Henry Fairfield Osborn

Henry Fairfield Osborn (Fairfield, Connecticut, 8 de agosto de 1857Nova Iorque, 6 de novembro de 1935) foi um geólogo, paleontólogo e eugenicista norte-americano.

Henry Fairfield Osborn
Nascimento 8 de agosto de 1857
Fairfield, Connecticut
Morte 6 de novembro de 1935 (78 anos)
Nova Iorque
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Prêmios Medalha Geográfica Cullum (1919)
Medalha Wollaston (1926)
Medalha Daniel Giraud Elliot (1929)
Campo(s) Geologia, paleontologia, eugenia

Era pai do conservacionista e naturalista Henry Fairfield Osborn, Jr (1887-1969).

Era um especialista em mamíferos fósseis. Ele descobriu e nomeou os famosos Tyrannosaurus rex em 1905 e Velociraptor em 1924.

Foi laureado com a Medalha Geográfica Cullum de 1919 pela Sociedade Geográfica Americana,[1] com a medalha Wollaston de 1926 pela Sociedade Geológica de Londres[2] e com a Medalha Daniel Giraud Elliot de 1929 pela Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.[3]

TeoriasEditar

Teoria do Dawn ManEditar

Osborn desenvolveu sua própria teoria evolucionária das origens humanas, chamada de "Teoria da Aurora do Homem". Sua teoria foi fundamentada na descoberta do Homem de Piltdown (Eoanthropus), datado do Plioceno Superior. Escrevendo antes de Piltdown ser exposto como uma farsa, o Eoanthropus ou "Homem da Aurora" Osborn afirmava ter derivado de um ancestral comum com o macaco durante o período Oligoceno, que ele acreditava ter se desenvolvido inteiramente separadamente durante o Mioceno (16 milhões de anos atrás). Portanto, Osborn argumentou que todos os macacos (Simia, seguindo a classificação pré-darwiniana de Linnaeus) evoluiu inteiramente paralelamente aos ancestrais do homem (homo).[4][5][6][7] O próprio Osborn escreveu:

Todos nós suportamos a hipótese do macaco e por tempo suficiente. Estamos felizes em receber essa nova ideia da aristocracia do homem em um período ainda mais remoto do que o início da idade da pedra.

Embora acreditando na ancestralidade comum entre o homem e o macaco, Osborn negou que este ancestral fosse semelhante ao macaco. O ancestral comum entre o homem e o macaco Osborn sempre sustentou ser mais humano do que o macaco. Escrevendo a Arthur Keith em 1927, ele observou "quando nosso ancestral Oligoceno for encontrado, não será um macaco, mas será surpreendentemente pró-humano".[8] Seu aluno William K. Gregory chamou a visão idiossincrática de Osborn sobre as origens do homem como uma forma de "Evolução Paralela", mas muitos criacionistas interpretaram mal Osborn, muito frustrando-o, e acreditaram que ele estava afirmando que a humanidade nunca evoluiu de uma forma de vida inferior.[9]

Vistas evolucionáriasEditar

Osborn foi originalmente um defensor do neo-lamarckismo de Edward Drinker Cope, no entanto, mais tarde ele abandonou essa visão. Osborn se tornou um defensor da seleção orgânica, também conhecida como efeito Baldwin.[10]

Osborn acreditava na ortogênese; ele cunhou o termo aristogênese para sua teoria. Sua aristogênese foi baseada em uma "abordagem físico-química" da evolução.[10] Ele acreditava que os aristogenes operam como biomecanismos no plasma genético do organismo. Ele também defendia a visão de que as mutações e a seleção natural não desempenham nenhum papel criativo na evolução e que a aristogênese foi a origem de uma nova novidade.[11] Osborn equiparou esta luta pelo avanço evolutivo com o esforço pela salvação espiritual, combinando assim seus pontos de vista biológicos e espirituais.[12]

RaçaEditar

Ele defendeu uma visão comum da época, ou seja, que a hereditariedade é superior às influências do meio ambiente. Como uma extensão disso, ele aceitou que raças distintas existiam com traços hereditários fixos, e considerou a "raça" nórdica ou anglo-saxônica a mais alta. Osborn, portanto, apoiou a eugenia para preservar "boa" linhagem racial. Devido a isso, ele endossou The Passing of the Great Race de Madison Grant é escrevendo tanto a segunda e quarta prefácios do livro, que argumentou para tais pontos de vista.[13] O livro também teve grande influência em Adolf Hitler. Hitler chamou o livro de "sua bíblia", pois defendia um sistema rígido de seleção por meio da eliminação daqueles que são fracos ou inadequados.[14]

Livros publicadosEditar

Referências

  1. «The Cullum Geographical Medal / Recipients» (em inglês). American Geographical Society. Consultado em 13 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 3 de outubro de 2015 
  2. «Award Winners Since 1831 / Wollaston Medal» (em inglês). The Geological Society of London. Consultado em 10 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 25 de julho de 2015 
  3. «Daniel Giraud Elliot Medal / Recipients» (em inglês). National Academy of Sciences. Consultado em 13 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2015 
  4. "Recent Discoveries Relating to the Origin and Antiquity of Man", Henry Fairfield Osborn, Science, New Series, Vol. 65, No. 1690, May 20, 1927, pp. 481–488.
  5. "Man was Never an Ape", Popular Science, 1927, Aug 1927, Vol. 111, No. 2, p. 35.
  6. "The Hunt for the Dawn Monkey: Unearthing the Origins of Monkeys, Apes, and Humans", Christopher Beard, University of California Press, 2006.
  7. "Human evolution: an illustrated introduction", Roger Lewin, Wiley–Blackwell, 2005, p. 15.
  8. Lewin, 1997, p. 56.
  9. Lewin, 1997, p. 57.
  10. a b Levit, Georgy S; Olsson, Lennart. (2007). Evolution on Rails Mechanisms and Levels of Orthogenesis. In Volker Wissemann. Annals of the History and Philosophy of Biology 11/2006. Universitätsverlag Göttingen. pp. 107–108.
  11. Regal, Brian. (2002). Henry Fairfield Osborn: Race, and the Search for the Origins of Man. Ashgate. pp. 184–192. ISBN 978-0-7546-0587-4
  12. Brian Regal, Henry Fairfield Osborn: Race and the Search for the Origins of Man (Aldershot: Ashgate, 2002), xii.
  13. The Passing of the Great Race, by Madison Grant, pp. vii–xiii
  14. Stefan Kühl. 2002. Nazi Connection: Eugenics, American Racism, and German National Socialism. Oxford University Press, p. 85

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Henry Fairfield Osborn


Precedido por
Frederick Haynes Newell
Medalha Geográfica Cullum
1919
com Emmanuel de Margerie
Sucedido por
Alberto I de Mónaco
Precedido por
George William Lamplugh
Medalha Wollaston
1926
Sucedido por
William Whitehead Watts
Precedido por
Ernest Thompson Seton
Medalha Daniel Giraud Elliot
1929
Sucedido por
George Ellett Coghill


  Este artigo sobre um(a) paleontólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.