Abrir menu principal
Hermano I da Saxónia
Duque da Saxónia
Escudo do Brasão de Armas da Casa da Saxónia (antigo), até 1260.
Nome completo
Hermano I da Saxónia
Nascimento 912
Morte 27 de março de 973 (61 anos)
  Quedlimburgo, Alemanha
Pai Bilungo de Stubenskorn
Mãe Ermengarda de Nantes

Hermano Bilunga, conhecido como Hermano I da Saxónia (912 - Quedlimburgo, Alemanha 27 de março de 973) foi um nobre da Alta Idade Média da Alemanha, tendo sido Duque da Saxónia.

BiografiaEditar

Em 938, torna-se marquês da Marca de Bilunga. Foi igualmente um militar que teve a alta confiança do imperador e Otão I, Sacro Imperador Romano-Germânico, de quem foi lugar tenente.

Só foi nomeado duque da Saxónia depois da morte de Otão I, visto este ser duque entronizado do território. Encontrando-se na Itália a partir de 961 e até 972, Hermano atuou como representante pessoal de Otão I no governo Saxónia.

Hermann morreu em 973, apenas dois meses antes da morte do próprio Otão I. O filho de Hermano, Bernardo I foi nomeado como o novo duque da Saxónia por Otão II filho Otão I[1].

Hermann foi casado duas vezes: De acordo com as crónicas de Abadia de São Miguel de Luneburgo, localizada em Luneburgo, um dos casamentos foi com Oda de Bilunga (912 - falecida em 15 de março de um anos depois de 973). Os anis de Xanten, indicam a morte de uma senhora de Ode, afirmando ser a esposa do duque Hermann, no mesmo dia na data indicada. segundo a historiografia é tida como diminutivo de otoniana da dinastia real; avó Henrique I da Germânia[2][3], uma vez que este é nomeado como (membro da dinastia Bilunga).

A segunda esposa Hildegarda de Vesterburgo é mencionada nas crónicas, mas a sua relação com Oda permanece obscura. Hildegarda era também o nome da cônjuge do filho de Hermann, Bernardo I da Saxónia. O nome de Oda de Meissen, neta de Hermann, indica que Oda foi a mãe de seus filhos deste.

Relações familiaresEditar

Foi filho de Bilungo de Stubenskorn e de Ermengarda de Nantes, filha de Viperto de Nantes e de Adeltrude. Foi casado por duas vezes uma Hildegarda de Vesterburgo, de quem não terá tido filhos e a outra com Oda de Bilunga, de quem teve:

  1. Bernardo I da Saxónia (c. 950 - 9 de fevereiro de 1011) foi duque da Saxónia entre e 973 e 1011, Casou com Hildegarda de Stade (? - 1011), filha de Henrique I de Stade (? - 976), conde de Stade e de Judite Conradina
  2. Liutger da Saxónia (? - 26 de fevereiro de 1011) conde de Westfalengau, atestado em 991, encontra-se sepultado na Abadia de São Miguel de Luneburgo, foi casado com Ema de Lesum (c. 975 - 3 de dezembro de 1038)[4], sepultada na Catedral de Brema, filha de Imedingério IV e Adela de Hamaland, sendo portanto irmã do Bispo Meinverco de Paderborn.
  3. Suanilda da Saxónia (entre 945 e 955 - 28 de novembro de 1014), sepultada no Mosteiro de Jena e casada por duas vezes, a 1.ª em 970 com Tietmar I de Meissen (? - depois de 979)[5], marquês de Meissen, a 2.ª cerca do ano 1000 com Egiardo I de Meissen[6], marquês de Meissen desde 992, (assassinado em 30 de abril de 1002 em Pöhlde); encontrando-se sepultado no Mosteiro de Jena.
  4. Matilde da Saxónia (c. 940 - 20 de maio de 1008) sepultada na Igreja de São Pedro de Gante, e casada por duas vezes, a 1.ª cerca de 961 com Balduíno III da Flandres[7] "O Jovem" (c. 940 - 1 de Janeiro de 962) foi Conde da Flandres e a 2.ª com Godofredo de Verdun (c. 940 - 3 ou April de 995) conde de Verdun,
  5. Imma da Saxónia, que em 995 foi abadessa na Abadia de Herford, Herford.


Árvore genealógica baseada no texto:

Adeltrude
Viperto de Nantes
Ermengarda de Nantes
Bilungo de Stubenskorn
Oda de Bilunga
Hermano I da Saxónia
Hildegarda de Vesterburgo
Bernardo I da Saxónia
Liutger da Saxónia
Suanhilde da Saxónia
Matilde da Saxónia
Imma da Saxónia

Referências

  1. Arnulf, Liber gestorum recentium , I.7.
  2. A Herança Genética de D. Afonso Henriques, Luiz de Mello Vaz de São Payo, Universidade Moderna, 1ª Edição, Porto, 2002, página 287.
  3. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira - 50 vols. Vários, Editorial Enciclopédia, Lisboa, vol. 13-página 65.
  4. Schwarzwälder, Herbert, 2003: Das grosse Bremen-Lexikon . Edição Temmen. ISBN 3-86108-693-X
  5. Bernhardt, John W. (1993). Realeza Itinerante e Mosteiros reais em Early Alemanha medieval, c. 936-1075 . Cambridge: Cambridge University Press.
  6. Rarely Ekkard or Eckhard. Contemporary Latin variants to his name include Ekkihardus, Eggihardus, Eggihartus, Heckihardus, Egihhartus, and Ekgihardus.
  7. Arnoul de Flandre sur le site Foundation for Medieval Genealogy