Guerra dos Bôeres

As guerras dos bôeres (ou guerras dos bôers) foram dois confrontos armados na Cidade do Cabo (África do Sul) que opuseram os colonos de origem holandesa e francesa, os chamados bôeres, ao exército britânico, que pretendia se apoderar das minas de diamante e ouro recentemente encontradas naquele território. Em consequência das guerras, os bôeres ficaram sob o domínio britânico, com a promessa de autogoverno.[1]

Mulheres e crianças bôeres em campo de concentração inglês.

A Primeira Guerra dos Bôeres foi travada entre 1880 e 1881 e garantiu a independência da república bôer do Transvaal com relação à Grã-Bretanha.[1] Contudo, a trégua não iria durar muito.[1] Em outubro de 1899, o constante aumento da pressão militar e política britânica incitou o presidente do Transvaal Paul Kruger a dar um ultimato exigindo garantia da independência da república e cessação da crescente presença militar britânica nas colônias do Cabo e de Natal.[1] Tal atitude foi tomada como inaceitável pelos britânicos, dando início à Segunda Guerra dos Bôeres,[1] travada entre 1899 e 1902, levando à criação da União Sul-Africana através da anexação das repúblicas boeres do Transvaal e do Estado Livre de Orange às colônias britânicas do Cabo e de Natal.

Referências

  1. a b c d e (em português) MASON, Anthony. Memórias do Século XX: Vol. 1 - O Surgimento da Era Moderna. Tradução de Maria Clara de Mello Motta. Rio de Janeiro: Reader's Digest, 2003.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre a África do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.