Guillaume-Chrétien de Lamoignon de Malesherbes

Guillaume-Chrétien de Lamoignon de Malesherbes
Nascimento 6 de dezembro de 1721
Paris
Morte 23 de abril de 1794 (72 anos)
Paris
Sepultamento Cemitério Errancis
Cidadania França
Progenitores Pai:Guillaume de Lamoignon
Filho(s) Antoinette de Lamoignon de Malesherbes
Ocupação político, escritor, magistrado, biólogo
Causa da morte guilhotina

Guillaume-Chrétien de Lamoignon de Malesherbes (Paris, 6 de dezembro de 172122 de abril de 1794) foi um estadista e ministro francês.

Presidente da Corte de Auxílio, e diretor da Biblioteca Nacional no ano de 1750, fez ao Rei Luís XV a demonstração dos custos e gastos da Corte, levando Luís XV a terminar com a Corte de Auxílio, e o exilar em suas terras.

Repetiu a mesma façanha no reinado de Luís XVI, que ao contrário, nomeou-o Ministro de Estado, cargo do qual pediu demissão um ano mais tarde.

Malesherbes estudava as Ciências Naturais, e em 1750 entrou para a Academia de Ciências. Mais tarde foi membro da Academia de Escritores. Orador notável, foi partidário do livre pensamento e das idéias de justiça, e um humanitarista, além de amigo dos enciclopedistas franceses, aos quais protegia nessas circunstâncias e para realizá-lo de forma eficiente se manteve em comunicação com os líderes literários de Paris, e especialmente com Diderot, e Friedrich Melchior, podendo dizer que "sem a ajuda de Malesherbes a "Encyclopédie" provavelmente nunca teria sido publicada ".

No dia 12 de janeiro de 1775, foi nomeado por unanimidade, como novo membro da Academia Francesa de Letras, em substituição a Dupré de Saint-Mauer.

Malesherbes deixou a França quando eclodiu a Revolução Francesa, mas retornou quando foi formada a Convenção que julgaria o Rei. Seu retorno ocorreu em junho de 1792, demonstrando grande simplicidade e coragem.

Depois do processo e da morte do Rei, ele permaneceu em Paris, mas foi preso no mês de dezembro de 1793, aprisionado em Port-Libre, e guilhotinado em 22 de abril de 1794.

Era bisavô do filósofo e historiador Alexis de Tocqueville.

Recepção e legadoEditar

Alguns anos depois de sua morte, os biógrafos retrataram Malesherbes como uma figura romântica, uma das vítimas inocentes do Terror.  Por exemplo, a Encyclopædia Britannica de 1911 escreve sobre ele:[1]

Malesherbes é um dos personagens mais doces do século 18; embora nenhum homem de ação, dificilmente um homem do mundo, por sua caridade e bondade não fingida, ele se tornou um dos homens mais populares da França, e foi um ato de verdadeira auto-devoção para ele se sacrificar por um rei que tinha fez pouco ou nada por ele.[2]

Mais recentemente, o estudioso francês François Moureau criticou essa tradição "hagiográfica", enfatizando, em vez disso, as contradições na carreira de Malesherbes: ele foi moldado tanto por uma abertura a novas idéias iluministas quanto por seu compromisso de cumprir seu papel de servidor público dentro do Ancien Regime.[1] Outros comentários modernos sobre Malesherbes apresentaram argumentos semelhantes; George Kelly, por exemplo, o descreve como "com cara de Janus". Other modern commentaries on Malesherbes have advanced similar arguments; George Kelly, for example, describes him as "Janus-faced."

Malesherbes também foi lembrado com reverência por seu bisneto Alexis de Tocqueville; o historiador Roger Williams apontou essa conexão como um "legado do liberalismo".[3]

ReferênciasEditar

  1. a b Moureau, François (2018). «Malesherbes et la censure : une histoire à relire ?». Dix-huitième Siècle. 50 (1). 546 páginas. ISSN 0070-6760. doi:10.3917/dhs.050.0527 
  2. Chisholm, Hugh, ed. (1911). " Malesherbes, Chrétien Guillaume de Lamoignon de ". Encyclopædia Britannica . 17 (11ª ed.). Cambridge University Press.
  3. Williams, Roger L. (2006). «From Malesherbes to Tocqueville: The Legacy of Liberalism». The Journal of the Historical Society (em inglês). 6 (3): 443–463. ISSN 1529-921X. doi:10.1111/j.1540-5923.2006.00187.x 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.