–73.
  15. a b Wood 2008, p. 6.
  16. Smith 1997, pp. 109–116.
  17. Harris 1969, pp. 72–80.
  18. Sibanda 2005, p. 321.
  19. Bennett 1990, p. 25.
  20. Preston 2004, p. 55.
  21. Wessels 2010, p. 130.
  22. Preston 2004, p. 66.
  23. Evans, Michael (junho de 2007). «The Wretched of the Empire: Politics, Ideology and Counterinsurgency in Rhodesia, 1965–80». Small Wars & Insurgencies (em inglês). 18 (2): 175–195. ISSN 0959-2318. doi:10.1080/09574040701400601 
  24. «The VVA Veteran, a publication of Vietnam Veterans of America». vvaveteran.org. Consultado em 30 de novembro de 2019 
  25. Legum, Colin (28 de janeiro de 2009). «The Soviet Union, China and the West in Southern Africa». Foreign Affairs: America and the World (em inglês). ISSN 0015-7120. Consultado em 30 de novembro de 2019 
  26. «Robert Mugabe and Todor Zhivkov». Wilson Center (em inglês). 29 de maio de 2012. Consultado em 30 de novembro de 2019 
  27. «Soviet and Chinese Communist Attitudes Towards the Rhodesian Problem» (PDF). 11 de dezembro de 1965. Arquivado do original (PDF) em 24 de janeiro de 2017 – via Central Intelligence Agency 
  28. Binda 2008, p. 105.
  29. a b Binda 2008, p. 48.
  30. Wood 2008, pp. 542–555.
  31. «The Fall of Rhodesia». Popularsocialscience.com. 19 de outubro de 2012 
  32. Nyarota 2006, p. 134.
  33. Eppel 2008.
  34. «The Mozambican Civil War (1977-1992)». 4 de julho de 2018 

ReferênciasEditar