Henry Levin

Henry Levin (Trenton, 5 de junho de 1909 - 1 de maio de 1980) foi um ator e diretor de teatro, mas foi mais notável como diretor de cinema americano com mais de cinquenta longas-metragens. Seus créditos mais conhecidos foram Jolson Sings Again (1949), Viagem ao Centro da Terra (1959) e Where the Boys Are (1960).[1][2]

Henry Levin
Nascimento 5 de junho de 1909
Trenton
Morte 1 de maio de 1980 (70 anos)
Califórnia
Cidadania Estados Unidos
Ocupação ator, encenador, diretor de cinema

BiografiaEditar

Carreira como atorEditar

Levin iniciou sua carreira artística como ator. Ele esteve na Broadway em Somewhere in France (1941)[3] e em Cuckoos on the Hearth (1941). Ele trabalhou para produções teatrais de Brock Pemberton.[4]

Columbia PicturesEditar

Editar

Em maio de 1943, Levin assinou um contrato para trabalhar na Columbia Pictures. Ele foi um dos três diretores de teatro recrutados pelo estúdio - os outros foram William Castle e Leslie Urbach. A função de Levin era trabalhar com os atores mais jovens da Columbia.[5]

Em abril, Levin foi contratado para trabalhar como diretor de diálogo em The Clock Struck Twelve (mais tarde intitulado Passport to Suez) com Warren William, um dos filmes de Lone Wolf.[6] Mais tarde, ele foi diretor de diálogo em Dangerous Blondes (1943), Nomeação em Berlim (1943) e Two Man Submarine (1944).

Levin foi então contratado pela Columbia Pictures como diretor, juntamente com vários outros "potenciais" que começaram como diretores de diálogos: Fred Sears, William Castle, Mel Ferrer e Robert Gordon.[7]

DiretorEditar

Seu primeiro filme como diretor foi Cry of the Werewolf (1944) com Nina Foch. Seguiu com o Sargento Mike (1944) com Larry Parks, Dancing in Manhattan (1944), um documentário The Negro Sailor (1945) e I Love a Mystery (1945), baseado no programa de rádio.

Levin dirigiu The Fighting Guardsman (1945) e foi chamado para trabalhar em O Bandido da Floresta de Sherwood (1946), um filme de Robin Hood que era muito popular.

Dirigiu Night Editor (1946), outro roteiro baseado em um programa de rádio, e duas sequências de I Love a Mystery, The Devil's Mask (1946) e The Unknown (1946). Levin fez outro fanfarrão, O Retorno de Monte Cristo (1946).

Charles VidorEditar

O próximo crédito de Levin foi o drama A culpa de Janet Ames (1947), substituindo Charles Vidor durante as filmagens.

A essa altura, ele era um dos principais diretores da Columbia, produzindo The Corpse Came COD (1948), The Gallant Blade (1948) com Larry Parks, The Mating of Millie (1948) com Glenn Ford e The Man from Colorado (1949) com a Ford e William Holden; no Colorado, ele substituiu Vidor novamente durante as filmagens.[8][9]

Levin ajudou a dirigir o Sr. Soft Touch (1949) com Ford e teve o maior sucesso de sua carreira com Jolson Sings Again (1949), estrelado por Parks. Ele fez uma comédia romântica And Baby Makes Three (1949) e depois substituiu Vidor outra vez em um musical com Joan Caulfield, The Petty Girl (1950).

Levin se reuniu com Ford para Convicted (1950) e The Flying Missile (1950). Ele fez alguns filmes, Two of a Kind (1951) e The Family Secret (1951).

20th Century FoxEditar

Em abril de 1951, Levin assinou um contrato exclusivo com a 20th Century Fox. Seu primeiro filme para eles seria Mabel and Me.[10] Em vez disso, ele fez Belles on Their Toes (1952); The President's Lady (1952), uma cinebiografia de Andrew Jackson com Charlton Heston; O fazendeiro se casa (1953) com Betty Grable; Senhor Scoutmaster (1953) com Clifton Webb; Três jovens texanos (1954), um faroeste com Jeffrey Hunter; e The Gambler de Natchez (1954), faroeste com Dale Robertson.

Ele fez um trabalho não creditado em Caminho de um Gaúcho (1952).

Levin foi à Inglaterra para fazer The Dark Avenger (1954) com Errol Flynn, uma co-produção entre Fox e Allied Artists.

Em 1956, ele foi anunciado para Love Story com Barbara Stanwyck e produtor Paul Goldstein[11] mas o filme não foi feito. Para Allied, ele fez Let's Be Happy (1957).

Pat BooneEditar

De volta a Fox, Levin dirigiu o primeiro filme de Pat Boone, Bernardine (1957).[12]

Na Paramount, ele fez um western com Jack Palance, The Lonely Man (1957),[13] e a Fox o chamou de volta para o segundo filme de Boone, April Love (1957).[14]

Ele foi para a Inglaterra para fazer um filme para a Fox, Um belo pequeno banco que deveria ser roubado (1958), depois em Hollywood fez dois com Clifton Webb, O notável Sr. Pennypacker (1959) e Holiday for Lovers (1959).

Webb também deveria estar no filme de Levi, Jornada ao Centro da Terra (1959), mas adoeceu e foi substituído por James Mason; Pat Boone co-estrelou e o filme foi um grande sucesso.

MGMEditar

Levin foi para a MGM, onde fez Where the Boys Are (1960), uma comédia romântica para o produtor Joe Pasternak. Foi um sucesso e a MGM assinou com ele um contrato de quatro anos para fazer um filme por ano.[15]

No mesmo estúdio, ele fez As Maravilhas de Aladim (1961) e O Maravilhoso Mundo dos Irmãos Grimm (1962), este último um figurino caro que ele fez para George Pal em Cinerama; Pal fez as seqüências de contos de fadas e Levin fez as cenas dos irmãos Grimm.[16]

Na Universal, Levin fez If a Man Answers (1962) com Sandra Dee e Bobby Darin.[17]

De volta à MGM, ele fez os dois últimos filmes de seu contrato, Come Fly with Me (1963), uma comédia de estilo Where the Boys Are sobre aeromoças, e Honeymoon Hotel (1964). Ao fazer o último, ele disse que estava morando em Roma.[18]

Irving AllenEditar

Levin retornou à Columbia para Genghis Khan (1965), produzido por Irving Allen. A Columbia também lançou Kiss the Girls e Make Them Die (1965), dirigido por Levin para Dino de Laurentis.

Levin iria fazer um filme sobre a resistência dinamarquesa para Allen, The Savage Canary, a partir de um roteiro de John Paxton[19] mas não foi feito.

Em vez disso, Levin fez dois filmes de Matt Helm com Dean Martin para Allen, Murderers 'Row (1966) e The Ambushers (1967). Durante a realização do último, um perfil de jornal foi publicado, alegando que o casamento de Levin estava com problemas.[20]

Ele fez um faroeste, The Desperados (1969).

Últimos AnosEditar

Os créditos posteriores de Levin incluem That Man Bolt (1973), Run for the Roses (1977) e The Treasure Seekers (1979).

No final de sua carreira, ele finalmente fez alguns trabalhos na televisão, dirigindo alguns episódios de Knots Landing em 1979 e seu último trabalho, o filme de televisão Scout's Honor, onde morreu no último dia de produção.[21]

Apesar de ter sido ator de teatro, seu único crédito como ator de tela foi em um episódio da série de televisão de 1974 Planet of the Apes.

Filmografia como diretorEditar

Referências

  1. The New York Times
  2. Memorial Set for Director H. Levin Los Angeles Times (1923-Current File) [Los Angeles, Calif] 08 May 1980: d3.
  3. HARR PLAY OPENS THIS AFTERNOON. (1941, Apr 18). New York Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/106074732
  4. SHUDDER COMEDY' TONIGHT'S ARRIVAL. (1941, Sep 16). New York Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/105970201
  5. STAGE GUIDES JOIN CINEMA. (1943, Mar 02). Los Angeles Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/165418059
  6. STUDIO BRIEFS. (1943, Apr 28). Los Angeles Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/165403022
  7. Filmsofthegoldenage.com
  8. VIDOR AND COLUMBIA ROW BREAKS OUT ANEW Los Angeles Times (1923-Current File); Los Angeles, Calif. [Los Angeles, Calif]21 Mar 1947: 2.
  9. Crop of Practical Young Men Displacing Old-Line Directorial Stylists and 'Artists': Hollywood Sprouting New Generation of Directors Scheuer, Philip K. Los Angeles Times (1923-Current File); Los Angeles, Calif. [Los Angeles, Calif]27 Mar 1949: D1.
  10. WILLIAM POWELL ASSIGNED TO FILM: Absent From Screen for Two Years, He Will Star in U-I's 'Treasure of Franchard' Of Local Origin By THOMAS F. BRADY Special to THE NEW YORK TIMES.. New York Times (1923-Current file); New York, N.Y. [New York, N.Y]30 Apr 1951: 16.
  11. By THOMAS M PRYOR Special to The New,York Times. (1956, Jan 19). ODETS WILL JOIN MOVE COMPANY. New York Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/113562655
  12. By THOMAS M PRYOR Special to The New,York Times. (1956, Nov 07). BORGNINE IS CAST DESPITE LAW SUIT. New York Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/113702047
  13. By THOMAS M PRYOR Special to The New,York Times. (1956, Feb 02). METRO ACQUIRES URIS' NEW NOVEL. New York Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/113920779
  14. By THOMAS M PRYOR Special to The New,York Times. (1957, Jun 03). FILM PACT SIGNED BY GREENE, ROUSE. New York Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/114217825
  15. Scheuer, P. K. (1960, Oct 13). MGM reactivates 'spring' musical. Los Angeles Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/167769030
  16. Scheuer, P. K. (1961, Nov 26). GRIMM ELVES ESCAPE FIRE; CREATORS TO 'LIVE' IN FILM. Los Angeles Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/168012276
  17. FILMING PLANNED FOR 'GIFT OF TIME'. (1962, Mar 13). New York Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/116064863
  18. Scheuer, P. K. (1963, Nov 20). Director sees town as 'well shook up'. Los Angeles Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/168421482
  19. Martin, B. (1965, Dec 03). Doris day director named. Los Angeles Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/155346390
  20. SEIDENBAUM, A. (1967, Aug 06). Oh, pity them all in acapulco! Los Angeles Times (1923-Current File) Retrieved from https://search.proquest.com/docview/155816374
  21. Memorial Set for Director H. Levin Los Angeles Times (1923-Current File); Los Angeles, Calif. [Los Angeles, Calif]08 May 1980: sd_a3