Abrir menu principal
Hafez al-Assad
Presidente da Síria
Período 22 de fevereiro de 1971
a 10 de junho de 2000
Antecessor Nureddin al-Atassi
Sucessor Abdul Halim Khaddam
(interino)
Primeiro-ministro da Síria
Período 21 de novembro de 1970
a 3 de abril de 1971
Antecessor Nureddin al-Atassi
Sucessor Abdul Rahman Khleifawi
Ministro da Defesa da Síria
Período 23 de fevereiro de 1966
a 1972
Antecessor Muhammad Umran
Sucessor Mustafa Tlass
Dados pessoais
Nascimento 6 de outubro de 1930
Qardaha, Mandato Francês da Síria
Morte 10 de junho de 2000 (69 anos)
Damasco, Síria
Cônjuge Anisah Makhlouf (1957–2000)
Filhos 5 (Bushra, Bassel, Bashar, Majd e Maher)
Partido Partido Baath
Religião Islamismo (Alauísmo)
Profissão militar
Serviço militar
Lealdade  Síria
Serviço/ramo Força Aérea Síria
Anos de serviço 1952–2000
Graduação General
Conflitos Guerra dos Seis Dias (1967)
Guerra de Desgaste (1967–70)
Setembro Negro (1970–71)

Hafez al-Assad (Qardaha, 6 de Outubro de 1930Damasco, 10 de Junho de 2000) foi presidente da Síria, de 1971 até 2000, ano de sua morte. Seu filho, Bashar al-Assad, é o atual presidente do país.[1][2]

De família humilde, após os estudos primários, foi formado na academia militar e, em seguida, enviado para completar sua formação com militares soviéticos. Ingressou no Partido Baath em 1946 e se opôs ativamente à unificação entre Síria e Egito. Ao fracassar a unificação em 1961, seu prestígio ascendeu, sendo nomeado chefe das Forças Aéreas em 1964. Enquanto ocupava este cargo, a Síria sofreu uma humilhante derrota com a perda de quase toda sua força aérea e parte de seu território na Guerra dos Seis Dias. Apesar desta derrota, aumentou a instauração do regime militar em 1963. Em 1970, aproveitou sua posição para dar um golpe de Estado.[3]

Pouco depois de tomar o poder, iniciou tímidas reformas e incrementou a capacidade militar de seu exército. Ele aliou-se com o Egito em 1973, provocando a Guerra do Yom Kippur contra Israel, com o objetivo de recuperar os Colinas de Golan. O fracasso na operação não lhe restou protagonismo e aproximou a política de seu governo à URSS como firme aliado.[3]

Dentro da estratégia política da região, ocupou militarmente o Líbano em 1976 sob o argumento de estabelecer uma força de interposição e pacificação.[4]

Faleceu de um ataque cardíaco em 2000 e foi sucedido na presidência pelo seu filho, Bashar al-Assad.[5]

Referências

  1. Kaplan, Robert (Fevereiro de 1993). «Syria: Identity Crisis». The Atlantic 
  2. The New Encyclopedia of Islam by Cyril Glasse, Altamira, 2001, p.36–7
  3. a b Olmert, Yosef (1986). In Shaked, Haim; Dishon, Daniel. Middle East Contemporary Survey 8. The Moshe Dayan Center. ISBN 9789652240064.
  4. Reich, Bernard (1990). Political Leaders of the Contemporary Middle East and North Africa: A Biographical Dictionary. Greenwood Publishing Group. ISBN 9780313262135.
  5. Seddon, David (2004). A Political and Economic Dictionary of the Middle East. Taylor & Francis. ISBN 9781857432121.

Ligações externasEditar

Precedido por
Nureddin al-Atassi
Presidente da Síria
1971 - 2000
Sucedido por
Abdul Halim Khaddam
(interino)
  Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.