Henrique Brandon, 1.º Conde de Lincoln

Henrique Brandon, 1.º conde de Lincoln (c. 1523 – 1534) foi o quarto filho e o segundo varão[1] de Carlos Brandon, 1.º Duque de Suffolk e de Maria Tudor, outrora rainha da França. Era sobrinho do rei Henrique VIII (r. 1509–1547), ao qual deveu seu nome.[2] Em 18 de junho de 1525, no palácio Bridewell, o rei recriou o título de conde de Lincoln e atribuiu a Brandon.[3]

Henrique Brandon
Conde de Lincoln
Retrato de Henrique
Casa
Nascimento 1525
Morte 1534
Pai Carlos Brandon, 1.º Duque de Suffolk
Mãe Maria Tudor, Rainha de França
Religião Anglicanismo

Conde de LincolnEditar

Brandon foi criado conde de Lincoln por Henrique VIII em 18 de junho de 1525 com apenas dois anos de idade.[4] Ele era "tão jovem que Sir John Vere foi nomeado para carregá-lo"[5] durante a cerimônia elaborada. Seu pai planejou um casamento para ele com Catarina Willoughby, uma nobre por direito próprio e filha de Maria de Salinas, que havia sido uma das damas de companhia da rainha.[6]

Papel na linha de sucessãoEditar

Ao longo da vida de Brandon, havia uma possibilidade pequena, mas real, de que um dia ele se tornasse rei da Inglaterra. Na época de seu nascimento, Maria era o único filho de Henrique VIII, e a esposa do rei, Catarina de Aragão, já tinha mais de trinta anos e tinha poucas perspectivas de ter mais filhos. O próximo na fila depois dos filhos do rei era sua irmã Margaret Tudor, e seus filhos, mas o lugar deles na sucessão não era seguro - Henrique os excluiria posteriormente pelo Segundo Ato de Sucessão (1536) e por sua vontade. A seguir, veio a duquesa de Suffolk e seu filho Henrique Brandon, que durante sua própria vida (ele morreu antes do nascimento de Eduardo, filho de Henrique), era a única pessoa na linha de sucessão que tinha as qualificações gêmeas de ser homem, e inglês. No entanto, ele morreu aos dez ou onze anos de idade, em Southwark.[carece de fontes?]

A mãe de Brandon o antecedeu e sua própria morte criou ambições reais em sua irmã Frances. Após a morte da duquesa de Suffolk, o duque casou-se com Catarina Willoughby. Embora seu filho estivesse noivo dela, aos dez anos ele era jovem demais para se casar e também doentio.[7][8] A sobrinha de Henrique Brandon, Lady Jane Grey, finalmente, e brevemente, conseguiu o trono em 10 de julho de 1553.

Referências

  1. Starkey 1990, p. 39.
  2. Lisle 2013.
  3. Warnicke 1991, p. 44.
  4. Hall, Edward (1809). Hall's chronicle : containing the history of England, during the reign of Henry the Fourth, and the succeeding monarchs, to the end of the reign of Henry the Eighth, in which are particularly described the manners and customs of those periods. Carefully collated with the editions of 1548 and 1550. [S.l.]: London : Printed for J. Johnson [etc.] 
  5. Childe-Pemberton, William Shakespeare (1913). Elizabeth Blount and Henry the Eighth, with some account of her surroundings. By William S. Childe-Pemberton. [S.l.]: London : E. Nash 
  6. «Grimsthorpe Estate». web.archive.org. 22 de janeiro de 2008. Consultado em 9 de dezembro de 2019 
  7. «Henry VIII: September 1533, 1-10 | British History Online». www.british-history.ac.uk. Consultado em 9 de dezembro de 2019 
  8. "...Lincoln was sickly [...] and Suffolk did not wish to gamble on his son's survival and risk losing Catherine's lands. So he married her himself." In: "Starkey, David (Hg): Rivals in Power: Lives and Letters of the Great Tudor Dynasties Macmillan, London 1990, p. 178

BibliografiaEditar

  • Lisle, Leanda de (2013). «The Family: the Descendants of Henry VII». Tudor: The Family Story. Londres: Chatto & Windus 
  • Starkey, David (1990). Rivals in Power: Lives and Letters of the Great Tudor Dynasties. Londres: Macmillan 
  • Warnicke, Retha M. (1991). The Rise and Fall of Anne Boleyn: Family Politics at the Court of Henry VIII. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia