Abrir menu principal

Wikipédia β

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2010)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

[1]Paul Gustave Doré (Estrasburgo, 6 de janeiro de 1832Paris, 23 de janeiro de 1883) foi um pintor, desenhista e o mais produtivo e bem-sucedido ilustrador francês de livros de meados do século XIX. Seu estilo se caracteriza pela inclinação para a fantasia, mas também produziu trabalhos mais sóbrios, como os notáveis estudos sobre as áreas pobres de Londres, realizados entre 1869 e 1871.

Gustave Doré
Fotografia de Gustave Doré tirada por Felix Nadar, 1867.
Nome completo Paul Gustave Louis Christophe Doré
Nascimento 6 de janeiro de 1832 (185 anos)
Estrasburgo
Morte 23 de janeiro de 1883 (51 anos)
Paris
Nacionalidade França Francês
Influências
Principais trabalhos Moisés quebrando as Tábuas da Lei
Área Pintura, desenho e ilustração
Formação Lycée Charlemagne

Índice

Vida e obraEditar

Filho de um engenheiro, começou a desenhar já aos treze anos suas primeiras litogravuras e aos catorze publicou seu primeiro álbum, intitulado "Les travaux d'Hercule" (Os Trabalhos de Hércules). Aos quinze anos engajou-se como caricaturista do "Journal pour rire", de Charles Philipon. Neste mesmo ano - 1848 - estreou no Salão com dois desenhos a pena.

Em 1849, com a morte do pai, já reconhecido apesar de contar apenas dezesseis anos. Passa a maior parte do tempo com a mãe. Em 1851 realiza algumas esculturas com temas religiosos e colabora em diversas revistas e com o "Journal pour tous".

 
Vivien (PªII) - Desenho por Gustave Doré e gravação por W. Ridgway retirada da 1ª edição da Obra "Merlin e Vivien" datada de 1867 (From the Rita Carvalho de Sousa Private Collections - Lisbon)
 
Genoveva (PªI) - Desenho por Gustave Doré e gravação por W. Ridgway. (From the Nuno Carvalho de Sousa Private Collections - Lisbon)

Em 1854 o editor Joseph Bry publica uma edição das obras de Rabelais, contendo uma centena de gravuras feitas por Doré. Entre 1861 a 68 realiza a ilustração dA Divina Comédia, de Dante Alighieri

Após algum tempo desenhando diretamente sobre a madeira e tendo seus trabalhos gravados por amigos, iniciou-se na pintura e na escultura, mas suas obras em tela e esculturas não fizeram tanto sucesso como suas ilustrações em tons acinzentados e altamente detalhadas.

Com aproximadamente 25 anos, começou a trabalhar nas ilustrações de O Inferno de Dante. Em 1868, Doré terminou as ilustrações de O Purgatório e de O Paraíso, e publicou uma segunda parte incluindo todas as ilustrações de A Divina Comédia.

Sua paixão eram mesmo as obras literárias. Ilustrou mais de cento e vinte obras, como os Contos jocosos, de Honoré de Balzac (1855);Dom Quixote de la Mancha, de Miguel de Cervantes (1863);O Paraíso Perdido, de Milton; Gargântua e Pantagruel, de Rabelais; O Corvo, de Edgar Allan Poe; a Bíblia; A Balada do Velho Marinheiro, de Samuel Taylor Coleridge; contos de fadas de Charles Perrault, como Chapeuzinho Vermelho, O Gato de Botas, A Bela Adormecida e Cinderela, entre outras obras–primas. Ilustrou também alguns trabalhos do poeta inglês Lorde Byron, como As Trevas e Manfredo.

Em 1869, Doré foi contratado para ilustrar o livro Londres: Uma Peregrinação, muito criticado por, supostamente, retratar apenas a pobreza da cidade. Mas apesar de todas as críticas, o livro foi um sucesso de vendagem na Inglaterra, valorizando ainda mais o seu trabalho na Europa. Ganhou muito dinheiro ilustrando para diversos livros e obras públicas, mas nunca abriu mão dos trabalho desenvolvidos apenas para seu prazer pessoal.

Encontram-se gravuras da sua autoria na revista Jornal do domingo[2] (1881-1888).

Gustave Doré morreu aos 51 anos, pobre, pois todo o dinheiro que havia ganho com o seu trabalho foi utilizado para quitar diversas dívidas, deixando incompletas suas ilustrações para uma edição não divulgada de Shakespeare, entre outros trabalhos.

LegadoEditar

Gustave Doré foi um marco na arte da ilustração, influenciando os ilustradores que o sucederam.

Na pintura encontram-se suas principais obras: L'Enigme (hoje no Musée d'Orsay) e Le Christ quittant le prétoire (1867-72), um painel medindo 6 metros de altura por 9 de comprimento. Este quadro foi restaurado entre 1998-2003, pelo Museu de Arte Moderna e Contemporânea de Estrasburgo, num salão dedicado a este fim e que ficou aberto à visitação durante todo o trabalho.

Em 1931 Henri Leblanc publicou um catálogo que procedeu ao inventário completo das obras de Doré, contendo 9.850 ilustrações, 68 libretos musicais, 5 cartazes, 51 litografias originais, 54 sumi-e, 526 desenhos, 283 aquarelas, 133 pinturas e 45 esculturas.

Principais obras ilustradas por Gustave DoréEditar

 
Fotografia de Gustave Doré.

Gustave Doré ilustrou mais de cem obras-primas da literatura universal. Dentre estas, destacam-se:

IlustraçõesEditar

Um pequeno exemplo da qualidade da obra de Doré:

Referências

  1. Orlando Furioso. [S.l.: s.n.]  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  2. Jornal do domingo : revista universal (1881-1888) [cópia digital, Hemeroteca Digital]
Bibliografia
  • Delorme, Rene (1879) Gustave Doré. Paris: Librairie d’Art (80 illustrations, earliest photogravures of Dore paintings)
  • Roosevelt, Blanche (1885) Life and Reminiscence of Gustave Doré. New York: Cassell & Co., Ltd. (141 illustrations)
  • Jerrold, Blanchard (1891) The Life of Gustave Doré. London: W. H. Allen & Co., Ltd. (138 illustrations)
  • Valmy-Baysse, J. (1930) Gustave Doré - L’Art et la Vie. Paris: Editions Marcel Seheur (314 illustrations)
  • Deze, Louis (1930) Gustave Doré - Bibliographie et catalogue complet de l’oeuvre. Paris: Editions Marcel Seheur (103 illustrations)
  • LeBlanc, Henri (1931) Catalogue de l’oeuvre complet de Gustave Doré. Paris: Ch. Bosse (30 illustrations)
  • Farner, Konrad (1963) Gustave Doré der Industrialisierte Romantiker (2V) Dresden: Verlag der Kunst (521 illustrations, reprinting most of the Delorme photogravures)
  • (1983) Gustave Doré 1832-1883. Strasbourg: Musee d’Art Moderne (exhibition book: 591 illustrations)
  • Renonciat, Annie (1983) La vie et l’oeuvre de Gustave Doré. Paris: ACR Edition (343 illustrations)
  • Malan, Dan (1995) Gustave Doré, Adrift on Dreams of Splendor. St. Louis: MCE Publishing Co. (500 illustrations)
  • (due 9/2006) Fantasy & Faith: the Art of Gustave Doré. New Haven: Yale University Press (exhibition book: 160 illustrations, 120 in full-color)


Ligações externasEditar