Abrir menu principal
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.
Guilherme Braga
Nascimento 22 de março de 1845
Porto
Morte 26 de julho de 1874 (29 anos)
Porto
Cidadania Portugal
Irmão(s) Alexandre Braga, pai
Alma mater Universidade de Coimbra
Ocupação advogado, poeta, tradutor, jornalista, escritor

Guilherme da Silva Braga (Porto, 22 de Março de 1845 – Porto, 26 de Julho de 1874) foi um tribuno e poeta português.

Nascido na Rua de Sant'Ana, no bairro da Sé do Porto, Guilherme Braga era irmão de Alexandre José da Silva Braga, tio de Alexandre Braga, filho e amigo de infância de Alberto Pimentel. Bacharel em Direito pela Universidade de Coimbra, Guilherme Braga foi redactor-chefe da Gazeta Democrática, tendo-se correspondido com Victor Hugo. Traduziu o Atala de François-René de Chateaubriand, colaborou em diversas revistas e jornais, tais como A Esperança [1] (1865-1866), A semana de Lisboa [2], a título póstumo (1893-1895), Giralda, Diário da Tarde, Nacional e Luta.

A sua obra poética mostra constantemente o tema obsessivo da morte,[3] pressentida dia-a-dia, expressa de forma tão coloquial que chega a lembrar Cesário Verde. Cultivou, também, a temática social e humanitária, de inspiração victor-huguana, e o lirismo amoroso, de tonalidade parnasiana. Nos seus versos, Guilherme Braga era violento contra os falsos ministros da religião, entusiasta apaixonado pela liberdade, de grande sensibilidade e ternura ao descrever as alegrias do lar.

Era casado com Maria Adelaide Braga, que sucumbiu dois meses depois do falecimento do marido.[4] Alberto Pimentel, no livro intitulado Homens e datas, consagra um saudoso artigo biográfico à memória do desditoso poeta portuense, que morreu contando apenas 29 anos de idade, vítima de tuberculose, já depois de ter sofrido a perda de quatro filhos.


Meu Deus! Sofre-se assim e o céu cheio de estrelas![5]


ObrasEditar

  • Ecos de Aljubarrota, 1868
  • Heras e Violetas, Porto, 1869
  • O mal da Delfina, 1869
  • Os Falsos Apóstolos, 1871
  • O Bispo, 1874; 1895 (eBook)
  • Poesias, postumamente, 1898

Referências

  1. Helena Roldão (26 de fevereiro de 2016). «Ficha histórica: A esperança : semanario de recreio litterario dedicado ás damas» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 11 de abril de 2016 
  2. Álvaro de Matos (29 de abril de 2010). «Ficha histórica: A semana de Lisboa : supplemento do Jornal do Commercio» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 03 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. Braga, Guilherme – História da Literatura Portuguesa
  4. Guilherme Braga - Portugal - Dicionário Histórico
  5. Últimas palavras de Guilherme Braga

BibliografiaEditar

  • "BRAGA, Guilherme" in Fernanda Frazão e Maria Filomena Boavida, Pequeno Dicionário de Autores de Língua Portuguesa, Lisboa, Amigos do Livro, 1983