Guida Maria

Atriz

Guida Maria (Lisboa, 23 de Janeiro de 1950 — Lisboa, 2 de Janeiro de 2018) foi uma atriz portuguesa. Teve uma carreira com cerca de seis décadas, principalmente no teatro, mas também com passagem pelo cinema e televisão, tendo ficado conhecida principalmente pela sua peça Monólogos da Vagina.[1]

Guida Maria
Nome completo Guida Maria
Nascimento 23 de janeiro de 1950
Lisboa, Portugal
Nacionalidade Portuguesa
Morte 2 de janeiro de 2018 (67 anos)
Lisboa
Ocupação Actriz
Atividade 1957 - 2018

BiografiaEditar

Nascimento e formaçãoEditar

Nasceu na cidade de Lisboa em 1950, filha do actor Luís Cerqueira.[2]

Fez a sua formação teatral na Escola de Teatro do Conservatório Nacional, tendo ao mesmo tempo participado em peças de Vasco Morgado.[2] Foi igualmente bolseira na American Academy of Dramatic Arts de Nova Iorque durante uma pausa da carreira, na Década de 1980, e participou em vários workshops no Actors Studio.[2]

Carreira artísticaEditar

A sua carreira artística incluiu televisão, cinema e teatro, tendo sido nesta modalidade que se destacou, com participação em cerca de quarenta peças.[2]

Estreou-se em 1957, com sete anos, na peça Fogo de Vista, de Amílcar Ramada Curto.[2] Aos dez anos fez parte da peça A sapateira prodigiosa, levada à cena pela companhia de teatro Rey Colaço-Robles Monteiro, e onde também participou Eunice Muñoz.[2] O seu primeiro sucesso aconteceu com a peça O Milagre de Anne Sullivan, encenada por Luís de Sttau Monteiro.[2]

No cinema, salienta-se A Promessa (1972), de António de Macedo, baseado uma peça de Bernardo Santareno, tendo protagonizado o primeiro nu integral no cinema nacional.[2] Este filme passou por vários festivais de cinema, incluido o de Cannes,[2] e foi premiado no Festival de Belgrado e Cartagena.[carece de fontes?] Com o mesmo cineasta, participou em O Princípio da Sabedoria (1975) e A Bicha de Sete Cabeças (1978). Foi, a partir de 1978 até à sua extinção (em 1998), actriz da Companhia Residente do Teatro Nacional D. Maria II, tendo aí representado, em peças como Auto da Geração Humana; O Alfageme de Santarém; As Alegres Comadres de Windsor; A Bisbilhoteira; A Casa de Bernarda Alba; Romance de Lobos; Bodas de Fígaro,[carece de fontes?] Slag, Maria Stuart, ou O Leque de Lady Windermere.[2] Também participou na peça A Mãe.https://observador.pt/2018/01/02/tres-fracassos-varios-sucessos-e-uma-gravidez-aos-17-anos-cinco-episodios-da-vida-de-guida-maria/

Começa a fazer televisão com a série Uma Cidade Como a Nossa (1981). Participou no especial da série brasileira O Bem Amado, da TV Globo,[2] gravado em Lisboa.[carece de fontes?] Participou nas películas O Barão de Altamira (1986), de Artur Semedo, O Vestido Cor de Fogo (1986), de Lauro António, Os Emissários de Khalom (1988), Serenidade (1989) de Rosa Coutinho Cabral. Na televisão participou em séries e novelas como Cobardias (1987), Passerelle (1988), A Grande Mentira (1990), Quem Manda Sou Eu (1991), a aclamada telenovela Na Paz dos Anjos (1994),[carece de fontes?] Nico D'Obra (1993), Nós os Ricos (1996), Super Pai, Olhos de Água, Tudo por Amor, Morangos com Açúcar, Bem-Vindos a Beirais, A Única Mulher,[2] Filhos do Vento (1996) e Esquadra de Polícia (1998). [carece de fontes?] Participou no filme No Dia dos Meus Anos (1992), de João Botelho. Salienta-se ainda o seu monólogo na peça Shirley Valentine,[2] exibida na Sala Estúdio do Teatro Nacional D. Maria II, em janeiro de 1996.[carece de fontes?] Outros monólogos seus que se destacaram foram os das peças Andy & Melissa (2001), Zelda (2004), Stôra Margarida (2006) e Sexo? Sim, mas com orgasmo (2010).[2] Participou nas séries da RTP Não és Homem não és Nada (1999), O Crime... (2001) e nas novelas da TVI Olhos de Água (2001), Tudo por Amor (2002) e Baía das Mulheres (2004). Em 2006, interpretou no teatro a peça Stôra Margarida, de Roberto Athayde, no Casino Estoril. A partir de certa altura, a atriz começou a aparecer com menos regularidade (no Teatro, Televisão e Cinema) devido à falta de convites para trabalhar.[carece de fontes?]

Em 1997, representou com grande sucesso na peça Casa de nha Bernarda no Centro Cultural Português do Mindelo, uma adaptação da obra A Casa de Bernarda Alba, de García Lorca, que teve um grande sucesso.[1]

Estreiou Os Monólogos da Vagina, de Eve Ensler,[2] no Teatro Auditório do Casino Estoril, em 20 de Outubro de 2000.[3] De forma a organizar a peça, Guida Maria teve de enfrentar várias dificuldades, incluindo de ordem financeira, e encontrar um teatro que estivesse disponível.[3] Segundo a actriz, a administração do Estoril Sol também esteve inicialmente contra a organização da peça no seu nome original, tendo depois dado autorização para avançar.[3] Apesar de ter sido um fracasso no dia de estreia,[3] acabou por ser depois um grande sucesso, tendo a peça ficado vários meses em cena, com diversas reposições,[2] apesar de ter sofrido os efeitos do clima de insegurança gerado após os Ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001.[3] Para o sucesso da peça contribuiu decisivamente a cobertura por parte da comunicação social, que publicou vários artigos sobre a mesma.[3] Posteriormente lançou a peça Zelda, que também financiou, e que foi novamente um fracasso, por estar a decorrer naquele momento o Campeonato Europeu de Futebol de 2004 em Portugal.[3] Finalmente, apresentou a peça Stôra Margarida no Teatro do Casino do Estoril, que também falhou, apesar de ter tido um grande sucesso originalmente no Brasil.[3]

Em 2009 foi editada a biografia Guida Maria - Uma vida, da autoria de Rui Costa Pinto.[2]

Em 2017, interpretou no Auditório da Bibioteca do Espaço Cultural Cinema Europa a peça Os Malefícios do Tabaco, um monólogo escrito por Anton Tchekhov com encenação de Paulo Ferreira, Produzido pela Junta de Freguesia de Campo de Ourique e com o Apoio da AMA - Academia Mundo das Artes.[4]

Contracenou, entre outros actores, com Alberto Villar.[5]

Falecimento e famíliaEditar

Morreu em 2 de Janeiro de 2018, aos 67 anos, no Hospital de São Francisco Xavier, em Lisboa.[2] Estava internada naquela unidade de saúde devido a um cancro no pâncreas, doença do qual já padecia há vários meses.[2] O velório teve lugar na Basílica da Estrela, tendo o corpo sido inumado no Cemitério dos Prazeres.[2]

Esteve relacionada com o músico Mike Sergeant, tendo o casal tido uma filha, a actriz Julie Sargeant.[2]

TelevisãoEditar

  Esta lista está incompleta. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-a.
Ano Projeto Personagem Canal Notas
1959 A Chave Mistério Rapariga RTP Teleteatro
Balada de Natal
1962 O Anjo da Guarda
Um Herói Anónimo
Sinos de Natal
1965 Moeda de Oiro
O Testamento Diabólico
Não Acordem o Menino Jesus
1966 Poeira nos Olhos
O Diploma
O Jovem Cavaleiro
1967 O Último Toiro
1968 Grades Floridas
A Sapateira Prodigiosa Vizinha
Véspera de Casamento
O Anúncio
Poder de Fátima
A Noite do Menino
1969 Os Anjos Estão Connosco
1970 A Inimiga Florence
Como Emílio Viu o Teatro
Henrique IV
1972 O Senhor Director Não é Feliz
1974 Dias Felizes
1975 Sua Excelência Marta
1976 Triste Viuvinha Assunção
1981 Uma Cidade Como a Nossa Paula
1987 Cobardias Série
1988 A Mala de Cartão
1988/1989 Passerelle Ana Rita Telenovela
1989 Os Irmãos Meireles Teleteatro
1990 Quem Manda Sou Eu Joana Série
A Grande Mentira
1991 O Último dos Marialvas Leonor Teleteatro
1994 Na Paz dos Anjos Teresa Fontaínhas Telenovela
1995 Nico D'Obra Rosa
1996 Telechoque TVI
Nós os Ricos Tétinha RTP
1997 Filhos do Vento Emília Telenovela
Riscos Rosa Série
1999 Não És Homem Não És Nada Simone
2000 Esquadra de Polícia Virgínia
2001 Super Pai Katy Green TVI
Olhos de Água Maria Jacinta Torres
O Espírito da Lei Clara SIC
2002 O Crime RTP Série
2002/2003 Tudo Por Amor Amélia Castelo Branco TVI Telenovela
2003 Amanhecer Antónia
Olá Pai!
2004 Inspector Max Ema pequena participação
2004/2005 Baía das Mulheres Carolina Mendonça de Mascarenhas Telenovela
2008 Morangos Com Açúcar Celeste Brown
Casos da Vida Isaura/ Beatriz/ Isabel
2011 A Sagrada Família Madalena RTP Série
2012 O Par Ideal Lurdes TVI
2013 Doida por Ti Mimi
2014 Bem-Vindos a Beirais Valéria Montevelho RTP pequena participação
2016 A Única Mulher Amélia TVI Telenovela

FilmografiaEditar


Referências

  1. a b «Morreu Guida Maria, a "primeira Bernarda do Mindelo"». Expresso das Ilhas / Rádio Morabeza. 3 de Janeiro de 2018. Consultado em 5 de Novembro de 2020 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u DAVID, Tiago (2 de Janeiro de 2018). «Morreu a atriz Guida Maria». SAPO. Consultado em 4 de Outubro de 2020 
  3. a b c d e f g h BRANCO, Carolina (2 de Janeiro de 2018). «Três fracassos, vários sucessos e uma gravidez aos 17 anos. Cinco episódios da vida de Guida Maria». Observador. Consultado em 5 de Novembro de 2020 
  4. Furtado, Elsa (20 de novembro de 2017). «Guida Maria A Solo No Espaço Cultural Cinema Europa». C&H, Revista Online de Cultura, Lazer e Viagens. Consultado em 17 de outubro de 2020 
  5. «Morreu o ator Alberto Villar, aos 87 anos». Dário de Notícias. 8 de Agosto de 2020. Consultado em 5 de Novembro de 2020 

Ligações externasEditar