Abrir menu principal

A Linha do Alentejo é uma ligação ferroviária entre as localidades do Barreiro e Funcheira, em Portugal. É a sucessora do Caminho de Ferro do Sul, cujo primeiro troço, entre o Barreiro e Bombel, entrou ao serviço em 15 de Junho de 1857[1], tendo sido concluído com a inauguração da linha até Faro, em 1 de Julho de 1889.[2] Em 1902, este troço, com as então planeadas extensões até Vila Real de Santo António e Cacilhas, já era conhecido como Linha do Sul.[3] Em 1992, o Decreto-Lei 140 criou a designação oficial de Linha do Alentejo, compreendendo o troço entre o Barreiro e a Funcheira, passando pelo Pinhal Novo e por Vendas Novas.[4]

Linha do Alentejo
Head station
000,000 Barreiro
Head station
Unknown route-map component "WASSERl" + Unknown route-map component "uexSTR+r"
Transverse water + Unknown route-map component "SHI1r" + Pier
Transverse water
× Rio Tejo, via Soflusa MTS (proj.)
Unknown route-map component "uexXBHF-L" + Unknown route-map component "HUBrg-R"
Unknown route-map component "vBHF-exKBHFa" + Unknown route-map component "HUBlg-L"
000,000 Barreiro
Unused straight waterway + Unknown route-map component "HUB-R"
Unknown route-map component "vSTR-exHST" + Unknown route-map component "HUB-L"
Miguel Pais(dem.)
Unknown route-map component "exSHI3l" + Unused urban continuation forward + Unknown route-map component "HUBlf-R"
Unknown route-map component "exvSHI3+r-" + Unknown route-map component "xvÜSTlxr" + Unknown route-map component "HUBtr-4"
R. SeixalSeixal (dem.)
Unknown route-map component "RP2q"
Unknown route-map component "exlvBUE" + Unknown route-map component "vSKRZ-G2u" + Unknown route-map component "HUB"
Unknown route-map component "RP2q"
× R. D. Manuel I (PN subst.)
Unknown route-map component "exSTRc2"
Unknown route-map component "exdSTR3" + Unknown route-map component "dSTR" + Unknown route-map component "HUBtl" + Unknown route-map component "lv-DST"
Unknown route-map component "dTEEaq"
Unknown route-map component "exKSTRa" + Unknown route-map component "KDSTeq" + Unknown route-map component "HUBeq"
Barreiro (1857-1884) / Oficinas
Unknown route-map component "exSTR+1"
Unknown route-map component "vSTR-eSHI3g+l" + Unknown route-map component "exSTRc4" + Unknown route-map component "HUB"
Unknown route-map component "exSHI3r"
Unknown route-map component "exSTR"
Unknown route-map component "dSTR" + Unknown route-map component "HUB"
Unknown route-map component "vSTRl-" + Unknown route-map component "vSTR-"
Unknown route-map component "dCONTfq"
R. part. Cortiças
Unknown route-map component "exSTR"
Unknown route-map component "dSTR" + Unknown route-map component "HUBe"
Unknown route-map component "vSTRl-" + Unknown route-map component "vSTR-"
Unknown route-map component "dCONTfq"
R. part. CUF
Unknown route-map component "exSTR"
Unknown route-map component "vexKBHFa-STR" + Unknown route-map component "vHST-"
001,114 Barreiro-A
Unknown route-map component "exBST" Unknown route-map component "vSTR"
Barreiro-Terra(dem.)
Unknown route-map component "exSTR2"
Unknown route-map component "SPLe" + Unknown route-map component "exSTRc3"
002,114 R. Quimigal-Barreiro
Unknown route-map component "exSTRc1" Unknown route-map component "eABZg+4"
R. Barreiro-Terra
Unknown route-map component "eABZgl+l" Unknown route-map component "exCONTfq"
L.ª Cintura(via TTT, 2013)
Station on track
002,388 Lavradio
Unknown route-map component "uexXBHF-L" Unknown route-map component "XBHF-R"
002,388 Lavradio
Unknown route-map component "SKRZ-G4o"
MTS (proj.)
Unknown route-map component "RP2" Straight track
003,000
Unknown route-map component "RP2rf" + Unknown route-map component "GRZq"
Unknown route-map component "STR+GRZq"
BRRMTA
Unknown route-map component "uexXBHF-L"
Unknown route-map component "XPLTeq" + Stop on track
003,622 Baixa da BanheiraMTS (proj.)
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "RP2" Straight track Unknown route-map component "RP1+l"
005,000 ∥ R. Hq. Galv. ∥ EN11
Unknown route-map component "RP2uhRP2w" Unknown route-map component "SKRZ-G2h" Unknown route-map component "RP1uhRP2e"
× Av. 1º Maio
Unknown route-map component "uexXBHF-L"
Unknown route-map component "XBHF-R" + Unknown route-map component "HSTeBHF"
005,352 Alhos VedrosMTS (proj.)
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "SKRZ-G1u"
Unknown route-map component "CSTR-R"
Small arched bridge over water
Unknown route-map component "CSTR"
Small arched bridge over water
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Station on track
008,137 Moita
Unknown route-map component "uexXBHF-L" Unknown route-map component "XBHF-R"
008,137 Moita
Small arched bridge over water
× Vala da Quintinha MTS (proj.)
Unknown route-map component "CSTR"
Unknown route-map component "SKRZ-G4u"
× IC32
Unknown route-map component "CSTR"
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "CSTR"
Unknown route-map component "SKRZ-GDu"
Small arched bridge over water
Level crossing
× Vala do Penteado
Stop on track
011,752 Penteado
Small arched bridge over water
Small arched bridge over water
Unknown route-map component "RP2q" + Unknown route-map component "GRZq" + Level crossing
MTAPLM
Small arched bridge over water
× Vala de Malpique
Unknown route-map component "WVIADUKT2-R" Unknown route-map component "RP2oW2-L"
Unknown route-map component "WVIADUKT2-R" Unknown route-map component "RP2oW2-L"
Straight track Unknown route-map component "RP2"
014,000
Unknown route-map component "WVIADUKT2-R" Unknown route-map component "RP2oW2-L"
Underbridge Unknown route-map component "RP2"
Unknown route-map component "WVIADUKT2-R" Unknown route-map component "RP2oW2-L"
× Vala do Pinhal Novo
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZg+r"
015,018 L.ª Sul
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZg+r"
015,018 L.ª Sul Campolide A
Unknown route-map component "eABZg+l" Unknown route-map component "exCONTfq"
R. MontijoMontijo (dem.)
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× EN252
Station on track
015,439 Pinhal Novo
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZgr"
015,980 L.ª Sul
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZgr"
015,980 L.ª Sul Setúbal, Tunes
Unknown route-map component "eHST"
018,450 Lagoa da Palha(des.)
Unknown route-map component "SKRZ-G4u"
× A12
Unknown route-map component "eHST"
021,202 Valdera(dem.)
Unknown route-map component "CONTgq" Junction both to and from right
027,639 C.ª Poceirão
Unknown route-map component "BS2c2" Unknown route-map component "SHI2gr"
000000  
Unknown route-map component "STR~L"
Unknown route-map component "vvSTRo-STR3-" + Straight track
027,639 flyover do Poceirão
Unknown route-map component "vv-STR+1-STRo"
Unknown route-map component "ABZgl" + Unknown route-map component "STR~R"
Unknown route-map component "KDSTeq"
Poceirão-EPAC
Unknown route-map component "LSTR" + Unknown route-map component "BS2c1"
Unknown route-map component "SHI2g+r"
Unknown route-map component "LABZg+l" Unknown route-map component "ABZg+r"
028,189 C.ª AgualvaC.ª Poceirão
Unknown route-map component "LCONTf" Straight track
C.ª Poceirão L.ª Sul
Unknown route-map component "KDSTaq" Unknown route-map component "ABZg+r"
Poceirão-Cortiças
Station on track
030,407 Poceirão
Non-passenger station/depot on track
P.M.O. do Poceirão
Level crossing
× EN5
Stop on track
034,900 Fernando Pó
Unknown route-map component "eHST"
037,098 Fonte(des.)
Unknown route-map component "SKRZ-G4u"
× A13
Unknown route-map component "ABZg+l" Unknown route-map component "KDSTeq"
041,376 Neopul-Pegões(dem.)
Station on track
041,894 Pegões
Stop on track
044,900 São João das Craveiras
Unknown route-map component "eBHF"
051,625 Bombel
Unknown route-map component "SPLa"
051,700 C.ª Bombel
Junction both to and from left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Vendas Novas
Unknown route-map component "vSTR-ABZl+l" Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Vendas Novas Setil
Station on track
056,838 Vendas Novas
Unknown route-map component "BHFSPLe"
056,838 Vendas Novas
Unknown route-map component "KDSTaq" Unknown route-map component "ABZgr"
058,600 Somave
Unknown route-map component "SKRZ-G4u"
× A6
Unknown route-map component "eHST"
064,290 Cabrela(dem.)
Unknown route-map component "hKRZWae"
× Ribeira da Marateca
Unknown route-map component "eBHF"
075,222 Torre da Gadanha(ant. Montemor)
Unknown route-map component "eABZgl" Unknown route-map component "exCONTfq"
R. Montemor(des.)
Unknown route-map component "hKRZWae"
× Ribeira de São Martinho
Unknown route-map component "hKRZWae"
× Ribeira de São Cristóvão
Unknown route-map component "ev-SHI2gr" Unknown route-map component "d"
077,497 R. T. da Gadanha-Minas
Unknown route-map component "vexDST-STR" Unknown route-map component "d"
Unknown route-map component "exdCONTgq" Unknown route-map component "exdSTRr+1h"
Straight track + Unknown route-map component "exBS2c4"
C. F. Mina de S. Susana(dem.)
Unknown route-map component "XPLTaq" + Unknown route-map component "eBST"
Unknown route-map component "XPLTeq" + Unknown route-map component "exKBSTa"
081 000
Straight track Unknown route-map component "exCONTf"
C. F. Mina dos Monges(dem.)
Unknown route-map component "eHST"
083,725 Escoural
Station on track
090,406 Casa Branca
Unknown route-map component "eABZgl" Unknown route-map component "exCONTfq"
R. Nogueirinha(dem.)
Unknown route-map component "ABZgl" Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Évora
Unknown route-map component "ABZgl" Unknown route-map component "CONTfq"
000000 L.ª Évora Évora
Unknown route-map component "HSTeBHF"
102,253 Alcáçovas
Unknown route-map component "hKRZWae"
× Rio Xarrama
Unknown route-map component "eHST"
110,015 Viana(ant. Vianna) (des.)
Station on track
116,728 Vila Nova da Baronia
Station on track
116,728 Vila Nova da Baronia (ant. Villa Nova)
Unknown route-map component "HSTeBHF"
124,958 Alvito
Unknown route-map component "hKRZWae"
× Ribeira de Odivelas
Station on track
137,183 Cuba
Unknown route-map component "lCSTRq" + Unknown route-map component "RP2q"
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
Unknown route-map component "eHST"
146,568 São Matias(des.)
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "eABZgr"
Base Aérea de Beja(proj. abd.)
Unknown route-map component "BS2c2" Unknown route-map component "SHI2gr"
Unknown route-map component "vKDSTe-STR" Unknown route-map component "d"
148,681 Beja-Quimigal
Unknown route-map component "exSTR+l" Unknown route-map component "eABZg+r"
153 000
Unknown route-map component "exSTR+l" Unknown route-map component "eABZg+r"
153 000
Unknown route-map component "exSPLa" Straight track
Unknown route-map component "exvSTR-DST" Straight track
155,200 SAPEC(des.)
Unknown route-map component "exSPLe" Straight track
Unknown route-map component "exSPLa" Straight track
Unknown route-map component "exvKBHFe-" + Unknown route-map component "exv-DST"
Straight track
Coop. Ag. Beja(des.)
Unknown route-map component "exv-SHI2gr" Straight track
Unknown route-map component "exvKDSTe-STR" Straight track
155,600 Beja-EPAC(des.)
Unknown route-map component "exSHI1+l" Straight track
Unknown route-map component "exHST" Straight track
161,822 Represas(des.)
Unknown route-map component "exSTR2"
Unknown route-map component "KBHFxe" + Unknown route-map component "exSTRc3"
153,937 Beja
Unknown route-map component "exSTR" Unknown route-map component "KBHFxe"
153,937 Beja
Unknown route-map component "exSTR" Unknown route-map component "exABZgl" Unknown route-map component "exCONTfq"
R. Moura(des.)
Unknown route-map component "exSTR" Unknown route-map component "exHST"
161,617 Penedo Gordo
Unknown route-map component "exSTR2" Unknown route-map component "exSTR+c3"
000000 (traç. primitivo, 1870-1971)
Unknown route-map component "exSTRc1" Unknown route-map component "exABZg+4"
168,509
Unknown route-map component "exSTRc1"
Unknown route-map component "exABZgl" + Unknown route-map component "exSTR2+4"
Unknown route-map component "exKDSTeq" + Unknown route-map component "exSTRc3"
168,509 R. S. Vitória-Ervidel - Celeiros
Unknown route-map component "exBHF" + Unknown route-map component "exSTRc1"
Unknown route-map component "exSTR+4"
168,868 St.ª Vitória-Ervidel(nova 1971-2012)
Unknown route-map component "exSKRZ-G2u" Unknown route-map component "exSKRZ-G2BUE"
EN18
Unknown route-map component "exSTR+c2" Unknown route-map component "exBHF3"
St.ª Vitória-Ervidel(antiga 1870-1971)
Unknown route-map component "exABZg+1"
+ Unknown route-map component "exSTRc4"
(traçado primitivo)
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2" + Unknown route-map component "lDSTR"
× B.co do Corte da Azinha
Unknown route-map component "exKBSTa" Unknown route-map component "exHST"
178,941 Figueirinha
Unknown route-map component "exCONTf" Unknown route-map component "exSTR"
R. C. M. TranstaganaAljustrel (dem.)
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2" Unknown route-map component "WASSER+r"
× Rib.ª dos Louriçais
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2" Water straight and to right
P.te Louriçal × Rib.ª dos Louriçais
Unknown route-map component "exSTR+GRZq"
BJAAJT
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2" + Unknown route-map component "lDSTR"
P.te Gavião
Unknown route-map component "exBHF"
191,535 Castro Verde - Almodôvar
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "exABZgr"
R. Aljustrel
Unknown route-map component "GRZq" + Unknown route-map component "exDSTR"
AJTCVR
Unknown route-map component "exHST"
200,483 Casével
Unknown route-map component "exCSTR"
201,300 ORQCVR
Unknown route-map component "WASSER+l"
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2" + Unknown route-map component "lDSTR" + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "WABZg+l"
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2" + Unknown route-map component "lDSTR" + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "WABZg+r" + Unknown route-map component "GRZal"
Unknown route-map component "exDSTR" + Unknown route-map component "GRZer"
202,000 ┤ Rib.ª Aivados ⇠ORQCVR
Unknown route-map component "WABZg+l" + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2"
Unknown route-map component "WABZg+l" + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2" + Unknown route-map component "lDSTR"
Unknown route-map component "WABZg+l" + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2" + Unknown route-map component "lDSTR"
Unknown route-map component "WABZg+l" + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2" + Unknown route-map component "lDSTR"
Unknown route-map component "WABZg+l" + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2"
203,000
Unknown route-map component "WABZg+l" + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "exWBRÜCKE2"
Water + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "exBRÜCKE2"
Unknown route-map component "WABZg+l" + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "exhKRZWae"
× Rib.ª da Gata
Water + Unknown route-map component "GRZ"
Unknown route-map component "exSKRZ-G4u"
204,000 × A2/IP1
Water straight and to right + Unknown route-map component "GRZer"
Unknown route-map component "exDSTR"
205,000 ORQCVR
Unknown route-map component "xABZg+l" Unknown route-map component "CONTfq"
000000 R. Neves Corvo
Unknown route-map component "eBHF"
206,270 Ourique
Unknown route-map component "eHST"
212,242 Panóias
Unknown route-map component "eKRWgl" Unknown route-map component "exKRW+r"
000000 (traçado primitivo)
Unknown route-map component "hKRZWae" Unknown route-map component "exhKRZWae"
P. de Quinta Nova × R. Sado
Unknown route-map component "eKRWg+l" Unknown route-map component "exKRWr"
000000 (traçado primitivo)
Unknown route-map component "SPLa"
C.ª Funcheira
Unknown route-map component "CONTgq" Junction both to and from right
214,196 L.ª Sul
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "vABZr+r-STR"
214,196 L.ª Sul Campolide
Station on track
217,600 Funcheira
Unknown route-map component "BHFSPLe"
217,600 Funcheira
Unknown route-map component "eABZgl" Unknown route-map component "exCONTfq"
L.ª Baixo AlentejoPomarão (proj. abd.)
Unknown route-map component "CONTgq" One way rightward
000000 L.ª Sul
Unknown route-map component "CONTgq" One way rightward
000000 L.ª Sul Tunes
ver referências a fontes no texto do(s) artigo(s)
Ver artigo principal: Linha do Alentejo
Mapa da região Sul de Portugal, em meados do Século XIX. A região do Alentejo tinha graves problemas em termos de transportes, com uma rede viária muito deficiente.

AntecedentesEditar

Antes da introdução dos caminhos de ferro nesta região, o meio de transporte utilizado era o rodoviário e fluvial; o atravessamento do Rio Tejo era feito em serviços de barcos entre Lisboa, Cacilhas e Aldeia Galega, e depois continuava-se a viagem por estrada.[5][6] No entanto, as más condições em que as vias rodoviárias se encontravam causavam várias dificuldades aos viajantes, especialmente as malas-postas, que utilizavam pesados veículos a tracção animal.[5][6] Outro motivo para a construção de uma ligação ferroviária entre o Alentejo e Lisboa foi a necessidade de estabelecer rotas comerciais, para abastecer a capital e combater o isolamento das áreas produtivas, fazendo a Linha do Alentejo parte da “Rota do Trigo”.[7]

Século XIXEditar

Troço entre o Barreiro e BombelEditar

 
Gravura da primeira estação do Barreiro, nos primeiros anos.

Assim, para combater este problema, o governo começou a planear uma ligação ferroviária entre os embarcadouros na margem Sul do Rio Tejo, e a região do Alentejo.[5] O primeiro documento oficial sobre um caminho de ferro ao Sul do Rio Tejo foi uma consulta do Conselho de Obras Públicas, publicada no dia 19 de Abril de 1854, sobre uma proposta dos Pares do Reino Marquês de Ficalho e José Maria Eugénio de Almeida, como representantes de uma companhia, para instalar um caminho de ferro entre as localidades de Aldeia Galega (actual Montijo) e vendas Novas.[2] Em Aldeia Galega seria criado um serviço de transporte fluvial, para a ligação a Lisboa.[5]

O contrato para a construção e exploração foi assinado entre o governo e a recém-criada Companhia Nacional dos Caminhos de Ferro ao Sul do Tejo em 24 de Julho, tendo o ponto inicial sido alterado para o Barreiro, e prevista a extensão das linhas até Évora, Beja e Setúbal; o Parlamento votou, no mesmo dia, a confirmação do contrato, tendo sido aprovado oficialmente numa carta de lei de 7 de Agosto.[2] O principal motivo para a localização da estação inicial ter sido alterada foi o facto do Barreiro, ao contrário do Montijo, oferecer um porto natural, o Vale do Zebro, deixando, assim, de ser necessário construir infra-estruturas de protecção às embarcações, o que seria bastante dispendioso; por outro lado, a partir do Barreiro podia-se futuramente fazer prolongar a linha até Cacilhas.[5] O concurso foi aberto no dia 26 de Agosto, tendo as obras sido atribuídas à Companhia, representada por Tomás da Costa Ramos.[2] O trespasse da concessão da construção deste troço ferroviário para a Companhia foi realizado em 6 de Dezembro de 1854, estipulando este contrato que o estado português pagaria à companhia 7$880 por quilómetro construído, além do fornecimento gratuito de madeiras, isenção de todos os impostos, incluindo os sobre as máquinas, materiais importados e exploração.[5]

O primeiro troço do Caminho de Ferro do Sul, entre o Barreiro e Bombel, foi inaugurado em 15 de Junho de 1857[1], com uma bitola de 1,44 metros.[2] Inicialmente, o embarcadouro encontrava-se afastado da estação do Barreiro, o que gerava vários desconfortos para os utentes; mais tarde, seria construída uma nova estação, mais próxima do cais.[8] Além disso, geraram-se alguns conflitos entre o estado e a Companhia, devido à isenção de impostos e o facto desta transportar a mala-posta em composições normais, em vez de expresso, como seria previsto.[8]

Ligação entre Bombel e Vendas NovasEditar

 
Segunda estação ferroviária do Barreiro, que funcionou de 1884 a 2008.

Em Junho de 1858, o governo apresentou uma proposta de lei no parlamento, baseada nas características técnicas das linhas em construção, até Setúbal e Vendas Novas, e que autorizava a continuação da linha além desta última localidade, até Beja e Évora, podendo este projecto ser feito por contrato subvencionado, ou por administração directa.[2] No entanto, esta proposta gerou uma intensa controvérsia, tendo sido integrada, após várias modificações, numa lei de 8 de Julho de 1859; a principal alteração foi a da bitola utilizada, que passou para 1,67 m, igual à que era utilizada em Espanha nessa altura.[2] O Conselho de Obras Públicas e Minas apresentou ao estado, em 16 de Julho de 1859, um programa de concurso para estas duas linhas[9], e, em 29 de Maio de 1860, foi publicada uma carta de lei, que estipulava um contrato para a construção da ligação ferroviária entre Vendas Novas, Beja e Évora, devendo o entroncamento das vias ser efectuado em Santiago do Escoural; o local de entroncamento foi, posteriormente, alterado para Casa Branca, porque permitia uma ligação mais rápida entre Beja e Vendas Novas.[10]

No entanto, o concurso respectivo não teve qualquer concorrentes, pelo que o estado contratou a construção e exploração destas linhas com o empresário John Valentine, que representava uma sociedade, conhecida como Companhia Inglesa, constituída por Charles Mangles, John Chapman, Robert Netman e George Towsend; a sociedade formou, para este projecto, a Companhia dos Caminhos de Ferro do Sueste.[2] O contrato estipulava que os troços deveriam ser construídos em via única, mas deveriam estar, desde logo, prontos para receber via dupla, que seria implantada quando a receita bruta fosse superior a 4$800 por quilómetro; o estado financiaria a construção através de uma subvenção quilométrica de 16.000$000, ou, em alternativa, com uma garantia de juro de 7%.[10] A concessão duraria 99 anos, mas o governo podia resgatá-la ao final de 15 anos. O governo concedeu, igualmente, a isenção de impostos alfandegários sobre os materiais de construção durante a duração das obras, e sobre o material circulante até dois anos após as obras.[10] Segundo o contrato estabelecido, a ligação entre as localidades 3 localidades tinha de estar concluída em 3 anos após o início do contrato; em caso contrário, o estado assumiria a gestão da Companhia e colocaria os bens em hasta pública.[10] A Companhia pediu, no entanto, no dia 18 de Janeiro de 1860, que o prazo de 15 anos para o resgate fosse duplicado; este pedido foi apresentado nas Câmaras em 13 de Fevereiro e aceite por uma lei de 29 de Maio.[2]

Entretanto, a Companhia Nacional dos Caminhos de Ferro ao Sul do Tejo terminou a construção das linhas até Vendas Novas e Setúbal em 1 de Fevereiro de 1861[11], continuando a utilizar uma largura de via de 1,44 metros; no entanto, e conforme acordado com o governo, a Companhia do Sueste já tinha começado a construir a linha entre Vendas Novas, Beja e Évora em bitola ibérica, o que impedia a continuidade das composições em ambos os sentidos, forçando ao transbordo de passageiros e as mercadorias.[2]

Consciente deste problema, o governo apresentou ao Parlamento, em 5 de Agosto, uma proposta para adquirir a Companhia ao Sul do Tejo, de modo a abrir uma nova concessão para a sua gestão, e, assim, poder converter a via nas linhas desta empresa; este plano é aprovado, após acesa discussão, em 10 de Setembro desse ano, tendo a gestão da empresa sido feita pelo governo até 15 de Maio do ano seguinte[1], quando a Companhia dos Caminhos de Ferro de Sueste adquiriu a sua congénere do Sul do Tejo.[12]

Ligação a Beja e ÉvoraEditar

 
Postal datado de 1919, com a estação original de Beja ao fundo.

O caminho de ferro chegou a Évora em 14 de Setembro de 1863, e ligação a Beja foi estabelecida em 15 de Fevereiro de 1864[2][2], passando a linha entre o Barreiro e esta cidade a denominar-se Caminho de Ferro de Beja; a exploração deste novo troço trouxe à sua construtora um elevado rendimento, e, além disso, também foi utilizado no transporte de materiais de Lisboa para Espanha, para a construção de um caminho de ferro.[10] Posteriormente, no entanto, este serviço passou a ser assegurado pela Linha do Leste, depois desta estar concluída.[10]

Em 21 de Abril de 1864, foi assinado um contrato provisório, tendo o governo trespassado a gestão das linhas e do material circulante da antiga Companhia Nacional de Caminhos de Ferro ao Sul do Tejo para a Companhia do Sueste, por uma soma de 1.008.000$000 réis.[2] Este documento estipulava que, em quatro anos, se devia uniformizar as bitolas de via nos troços entre o Barreiro e Vendas Novas e no Ramal de Setúbal, construir gares marítimas para passageiros e mercadorias em Lisboa e no Barreiro, mais as respectivas embarcações, e gerir os serviços fluviais entre estas localidades, construir uma linha que ligasse Évora à estação do Crato, na Linha do Leste, passando por Estremoz, ligando, assim, por via ferroviária, o Norte e Sul do país, construir uma linha de Beja até à fronteira, na direcção de Sevilha, passando por Quintos e Serpa; em cinco anos, deveria ser completada a ligação entre Beja e o litoral do Algarve[13], sendo estes projectos financiados por uma subvenção quilométrica de 18.000$000.[2] Em dois anos, a Companhia devia construir uma estação no Pinhal Novo.[14] O projecto do troço entre Évora e a Linha do Leste, em especial, deteve uma maior prioridade, devido ao elevado número de minas e à reduzida quantidade de vias rodoviárias nesta região, além desta ligação possibilitar um contacto directo com Espanha e França.[15] O contrato foi aprovado pelas Cortes em 30 de Abril, e oficializado por uma lei de 23 de Maio, tendo-se tornado efectivo em 11 de Junho.[2] Devido à alteração de bitolas, foi necessário modificar o material circulante que utilizava o antigo formato, que era composto por 6 locomotivas, 18 carruagens (sendo uma o Salão Real), 4 vagões cobertos, 1 vagão para pólvora, 2 carros de freios, 2 carros para cavalos, e 2 guindastes móveis.[14]

A Companhia solicitou, posteriormente, que o sistema de subvenção quilométrica fosse substituído pela garantia de um mínimo quilométrico bruto, pagando, dessa forma, 1.008.000$000, ou seja, o valor das antigas linhas da Companhia ao Sul do Tejo, e devolvendo 1.970.688$000 em subvenções já recebidas; a Companhia prescindiria, igualmente, do direito de receber as futuras subvenções para a construção das linhas projectadas.[2] O estado concordou com estas condições, tendo estabelecido uma garantia, com a duração de 50 anos, do produto bruto quilométrico de 3.000$000 ou 3.600$000, a conceder imediatamente, ou após as linhas estarem construídas; o contrato foi lavrado em 14 de Outubro de 1865 e proposto por uma lei de 7 de Novembro, tendo sido aprovado em 25 de Janeiro do ano seguinte.[2]

No entanto, vários problemas fizeram com que o produto quilométrico não passasse dos 1.600$000, e a Companhia não conseguiu pagar a primeira prestação até ao dia 10 de Maio de 1866, pelo que o contracto foi anulado em 23 de Maio; apelou, então, ao Tribunal Arbitral, segundo as condições do contrato, mas sem sucesso, tendo um decreto de 4 de Abril de 1867 colocado em hasta pública as linhas construídas, e que se encontravam em obras. No entanto, o concurso, realizado em 7 de Outubro, não teve participantes, pelo que foi feito um inventário da Companhia, e o estado tomou posse das linhas, embora a empresa continuasse a sua exploração, conforme estipulado por um decreto de 10 de Março e uma portaria de 24 de Outubro de 1867.[2]

Troço entre Beja e FaroEditar

 Ver artigo principal: Linha do Algarve

Em 1858, mesmo antes de ser construída a ligação até Beja, foi discutida a forma como se deveria efectuar a ligação entre esta localidade e Faro; foram propostos dois projectos, um passando por Mértola e Vila Real de Santo António, e o outro por São Martinho das Amoreiras, Santa Clara-a-Velha, Sabóia, Vale da Mata e São Bartolomeu de Messines.[16] O primeiro evitava uma morosa e dispendiosa passagem pelas serras algarvias, transitava mais próximo da Mina de São Domingos, e permitia uma futura ligação a Espanha; o traçado alternativo ficava mais próximo das minas de Neves-Corvo e de Aljustrel.[16] A primeira proposta foi abandonada, devido à oposição de Espanha em relação a uma ligação internacional, e por não passar junto à Mina de Aljustrel.[17]

No dia 21 de Abril de 1864, é assinado um contrato entre o estado e a Companhia dos Caminhos de Ferro do Sueste e Sul do Tejo para o prolongamento do Caminho de Ferro de Beja até ao litoral do Algarve.[9] Uma carta de lei, datada de 25 de Janeiro de 1866, estabeleceu que o caminho de ferro deveria terminar em Faro, e que deveria estar concluído até 1 de Janeiro de 1869.[18]

No entanto, a continuação do caminho de ferro até ao Algarve foi, inicialmente, posta em causa, devido à falta de entendimento entre os delegados sobre o projecto, e o facto doutras ligações deterem mais prioridade devido à sua importância, em especial as Linhas do Minho, Beira Alta e Douro.[19] Mesmo assim, as obras continuaram, tendo o caminho de ferro chegado a Casével, no Concelho de Castro Verde, em 20 de Dezembro de 1870.[2] A estação de Casével era, antes da continuação do caminho de ferro para o Algarve, utilizada pelas populações algarvias para a deslocação a Lisboa; O trajecto envolvia o uso do transporte rodoviário até Vila Real de Santo António, seguindo-se a subida do Rio Guadiana de barco, e uma nova deslocação por terra entre Mértola e Casével.[20]

No dia 18 de Setembro de 1865, ocorreu um incidente entre Beja e Casével, quando, devido a sabotagem na via, uma composição é obrigada a parar de emergência; os trabalhadores precipitaram-se da composição, fazendo 3 mortos e 2 feridos graves.[21]

Os vários concursos levados a cabo, entre 1873 e 1883, não conseguiram atrair concorrentes, devido aos insucessos anteriores, que reduzia a confiança no lucro resultante deste investimento, e à relativa inexperiência que existia neste tipo de projectos em Portugal; assim, ficou desde logo assente que a continuação da linha teria de ser efectuada pelo estado, o que foi autorizado por uma lei de 29 de Março de 1883 e por um decreto de 17 de Setembro do mesmo ano.[2] A 1 de Julho de 1875, é publicada uma portaria, destacando o engenheiro Nuno Augusto de Brito Taborda, director do Caminho de Ferro do Sueste, de elaborar o projecto definitivo para o Caminho de Ferro do Algarve, e encarregando o estado de construir esta ligação[9]; entre finais desse ano e Dezembro de 1876, os trabalhos atrasaram-se devido a chuvas intensas, e devido ao facto dos trabalhadores irem trabalhar nas sementeiras.[22] O concurso para este caminho de ferro é aberto pelo governo em 26 de Janeiro de 1876[9], e, nos finais deste ano, a via entre Faro e São Bartolomeu de Messines já se encontrava assente, faltando apenas concluir a via entre esta estação e Casével.[22]

A linha entre Casével e Faro foi construída em vários troços independentes, de forma a criar trabalho para os habitantes das regiões, como forma de aliviar a fome que grassava nessa altura.[23] O lanço entre Casével e Amoreiras-Odemira foi aberto à exploração em 3 de Junho de 1888, e a 1 de Julho de 1889 entrou ao serviço a linha entre Amoreiras e Faro.[2]

Século XXEditar

Décadas de 1900 e 1910Editar

 
Plano da rede portuguesa ao Sul do Tejo, de 1902.

O Plano da Rêde ao Sul do Tejo, documento de 15 de Maio de 1899 que redefiniu as linhas já concluídas e os troços em construção ou em planeamento, incluía o Caminho de Ferro do Sul, com o nome de Linha de Cacilhas a Vila Real de Santo António; em 1902, este troço já era denominado de Linha do Sul, devido ao seu carácter meridional.[3] Nesse ano, o aumento de tráfego na rede ao Sul do Tejo incentivou à compra de 6 locomotivas do tipo Compound à empresa alemã Borsig.[24] A Direcção de Sul e Sueste possuía, naquele ano, 48 locomotivas, que se subdividiam em 5 agrupamentos; o primeiro incluía apenas a locomotiva D. Luiz, que servia apenas para serviços especiais, o segundo grupo reunia 6 máquinas de 1862 que eram muito utilizadas no Ramal de Setúbal, o terceiro agrupava 3 locomotivas-tender de 1865 destinadas a manobras e serviços esporádicos de mercadorias, o quarto, 18 locomotivas adquiridas entre 1885 e 1895, e o quinto, 20 máquinas para composições de mercadorias, compradas entre 1863 e 1902.[24] O transporte de passageiros na Linha do Sul, nesse ano, era assegurado por serviços rápidos e de baixo peso entre Setúbal e Barreiro, 4 composições mistas de passageiros, recovagens e correio que ligavam o Barreiro a Beja e Faro, e comboios mistos entre a capital Algarvia e Casa Branca.[24] Os dois serviços entre o Barreiro e Faro, de carácter nocturno, detinham uma maior importância devido ao facto das recovagens transportadas a partir do Algarve serem quase todas destinadas ao Barreiro, e daí para Lisboa.[24]

Em 1911, foram introduzidos os serviços de ambulâncias postais, que seriam retirados em 1972.[25]

 
Nova estação de Beja, inaugurada em 1940.

Década de 1940Editar

Em 20 de Junho de 1940, abriu à exploração o troço entre o Barreiro-A e Lavradio.[26]

Foi nos anos 40 que se iniciou a construção da variante de Beja, uma alteração no traçado da via férrea entre Beja e Santa Vitória-Ervidel, tendo o novo lanço uma extensão de 15700 m.[27] Esta obra iria facilitar a circulação naquele lanço, porque iria encurtar a distância entre as duas estações em cerca de um quilómetro, além que eliminaria a necessidade das locomotivas reverterem a sua marcha em Beja.[27] No entanto, devido à crise dos caminhos de ferro em Portugal, causada pelo desenvolvimento da rede rodoviária, as obras foram muito limitadas, pelo que em 1948 apenas tinham sido concluídos cerca de 2000 m de via.[27] Também nesse ano, foram feitas obras de remodelação na via férrea entre Torre da Gadanha e Beja.[27]

Décadas de 1950 e 1960Editar

Quando se esteve a planear a Ponte 25 de Abril, entre as décadas de 1950 e 1960, estava previsto que no tabuleiro inferior seriam instaladas duas vias ferroviárias, de forma a unir as redes a Norte e Sul do Rio Tejo; numa primeira fase, este ramal deveria ligar-se à Linha do Alentejo por uma concordância dupla, com entroncamento nas estações de Alhos Vedros e Moita.[28] A primeira fase contemplava, igualmente, a construção de um ramal de Almada até à Caparica, que posteriormente seria prolongado até à Linha do Sul em Setúbal.[28]

Década de 1970Editar

Em 1971, entrou ao serviço o novo lanço entre Beja e Santa Vitória - Ervidel.[29]

Década de 1990Editar

O Decreto-Lei 140/92, de 20 de Junho de 1992, alterou profundamente a organização das ligações ferroviárias no Sul de Portugal; com efeito, este diploma estabeleceu que a Linha do Sul deveria começar no quilómetro 10,5 da Linha de Cintura e terminar em Tunes, passando pelo Pinhal Novo e Setúbal, e criou oficialmente a Linha do Alentejo, que principiaria na Estação do Barreiro, e teria o seu término na Funcheira, passando pelo Pinhal Novo e por Vendas Novas.[4] O troço entre Vila Real de Santo António e Lagos passou a denominar-se de Linha do Algarve.[4]

Século XXIEditar

Eletrificação entre Barreiro e Pinhal Novo (2008)Editar

 
Uma automotora diesel no Barreiro, na véspera da inauguração da eletrificação entre Barreiro e Pinhal Novo, 13 de dezembro de 2008.

Desde finais da década de 1990 que era prometida a eletrificação do troço da Linha do Alentejo entre Barreiro e Pinhal Novo.[30] Em junho de 2004, com a abertura do último troço do lanço Lisboa–Pinhal Novo da Linha do Sul (lanço eletrificado que inclui a Ponte 25 de Abril) e da entrada ao serviço da eletrificação do resto da Linha do Sul entre Pinhal Novo e Faro,[31][32] o troço Barreiro–Pinhal Novo passou a ser a única ferrovia da Península de Setúbal que não estava eletrificada.[33] Com efeito, em meados da década de 2000, os comboios suburbanos BarreiroPinhal NovoSetúbalPraias do Sado eram os únicos da rede de suburbanos de Lisboa que eram assegurados por automotoras a diesel. Apesar disso, estes comboios percorriam um troço eletrificado: o troço entre Pinhal Novo e Praias do Sado (que faz parte da Linha do Sul) ficou totalmente eletrificado em 2004;[nota 1] parte deste troço também era percorrido pelos comboios elétricos da Fertagus que faziam a ligação entre Lisboa, Pinhal Novo e Setúbal.[37]

Em novembro de 2006, o Ministro das Obras Públicas Mário Lino anunciou que o troço Barreiro–Pinhal Novo iria sofrer obras de modernização que incluíam a eletrificação, instalação de um novo sistema de telecomunicações, supressão de passagens de nível e requalificação de estações e apeadeiros.[38] Estava projetado que estas obras estariam concluídas no segundo semestre de 2008.[38] A Rede Ferroviária Nacional adjudicou a obra de modernização e eletrificação deste troço a um consórcio formado pelas empresas Construtora Abrantina e Lena.[39] A obra, que custaria 19 milhões de euros, incluía a construção de uma nova estação ferroviária no Barreiro.[39] As obras iniciaram-se em abril de 2008.[40] Foi instalada sinalização eletrónica e o sistema de controlo de velocidade CONVEL.[39] Foi construída uma nova estação ferroviária no Barreiro; a nova estação localizava-se a sul da estação até então existente, e num local mais próximo do terminal fluvial.[39] Entre Barreiro-A e Lavradio foi construída uma passagem superior para peões.[40] Nas estações e apeadeiros foram prolongadas as plataformas e aumentada a sua altura.[39] O aspeto mais controverso da obra foi a demolição dos históricos edifícios das estações de Alhos Vedros e Moita, que levaram a protestos das populações e autarquias.[41][42] No entanto, a REFER acabou mesmo por demolir os edifícios das estações em finais de maio de 2008, ações condenadas na região.[43][44] A eletrificação do troço Barreiro–Pinhal Novo foi inaugurada em 14 de dezembro de 2008,[30] numa cerimónia onde esteve presente o Primeiro-Ministro José Sócrates.[45] No entanto, na altura ainda faltavam concluir algumas obras de requalificação de estações e apeaderios, obras que a REFER previa estarem concluídas no 2.º trimestre de 2009.[39] Com inauguração da eletrificação, a empresa CP colocou automotoras das séries 2300 e 2400 (iguais às que eram usadas na Linha de Sintra) a fazer a ligação entre Barreiro, Pinhal Novo, Setúbal e Praias do Sado.[30] O tempo de viagem entre Barreiro e Setúbal foi reduzido de 48 para 30 minutos.[30] A CP reforçou a oferta de comboios, passando a providenciar um comboio a cada 30 minutos na hora de ponta e a cada hora durante o resto do dia, num total de 27 circulações por sentido entre as 05:55h e as 00:30h.[30] Foram também melhoradas as ligações com os barcos da Soflusa, que ligam o Barreiro à Baixa de Lisboa.[30] Com efeito, uma viagem entre Setúbal e a Baixa de Lisboa via Barreiro (por comboio da CP e barco) passou a demorar 1 hora, sensivelmente o mesmo tempo que o necessário para uma viagem via Ponte 25 de Abril, ou seja, de comboio da Fertagus até à estação lisboeta de Entrecampos e daí de metro até à Baixa de Lisboa.[30] O preço da viagem via Barreiro era mais barato.[30] Em todo o caso, para as viagens de longo curso, a CP não melhorou as ligações a partir do Barreiro; por exemplo, uma viagem entre Barreiro e Grândola demorava em 2008 mais 12 minutos que no final da década de 1980.[30]

Suspensão da circulação ferroviária (2010–11)Editar

A circulação ferroviária foi encerrada entre Beja e Lisboa a 10 de Maio de 2010, de forma a proceder a obras de renovação, tendo sido prevista a disponibilização de transportes alternativos[46][47]; esta interrupção, que deverá durar aproximadamente um ano, estava prevista para se iniciar a 3 de Maio[48], mas foi atrasada por ordem do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, devido à falta de informação sobre alternativas de transporte por parte da Rede Ferroviária Nacional, entidade responsável pela obra.[49] Estas obras de renovação, que irão contemplar a electrificação e renovação das vias, construção de passagens desniveladas e beneficiação de estações, vão ser levadas a cabo nos troços entre Bombel, Vidigal, Casa Branca e Évora, totalizando aproximadamente 32 quilómetros; o valor deste investimento supera os 48 milhões de euros.[49] O objectivo desta intervenção era aumentar a competitividade da Linha do Alentejo para o transporte de mercadorias, segmento no qual, como confirmou o secretário de Estado dos Transportes, Correia da Fonseca, esta ligação detinha uma importância estratégica.[50]

Esta intervenção foi criticada pelo Executivo da Direcção Regional do Alentejo do Partido Comunista Português, que denunciou a forma como a Rede Ferroviária Nacional e o operador Comboios de Portugal conduziram o processo, e considerou questionável o facto desta medida ser necessária para as obras de modernização.[51] Por outro lado, os passageiros mostraram-se descontentes com os serviços alternativos, assegurados por autocarros, criticando os horários e o conforto; isto reflectiu-se numa queda no número de utentes.[52]

A suspensão da circulação dos serviços Regionais entre Beja e Évora estava prevista para 14 de Junho do mesmo ano[50], mas, devido à pressão dos autarcas locais, a operadora Comboios de Portugal decidiu manter os serviços entre Beja e Casa Branca.[53] Em Outubro, a empresa garantiu, numa reunião com várias autarcas, que os serviços Intercidades entre Lisboa e Beja iriam voltar a circular em Maio de 2011, com mais duas paragens, em Alcáçovas e Alvito.[54] Nesse mês, uma automotora colidiu com um veículo pesado de mercadorias numa passagem de nível, junto à localidade de São Matias, provocando 3 feridos ligeiros.[55]

 
Alterações previstas com a entrada em funcionamento da Terceira Travessia do Tejo, em 2013.

Em Janeiro de 2011, efectuou-se uma recolha assinaturas no centro de Beja, para reivindicar a continuidade da ligação ferroviária directa entre aquela cidade e Lisboa, a electrificação da linha até Casa Branca, e a manutenção das ligações com o Algarve, pela Funcheira.[56] No dia 26 do mesmo mês, três indivíduos simularam um assalto à Estação de Beja, para protestar contra o fim da ligação directa a Lisboa, numa acção promovida pela Associação de Defesa do Património de Beja.[57] No âmbito desta situação, foi realizada uma sessão extraordinária da Assembleia Municipal, e o deputado Luís Rodrigues, do Partido Social Democrata, afirmou que iria questionar o governo sobre a remodelação e electrificação do troço até Beja, depois da Rede Ferroviária Nacional ter declarado que não tinha planeado essa intervenção[58], e recordou que este projecto tinha sido confirmado por responsáveis do Partido Socialista.[59]

Nos inícios de Fevereiro, estava prevista, para o dia 15 do mesmo mês, a entrega de uma petição ao Presidente da Assembleia da República, a requerer a modernização do troço até Beja da Linha do Alentejo, e a continuação dos comboios directos entre aquela localidade e Lisboa.[60]

As obras de modernização no troço entre Bombel e Évora, que deviam ser concluídas em Maio, foram atrasadas pelo mau tempo que se fez sentir desde o mês de Outubro de 2010, e que durou vários meses.[61] Assim, Só em 24 de Julho é que se voltaram a realizar os comboios directos entre Lisboa e Beja, após cerca de 2 anos de interrupção.[62]

O projecto da Terceira Travessia do Tejo, uma infra-estrutura planeada que irá unir as margens Sul e Norte do Rio Tejo por via ferroviária, incluindo a ligação ferroviária de Alta Velocidade Lisboa - Madrid, implicará várias alterações físicas na Linha do Alentejo, por forma a permitir a sua junção directa com a Linha de Alta Velocidade.

Supressão dos serviços regionais (2012)Editar

A operadora Comboios de Portugal extinguiu todos os serviços regionais entre Beja e Funcheira em 1 de Janeiro de 2012, devido à reduzida sustentabilidade económica neste troço, motivada pela baixa procura.[63]

Ver tambémEditar

Notas

  1. O troço entre Pinhal Novo, Setúbal e Setúbal-Mar foi eletrificado em 2004.[34][35] O troço entre Setúbal Mar, Praias do Sado e a concordância do Poceirão já estava eletrificado antes de 2004.[36]

Referências

  1. a b c SANTOS, 1995:109
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u TORRES, Carlos Manitto (1 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1683). p. 75-77. Consultado em 5 de Outubro de 2016 
  3. a b SOUSA, José Fernando de (1 de Dezembro de 1902). «A Rêde Ferro-viária ao Sul do Tejo» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (359). p. 354-356 
  4. a b c PORTUGAL. Decreto-Lei n.º 116/92, de 20 de Junho de 1992. Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, publicado na Série I-A do Diário da República n.º 140, de 20 de Junho de 1992.
  5. a b c d e f SANTOS, 1995:107
  6. a b MARTINS et al, 1996:50
  7. VIEGAS, 1988:26
  8. a b SANTOS, p. 108
  9. a b c d MARTINS et al, 1996:242
  10. a b c d e f SANTOS, 1995:110-111
  11. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. pp. 528–530. Consultado em 4 de Fevereiro de 2014 
  12. SANTOS, 1995:112
  13. SANTOS, 1995:112-113
  14. a b SANTOS, 1995:113
  15. SANTOS, 1995:119-120
  16. a b SANTOS, 1995:120-121
  17. Santos, 1995:123-124
  18. SANTOS, 1995:125
  19. SANTOS, 1995:115-118
  20. MARQUES, 1999:385
  21. SANTOS, 1995:130
  22. a b SANTOS, 1995:132
  23. MARQUES, 1999:390
  24. a b c d SOUSA, José Fernando de (1 de Abril de 1903). «As Novas Locomotivas das Linhas do Sul e Sueste» (PDF). gazeta dos Caminhos de Ferro. 16 (367). p. 99-102 
  25. MARTINS et al, 1996:54
  26. TORRES, Carlos (16 de Março de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 71 (1686). p. 133-140. Consultado em 5 de Outubro de 2016 
  27. a b c d GALO, Jaime (1 de Janeiro de 1949). «Balanço ferroviário de 1948» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 60 (1465). p. 6-8. Consultado em 13 de Junho de 2019 
  28. a b TIJERAS, Eduardo (1 de Novembro de 1965). «El gran puente de Lisboa sobre el Tajo». Via Libre. Ano 2 (23). Madrid: Red Nacional de Ferrocarriles Españoles. p. 25-27 
  29. «Portugal Railways - Passenger Stations & Stops» (PDF) (em inglês). Jim Fergusson's Railway and Tramway Station Lists. Junho de 2001. Consultado em 13 de Junho de 2019 
  30. a b c d e f g h i Cipriano, Carlos (13 de dezembro de 2008). «Comboio eléctrico chega ao Barreiro e à Linha do Sado». Público. Consultado em 16 de maio de 2019 
  31. Cipriano, Carlos (29 de maio de 2004). «CP encurta distâncias com mais e melhores comboios desde o Minho ao Algarve». Público. Consultado em 16 de maio de 2019 
  32. Lavrador, Filipe (6 de junho de 2014). «O Diesel silenciou-se. No Barreiro há 10 anos.». Terminal Intermodal. Consultado em 16 de maio de 2019 
  33. Network Statement 2007 (PDF) (Relatório) (em inglês). REFER. 14 de dezembro de 2006. Consultado em 16 de maio de 2019 
  34. Cipriano, Carlos (19 de maio de 2004). «Governo falha comboios para Setúbal durante o Euro 2004». Público. Consultado em 16 de maio de 2019 
  35. «Obras - catenária» (PDF). Promorail. Consultado em 16 de maio de 2019 
  36. Directório da Rede Ferroviária Portuguesa 2004 (PDF) (Relatório) (em inglês). REFER. 2003. Consultado em 16 de maio de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 28 de fevereiro de 2004 
  37. «Fertagus inaugura quarta-feira ligação ferroviária entre Setúbal e Lisboa». Público. 4 de outubro de 2004. Consultado em 16 de maio de 2019 
  38. a b «Ministro dos Transportes anuncia melhorias na linha ferroviária do Sado». Público. 2 de novembro de 2006. Consultado em 16 de maio de 2019 
  39. a b c d e f «Electrificação e modernização do troço Barreiro-Pinhal Novo da Linha do Sado – novo serviço» (PDF). REFER. 14 de dezembro de 2008. Consultado em 16 de maio de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 26 de setembro de 2009 
  40. a b «Lena e Abrantina modernizam estações da REFER». AECOPS. 7 de agosto de 2008. Consultado em 16 de maio de 2019. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2008 
  41. «Cerca de 100 pessoas manifestam-se contra demolição de estação na Moita». Público. 29 de maio de 2008. Consultado em 16 de maio de 2019 
  42. Aldegalega, Cláudia (29 de maio de 2008). «Moita condena demolição da estação ferroviária». Público. Consultado em 16 de maio de 2019 
  43. «Estação de caminho-de-ferro da Moita demolida sem conhecimento da Câmara Municipal». Município da Moita. 29 de maio de 2008. Consultado em 16 de maio de 2019 
  44. «"Vila foi vítima de um atentado contra a sua memória e valores culturais». Rostos. 2 de junho de 2008. Consultado em 16 de maio de 2019 
  45. «José Sócrates no Barreiro Inaugura electrificação do troço Barreiro – Pinhal Novo». Rostos. 14 de dezembro de 2008. Consultado em 16 de maio de 2019 
  46. «Linha do Alentejo/Linha de Évora». Rede Ferroviária Nacional. 7 de Maio de 2010. Consultado em 10 de Maio de 2010 [ligação inativa] 
  47. «Comboios para o Alentejo vão parar um ano, diz jornal». Diário Digital. 6 de Maio de 2010. Consultado em 2 de Abril de 2012 
  48. «Beja com comboios para Lisboa até ao próximo domingo». Rádio Pax. 4 de Maio de 2010. Consultado em 10 de Maio de 2010. Arquivado do original em 23 de abril de 2010  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  49. a b «Suspensão da Linha Ferroviária do Alentejo adiada». Correio Alentejo. 5 de Maio de 2010. Consultado em 10 de Maio de 2010 
  50. a b «Comboios: Modernização da Linha do Alentejo vai "aumentar a competitividade" do transporte de mercadorias - secretário de Estado». DianaFM. 10 de Maio de 2010. Consultado em 2 de Abril de 2012 
  51. «PCP contesta encerramento da linha ferroviária do Alentejo». Rádio Pax. 17 de Maio de 2010. Consultado em 5 de Junho de 2010. Arquivado do original em 29 de maio de 2010  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  52. MAJOR, Sérgio (30 de Maio de 2010). «Viajar para Lisboa é uma dor de cabeça». Jornal de Notícias. Consultado em 13 de Junho de 2010 
  53. RAMOS, Rosa (12 de Junho de 2010). «Os comboios já não param no Alentejo». i Online. Consultado em 13 de Junho de 2010. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2012 
  54. FREITAS, Ana Elias de (21 de Outubro de 2010). «Intercidades: A CP promete que voltam a circular em Maio de 2011». Rádio Voz da Planície. Consultado em 2 de Abril de 2012 
  55. CORREIA, Teixeira (29 de Outubro de 2010). «Parou camião na linha para abrir portão e foi apanhado por comboio». Jornal de Notícias. Consultado em 2 de Abril de 2012 
  56. PATOLA, Inês e CORREIA, Teixeira (23 de Janeiro de 2011). «BEJA: Cidadãos percorrem a cidade com petição em defesa dos comboios». Rádio Voz da Planície. Consultado em 2 de Abril de 2012 
  57. «"Assalto" à Estação Ferroviária de Beja superou expectativas». Rádio Pax. 27 de Janeiro de 2011. Consultado em 2 de Abril de 2012. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2012 
  58. «Bejenses vão "assaltar" comboio para manter Intercidades para Lisboa». Correio Alentejo. 26 de Janeiro de 2011. Consultado em 2 de Abril de 2012 
  59. «REFER sem "orientações" para electrificar linha ferroviária até Beja». Rádio Pax. 26 de Janeiro de 2011. Consultado em 2 de Abril de 2012. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2012 
  60. «Intercidades: Petição vai ser entregue na AR a 15 de Fevereiro». Rádio Voz da Planície. 4 de Fevereiro de 2011. Consultado em 2 de Abril de 2012 
  61. «Comboios: Mau tempo atrasou obras na Linha do Alentejo - REFER». Rádio Portalegre. 27 de Abril de 2011. Consultado em 2 de Abril de 2012 [ligação inativa]
  62. NORONHA, Alexandra (17 de Agosto de 2011). «Fotogaleria: O comboio voltou ao Alentejo profundo». Negócios Online. Consultado em 4 de Abril de 2012 
  63. «Ligação ferroviária Beja-Funcheira suprimida a partir de hoje». Rádio Pax. 1 de Janeiro de 2012. Consultado em 1 de Janeiro de 2012. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2012 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Linha do Alentejo

BibliografiaEditar

  • MARQUES, Maria; et al. (1999). O Algarve da Antiguidade aos Nossos Dias: Elementos para a sua História. Lisboa: Edições Colibri. 750 páginas. ISBN 972-772-064-1 
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado: O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • SANTOS, Luís (1995). Os Acessos a Faro e aos Concelhos Limítrofes na Segunda Metade do Séc. XIX. Faro: Câmara Municipal de Faro. 213 páginas 
  • VIEGAS, Francisco (1988). Comboios Portugueses: Um Guia Sentimental. Lisboa: Círculo de Editores. 185 páginas 

Leitura recomendadaEditar

  • CERVEIRA, Augusto; CASTRO, Francisco Almeida e (2006). Material e tracção: os caminhos de ferro portugueses nos anos 1940-70. Col: Para a História do Caminho de Ferro em Portugal. Volume 5. Lisboa: CP-Comboios de Portugal. 270 páginas. ISBN 989-95182-0-4