Abrir menu principal

Guerra Mexicano-Americana

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Guerra Mexicano-Americana
MXAMWAR.png
Sentido horário do canto superior esquerdo: Winfield Scott entrando em Plaza de la Constitución após a Queda da Cidade do México, soldados dos EUA em retirada atraindo as forças mexicanas durante a Batalha de Resaca de la Palma, vitória americana em Churubusco fora da Cidade do México, Marinheiros dos EUA no assalto ao castelo de Chapultepec sob uma grande bandeira americana, Batalha de Cerro Gordo
Data 25 de Abril de 1846 a 2 de Fevereiro de 1848
Local Texas, Novo México, Norte e centro da Califórnia, México oriental e Cidade do México
Desfecho Vitória americana
Mudanças territoriais Cessão territorial mexicana
Beligerantes
Flag of the United States (1845-1846).svg Estados Unidos
República da Califórnia[1]
Flag of Mexico (1823-1864, 1867-1893).svg México
Comandantes
Flag of the United States (1845-1846).svg James K. Polk
Flag of the United States (1845-1846).svg Zachary Taylor
Flag of the United States (1845-1846).svg Winfield Scott
Flag of the United States (1845-1846).svg Stephen Watts Kearny
Flag of the United States (1845-1846).svg John Drake Sloat
Flag of the United States (1845-1846).svg William Jenkins Worth
Flag of the United States (1845-1846).svg Robert Field Stockton
Flag of the United States (1845-1846).svg Joseph Lane
Flag of Mexico (1823-1864, 1867-1893).svg Antonio López de Santa Anna
Flag of Mexico (1823-1864, 1867-1893).svg Mariano Arista
Flag of Mexico (1823-1864, 1867-1893).svg Pedro de Ampudia
Flag of Mexico (1823-1864, 1867-1893).svg José Mariá Flores
Flag of Mexico (1823-1864, 1867-1893).svg Mariano G. Vallejo
Flag of Mexico (1823-1864, 1867-1893).svg Nicolás Bravo
Flag of Mexico (1823-1864, 1867-1893).svg José Joaquín de Herrera
Flag of Mexico (1823-1864, 1867-1893).svg Andrés Pico
Forças
91 000 soldados 34 000 – 60 000 soldados
Baixas
1 733 mortos em combate
4 152 feridos
~ 13 000 mortos
(5 000 em combate)

A Guerra Mexicano–Americana,[2] também conhecida como Guerra Estados Unidos-México ou Guerra México/EUA,[3] foi o primeiro grande conflito impulsionado pelas ideias do Destino Manifesto, ou seja, a crença de que os Estados Unidos tinham o direito, dado por Deus, de expandir suas fronteiras por toda a América, civilizando-a. O conflito se deu entre Estados Unidos e México, entre 1846 e 1848, e teve enormes consequências para o futuro das nações envolvidas. Com a intervenção, os Estados Unidos ampliaram o seu território em cerca de um quarto, enquanto México perdeu aproximadamente metade do seu.[4]

Dentre os motivos que levaram os Estados Unidos a criar o conflito militar, os principais foram a pressão migratória, a necessidade de novos territórios e as potenciais riquezas da Califórnia.[3] Essa foi a guerra em que, pela primeira vez, uma força inimiga ocupava a capital do México.[carece de fontes?] Os franceses também ocupariam a Cidade do México na década de 1860.

Índice

CausasEditar

 
O México em 1824, antes da guerra mexicano-americana

A guerra entre os Estados Unidos e o México teve duas causas básicas. Primeiro, o desejo de expansão territorial dos Estados Unidos pela América do Norte causou conflito com todos os seus vizinhos: dos britânicos no Canadá e Oregon aos mexicanos no sudoeste e, é claro, com os povos ameríndios. Desde a aquisição, feita pelo presidente Thomas Jefferson, do território da Louisiana em 1803, os americanos migraram para o oeste, em números cada vez maiores, muitas vezes em terras que não pertenciam aos Estados Unidos.

Em 1845, com a chegada de James K. Polk à presidência dos Estados Unidos, as ideias do Destino Manifesto haviam criado raízes na cultura do país, e o novo ocupante da Casa Branca tinha uma firme crença na ideia de expansão. Basicamente, os Estados Unidos teriam um direito dado por Deus de ocupar e "civilizar" toda a América. Essa crença ganhou força à medida que os EUA se estabeleciam em terras do Oeste. Embora a maior parte dessas áreas já tivessem proprietários, os descendentes dos colonizadores ingleses, com seus ideais e ética cristã protestante, acreditavam que fariam um trabalho melhor do que os povos nativos da América ou os mexicanos católicos na colonização das regiões. O "destino manifesto" não significou necessariamente expansão violenta. Nos anos 1835 e 1845, os Estados Unidos ofereceram para comprar a Califórnia ao México, por valores de 5 milhões e 25 milhões de dólares, respectivamente. Na ocasião, o México recusou a oferta, que representaria a venda de cerca de metade de seu território.

 
Guerra EUA/México e suas campanhas.

A segunda causa básica da guerra foi a Guerra da Independência do Texas e a anexação posterior dessa área pelos Estados Unidos. O México não reconheceu a anexação e reivindicou a região, alegando que o Texas era um Estado mexicano rebelde. Mas apesar da forte pressão da opinião pública do México para guerra, de início não houve resistência armada à anexação[5]. A guerra só começaria com a tentativa de os Estados Unidos expandir as fronteiras do território anexado para além dos limites do antigo Departamento de Tejas mexicano.

A disputa política transformou-se num conflito militar aberto quando um destacamento do Exército dos Estados Unidos, sob comando de Zachary Taylor, invadiu o território ao sul do rio Nueces. Embora essa área não fizesse parte do Texas quando ainda era o Departamento de Tejas, parte do estado Mexicano de Coahuila y Tejas, os Estados Unidos reivindicavam essa terra para si. A pretensão baseava-se no tratado de Velasco, assinado por Antonio López de Santa Anna em 1836, em que concordava em recuar as tropas mexicanas para além do Rio Grande[6], cerca de 240 km ao sul de Nueces. O entendimento dos Estados Unidos era que esse recuo estabelecia a nova fronteira do estado que se tornara de facto independente. O México não partilhava dessa leitura e não reconhecia a validade do tratado que fora firmado por Santa Anna enquanto esteve prisioneiro dos texanos, e que o congresso mexicano se recusara a ratificar, negando que o signatário tivesse poderes para tal acordo. Seguiu-se uma série de escaramuças que finalmente transformaram-se em guerra em plena escala.

Oposição nos Estados UnidosEditar

A expedição contava com apoio entusiástico do Partido Democrata e com a veemente oposição dos whigs[7]. Havia uma grande diferença ideológica entre as duas facções. Os democratas, fiéis ao Destino Manifesto e à Doutrina Monroe, acreditavam ser dever de os Estados Unidos levarem os benefícios do seu sistema de governo a todo o continente americano, ainda que pelo uso de armas. Os whigs acreditavam que o caminho para o mesmo objetivo era aperfeiçoar a democracia local e ganhar os vizinhos pela contundência do seu exemplo, e não com a força[8].

Os debates no congresso foram extremamente acalorados. O conhecido abolicionista e congressista whig Joshua Giddins chegou a declarar da tribuna do congresso:

A posteriori, um dos críticos proeminentes do papel dos Estados Unidos na guerra foi Ulysses Grant, que nela combateu com distinção quando jovem oficial do exército invasor. Nas suas Memórias, Grant qualificou a guerra como

Mais tarde Grant tornar-se-ia comandante-em-chefe das forças da União durante a Guerra da Secessão e depois presidente dos Estados Unidos.

Parte do imaginário coletivo norte-americano acreditava que era destino dos EUA realizar sua expansão territorial, tinha-se a crença de que a Providência Divina demandava dos norte-americanos uma postura civilizatória, em oposição às forças europeias que supostamente desejavam frear o crescimento da América. Pouco a pouco, essa crença se transmutava num nacionalismo norte-americano, numa visão exaltada de si próprio como povo e Nação.[11] Em Massachuttes, o sentimento para com a guerra se desenvolveu de forma a se afastar desse nacionalismo, parte dessa população não apoiava o embate com os mexicanos. O estado de Massachuttes caracterizou a empreitada americana como uma “guerra de conquista” que dizia interesse para os fazendeiros escravistas. Dentre as pessoas que desaprovavam a guerra México-americana, a oposição mais conhecida é a de Henry David Thoreau, pois “não foi apenas um crítico a guerra como agressão ao México, mas também se negou a pagar impostos como protesto (...)”.[12] Nesse cenário, Thoreau escreveu se escrito mais popular “A Desobediência Civil”, um ensaio no qual criticava os maus governos e propunha um modelo de combate à tirania.

Há uma longa tradição nos EUA de hostilidade para com o Estado e defesa da autonomia individual; os Estados Unidos é, afinal de contas, a democracia liberal mais antiga do mundo. Existe um profundo enraizamento da defesa dos direitos individuais dentro das visões de mundo norte-americanas. No século XIX Henry David Thoreau se aproximou muito de um individualismo libertário baseado na descoberta da verdadeira natureza humana através de uma cultura ligada à natureza, movimento esse que ficou conhecido como “Naturalismo Transcendentalista” ou “Individualismo Transcendentalista”.[13]

Perante a guerra contra o México, a pergunta que Thoreau se fez, basicamente, foi “como lidar com esse mal?”. Basicamente, a resposta fora “não compactuar com esse mesmo mal”. Henry Thoreau diz em seu ensaio: “Todos os homens reconhecem o direito de revolução; isto é, o direito de recusar obediência ao governo, e de resistir a ele, quando sua tirania ou sua ineficiência são grandes e intoleráveis”.[14] O naturalista se recusou a pagar impostos para o governo americano, a recusa de Thoreau a pagar imposto foi um ato simbólico de protesto contra um governo escravista e que deflagra guerra contra outros indivíduos. O escritor não podia, aos seus próprios olhos, reconhecer um governo que propaga a violência e o mal. E, justamente por isso, aceitou ir para a prisão, afirmando que num governo que prega o aprisionamento moral, o verdadeiro lugar de um homem honesto seria a prisão.[15]

A “resistência”, para esse autor, era a capacidade de se autodefender. A sonegação de impostos seria legítima defesa. Henry Thoreau enxergava o Estado como um todo sob a ótica de que o mesmo está sujeito ao fracasso, afirmando em sua obra: “O governo em si, que é apenas o modo que o povo escolheu para executar sua vontade, está igualmente sujeito ao abuso e à perversão antes que o povo possa agir por meio dele. Prova disso é a atual guerra mexicana, obra de relativamente poucos indivíduos que usam o governo permanente como seu instrumento, pois, desde o princípio, o povo não teria consentido semelhante iniciativa”.[16] A oposição que existia, era não necessariamente entre Governo x Cidadão, mas sim entre Governo x Consciência. A “teoria” thoreauriana tem base no princípio dos indivíduos exercer seu próprio julgamento e não servir ao Estado como uma máquina, que não questiona, ou como um boneco de madeira que pode ser modelado da forma que o escultor (o Estado) desejar.[17]

Thoreau não se envolveu em nenhum partido político, ou movimento organizado, era adepto de uma “revolução-de-um-só-homem”, ou seja, que cada indivíduo ganhasse consciência perante um mau governo. O engajamento do transcendentalista com o Estado se deu apenas pela sua ação como escritor e a recusa de contribuir com seu dinheiro.[18] Lê-se em A desobediência civil: “Que cada homem faça saber qual é o tipo de governo capaz de conquistar seu respeito”.[19] “A desobediência civil de Thoreau é a escolha que ele fez quando não havia outra escolha que não agir; não é apenas ação, mas uma ação necessária (...)”.[20] A ação de Thoreau, fora, em essência uma ação não-violenta, o autor seria um dos precursores do movimento de não-violência utilizados por Gandhi e Martin Luther King Jr. E, assim como estes últimos, a ação do americano é relacionada diretamente com uma fonte essencial de opressão, o Estado. Mesmo que para o autor nenhum homem seja responsável por solucionar algum mal que seja, os indivíduos tem a obrigação de não compactuar com este mal, devem desobedecer as leis injustas e não apoiar as práticas condenáveis:

“Em outras palavras, quando um sexto da população do país que se apresenta como refúgio da liberdade é composto de escravos, e uma nação inteira é injustamente atacada, conquistada por um exército estrangeiro e submetido à lei militar, penso que não é cedo demais para os homens honestos se rebelarem e fazerem a revolução. O que torna ainda mais urgente esse dever é o fato de que o país assim atacado não é o nosso, pois nosso é o exército invasor (...) Se a injustiça tiver uma mola própria e exclusiva, ou uma polia, ou uma corda, ou uma manivela, talvez seja o caso de avaliar se o remédio não seria pior que o mal; mas se ela for do tipo que requer que você seja o agente da injustiça contra outra pessoa, então, eu digo: Viole a lei.”[21]

Descrição do conflitoEditar

 
Pintura da batalha de Churubusco (1847), por J. Cameron.

Em seu início, o conflito foi convencional, travado por exércitos tradicionais consistindo de cavalaria, infantaria e artilharia utilizando táticas estabelecidas em estilo europeu. Como as forças norte-americanas chegaram ao coração do México, algumas das forças de defesa recorreram a táticas de guerrilha para perseguir os invasores, mas estas forças irregulares não influenciaram fortemente o resultado da guerra.

Após o início das hostilidades, os militares dos Estados Unidos embarcaram em estratégia tripla destinada a tomar o controle do norte do México e uma força de paz no início.[carece de fontes?] Dois exércitos norte-americanos moveram para o sul do Texas, enquanto uma terceira força sob o coronel Stephen Kearny viajou para o oeste de Santa Fé, Novo México e depois para a Califórnia. Numa série de batalhas em Palo Alto e de Resaca Palma (perto da atual Brownsville, Texas), o exército do general Zachary Taylor derrotou as forças do México e começou a mover para o sul após fazer mais de mil vítimas. Em julho e agosto de 1846, a Marinha dos Estados Unidos apreendeu Monterey e Los Angeles, na Califórnia. Em setembro de 1846, o exército de Taylor lutou contra as forças do general Ampudia para o controle da cidade mexicana de Monterey em uma batalha de três dias sangrentos. Após a captura da cidade pelos norte-americanos, seguiu-se uma trégua temporária que permitiu aos dois exércitos se recuperarem da desgastante batalha de Monterey. Durante este tempo, o ex-presidente Antonio López de Santa Anna voltou para o México do exílio e foi criado e treinado um novo exército, de mais de 20.000 homens, para se opor aos invasores. Apesar das perdas de grandes extensões de terra, e a derrota em várias grandes batalhas, o governo mexicano recusou-se a fazer a paz. Tornou-se evidente para Polk que apenas uma vitória completa no campo de batalha selaria o fim da guerra. A luta continuou nos desertos secos do norte do México aos Estados Unidos convencido de que uma expedição por terra para capturar a capital inimiga, Cidade do México, seria perigosa e difícil. Para este fim, o general Winfield Scott propôs o que se tornaria o maior desembarque anfíbio da história (na época), e uma campanha para se apoderarem da capital do México.

Em 9 de março de 1847, o general Scott desembarcou com um exército de 12 milhares de homens nas praias perto de Veracruz, mais importante porto oriental do México. A partir deste ponto, de março a agosto, Scott e Santa Anna lutaram uma série de sangrentas e duras batalhas do interior em direção a costa da Cidade do México. As batalhas mais importantes desta campanha incluem as batalhas de: Cerro Gordo[desambiguação necessária] (18 de abril), Contreras (20 de agosto), Churubusco (20 de agosto), Molino del Rey (08 de setembro) e Chapultepec (13 de setembro). Finalmente, em 14 de setembro, o exército norte-americano entrou na Cidade do México. A população da cidade ofereceu alguma resistência para os ocupantes, mas até meados de outubro os distúrbios tinham sido debelados e o Exército dos Estados Unidos desfrutou controle total. Após a ocupação da cidade, Santa Anna renunciou à presidência, mantendo-se entretanto no comando do seu exército. Ele tentou continuar as operações militares contra os norte-americanos, mas as suas tropas, derrotadas e desanimadas, recusaram-se a lutar. O novo governo pediu de imediato a sua demissão militar. Operações de guerrilha contra as linhas levaram Scott de volta a Veracruz para abastecimento, mas esta resistência mostrou-se ineficaz.

Em 2 de fevereiro de 1848 foi assinado o Tratado de Guadalupe Hidalgo, ratificado pelos congressos dos dois países. Basicamente o tratado previa a anexação de partes do norte do México pelos Estados Unidos. Em troca, os Estados Unidos concordavam em pagar 15 milhões de dólares ao México como compensação pelo território apreendido. A liderança militar mexicana foi muitas vezes inexistente, ao menos quando comparada com a liderança norte-americana. E, em muitas das batalhas, o canhão superior das divisões de artilharia dos Estados Unidos e as táticas inovadoras dos seus soldados viraram a maré contra os mexicanos. A guerra custou aos Estados Unidos mais de 100 milhões de dólares, e terminou com a vida de 13 780 militares dos EUA.

ConsequênciasEditar

Ao final da guerra, o México foi obrigado a ceder grandes regiões do norte do país para os Estados Unidos. As regiões conquistadas compreendem inteiramente os atuais estados de Califórnia, Nevada, Texas e Utah, inteiramente o Estado de Novo México (antes da Compra de Gadsden), e áreas dos Estados de Arizona, Colorado e Wyoming.

O presidente Antonio López de Santa Anna perdeu o poder no México após a guerra.

O general Zachary "Old Rough and Ready" Taylor usou sua fama como um herói de guerra para ganhar a Presidência em 1848. A ironia é que, na verdade, o presidente Polk, um democrata, foi empurrado para a guerra que levou Taylor, um Whig, a conquistar a Casa Branca.

As relações entre os Estados Unidos e o México permaneceram tensas durante muitas décadas por vir, com vários encontros militares ao longo da fronteira.

Para os Estados Unidos, esta guerra proporcionou uma formação em terra para os homens que levariam os exércitos do norte e do sul na Guerra de Secessão próximos.

O conflito entre México e Estados Unidos foi um dos grandes fatores que precipitaram a Guerra Civil dos Estados Unidos. A constituição mexicana não admitia escravidão. Portanto, os novos territórios incorporados aos Estados Unidos eram estados livres. Isso perturbou o frágil equilíbrio de poder existente no congresso entre os estados escravagistas e os livres, e foi um dos fatores determinantes que impulsionaram o velho sul dos EUA para a sua frustrada busca da independência[22].

Apesar da popularidade inicial da invasão nos Estados Unidos, a guerra foi marcada pelo crescimento de um movimento anti-guerra que incluiu pessoas influentes como Ralph Waldo Emerson, David Henry Thoreau e até do ex-presidente John Quincy Adams. O centro do sentimento anti-guerra gravitava em torno da Nova Inglaterra, e foi diretamente ligado ao movimento para abolir a escravidão. Texas tornou-se um estado de escravos após sua anexação aos Estados Unidos.

Um aspecto interessante da guerra envolve o destino de desertores do Exército dos EUA de origem irlandesa que se juntou ao exército mexicano como o San Patricio Batallón (Batalhão de São Patrício). Este grupo de imigrantes irlandeses católicos rebelou-se contra o tratamento abusivo por parte de oficiais protestantes, nascidos nos Estados Unidos e no tratamento da população católica do México pelo Exército dos EUA. Neste momento da história americana, os católicos eram uma minoria de maus-tratos, e os irlandeses eram um grupo étnico indesejado nos Estados Unidos. Em setembro de 1847, o Exército dos EUA enforcou dezesseis membros sobreviventes da San Patricio como traidores. Até hoje, eles são considerados heróis no México.

No México, um dia especial é lembrado para comemorar a bravura dos cadetes militares adolescentes na academia militar no Castelo de Chapultepec, que foi atacada pelo exército de Winfield Scott em 13 de setembro de 1847. "Dia de Los Niños Heroes de Chapultepec" (dia dos heróis meninos de Chapultepec), é comemorado todos os anos no aniversário da batalha.

Ordenados a se retirar por seu comandante, esses jovens cadetes que juntaram-se à luta e são homenageados todos os anos, são os quatro cadetes (Francisco Marquez, o mais novo, tinha treze anos) e o seu líder, o tenente Juan de la Barrera o mais velho, 20 anos de idade), que perderam suas vidas nessa batalha.[carece de fontes?]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Apenas em 1846.
  2. «Guerra Mexicano-Americana: a águia estende suas asas». Aventuras na História 
  3. a b Inicio da Guerra México/E.U.A.
  4. McPherson, p. 3
  5. Singletary, p. 9 a 11
  6. Schultz, p.521
  7. McPherson p. 3 e 4
  8. McPherson, p.48.
  9. Giddins, p.17.
  10. Grant, U.S., Personal Memoirs, New York, 1885, I, 53.
  11. BOSCH, Aurora (2005). História de Estados Unidos 1776 - 1945. Barcelona: Crítica. pp. 132–133 
  12. Ibidem. [S.l.: s.n.] pp. p. 142 
  13. MARSHALL, Peter (2008). Demanding the Impossible. A History of Anarchism. Be realistic: Demand the impossible!. [S.l.]: Harper Perennial. pp. p. 181 
  14. THOREAU, Henry David (2012). A Desobediência Civil. [S.l.]: Penguin & Companhia das Letras. pp. p. 8 
  15. MARSHALL, Peter. Op. Cit. [S.l.: s.n.] pp. p. 185 
  16. THOREAU, Henry David. Op. Cit. [S.l.: s.n.] pp. . 6 
  17. CAIN, William E. (2000). A Historial guide to Henry David Thoreau. New York: Oxford Press. 160 páginas 
  18. Ibidem. [S.l.: s.n.] pp. p. 164 
  19. THOREAU, Henry David. Op. Cit. [S.l.: s.n.] pp. p. 7 
  20. MARSHALL, Peter. Op. Cit. [S.l.: s.n.] pp. p. 166 
  21. THOREAU, Henry David. Op. Cit. [S.l.: s.n.] pp. 8–12 
  22. McPherson, p. 3 a 5

BibliografiaEditar

  • Singletary, Otis A., The Mexican War, Edition, University of Chicago Press, 1962, ISBN 0226760618, 9780226760612
  • McPherson, James, Battle Cry of Freedom, Penguin Books, 1990, ISBN 9780140125184
  • Jeffrey D. Schultz, Kerry L. Haynie, Andrew L. Aoki, Encyclopedia of Minorities in American Politics: Hispanic Americans and Native Americans, Greenwood Publishing Group, 2000, ISBN 1573561495, 9781573561495
  • Giddings, Joshua Reed, Speeches in Congress [1841-1852], J.P. Jewett and Company, 1853
  • Scheina, Robert L, "Latin America's Wars Volume I: The Age of the Caudillo, 1791-1899"