Abrir menu principal
Chuson-ji, um patrimônio mundial em Hiraizumi

Hiraizumi (平泉町 Hiraizumi-chō?) é uma vila localizada no distrito de Nishiiwai, província de Iwate, Japão. Em fevereiro de 2014, a vila tinha uma população estimada de 7 976 habitantes e uma densidade populacional de 126 pessoas por km². A área total era de 63,39 km².

Ela é conhecida pelos monumentos e locais históricos de Hiraizumi, que alcançaram o status de patrimônio mundial em 2011.[1]

GeografiaEditar

Hiraizumi é a menor municipalidade na província de Iwate em termos de área. É localizada em uma bacia no centro-sul da província de Iwate, cercada pelas Montanhas Kitakami.

Municipalidades vizinhasEditar

HistóriaEditar

A área da atual Hiraizumo era parte da antiga província de Mutsu. Ela era o lar do Clã Ōshū Fujiwara por cerca de 100 anos no final do período Heian e a maior parte do período Kamakura Ao mesmo tempo, ela serviu como a capital de facto de Ōshū, uma área que contém quase um terço do território japonês. Naquela altura, a população de Hiraizumi alcançava 50 mi habitantes[2] ou mais de 100 mil,[3] rivalizando com Quioto em tamanho e esplendor.

A primeira estrutura construída em Hiraizumo pode ter sido o Santuário Hakusan no topo do Monte Kanzan (Montanha Barreira). Um escritor em 1334 registrou que o santuário já tinha 700 anos de idade. Embora tenha sido reconstruído muitas vezes, o mesmo santuário ainda permanece no mesmo local.

Por volta de 1100, Fujiwara no Kiyohira mudou sua casa do Forte Toyoda, atual Esashi, na cidade de Oshu, para o Monte Kanzan em Kiraizumi. Este local foi importante por algumas razões. Kanzan situava-se na junção de dois rios, o Rio Kitakami e o Rio Koromo. Tradicionalmente o Rio Koromo servia como a fronteira entre o Japão no sul e os povos Emishi no norte. Ao construir sua casa no sul de Koromo, Kiyohira (sendo ele meio-Emishi), demonstrou sua intenção de dominar Oshu sem a sanção oficial da corte em Quioto. Kanzan também estava diretamente no Oshu Kaido, a estrada principal que levava a Quioto a partir das terras do norte. Kanzan também era vista como o centro exato de Oshu, que se estendia da Barreira Shirakwa no sul de Sotogahama, atual província de Aomori.

Kiyohira construiu o grande complex de templos em Kanzan conhecido como Chūson-ji. A primeira estrutura foi um grande pagode no topo da montanha. Em conjunto com isto, ele colocou pequenos relicários de guarda-sol (kasa sotoba) a cada cem metros da Oshu kaido, decorando com cartazes mostrando Amitaba Buda pintado em ouro. Outros pagodes, templos e e jardins se seguiram, incluindo o Konjikido, uma caixa de joias de uma construção, que pretendia representar a Terra Pura Budista e o local de descanso final dos senhores Fujiwara.

A idade dourada de Hiraizumo durou por quase 100 anos, mas após a queda dos Fujiwara a vila se afundou em relativa obscuridade, sendo que a maioria das construção que deram à vila sua importância cultural foram destruídas. Quando o poeta Matsuo Basho viu o estado da vila em 1689 ele escreveu um haikai famoso sobre a temporariedade da glória humana:

Natsu kusa ya! / Tsuwamono-domo ga / yume no ato
Ah, gramíneas de verão! / Tudo que permanence / Dos sonhos dos guerreiros. (1689)[4]

A vila moderna de Hiraizumo foi criada em 1º de abril de 1889, com o estabelecimento do sistema de municipalidade. Hiraizumo ascendeu ao status de vila em 1º de outubro de 1953. Ela anexou sua vizinha vila Magashima em 15 de abri lde 1955. A vila perdeu um pouco de terra para a cidade de [Ichinoseki]] em 1º de stembro de 1956 e novamente em 1º de maio de 1964.

EconomiaEditar

A economia local é baseada na agricultura e turismo.

TransporteEditar

Relações internacionaisEditar

  ChinaTiantai, Zhejiang, China – cidade amiga desde 2010

 
O campánario Mōtsū-ji

Atrações locaisEditar

Hiraizumi tem um garnde número de Tesouros Nacionais listados e outros locais cultural e historicamente importantes.

Templos budistasEditar

Outros locaisEditar

Referências

  1. «Hiraizumi – Temples, Gardens and Archaeological Sites Representing the Buddhist Pure Land - UNESCO World Heritage Centre» (em inglês). Consultado em 26 de outubro de 2014 
  2. Tertius Chandler, "Four Thousand Years of Urban Growth: An Historical Census", The Edwin Mellen Press, Lewiston (1987).
  3. Toshio Sanuki, "Toshi no Seisui Rankingu (Rise and Fall Ranking of Urbans)", Jiji Tsushin Sha, Tokyo (1996).
  4. Basho's Haiku Arquivado em 9 de julho de 2002, no Wayback Machine. at Haiku Poets Hut

NotasEditar

Ligações externasEditar