Abrir menu principal

Guerra contra o narcotráfico no México

Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um conflito armado recente ou ainda em curso. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (data da marcação: 21 de setembro de 2019; editado pela última vez em 16 de junho de 2019) Warfare current.svg
Guerra ao narcotráfico
Parte da Guerra contra as drogas
Fuerza del Estado Michoacán.jpg
Soldados do Exército mexicano confrontando integrantes de cartéis de drogas em Michoacán, agosto de 2007.
Data 11 de dezembro de 2006 - presente
Local Território mexicano
Desfecho
Status Em curso
Combatentes
 México

 Estados Unidos

 Colômbia

Cartel de Sinaloa Los Zetas
Líderes e comandantes
México Felipe Calderón Hinojosa
México Enrique Peña Nieto
México Andres Manuel Lopez Obrador
Forças
 México
  • 260 000 soldados
  • 35 000 policiais
+100 000 +100 000
250 000 mortos, 30 000 desaparecidos[1]

Guerra contra o narcotráfico no México é um conflito armado entre cartéis [2] de drogas ilegais pelo controle regional e contra as forças armadas do governo mexicano e milícias locais (os vigilantes). Desde 2006, quando a intervenção militar mexicana em larga escala começou, o governo central se dispôs a acabar com a violência relacionada ao narcotráfico.[3] Além disso, um dos principais objetivos seria desmantelar os grupos de traficantes e não necessariamente deter o processo de venda de entorpecentes, que é deixado a cargo dos agentes policiais estadunidenses na fronteira.[4]

Apesar dos cartéis mexicanos de drogas, ou outras organizações criminosas de traficantes, existirem há décadas, eles se tornaram mais poderosos devido ao enfraquecimento dos cartéis colômbianos de Cali e Medellín na década de 90. Os traficantes mexicanos agora dominam a venda de entorpecentes no atacado e, segundo relatórios, em 2007 era responsável por 90% da cocaína que entrava nos Estados Unidos.[5][6]

A prisão de líderes de algumas das principais organizações criminosas mexicanas, particularmente dos cartéis de Tijuana e do Golfo, descentralizou o comando das transações de drogas e aumentou o surgimento de diversas grupos que lutaram entre si pelo controle dos pontos de venda e, principalmente, dos pontos de distribuição de drogas, especialmente para os Estados Unidos.[7][8][9]

Segundo analistas, as vendas no atacado de drogas ilícitas feitas por cartéis mexicanos geram um lucro estimado de US$13,6 bilhões[5] a quase US$49,4 bilhões de dólares anuais.[5][10][11]

Ao fim da administração do presidente Felipe Calderón (2006–2012), foi estimado que ao menos 60 000 pessoas morreram na guerra às drogas no México.[12] Contudo, alguns indicadores afirmam que o número de homicídios pode chegar a mais de 100 000 pessoas, se somar as que estão desaparecidas (e provavelmente mortas).[13]

Nos últimos anos, a situação no México vem se deteriorando. O número de mortos aumentou consideravelmente e a violência perpetrada pelos cartéis piorou. Em 2014, milícias populares surgiram em algumas cidades mexicanas (especialmente no estado de Michoacán) para combater os cartéis que, segundo eles, brutalizavam a população. Acusando a polícia e o governo de serem tremendamente corruptos, eles buscavam fazer justiça "com as próprias mãos". O governo do México enviou tropas federais e a violência na região se intensificou consideravelmente.[14][15]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Mexico's monthly murder rate reaches 20-year high». The Guardian. 21 de junho de 2017 
  2. Carolina Cimenti. «Saiba mais sobre os cartéis de drogas do México». Último Segundo / IG. Consultado em 2 de maio de 2016. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  3. «ANUNCIO SOBRE LA OPERACIÓN CONJUNTA MICHOACÁN». Presidencia de la Republica, Mexico. 11 de dezembro de 2006 
  4. «Sugiere Sarukhán que Calderón no busca reducir tráfico de drogas». SDP Noticias. 17 de maio de 2011 
  5. a b c Cook, Colleen W., ed. (16 de setembro de 2007). «Mexico's Drug Cartels». CRS Report for Congress (PDF). [S.l.]: Congressional Research Service. p. 7. Consultado em 9 de agosto de 2009 
  6. Vulliamy, Ed. Amexica: War Along the Borderline. New York: Farrar, Straus e Giroux, 2010. Print.
  7. Carl, Traci (3 de novembro de 2009). «Progress in Mexico drug war is drenched in blood» (em inglês). INSI. Associated Press. Consultado em 16 de março de 2010 
  8. «High U.S. cocaine cost shows drug war working: Mexico» (em inglês). Reuters. 14 de setembro de 2007. Consultado em 1 de abril de 2009 
  9. Sullivan, Mark P., ed. (18 de dezembro de 2008). «CRS Report for Congress» (PDF). Mexico - U.S. Relations: Issues for Congress. [S.l.]: Congressional Research Service. Consultado em 19 de janeiro de 2014 
  10. Fantz, Ashley (20 de janeiro de 2012). «The Mexico drug war: Bodies for billions». CNN News. Consultado em 5 de março de 201  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  11. «Mexican drug gangs 'spread to every region of US'». BBC NEws (em inglês). 26 de março de 2010. Consultado em 23 de abril de 2010 
  12. «Mexico's drug war is at a stalemate as Calderon's presidency ends». The Washington Post. 26 de novembro de 2011. Consultado em 1 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2012 
  13. Booth, William (30 de novembro de 2012). «Mexico's crime wave has left about 25,000 missing, government documents show». The Washington Post. Consultado em 1 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2012 
  14. "Milícias 'revidam' cartéis em meio à violência no México". Página acessada em 18 de janeiro de 2014.
  15. "Milícias civis combatem traficantes no México, e violência pode sair do controle". Página acessada em 18 de janeiro de 2014.

Ligações externasEditar