Helena Cantacuzena

Helena Cantacuzena (em grego: Έλενα Καντακουζηνή) foi uma imperatriz-consorte bizantina, esposa do imperador João V Paleólogo.[1] Era filha de João VI Cantacuzeno e Irene Asanina e irmã de Mateus Cantacuzeno e Manuel Cantacuzeno. Suas irmãs Maria e Teodora Cantacuzena foram esposas respectivamente de Nicéforo II Orsini e Orcano I.

Helena Cantacuzena
Imperatriz-consorte bizantina
Reinado 28 de maio de 1347 - 4 de dezembro de 1354
15 de abril de 1353dezembro de 1357
dezembro de 135712 de agosto de 1376
1 de julho de 137916 de fevereiro de 1391
Nascimento 1333
  Império Bizantino
Morte 10 de dezembro de 1396 (63 anos)
  Convento de Santa Marta, Constantinopla
João V Paleólogo
Dinastia Cantacuzeno (nascimento)
Paleólogo (casamento)
Pai João VI Cantacuzeno
Mãe Irene Asanina
Filho(s) Andrônico IV Paleólogo
Irene Paleóloga
Manuel II Paleólogo
Teodoro I Paleólogo
Miguel Paleólogo
Maria Paleóloga
três filhas não nomeadas

ImperatrizEditar

João V e João VI eram imperadores rivais durante a guerra civil que se travou entre 1341 e 1347. Depois de grande devastação e perdas territoriais para o Império, os dois lados chegaram num acordo, com João VI assumindo a posição de imperador sênior e  V, júnior. O pacto foi firmado com o casamento entre Helena e João V.

Ele ocorreu em 28 de maio de 1347, quando Helena tinha treze anos de idade e faltava um mês para o seu noivo ter quinze anos. A paz durou apenas até 1352, quando o marido de Helena retomou as hostilidades contra o pai dela. João VI foi forçado a renunciar em 4 de dezembro de 1354 enquanto que o seu irmão, Mateus, manteve seu título de coimperador até ser também derrotado em 1357.

Anos finaisEditar

Em 12 de agosto de 1376, João V foi deposto num golpe de estado perpetrado por seu filho Andrônico. Helena foi presa juntamente com a maior parte da família real. Andrônico tinha como principal aliado a República de Gênova, enquanto que seus adversários eram a República de Veneza, tradicional inimiga de Gênova, e Murade I, do Império Otomano. Andrônico também cooperou com o Savci Bei, um filho de Murade, numa tentativa conjunta de depor seus respectivos pais em 1373. Murade permaneceu hostil a ele e apoiava João V.

Ele também foi responsável pela restauração de João V em 1 de julho de 1379. Andrônico recuou para Gálata, que estava sob controle genovês, e Helena foi feita refém e permaneceu presa até 1381.

O conflito de João V e Andrônico IV continuou até a morte deste em 1385, quando ele foi substituído por seu filho João VII Paleólogo, que conseguiu derrubar o avô por um breve período em 1390. O papel de Helena foi mínimo e poucas fontes a mencionam. João V foi restaurado novamente, mas morreu em 16 de fevereiro de 1391. Helena se retirou então para o Convento de Santa Marta (Hagia Martha) sob o nome de Hipomona ("paciência") e ali morreu freira.

FamíliaEditar

Helena e João V tiveram pelo menos nove filhos. Através deles, Helena se tornou ancestral dos últimos seis imperadores bizantinos e de muitos membros-chave dos paleólogos durante os últimos anos do Império Bizantino. Uma das bisnetas de Helena, Zoe Paleóloga, se casou com Ivã III de Moscou e se tornou a avó do famoso czar russo Ivã, o Terrível. A lista abaixo, não exaustiva, destaca alguns de seus principais descendentes:

AncestraisEditar

Referências

  1. Garland, Lynda (2002). Byzantine Empresses: Women and Power in Byzantium AD 527-1204 (em inglês). Abingdon-on-Thames: Routledge. p. 231. ISBN 9781134756391 

Ligações externasEditar

Helena Cantacuzena
Nascimento: 1333 Morte: 1396
Títulos reais
Precedido por:
Irene Asanina
Imperatriz-consorte bizantina
1347–1376
com Irene Asanina (1347–1354)
Irene Paleóloga (1353–1357)
Sucedido por:
Ceratza da Bulgária
Precedido por:
Ceratza da Bulgária
Imperatriz-consorte bizantina
1379–1391
Sucedido por:
Helena Dragasa