Abrir menu principal

Wikipédia β

Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Touro da raça Hereford.

A raça de bovino Hereford é originária do condado de Herefordshire, na Inglaterra. Ela é conhecida desde 1725. O primitivo desenvolvimento da raça permanece na obscuridade. Bovinos de cara branca são conhecidos desde longa data na Inglaterra. O melhoramento moderno da raça começou com Benjamim Tomkins (1714 - 1789), e seu filho de mesmo nome (1745-1815), continuador de sua obra, destacando-se como método seletivo a busca de precocidade de abate empregando consangüinidade estreita.

Peso médio: 540 Kg nas vacas e 850 nos touros.

Estatura: 130 cm nas fêmeas e 135 à 145 cm nos machos.

Os Tomkins, como a maior parte dos demais criadores de gado Hereford daquela época, não se interessavam em absoluto por características de pelagem, secundárias e menos importantes. No início do século XIX, ocorriam as seguintes pelagens: vermelha de cara branca, vermelha de cara salpicada, cinza clara e parda. Gradualmente, a pelagem "pampa" característica foi se impondo, sendo hoje considerada como "marca de pureza" da raça.

HistóriaEditar

As informações contida neste página não estão incorretas, entretanto alguns Editoras acreditam que ela precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2009).
Assim, sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Desde tempos imemoráveis o gado de Herefordshire e outras comarcas adjacentes tem sido famoso por seu tamanho, resistência e aptidão cárnica. Esta raça foi fundada a partir de um tipo que predominava em Hereford durante séculos. Já em 1627, mencionava-se a existência desta raça.

Baseando-se em dados um tanto escassos, conta-se que o gado Holandês trazido de Dunquerque para o Lord Scudamore provavelmente conferiu ao Hereford seu tamanho e cor branca da cara e região abdominal. Indicando assim a analogia que existe entre o Hereford e a raça Groningen.

Um estudo feito recentemente pelo Departamento de Genética do Trinity College, Dublin, Irlanda, com uso de marcadores genéticos para estudo do DNA, verificou os valores entre a distância genética de 7 raças, entre as quais, Aberdeen Angus, Jersey, Hereford, Charolês, Holandês, Simental e N'Dama. Verificou-se que a raça Hereford tinha maior afinidade genética coma raça Holandesa, do que com as outras duas raças britânicas, mostrando portanto que a raça Hereford tem um passado em comum com as raças desta região da Europa.

Os fazendeiros de Herefordshire, Inglaterra, estavam determinados a produzir carne expandindo o mercado de comida criado pelos britânicos na Revolução Industrial. Para o sucesso destes primeiros criadores eles tinham bovinos os quais poderiam converter a grama nativa em carne, e isto tudo em lucro.

Nessa época, não existiam raças que fornecessem estas necessidades, tanto que os fazendeiros de Herefordshire, encontraram uma raça de carne que logicamente tornou-se conhecida como Herefords. Esses primeiros criadores de Hereford moldaram seu gado com a ideia em uma raça de alta produção de carne e eficiência produtiva, e firmaram as características que hoje são características da raça.

Independente de sua origem, a raça já se encontrava estabelecida em 1788, quando escreveu-se que "a raça Hereford era sem sombra de dúvidas a primeira raça das Ilhas Britânicas". Consequentemente, é inquestionável que ainda se desconheça sua origem, a moderna raça Hereford descende de animais de mérito induvidável e com uma notável resistência a enfermidades.

Iniciando em 1742 com um terneiro de uma vaca cinza e duas vacas. Benjamin Tomkins, o pai, é creditado ser o fundador da raça. Isto ocorreu 18 anos após Robert Bakewell ter iniciado o desenvolvimento de suas teorias sobre cruzamentos animais. Desde o início, Tomkins tinha como objetivo a economia na alimentação, aptidão natural para crescer e ganhar peso de pastos ou a partir de grãos, rusticidade, precocidade e prolificidade, características que ainda são de primeira importância hoje em dia. Outros criadores pioneiros seguiram a Tomkins, levando e estabelecendo o gado de Herefordshire renomado mundialmente, causando sua exportação desde a Inglaterra para onde a grama cresce e a produção de carne é possível.

Os Tomkins iniciaram um número considerável de cruzamentos de consangüinidade, devido ao fato de que eles mesmos criavam e utilizavam seus touros, sendo o único critério qualitativo que os guiava a rapidez de apronte e produção de carne.

Como a maior parte dos demais criadores de Hereford daquela época, não se interessavam por características de pelagem, que eram secundárias e menos importantes. Depois, quando estavam suficientemente estabelecidas as características funcionais, se estabeleceu uma controvérsia sobre o padrão de pelagem e marcas ideais que a raça deveria adotar como típica. No início do século XIX, se preferiam animais com quatro pelagens básicas; vermelha de cara branca, vermelha com cara salpicada, cinza clara e prateado.

Gradualmente os partidários das duas primeiras pelagens impulsionaram o uso destas sobre as outras duas, uma vez adotada esta combinação de cores, foi fixada por seleção e cruzamentos consangüíneos até que o vermelho e branco foi considerado como "marca de pureza" da raça Hereford.

O gado Hereford da Inglaterra do final de 1700 e início de 1800 era muito maior do que hoje. Muitos animais adultos daqueles dias pesavam 1.350 kg ou mais. Cotmore, um touro ganhador de várias exposições e notável padreador da época, pesou 1.770 kg quando foi exposto em 1839. Gradualmente, o tipo e a conformação mudaram para um peso e tamanho menos extremo para conseguir mais qualidade e eficiência.

Chegada ao BrasilEditar

No Brasil, o primeiro exemplar chegou em 1906 e Laurindo Brasil, em 1907, na cidade gaúcha de Bagé, efetivou o primeiro apontamento do "Herd Book", registrando um touro argentino. Já em 1910, registraram-se os primeiros ventres, oriundos do Uruguai[1].

Referências