Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura as informações em ordem cronológica, veja cronologia da história de Coronel Fabriciano.
Vista parcial de Coronel Fabriciano em 1943, então distrito pertencente a Antônio Dias. Foto tirada por Diló, fotógrafo do município de Nova Era.

A história de Coronel Fabriciano, município brasileiro no interior do estado de Minas Gerais, iniciou-se no final do século XVI. Expedições seguiam pelos chamados Sertões do Rio Doce à procura de metais preciosos, no entanto o povoamento da região foi proibido no começo do século XVII, a fim de evitar contrabando do ouro extraído na região de Diamantina.

O povoamento foi liberado em 1755 e no decorrer do século XIX o fluxo de tropeiros levou à formação do povoado de Santo Antônio de Piracicaba na região do atual Melo Viana e à posterior criação do distrito em 1923.[1] Na mesma ocasião, a localidade passou a ser atendida pela EFVM e foi construída a Estação do Calado, ao redor da qual se estabeleceu o núcleo urbano que corresponde ao Centro de Fabriciano.[2] Em 1936, houve a instalação da Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira, que esteve presente até a década de 60, fortalecendo a formação de um núcleo urbano que culminou na emancipação de Coronel Fabriciano em 27 de dezembro de 1948.[3][4]

Nas décadas de 40 e 50, respectivamente, Coronel Fabriciano passou a sediar os complexos industriais da Acesita e Usiminas, que foram essenciais para o desenvolvimento da cidade.[5] Mas, com a emancipação política de Timóteo e Ipatinga, ocorrida em 1964, as empresas foram incorporadas aos respectivos municípios.[6] O crescimento populacional associado à presença das indústrias exigiu o surgimento de bairros e conjuntos habitacionais, forçando ao mesmo tempo a construção de estabelecimentos de saúde, investimentos em lazer e escolas, acentuadamente na segunda metade do século XX.[7] A manutenção da atividade siderúrgica contribuiu para a formação da Região Metropolitana do Vale do Aço, que corresponde ao segundo maior pólo urbano-industrial do estado, apesar do comércio e da prestação de serviço terem se transformado nas principais fontes econômicas em Fabriciano.[8]

Índice

Primórdios da colonizaçãoEditar

O desbravamento da região do atual município de Coronel Fabriciano tem início na segunda metade do século XVI. Expedições como a de Fernandes Tourinho, em 1572, seguiam pelos chamados Sertões do Rio Doce à procura de metais preciosos. O local se encontrava em uma via de escoamento das pedras preciosas extraídas na região central mineira, que ligava a Estrada Real em Diamantina ao Litoral do Espírito Santo, para ser exportado, no entanto o povoamento e a abertura de novas trilhas pela região do vale do rio Doce foram proibidos pela coroa portuguesa na primeira metade do século XVII, a fim de evitar o contrabando de ouro por meio do rio Doce e seus afluentes, como o Piracicaba. Com a intenção de afastar forasteiros, diziam-se ser terras com vegetação densa e animais peçonhentos, com predominância da ferocidade dos índios botocudos.[2]

O povoamento foi liberado em 1755, após Minas Gerais passar por um declínio na produção de ouro. Nesta mesma ocasião, é aberta uma estrada ligando Vila Rica (atual Ouro Preto, então capital da Província de Minas Gerais) a Cuieté, visando ao transporte do ouro extraído na região do atual município de Conselheiro Pena, cujo metal viria a se esgotar após 1780. A passagem, no entanto, continuou a ser usada após a construção de um presídio em Cuieté, que recebia condenados por delitos ao longo da Estrada Real. Associada ao fluxo do transporte pelos rios, a partir da existência dessa estrada é que surgem os primeiros focos de colonizadores no interior do vale do rio Doce.[2] Por volta de 1800, estabelece-se em área fabricianense Francisco Rodrigues Franco. Na mesma ocasião, José Assis de Vasconcelos, oriundo de Santana do Alfié, em São Domingos do Prata,[9] toma posse de terras nas proximidades do atual núcleo industrial da Usiminas.[10]

Em 1825, uma estrada foi aberta por Guido Marlière ligando Antônio Dias ao rio Santo Antônio, nas proximidades de Naque, cruzando a Serra dos Cocais por onde depois surgiria o povoado de São José dos Cocais.[7] Assim, o fluxo de tropeiros entre os povoamentos, intensificado ao longo do século XIX, que cruzavam a região vindos de Antônio Dias, Ferros, Santana do Paraíso, Mesquita e Joanésia, levou à formação de um pequeno aglomerado, mais tarde denominado Santo Antônio do Gambá, também conhecido como Santo Antônio de Piracicaba, no atual bairro Melo Viana. O firmamento de pequenos proprietários de terra implicou no desenvolvimento do povoamento em função da agropecuária.[1][11] Vindo de Leopoldina, em 11 de setembro de 1831, Francisco de Paula e Silva (conhecido por Chico Santa Maria, por ser natural de Santa Maria de Itabira) se estabelece juntamente com sua família e numerosos escravos após receber do imperador Dom Pedro II três sesmarias; Alegre, Limoeiro e Timóteo. Francisco se instalou à margem direita do rio Piracicaba, tendo iniciado a remoção da mata virgem, a fim de facilitar o comércio entre os núcleos populacionais vizinhos. Desenvolveu a agricultura na região e sua fazenda servia como ponto de parada para os viajantes.[3][10]

Pouco tempo depois, Francisco Romão — foragido da justiça em busca de refúgio — passou a ser o encarregado pelo transporte de pessoas e mercadorias através dos rios Piracicaba, Doce e Santo Antônio, interligando São Domingos do Prata, Antônio Dias, Mesquita e Joanésia.[10] Na foz do ribeirão Caladão, havia um movimento associado à presença de um pequeno porto, onde as mercadorias transportadas pela estrada embarcavam rumo às localidades vizinhas por meio do rio Piracicaba.[11] O local passou a ser conhecido como Barra do Calado, devido à disposição entre os dois cursos hidrográficos, sendo o termo "Calado" uma provável referência ao silêncio necessário para não se chamar atenção de índios escondidos naquela área, ainda no começo do século XIX.[1] Em 1919, João Teixeira Benevides trouxe de Ferros a primeira professora (sua sobrinha, Maria de Lourdes de Jesus) e doou terrenos para a construção da primeira escola, o primeiro cemitério e para a igreja de Santo Antônio de Piracicaba,[3][10] observando-se nesta ocasião um crescimento do comércio e a formação do núcleo urbano.[12] João Teixeira chegou ao arraial recém-casado com Guilhermina Ribeiro da Silva, ambos oriundos de Ferros, atraídos pelos projetos da locação da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM).[10] Raimundo Alves de Carvalho se estabeleceu em 27 de setembro de 1922, vindo de São Pedro dos Ferros, e foi o responsável pela criação da primeira farmácia.[13]

Desenvolvimento do povoadoEditar

 
Antiga Igreja de São Sebastião, construída em 1929. Foi a primeira igreja da região central da cidade.

Originalmente, a localidade fez parte da Vila de Itabira, criada em 1833 ao ser desmembrada de Caeté e elevada à condição de cidade em 1848,[14] e em 1911 o povoamento passa a pertencer a Antônio Dias.[15] Na década de 1920, após a retomada da construção da EFVM, paralisada em Belo Oriente, observa-se um desenvolvimento populacional em função do estabelecimento de trabalhadores incumbidos da obra na Barra do Calado.[4][13] Dezenas de barracas foram improvisadas para abrigo dos trabalhadores,[16] muitos dos quais nordestinos oriundos da Bahia e de Sergipe,[17] tendo ainda a presença de imigrantes. A região do bairro Manoel Domingos, por exemplo, começou a ser povoada na década de 1910, com a chegada do imigrante português Manoel Domingues (a quem o nome do atual bairro homenageia), que também teve participação na construção da via férrea. Grande parte dos moradores que povoaram aquela área nos anos seguintes era descendente de seus 28 filhos.[18] O sergipano coronel Silvino Pereira foi o responsável pela vinda de vários dos forasteiros, tendo mais tarde se tornado comerciante e político.[19]

Pela lei estadual nº 823, de 7 de setembro de 1923, é criado o distrito com a denominação de Melo Viana, tendo a sede em Santo Antônio de Piracicaba,[3] e a Estação do Calado é inaugurada em 9 de junho de 1924.[20] Anteriormente à inauguração, o terminal permaneceu quase dois anos abandonado, devido a um desvio inesperado do traçado da via férrea após cruzar o atual bairro Cariru, em Ipatinga.[16] O nome "Melo Viana" é uma referência ao ex-senador, secretário de interior e vice-presidente da república Fernando de Melo Viana[7] e a instalação do distrito ocorre em 15 de maio de 1927.[21] Manoel Camilo da Fonseca foi nomeado como primeiro juiz de paz distrital, dando posse ao seu primeiro escrivão de paz, João Batista Pereira. Os primeiros registros civis feitos foram o batismo das gêmeas Duraci de Distaneta, filhas do casal Antônio Viana, e o casamento do sírio Maron Abibi com Geralda Honrata de Souza.[13]

Ao mesmo tempo, ao redor da estação, começavam a ser levantadas as primeiras moradias do Calado, região onde se ergueu o Centro de Fabriciano. O predomínio era de pequenos barracos e somente em 1928 é que foi construída, além da estação, a primeira casa coberta com cerâmica e assoalhada; o Sobrado dos Pereira, que ainda existe na esquina da atual rua Pedro Nolasco com a Coronel Silvino Pereira, sendo também o primeiro estabelecimento comercial da cidade.[13] Também em 1928, Rotildino Avelino é eleito primeiro vereador representante do Calado, presente na localidade desde 1925 como alfaiate e comerciante, passando depois de algum tempo a proprietário de terra e produtor de carvão.[22] Na ocasião, os mortos eram sepultados no cemitério existente nas redondezas da Igreja Santo Antônio, na então sede do distrito, ou então onde hoje está situada a Praça JK, ou mesmo jogados às margens da EFVM.[13] Silvino Pereira instalou o primeiro serviço de iluminação pública, abastecido por uma espécie de usina termelétrica, fornecendo energia também a máquinas de beneficiamento de café, algodão e arroz[11] no povoado cortado pelas ruas de Cima (ex-rua Seca, atual Duque de Caxias) e de Baixo (atuais Silvino Pereira e Pedro Nolasco).[23]

Também situaram-se em território do Melo Viana as estações Pedra Mole (inaugurada em 1º de agosto de 1922) e Nossa Senhora (6 de outubro de 1945), em área do atual município de Ipatinga, e Baratinha (9 de junho de 1924), Acesita (3 de junho de 1947), Ana Matos (26 de agosto de 1925) e Sá Carvalho (26 de agosto de 1925), em Timóteo — todas já extintas e mais tarde substituídas pelas estações Intendente Câmara (em Ipatinga) e Mário Carvalho (Timóteo).[20][24][25][26] Em 1928, é instalada a Escola Rural Mista, que foi a primeira escola regular, dirigida pela professora Mariana Roque Pires.[6] A primeira igreja do Calado foi construída em 1929, dedicada a São Sebastião em honra à devoção dos residentes. Na ocasião, o comerciante Rotildino Avelino encomendou do Rio de Janeiro uma imagem do mártir, dando origem às primeiras comemorações em homenagem ao orago.[22] Em 1º de março de 1930, são realizadas as primeiras eleições, presididas por Eugênio dos Santos, tendo Getúlio Vargas (da Aliança Liberal) obtido 336 votos e Júlio Prestes (PRP) 144 votos para presidente da república.[13] Devido à distância percorrida pelo então escrivão José Zacarias da Silva Roque até o terminal ferroviário, o Cartório do Melo Viana foi transferido para o Calado em 1933, alterando-se então a sede do distrito para a região do atual Centro da cidade, que a essa altura já apresentava movimento e número de habitantes superiores.[4]

Expansão econômicaEditar

Configuração do núcleo urbanoEditar

 
Caminhão transporta madeira extraída em Coronel Fabriciano na década de 1940. Veículo Chevrolet pertencente a Antônio Pereira (Totonho).

Em fevereiro de 1936, ocorre no Calado a instalação de um escritório da Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira (atual ArcelorMittal Aços Longos), que buscava centralizar a exploração de madeira e produção de carvão da região do rio Doce com objetivo de alimentar os fornos de suas usinas em João Monlevade.[4] Foram adquiridos 300 alqueires do paulista Alberto Giovannini e a matéria prima extraída era transportada por caminhões até a estação ferroviária e então encaminhada à indústria.[23] À companhia, por intermédio do superintendente local, o engenheiro Joaquim Gomes da Silveira Neto, deve-se um grande impulso na cidade como núcleo urbano organizado, visto que várias ruas e avenidas foram abertas e executaram-se diversas construções, especialmente as primeiras casas de alvenaria. Também neste período foi construído o Hospital Siderúrgica (atual Hospital Doutor José Maria Morais), devido à grande incidência de febre amarela e outras doenças tropicais.[4][23]

Além dos embarques de madeira e carvão e desembarques de máquinas destinadas ao empreendimento industrial da Belgo, o movimento da Estação do Calado se restringia à chegada de encomendas menores e alimentos. O setor madeireiro passou a representar a principal fonte econômica ao longo da década de 30, beneficiando também a atividade comercial interna, que posteriormente começou a atrair consumidores de cidades vizinhas por meio das quatro paradas diárias de trens.[27] Pelo decreto-lei estadual nº 88, de 1938, Melo Viana passa a denominar-se Coronel Fabriciano, perdendo espaço para a criação do distrito de Timóteo em 17 de dezembro do mesmo ano.[3] Seu nome é uma homenagem a Fabriciano Felisberto Carvalho de Brito, que foi um dos políticos mais influentes de Antônio Dias, tendo recebido do então Imperador do Brasil Dom Pedro II, em 25 de agosto de 1888, o título de Tenente-coronel da Guarda Nacional para a Comarca de Piracicaba.[28] Foi um dos responsáveis pela criação da Vila de Antônio Dias (1911) e do distrito de Melo Viana (1923) por meio de seu filho, Carvalho de Brito, deputado e membro da comissão responsável pela divisão administrativa de Minas Gerais.[19]

No início da década de 1940, foi criada a Casa Giovannini, que vendia ferragens, querosene e mantimentos e foi uma das primeiras grandes lojas do distrito,[29] e ainda observa-se a vinda do Banco da Lavoura, primeira agência bancária da localidade, inaugurada por Alberto Giovannini.[30] Em 1º de outubro de 1944, tem-se a fundação oficial do Social Futebol Clube, que inicialmente se chamava Comercial, por ser composto por comerciantes. Foi a primeira equipe de futebol da cidade e um dos primeiros investimentos em lazer para a localidade que possuía então cerca de 3 500 habitantes,[31] também destacando-se a criação da Corporação Musical Nossa Senhora Auxiliadora, pela Belgo-Mineira, em 1943.[22] Cabe ressaltar o início da prática regular das manifestações religiosas católicas da missa da quarta-feira de cinzas (1939), Coroação de Maria (1939), das celebrações, teatro da Paixão de Cristo e procissões da Semana Santa (1946) e procissões e montagens dos tapetes de Corpus Christi (1946).[22]

EmancipaçãoEditar

 
Fachada da Casa São Geraldo em 2017, ocupada pela rede de lojas "Costão"; prédio onde funcionou a primeira sede da prefeitura.

Em 1944, instala-se a Acesita (atual Aperam South America), impulsionando o crescimento populacional e econômico do lugar com a vinda de mais trabalhadores e posterior necessidade de expansão dos serviços básicos.[6] Em 1947, o ex-prefeito antoniodiense Rubem Siqueira Maia estrutura uma comissão visando à emancipação do distrito, formada por coronel Silvino Pereira (trouxe nordestinos para as obras da EFVM e se tornou comerciante), Lauro Pereira (comerciante e, mais tarde, empreiteiro de carvão da Acesita), Claudiano José Soares (secretário da Belgo-Mineira), Nicanor Ataíde, Narciso Tôrres, José Anastácio Franco, Joaquim Vieira Alves (comerciantes e, pouco tempo depois, políticos), Wenceslau Martins Araújo (topógrafo e diretor da Acesita) e padre Deolindo Coelho (vigário local), tendo apoio do então deputado estadual Tancredo Neves, amigo de infância de Rubem. O artigo 5 da lei estadual nº 28, de 1947, previa que para que se ocorresse a criação de um município, o mesmo contasse com um mínimo de 10 mil habitantes. Coronel Fabriciano, no entanto, possuía cerca de 5 mil residentes à época, logo a proposta da emancipação fora rejeitada pelo governo mineiro.[19]

Por sugestão de Tancredo Neves, padre Deolindo Coelho forneceu os registros de batismos para que fossem acrescentados à quantidade de habitantes obtida pelo censo realizado precariamente pelo governo de Antônio Dias, excedendo-se assim o mínimo de 10 mil residentes e uma nova proposta de emancipação foi enviada à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) em 25 de fevereiro de 1948. Neste mesmo ano, ocorrem a vinda da primeira filial de uma grande loja, a Pernambucanas,[29] e a inauguração da Serraria Santa Helena, em 28 de junho, empreendimento que existiu até a década de 1960 e também contribuiu para o desenvolvimento estrutural e demográfico da região central fabricianense.[32] Ainda em 1948, é fundado por Rubem Siqueira Maia o primeiro jornal do então distrito: "O Progresso". O periódico trazia notícias regionais e colaborou com o fomento da força política para que ocorresse a emancipação de Coronel Fabriciano.[33]

A criação da Paróquia São Sebastião, em 15 de agosto de 1948, marca a instalação da primeira instituição religiosa do Vale do Aço.[6] Em 8 de outubro do mesmo ano, uma opinião favorável à emancipação foi emitida pela ALMG e através da lei estadual nº 336, de 27 de dezembro de 1948, decretada pelo então governador Milton Campos, Coronel Fabriciano deixa de pertencer a Antônio Dias e se emancipa, sendo instalada em 1º de janeiro de 1949 e constituída pelos distritos de Barra Alegre e Timóteo, além da sede.[3][19] O aniversário da cidade, no entanto, passa a ser comemorado em 20 de janeiro, em homenagem ao dia do padroeiro da cidade, São Sebastião. No mesmo dia da instalação foi empossado o intendente Antônio Gonçalves Gravatá, com o objetivo de estruturar a administração do governo até a realização da primeira eleição, em março do mesmo ano. Dessa forma, em 15 de março de 1949, tomaram posse o primeiro prefeito eleito Rubem Siqueira Maia, seu vice-prefeito Silvino Pereira e os vereadores Nicanor Ataíde, Lauro Pereira, Ary Barros, José Anatólio Barbosa, Wenceslau Martins Araújo, Sebastião Mendes Araújo, José Paula Viana, Raimundo Martins Fraga e José Wilson Camargo.[6]

Símbolos municipaisEditar

 Ver artigo principal: bandeira, brasão e lema de Coronel Fabriciano

Após a emancipação de Coronel Fabriciano, foram criados os símbolos municipais. Na década de 1950, foi composto pelo poeta e compositor Mozart Bicalho o hino de Coronel Fabriciano. São dessa época também a bandeira e o brasão municipais, em que está representado o lema municipal: "Deus, Pax Et Prosperitas". O termo é oriundo do latim e significa Deus, Paz e Prosperidade.[34]

Hino
Coronel Fabriciano
Terra Feliz dadivosa
Em ti não há desengano
Tu és de fato formosa >>>
Trecho do Hino de Coronel Fabriciano, composto por Mozart Bicalho.

Após a emancipaçãoEditar

Pela lei estadual nº 1.039, de 12 de dezembro de 1953, é criado o distrito de Ipatinga,[6] cujo desenvolvimento observado se deve, primeiramente, ao movimento das carvoarias da Belgo-Mineira e da Acesita e à construção da Usina Hidrelétrica de Salto Grande, situada no município de Braúnas. O material usado para as obras do complexo chegava por meio de caminhões ou pela EFVM ao então distrito, onde era armazenado e aos poucos transportado até a barragem. A localidade, com cerca de 300 habitantes e 60 casas no ano de 1958, atraiu pouca atenção da sede até o final da década de 50.[19][35] Neste período, um novo núcleo industrial estava em formação com a construção da Usiminas,[2] no entanto a emancipação de Ipatinga e Timóteo é decretada pela lei estadual nº 2.764, de 30 de dezembro de 1962 e oficializada em 29 de abril de 1964, o que incluiu os territórios das indústrias e os complexos industriais da Usiminas e Acesita passam a pertencer a estes municípios, respectivamente.[5][36]

Apesar do desmembramento, a maior parte dos trabalhadores das empresas siderúrgicas continuou a morar em Coronel Fabriciano, enquanto as receitas tributárias e a maior parte das ações sociais promovidas pelas indústrias passaram a ser destinadas apenas às cidades vizinhas, que as sediavam.[5] A partir disso, Fabriciano ficou carente de recursos e estrutura para promover as políticas públicas necessárias[36] e o crescimento urbano observado nos anos seguintes não foi acompanhado pelo desenvolvimento econômico e social que fosse capaz de suprir às necessidades da população.[37] Com a escassez de madeira e o posterior declínio da extração madeireira, o comércio passa a representar quase exclusivamente a única fonte de renda municipal a partir da década de 60.[38] A população em 1970 chegava a 41 120 habitantes, enquanto que em 1980 havia um total de 75 701 residentes, chegando a 87 439 pessoas em 1990, segundo estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).[39] Em 2003, a cidade alcança a marca de 100 mil habitantes,[40] sendo 103 694 residentes de acordo com os dados do censo demográfico de 2010.[39]

Evolução administrativaEditar

 
Bairro Floresta em 1991

Pelo mesma lei nº 1.039, de 1962, Barra Alegre passou a fazer parte de Ipatinga e é criado o distrito Senador Melo Viana,[3] região a qual observara um novo ciclo de desenvolvimento em função da atividade comercial.[12] Pretendia-se, originalmente, a emancipação de Senador Melo Viana e um projeto de lei chegou a propor a elevação da localidade à categoria de município, porém não se obteve o resultado desejado, tendo conquistado apenas a criação do distrito.[41] Na década de 1960, é observado o surgimento de bairros e conjuntos habitacionais a partir de loteamentos de áreas que anteriormente eram ocupadas por sítios ou fazendas.[7]

Cabe ressaltar que boa parte das terras fabricianenses (onde estão bairros como Giovannini, Júlia Kubitschek, São Domingos, Bom Jesus e Santa Cruz) pertencia à Arquidiocese de Mariana até meados da década de 1960.[30][42][43] O Amaro Lanari, em contraste, é um dos poucos bairros planejados da cidade, tendo sido projetado pela Usiminas para abrigar os trabalhadores desta empresa entre as décadas de 50 e 60.[7] As terras compreendidas pelos bairros Santa Terezinha, Santa Terezinha II, Aldeia do Lago, Mangueiras e Ponte Nova eram de posse do ex-prefeito Rubem Siqueira Maia, que mantinha na localidade a chamada Fazenda Santa Teresinha, loteada na década de 60.[7]

Também na década de 1960, surgiu a região do bairro Caladinho, cortada pela MG-4, antiga BR-381, que passava por dentro do perímetro urbano municipal através da Avenida Presidente Tancredo de Almeida Neves até ter este trecho municipalizado no começo de 2010, quando a extensão sob concessão federal foi transferida para fora do perímetro urbano, no interior do município de Timóteo.[44] Os bairros afastados dos primeiros núcleos habitacionais têm formações mais recentes, como Recanto Verde, São Vicente, Santa Rita e Floresta, criados na década de 80, e Caladão, Contente, Santa Inês, Sílvio Pereira I e Sílvio Pereira II, na década de 90.[7]

Situação políticaEditar

 
Edifício João Sotero Bragança, sede da Prefeitura de Coronel Fabriciano, inaugurado em 1969.

A primeira sede da prefeitura funcionou na chamada Casa São Geraldo, que está situada no Centro de Fabriciano e é ocupada por uma rede de lojas na Rua Pedro Nolasco, tendo sido construída em 1948 por Rubem Siqueira Maia. O político residiu no andar superior e alugou o imóvel ao ser eleito primeiro prefeito, em 1949, e o local servia ainda como palco de festas e eventos públicos. Em 1960, a sede do poder executivo foi transferida para o Sobrado do Armazém, situado no final da Rua Coronel Silvino Pereira, e em 1969 passou a funcionar em um prédio próprio na Praça Louis Ensch, o chamado Edifício Júlio Sotero Bragança.[22][45] A sede da Câmara Municipal de Coronel Fabriciano foi totalmente consumida por um incêndio em 1988, tendo diversas trocas de sede nos anos seguintes, funcionando em prédios alugados.[46][47]

A Comarca de Coronel Fabriciano, por sua vez, foi instalada em 3 de abril de 1955 e seu fórum existiu em um prédio alugado até 1966, quando foi transferido para o Fórum Doutor Louis Ensch, cujo nome homenageava o ex-presidente da Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira, falecido em 1959. Em 1999, o prédio foi reinaugurado e recebeu a denominação de Fórum Doutor Orlando Milanez, em honra ao primeiro promotor público da cidade e pelo fato de outros patrimônios públicos já possuírem o nome "Dr. Louis Ensch".[22] Não há registros de violência extrema na história política fabricianense, cabendo ressaltar apenas a compra de votos, inclusive com a troca de marmitas com comida entre as décadas de 1950 e 60. Mesmo com os processos de emancipação de Ipatinga e Timóteo, em 1962, não houve encarniçamento por parte das forças políticas de Fabriciano, embora que pouco havia o que se fazer diante da forte pressão por parte de políticos e empresários dos ex-distritos.[48]

 
Prédio que funcionou como sede da Câmara Municipal entre 2005 e 2012 (foto de 2010)

O Massacre de Ipatinga, no entanto, ocorrido em 7 de outubro de 1963 no então distrito que estava prestes a se emancipar, marca o auge da repressão do Estado, responsável por 55% do capital estatal da empresa — outros 5% pertenciam a empresários nacionais e 40% a japoneses —, contra a classe operária da Usiminas em busca de melhores condições trabalhistas. Nesta data, milhares de trabalhadores em greve estavam à frente dos portões da siderúrgica, despontados por uma forte revista no dia anterior, em que leite e alimentos não puderam ser levados para casa, levando a Polícia Militar armada em caminhões com metralhadoras a abrir fogo contra os operários. Estimam-se entre oito e 80 mortos e cerca de 3 mil feridos, prosseguindo-se uma rebelião de três dias, com a destruição da delegacia local, da cadeia pública e de patrimônios da empresa; situação amenizada por acordos firmados por autoridades estaduais, que negociaram reajustes salariais e a suspensão da Polícia Militar, substituída por tropas federais. Ainda assim, o golpe militar de 1964 absorveu parte das conquistas e levou à absorção de policiais envolvidos e execução e tortura de representantes dos operários.[49][50]

Anteriormente ao golpe de 1964, os partidos de maior representatividade em Coronel Fabriciano eram o Partido Social Democrático (PSD), a União Democrática Nacional (UDN) e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), destacando-se os políticos Durval Pinheiro e Rufino da Silva Neto, este tendo sido prefeito por duas vezes e deputado estadual por duas legislaturas. Ambos eram membros do PTB e foram presos políticos após o golpe militar. Silvino Pereira, Alberto Giovannini, Ari Barros, Rubem Siqueira Maia e José Riscala Albeny (PSD), Nicanor Ataíde e Lauro Pereira (UDN) também estiveram entre os políticos mais influentes da cidade entre as décadas de 50 e 70.[48] Após a década de 80, destacaram-se à frente do poder executivo, com três mandatos cada, Paulo Almir Antunes — dois como representante do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e um pelo Partido da Frente Liberal (PFL)[51][52] — e Chico Simões — do Partido dos Trabalhadores (PT).[51][53][54] Nas eleições de 2012 foi eleita a primeira prefeita, Rosângela Mendes (PT).[55] Outro fato relevante foi a manifestação de 20 de junho de 2013 que reuniu cerca de 3 mil pessoas. O movimento percorreu toda a Avenida Magalhães Pinto até o Centro da cidade, prolongando-se à região do bairro Caladinho, como parte das chamadas jornadas de junho.[56]

Crescimento logístico e econômicoEditar

 
Vista do Centro de Fabriciano a partir do Terminal Rodoviário em 1991

Inicialmente, o transporte coletivo pelo interior do município era de responsabilidade das viações Açofino e Silvânia. Ambas mantinham a linha Fabriciano–Acesita, ligando a cidade ao núcleo industrial da empresa, enquanto que o transporte disponibilizado pela Usiminas para a locomoção de seus trabalhadores era primeiramente precário e irregular, feito através de caminhões pau de arara, sendo acomodado depois de algum tempo.[57] A atual Rua Pedro Nolasco, que já representava o principal centro comercial da cidade, favorecida pelas paradas de trens de passageiros da EFVM que traziam todos os dias centenas de consumidores de outras cidades, estabeleceu-se também como principal parada dos ônibus do transporte coletivo urbano e interurbano. Na década de 1950, surgiram os primeiros serviços de táxi, muitos dos quais transportavam diretores da Acesita e se concentravam em pontos próximos à estação ferroviária.[58]

Em meados da década de 1960, foram criadas as viações Acaiaca e São Roque, que passam a ser as responsáveis pelo transporte entre as regiões central, do Melo Viana e do Caladinho,[59][60] e Sayonara, que ligava Fabriciano a Ipatinga e Timóteo,[58] sendo a São Roque substituída pela Múltipla[61] e posteriormente, poucos anos mais tarde, pela Autotrans em agosto de 2008.[62] A Sayonara, que pertencia ao ex-prefeito Mariano Pires Pontes, foi incorporada à Viação Águia Branca em 1970[63] e deu origem à Univale em 1991, interligando os municípios do Vale do Aço.[58][64]

Até a construção da MG-4, na década de 50, mais tarde anexada à BR-381, o acesso a João Monlevade era feito por uma estrada de chão batido que passava por Dionísio, em um total de 100 km de comprimento, contra 60 km depois da abertura da rodovia.[57] Cabe ressaltar que a chamada ponte sobre o rio Piracicaba, que foi construída em 1947 e pertenceu à BR-381, foi por muito tempo a única ligação à vizinha Timóteo. Em 2005, foi inaugurada a Ponte Mariano Pires Pontes, ligando o Centro de Fabriciano ao município vizinho.[65] O aumento da frota automobilística implicou na necessidade de criação de vias e no aumento da disponibilidade de estacionamentos,[66] com destaque para a estruturação da Avenida Governador José de Magalhães Pinto, ligando o Centro de Fabriciano aos bairros do distrito Senador Melo Viana.[67] Na década de 1950, é construído o primeiro terminal rodoviário da cidade, situado no bairro Giovannini, em área doada por Alberto Giovannini.[30] Com o crescente desenvolvimento comercial e populacional do Centro, foi necessário o deslocamento da Estrada de Ferro Vitória a Minas da área e a Estação do Calado foi fechada no dia 29 de janeiro de 1979 e demolida alguns anos mais tarde. No local, foi inaugurado em setembro de 1988 o novo Terminal Rodoviário[68] e a integração do terminal urbano, que foi transferida para outro local no Centro para dar lugar à Praça da Estação, em 2008.[69]

 
Lojas no antigo terminal rodoviário, a chamada Rodoviária Velha.

Em 1958, ocorreu a criação da Associação Comercial, Industrial e de Prestação de Serviços de Coronel Fabriciano (ACICEL) e, em complemento à atuação da mesma, foi criada a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) em 1963.[70] A efervescência do comércio na região central culminou, a partir da década de 90, no esgotamento de lotes e imóveis à venda e na posterior supervalorização imobiliária em bairros ao redor, como Santa Helena, Professores e Todos os Santos. Consequentemente, os investidores comerciais e residenciais migraram cada vez para os bairros do distrito Senador Melo Viana, que passou a apresentar taxas de crescimento superiores às do distrito-sede.[71] Notou-se a partir de então um considerável aquecimento da atividade comercial nos bairros do interior da cidade.[72]

Em 1995, tem-se a instalação das primeiras empresas no Distrito Industrial, na região do bairro Belvedere, composto inicialmente por cerca de 40 empresas de diferentes ramos e uma área total de 182 970 m², sendo reestruturado mais tarde pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig).[73] Ao começo do século XXI, a descoberta de pedras preciosas e semipreciosas, como água-marinha, turmalina, quartzo, topázio, granada e grafite, fez cogitar o encetamento e a legalização da extração mineral no município.[74] Com o intenso crescimento da região, tornaram-se inefetivas as fronteiras políticas entre os municípios, formando-se em 1998 o Vale do Aço, que foi elevado à categoria de região metropolitana em 12 de janeiro de 2006 e envolve Coronel Fabriciano e as cidades de Ipatinga, Santana do Paraíso e Timóteo, além dos outros 24 municípios que fazem parte do chamado colar metropolitano.[8] A manutenção da atividade siderúrgica contribuiu para a criação da região metropolitana, que corresponde a um dos principais polos urbanos do estado, apesar do comércio e da prestação de serviços se manterem como principais fontes econômicas em Fabriciano.[8]

Na década de 2010, a cidade passou a enfrentar um imbróglio com o bloqueio da ponte velha sobre o rio Piracicaba, na divisa com Timóteo. Em 8 de novembro de 2012, a ponte foi interditada após o DNIT constatar tricas na fundação de um dos pilares. A pista foi liberada para veículos leves em abril de 2013, porém blocos de concreto foram colocados nas cabeceiras e no centro para impedir a passagem de caminhões e ônibus.[75] Desde então começaram a ser especuladas reformas ou mesmo sua reconstrução, mas somente em dezembro de 2017, após duas licitações fracassadas, uma proposta de reconstrução venceu a licitação[76] e em janeiro de 2019 foram iniciadas as reformas.[77]

Infraestrutura básica e comunicaçõesEditar

 
Alagamento em rua do bairro Santa Terezinha, em decorrência de uma chuva forte, em janeiro de 2013.

Conforme já citado, o crescimento populacional desenfreado e contrastado pelo desmembramento das áreas dos núcleos industriais da Aperam South America (antiga Acesita) e Usiminas, que eram responsáveis pelo recebimento de receitas de impostos e ações sociais promovidas, culminou em um crescimento urbano do município não foi acompanhado pelo desenvolvimento econômico e social que fosse capaz de suprir às necessidades da população.[37] Entre o final da década de 60 e começo da década de 70, observa-se a ocupação do chamado Morro do Carmo, após a distribuição de lotes à população sem avaliações ou critérios técnicos pelo então prefeito Rufino da Silva Neto, culminando na formação de um dos aglomerados subnormais mais populosos da cidade.[78][79]

Segundo estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2010, 19,7% da população vivia em favelas, aproximadamente 21 mil habitantes, sendo a maior parcela de habitantes vivendo em aglomerados subnormais dentre os municípios mineiros.[79] Na estação das chuvas, devido às precipitações intensas, tornaram-se comuns deslizamentos de terra nos morros e enchentes às margens dos cursos hidrográficos em áreas como a Prainha, no Centro de Fabriciano, e em partes baixas dos bairros Mangueiras e Manoel Domingos.[80][81][82] Tragédias como as enchentes de 1979, que deixaram boa parte do perímetro urbano alagada devido à cheia do rio Piracicaba,[83][84] os temporais de 15 de dezembro de 2005, que provocaram enchentes e deslizamentos de terra por toda a cidade e a deixaram em estado de calamidade pública,[85] e as chuvas de 2013, com enchentes e enxurradas às margens do ribeirão Caladão e deslizamentos de terra que desalojaram dezenas de pessoas e deixaram bairros e ruas inteiras cobertas de lama,[86][87] mostram que a cidade ainda está sujeita aos relentos da natureza.[88]

Na maior parte dos bairros, o asfaltamento de vias e estruturação de calçadas foi feito no decorrer das décadas de 1980 e 90. À medida que o crescimento urbano e populacional vinha ocorrendo, fez-se necessário o aprimoramento de serviços básicos, como saneamento e distribuição de eletricidade.[7] Desde a década de 1960, o serviço de abastecimento de energia elétrica é feito pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig),[89] que abrangia a mais de 99% do município ao começo do século XXI.[90] Também na década de 60, é observada a chegada da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) no abastecimento de água e coleta de esgoto.[48][91] A mesma inaugurou, em setembro de 2001, a estação de tratamento de água de Coronel Fabriciano, situada no bairro Amaro Lanari, onde desde então é extraída e tratada a água fornecida à cidade e a boa parte da Região Metropolitana do Vale do Aço.[92]

Em 18 de março de 1968, foi criada a Rádio Educadora, primeira emissora de rádio de Fabriciano e de todo o Vale do Aço, tendo inicialmente apenas modulação em amplitude (AM).[89][93] Outra emissora de rádio que obteve destaque foi a Galáxia FM, fundada em 15 de julho de 1983.[94][95] Dentre os periódicos, além do jornal "O Progresso" (1948), que foi o primeiro a ser criado no então distrito de Coronel Fabriciano e colaborou com o fomento da força política,[33] tiveram abrangência regional os fabricianenses "O Programa" (1954), "A Verdade Impressa" (1962), "O Ipatinga" (1963), "O Vale do Aço" (1967), "Diário da Manhã" (1969) e "O Popular" (1973). Em 16 de setembro de 1978, foi criado na cidade o Jornal Diário do Aço, que mais tarde passou a ter sede em Ipatinga e se tornou um dos principais da região.[96] Em relação às emissoras de televisão, a que obteve maior sucesso localmente foi a InterTV dos Vales, criada em 2007 como filiada à Rede Record e que passou a ser filiada à Rede Globo em 2008.[97][98]

SaúdeEditar

 
Hospital Siderúrgica em julho de 2010, antes de passar por reformas e se transformar no Hospital Doutor José Maria Morais.

Devido à mata fechada e ao clima, era comum a incidência de doenças tropicais na região, tanto é que a isso se deve a construção do primeiro hospital, o Hospital Siderúrgica, ainda na década de 1930.[4] Até 1960, sua administração foi de responsabilidade da congregação católica Irmãs de Nossa Senhora da Piedade.[99] A primeira rede farmacêutica, a Farmácia Rolim, iniciou-se em Santana do Paraíso na década de 30, mas foi a principal farmácia de Coronel Fabriciano até meados da década de 60, tendo firmado convênios com o Siderúrgica, Belgo-Mineira, Acesita e diversas serrarias.[100] Após vitimar milhares de pessoas na região, a malária foi erradicada no final da década de 40, ao mesmo tempo que se observava o surgimento uma epidemia de tuberculose. Diarreias também eram constantes, visto que não havia abastecimento de água tratada.[101]

No começo da década de 1960, o ex-escrivão distrital José Zacarias Roque promoveu a construção de um cemitério às margens do rio Piracicaba, no entanto o projeto foi reprovado pelo então prefeito Raimundo Alves de Carvalho devido à proximidade com a antiga zona boêmia.[13] Foi providenciada então a construção do atual Cemitério Municipal Senhor do Bonfim, em área doada por Alberto Giovannini.[30][102] O Cemitério Vale da Saudade, de propriedade particular, é o outro cemitério da cidade e foi construído entre 2000 e 2006, estando situado no bairro Todos os Santos.[102] Em junho de 1960, foi inaugurado o Hospital Nossa Senhora do Carmo, inicialmente Casa de Saúde Nossa Senhora do Carmo,[99] cujos médicos responsáveis pela implantação foram Virgílio Moss, Newton Almeida Barros, Edmundo Araújo e Pedro Guerra.[101] Configurou-se, ao lado do Siderúrgica, como um dos principais hospitais públicos da região e foi administrado por décadas pelas Irmãs Carmelitas.[99] Em 2004, no entanto, passou a ser propriedade da rede Unimed, denominando-se Hospital Unimed Vale do Aço, e desde então atende apenas a população que conte com planos de saúde conveniados ou aos que paguem pelo atendimento particular.[103][104]

Após ser administrado pela Irmãs de Nossa Senhora da Piedade, o Hospital Siderúrgica, por sua vez, passou a ser regido pela Associação Beneficente de Saúde São Sebastião. Cabe citar que, por causa de problemas financeiros e pela falta de liberação do Certificado do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), que traz a regularização fiscal e tributária à entidade, chegou a ser fechado por tempo indeterminado em 15 de julho de 2011.[105][106] A situação foi considerada calamidade pública[107] e afetou os hospitais dos municípios vizinhos, ao elevar subitamente a demanda por atendimento público.[108][109] O problema mobilizou a União, o estado e a Prefeitura e, em 15 de setembro, foi definido que a Sociedade Beneficente São Camilo seria a nova mantenedora do Siderúrgica. Em maio de 2012, a secretaria estadual de saúde anunciou que o hospital seria reaberto após passar por reformas,[110] sendo reinaugurado em 30 de agosto, adotando o nome de Hospital "São Camilo".[111] O contrato com a rede São Camilo chegou ao fim em maio de 2017, quando a administração municipal anunciou assumir a gestão do hospital, que passou a denominar-se Hospital Doutor José Maria Morais.[112]

A cidade observou, principalmente entre as décadas de 1990 e 2000, uma considerável redução nos índices de desnutrição, mortalidade infantil e gravidez precoce. Em 2000, 17,2% do total de crianças que foram pesadas pelo Programa Saúde da Família estavam desnutridas, enquanto que em 2012 esse índice era de 0,7%.[113] Em 1998, o índice de mortalidade infantil era de 28,5 óbitos a cada mil nascidos vivos, enquanto que em 2012 a taxa era de 17,4.[114] O percentual de crianças nascidas de mães adolescentes caiu de 16,5% em 2001 para 13,3% em 2011.[115] Acompanhando a tendência que antes estava restrita aos grandes centros e passou a ser realidade em grande parte do interior do Brasil, em 1990 foi identificado um caso de AIDS no município, tendo picos de 15 registros em 1997 e 16 em 2006, chegando a 13 em 2011.[116]

EducaçãoEditar

 
O Unileste em 1990

A educação brasileira sofreu nesse meio século mudanças profundas com a universalização da instrução primária obrigatória, a expansão do ensino secundário e o incentivo à instalação de escolas superiores privadas. A Escola Estadual Professor Pedro Calmon, criada em 1952, foi o primeiro prédio escolar construído em Coronel Fabriciano.[99] Inicialmente, como grupo escolar, era frequentada pelos filhos das famílias mais influentes da cidade, muitos dos quais obtinham bons resultados em vestibulares de universidades concorridas.[117] Por outro lado, ao final da década de 1950 a educação fabricianense ainda mostrava-se precária, com elevados índices de evasão escolar e analfabetismo. O mesmo Pedro Calmom não suportava a demanda de matrículas, mesma situação enfrentada pela escola primária do então distrito de Ipatinga, que funcionava na sede da delegacia de polícia, e pelo Grupo Escolar Padre Deolindo Coelho, no Melo Viana.[43] Segundo dados do Rotary International, presente na cidade desde 1959, naquela ocasião cerca de 57% da população era analfabeta e 43% não sabiam ler e escrever, situação que começou a ser invertida com a construção de novos grupos escolares em parceria com o estado, a partir da década de 60.[57]

O Colégio Angélica, fundado pelo arcebispo da Arquidiocese de Mariana, dom Helvécio Gomes de Oliveira, foi a primeira instituição de ensino particular. Sua atuação se estendia a outros setores da sociedade, como ministrando a catequese às crianças em apoio à Paróquia São Sebastião e na assistência social aos moradores do Morro do Carmo, onde desenvolveram cursos de trabalhos manuais, culinária, corte e costura.[118] Seu nome homenageia Angélica Rosa da Silveira, mãe do superintendente local da Belgo-Mineira Joaquim Gomes da Silveira Neto, o qual doou o terreno para a construção da instituição.[23] A Escola Estadual Alberto Giovannini, fundada em 28 de junho de 1969 sob a presença do então governador de Minas Gerais Israel Pinheiro, foi a primeira escola estadual da região do Vale do Aço. Seu nome homenageia o paulista que doou as áreas para a construção da primeira estação rodoviária, do Cemitério Municipal e da própria instituição.[30] Neste mesmo ano, foi criada pelo então prefeito Mariano Pires Pontes a Biblioteca Pública Professora Mariana Roque Pires, cujo nome referência a pioneira da educação pública regular na cidade.[119]

 
Biblioteca Dom Serafim Cardeal Fernandes Araújo (Biblioteca Central), no Unileste, fundada em 26 de fevereiro de 1999.

Também no final da década de 60, observa-se a implantação da Universidade do Trabalho (UT), atual Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste), cuja fundação se deve à Congregação Padres do Trabalho e ocorreu a 1º de abril de 1969.[120] A instituição se desenvolveu até se estabelecer como o maior complexo educacional do Vale do Aço, parte de uma rede de outras instituições de ensino superior e colégios no Distrito Federal, Tocantins e no leste mineiro, mantidas pela União Brasiliense de Educação e Cultura (UBEC) desde 2005.[121] Juntamente com a vinda do Unileste, no começo da década de 70, os Padres do Trabalho foram encarregados da construção dos bairros Universitário, visando a servir de moradia aos estudantes, e Professores, conjunto de moradias elitizado criado a fim de abrigar os professores e funcionários.[7]

O campus do Unileste de Coronel Fabriciano abriga ainda marcos como a Fazendinha, que funcionou inicialmente como casa de hóspedes e foi planejada como réplica da fazenda que existia anteriormente à construção do centro universitário; o Teatro João Paulo II, construído em 1978 no andar térreo do Colégio Padre de Man, no campus II da universidade;[99] a Biblioteca Dom Serafim Cardeal Fernandes Araújo (Biblioteca Central), que possui um dos maiores acervos bibliográficos da região;[122] e o Museu Padre Joseph Cornélius Marie de Man, que foi implantado em 1993 e contribui para a preservação da história local e institucional.[123][124] Em outubro de 2014, foi inaugurado o Museu José Avelino Barbosa, que é o primeiro museu público do município e cujo nome referência o empresário e comerciante que foi um dos pioneiros da cidade.[125] Em relação ao ensino básico, cabe ressaltar também a implantação do Colégio João Calvino, em 1965, configurando-se como a primeira instituição de ensino protestante da cidade;[2] e a inauguração da Escola Municipal Otávio Cupertino dos Reis, em março de 2006, que está localizada no bairro Caladão e foi a primeira da região a ser planejada como núcleo integral.[126]

ReligiãoEditar

 
Catedral de São Sebastião, inaugurada em 1993 e desde então cossede da Diocese de Itabira-Fabriciano. Foto de 2012.

O crescimento demográfico acelerado e, por vezes, sem controle, favoreceu o aumento do déficit habitacional e da violência. Dessa forma, instituições religiosas passam a intervir com ensinamentos religiosos e a organização de projetos sociais.[127] Conforme já citado, a Igreja Católica, por meio de suas congregações, foi responsável pela construção do Colégio Angélica[118] e dos hospitais Siderúrgica e Nossa Senhora do Carmo.[101] Ao final da década de 1960, a então Diocese de Itabira, juntamente à congregação católica dos Padres do Trabalho, auxilia na implantação da Universidade do Trabalho (UT), atual Unileste,[127] e a Sociedade de São Vicente de Paulo foi a responsável pela construção de casas às vítimas das enchentes de 1979 no atual bairro Frederico Ozanan.[7] A Corporação Musical Nossa Senhora Auxiliadora, criada em 1943, foi desativada em 1960, voltando à ativa após receber instrumentos musicais doados pela ALMG, sendo mantida durante algum tempo pelos vicentinos.[22]

A Paróquia São Sebastião, que inicialmente compreendia a todo o território municipal, foi criada meses antes à emancipação política, em 1948. Dentre outros feitos, a circunscrição eclesiástica foi a encarregada da fundação da Igreja Matriz de São Sebastião, em 1949, em substituição à antiga que havia desabado; pela construção do Salão Paroquial São José, em 1959; e pela instalação da Rádio Educadora, dirigida desde então pela Congregação dos Missionários Redentoristas.[127][128] Em 20 de janeiro de 1963, é criada a Paróquia Santo Antônio, correspondente ao distrito Senador Melo Viana.[127]

Em 1º de junho de 1979, o Papa João Paulo II, por meio do decreto Cum urbs vulgo Coronel Fabriciano, mudou a denominação da diocese local para Diocese de Itabira-Fabriciano.[129] A função de co-catedral é atribuída à Igreja Matriz, no entanto houve necessidade da construção de um templo maior, devido às lotações, e em 4 de julho de 1993 é inaugurada a Catedral de São Sebastião, que desde então configura-se como co-catedral diocesana.[127] Em 27 de março de 2011, ocorreu a criação da Paróquia São Francisco Xavier, desmembrada da Paróquia Santo Antônio.[130] Desde a década de 1950[30] e de forma mais acentuada entre as décadas de 1980 e 90, no entanto, a Igreja Católica divide espaço com outros credos religiosos,[129] que vão desde as mais variadas denominações cristãs protestantes até as praticas esotéricas e indígenas, além da presença dos sem religião.[131]

Cultura e lazerEditar

 
Prédio do antigo do Cine Marrocos

Na década de 1960, o panorama musical de Coronel Fabriciano acompanhava os ritmos que influenciavam a juventude do Brasil e do mundo. Diversas bandas formadas na cidade tiveram repertório baseado nos Beatles, Creedence, The Rolling Stones e Renato e Seus Blue Caps. Dentre as bandas locais mais famosas, cabe ressaltar "The Best", "Tenebrosos" e "The Lions".[29] "The Best" foi formado em 1965 primeiramente pelo baterista Chico Pão, guitarrista-solo Nonô, João Luiz (base), Osvaldinho (baterista) e Jair (sax). Os "Tenebrosos" eram comandados pelo cantor e compositor Zé Roberto (base) e composto por Silvinho (baixo), Cassiano (teclado), Ney (baterista) e Ary Carneiro. Os "The Lions", por sua vez, foram o grupo que obteve mais destaque, cuja formação mais famosa era composta por Heli Machado, Zé Orlando, Vivaldo, Aryzinho e o vocalista Luís Carlos, sendo empresariado por João Primo.[29] Essas bandas se apresentavam em diversos bailes de Minas Gerais e Espírito Santo e no Vale do Aço os principais pontos de encontro da juventude local eram o Elite Clube, Campestre, Choupana e Olaria (Timóteo); Clube Casa de Campo, Casebre, Cabana e 7 de Setembro (Coronel Fabriciano); e no Usipinha (Ipatinga).[29] Dentre os fabricianenses, destaca-se o Casa de Campo, fundado em 5 de setembro de 1966, que ainda existe no bairro Santa Helena e dispõe de quadras esportivas, piscinas e área de eventos,[132] sendo regularmente palco de shows musicais e bailes a exemplo do baile "Uma Noite nos Mares do Sul", realizado desde 1992.[22]

Fabriciano configurou-se como um importante pólo cultural regional no que se refere à vida noturna, acentuadamente entre as décadas de 1960 e 80. Durante este período, a cidade teve quase 40 bares, restaurantes e casas noturnas que inicialmente visavam a atender os trabalhadores das siderúrgicas locais. Dentre eles se destacaram o Cabana, Kazebre, Skritório, Boteco, Itapoã, Sobradão e Cosmo's, que por vezes atraíam frequentadores até mesmo da capital mineira. Após a década de 1990, o fluxo noturno observou uma considerável redução,[133] migrando do Centro de Fabriciano para a Avenida Magalhães Pinto.[134] Os bailes de Carnaval, realizados pela prefeitura a partir de 1960, deixaram de existir em torno de 1990. As festas juninas estão presentes, em grande parte, desde a década de 70, sendo a maioria delas organizada pelas comunidades católicas ou escolas.[22] A Casa de Cultura do Vale do Aço, criada em 1978, foi um dos principais palcos de espetáculos e oficinas cênicas e teatrais na região, sendo o espaço ocupado mais tarde pelo Hospital São Lucas, no bairro Santa Terezinha II.[135]

 
Entrada principal do Estádio Louis Ensch, que foi construído em 1950 e é "casa" do Social Futebol Clube, fundado em 1944.

Mais voltado para as crianças e jovens, em 1963 foi criado o Grupo Escoteiro Tapajós, oferecendo à população atividades relacionadas ao ramo do Escotismo.[136] Na mesma ocasião, foi erguido o Cine Marrocos, que abrigava uma das maiores salas de cinema da região[137] e foi construído em substituição ao Cine Glória, situado na atual Rua Moacir Birro. Este, por sua vez, foi inaugurado na década de 1950 e nos primeiros anos de funcionamento foi a principal forma de lazer das famílias fabricianenses, visto que ainda não havia televisão nas casas.[138] No final da década de 80, as 1 300 cadeiras do Cine Marrocos foram compradas pela Paróquia São Sebastião para a conclusão das obras da Catedral, após o fechamento da sala.[139] Na década de 90, houve rumores que o município receberia um grande centro comercial, o chamado Shopping Três Cidades, que estaria situado em frente ao campus do Unileste. As primeiras colunas do empreendimento chegaram a ser colocadas, no entanto o terreno foi bloqueado judicialmente em 1997 e a área foi abandonada.[140] Na Serra dos Cocais, o artesanato e as marujadas das comunidades rurais e o turismo ganham destaque e incentivos no decorrer da segunda metade do século XX.[141][142]

O futebol de Coronel Fabriciano, por sua vez, obteve destaque regional em relação à tradição de seu amadorismo.[143] O Social Futebol Clube, fundado em 1944, foi o time de futebol mais bem sucedido da cidade, tendo participações na divisão de elite do Campeonato Mineiro após a década de 1990.[31] O Estádio Louis Ensch, construído em 1950, é considerado a "casa" do Social e desde então se configura como maior estádio da cidade.[144] O maior rival do Social em Fabriciano era o União Esporte Clube, criado em 1956, passando a se chamar Avante Esporte Clube em setembro de 1958, quando também foi criado o Estádio Josemar Soares, casa do Avante.[143] Em setembro de 1968, foi criado o Rosalpes, a partir da fusão de dois times que usavam o mesmo campo para treinos: o Alpes e o Santa Rosa. Inicialmente, o clube treinava em um terreno que foi ocupado por residências onde está situado o bairro Giovannini.[143][145] Em 10 de outubro de 2012, foi fundado o Trio Futebol Clube, por Marcelo Vieira, um dos idealizadores do Fabriciano Futebol Clube. Este, por sua vez, havia sido criado em Coronel Fabriciano em 2008, mas teve sua sede transferida para o município de Nova Serrana, transformando-se no Nacional Esporte Clube Ltda.[146] Desde 1969, tem-se a disputa do Campeonato Fabricianense de Futebol, principal competição futebolística realizada no município.[145]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag. 17.
  2. a b c d e Circuito Turístico Mata Atlântica de Minas Gerais. «Coronel Fabriciano». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  3. a b c d e f g Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Coronel Fabriciano - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 20 de março de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 25 de outubro de 2014 
  4. a b c d e f Assessoria de Comunicação (3 de julho de 2009). «Organização do município». Prefeitura. Consultado em 5 de março de 2010. Arquivado do original em 7 de abril de 2014 
  5. a b c Plox (20 de janeiro de 2010). «Vereador quer alterar nome de avenida em Fabriciano». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  6. a b c d e f Assessoria de Comunicação (3 de julho de 2009). «A criação do município». Prefeitura. Consultado em 5 de março de 2010. Arquivado do original em 7 de abril de 2014 
  7. a b c d e f g h i j Leonardo Gomes (janeiro 2012). «Grande Guia dos Bairros de Coronel Fabriciano». Revista Nosso Vale (nº 10): pags. 4–6; 10; 12–14. Consultado em 8 de julho de 2014 
  8. a b c Romerito Valeriano da Silva; Duval Magalhães Fernandes; Elisângela Gonçalves Lacerda (novembro de 2012). «Análise da Dinâmica Populacional na Região Metropolitana e no Colar Metropolitano do Vale do Aço (MG) entre 1970 e 2010» (PDF). Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP). Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 12 de outubro de 2014 
  9. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «São Domingos do Prata - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 6 de maio de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 6 de maio de 2013 
  10. a b c d e Assessoria de Comunicação (3 de julho de 2009). «Primeiros habitantes». Prefeitura. Consultado em 5 de março de 2010. Cópia arquivada em 7 de abril de 2014 
  11. a b c Revista Caminhos Gerais, nº 35, pag. 23.
  12. a b Jornal Diário do Aço (23 de janeiro de 2011). «Distrito tem motivos para comemorar». Consultado em 17 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2014 
  13. a b c d e f g Cidades@ - IBGE (2007). «Histórico de Coronel Fabriciano». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  14. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Itabira - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 18 de outubro de 2014 
  15. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Histórico - Antônio Dias» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 25 de outubro de 2014 
  16. a b Revista Caminhos Gerais, nº 35, pag. 22.
  17. Atlas Escolar Histórico, Geográfico e Cultural de Coronel Fabriciano, 2011, pag. 22.
  18. Jornal Nosso Vale (30 de setembro de 2010). «Manoel Domingos: O bairro de Domingues». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2011 
  19. a b c d e Genovez, Patrícia Falco; Valadares, Vagner Bravos (outubro de 2013). «A formação territorial de Coronel Fabriciano (sede) e de Ipatinga (distrito) entre as décadas de 1920 e 1960: afinal, quem são os Estabelecidos e os Outsiders?». Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Revista de História Regional: 11–19. doi:10.5212/Rev.Hist.Reg.v.18i2.0005. Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  20. a b Centro-Oeste. «G1 - Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  21. Arquivo Público Mineiro (23 de novembro de 2011). «Inventário da coleção de atas de instalação de câmaras, municípios, comarcas, termos e distritos do estado de Minas Gerais» (PDF). Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais. p. 17; 32; 34. Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original (PDF) em 8 de julho de 2014 
  22. a b c d e f g h i Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SMEC) (dezembro de 2013). «Bens inventariados no município de Coronel Fabriciano» (PDF). Prefeitura. 1: 24; 26; 42; 49; 90–102. Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original (PDF) em 24 de setembro de 2014 
  23. a b c d Revista Caminhos Gerais, nº 35, pag. 24.
  24. Estações Ferroviárias do Brasil. «EFVM - Estrada de Ferro Vitória a Minas». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  25. Estações Ferroviárias do Brasil (25 de fevereiro de 2006). «Intendente Câmara». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  26. Eu Amo Ipatinga. «Linha do Tempo - 9 de março de 2009». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  27. Revista Caminhos Gerais, nº 35, pag. 25.
  28. Revista Caminhos Gerais, nº 18, pag. 7.
  29. a b c d e Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag. 24.
  30. a b c d e f Jornal Nosso Vale (8 de agosto de 2011). «Prazer em conhecer... Giovannini». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2012 
  31. a b Social Futebol Clube. «Nossa História - 1944». Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 23 de abril de 2014 
  32. Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag. 18.
  33. a b Jornal Diário do Aço (19 de janeiro de 2014). «A imprensa no movimento de emancipação de Fabriciano». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  34. Assessoria de Comunicação (10 de julho de 2009). «Hino extra-oficial e brasão». Prefeitura. Consultado em 8 de março de 2010. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  35. Jornal Diário do Aço (9 de fevereiro de 2014). «Pontilhão de ferro, estação Ipatinga e casas das turmas» (PDF). Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 26 de maio de 2014 
  36. a b Jornal Vale do Aço (5 de junho de 2007). «Comitiva fabricianense discute com Usiminas os reflexos da expansão». Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 22 de setembro de 2011 
  37. Revista Caminhos Gerais, nº 35, pag 26.
  38. a b Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 200 - População residente por sexo, situação e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Consultado em 8 de julho de 2013. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  39. Confederação Nacional de Municípios (CNM) (2008). «Demografia - População total». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 19 de novembro de 2011 
  40. Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag. 28.
  41. Jornal Nosso Vale (8 de agosto de 2011). «Um bairro em homenagem à Sra. JK». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 1 de março de 2012 
  42. a b Jornal Nosso Vale (19 de junho de 2010). «Um passeio na história do Bairro Santa Cruz». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 1 de março de 2012 
  43. Assessoria de Comunicação (12 de janeiro de 2010). «Avenida Tancredo Neves é municipalizada». Prefeitura. Consultado em 1 de setembro de 2010. Arquivado do original em 22 de setembro de 2011 
  44. Placa de inauguração do Edifício Júlio Sotero Bragança, sede da Prefeitura de Coronel Fabriciano, 1969.
  45. Vale do Aço - Perfil Histórico, Cultural e Informativo: Coronel Fabriciano, Ipatinga e Timóteo, 1998, pag. 46
  46. Jornal Vale do Aço (7 de fevereiro de 2012). «Câmara de Fabriciano vai mudar de endereço». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  47. a b c Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag. 27.
  48. Rádio Intregradias (7 de outubro de 2013). «História – O Massacre de Ipatinga em 1963 completa 50 anos». Consultado em 17 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2014 
  49. G1 (7 de outubro de 2013). «Comissão da verdade ouve as vítimas do 'Massacre de Ipatinga'». Consultado em 17 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2014 
  50. a b Click Idéias Assessoria Ltda. (1998). Vale do Aço - Perfil histórico, cultural e informativo - Coronel Fabriciano, Ipatinga e Timóteo 98º ed. João Monlevade - MG: [s.n.] 206 páginas 
  51. licht.io.inf. «Eleição Prefeito 2000». Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 27 de outubro de 2011 
  52. Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (6 de março de 2008). «Resultado da Eleição - 1° turno». Consultado em 8 de julho de 2014 
  53. Terra (2008). «Prefeito». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2014 
  54. Eleições 2012. «Rosangela 13». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  55. G1 (20 de junho de 2013). «Três mil pessoas realizam primeiro protesto no Vale do Aço». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  56. a b c Rotary International. «Rotary Club: atuações na Canaã do estado de Minas». Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). p. 5–10; 19; 26–29. Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 8 de julho de 2014 
  57. a b c Revista Caminhos Gerais, nº 35, pag 34.
  58. Viação Acaiaca (29 de fevereiro de 2012). «Conheça um pouco da nossa empresa». Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 8 de julho de 2014 
  59. Jornal Vale do Aço (1 de fevereiro de 2010). «Empresário é homenageado». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  60. Jornal Vale do Aço (29 de agosto de 2007). «Passagem em Fabriciano fica mais cara na segunda». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 30 de maio de 2014 
  61. Autotrans. «A Empresa». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  62. Eu Amo Ipatinga. «Linha do Tempo - 14 de fevereiro de 1980». Consultado em 17 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2014 
  63. Univale Transportes. «Fatos marcantes na história da Univale - 2013». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  64. Jornal Diário do Aço (19 de janeiro de 2013). «Um presente desejado pelos fabricianenses». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 23 de abril de 2014 
  65. Plox (30 de abril de 2009). «Vereadores de Coronel Fabriciano querem transformar Praça da Estação em estacionamento». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  66. Jornal Diário do Aço (9 de março de 2014). «Lei muda nomes de ruas em Fabriciano». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  67. Estações Ferroviárias do Brasil (11 de julho de 2009). «Coronel Fabriciano (antiga Calado)». Consultado em 5 de março de 2010. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  68. Secretaria de Turismo e Desenvolvimento Econômico (Sedetur) (28 de julho de 2009). «Inventário turístico 2009». Prefeitura. Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 8 de julho de 2014 
  69. Associação Comercial, Industrial e de Prestação de Serviços (ACICEL). «Histórico». Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 8 de julho de 2014 
  70. Jornal Diário do Aço (12 de outubro de 2011). «Imóveis registram 100% de valorização em 5 anos». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  71. Jornal Vale do Aço (25 de maio de 2007). «Bairros já concentram 30% do comércio de Fabriciano». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2014 
  72. Jornal Nosso Vale (23 de junho de 2010). «Distrito Industrial - Mais renda e desenvolvimento». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2011 
  73. Jornal Vale do Aço (27 de fevereiro de 2011). «Pedras preciosas e semipreciosas em Fabriciano». Consultado em 27 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2014 
  74. InterTV dos Vales (4 de abril de 2013). «Veículos leves voltam a trafegar na Ponte Velha». G1. Consultado em 9 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2018 
  75. Jornal Diário do Aço (21 de dezembro de 2017). «Proposta de R$ 8,42 milhões vence licitação para reconstruir ponte entre Coronel Fabriciano e Timóteo». Consultado em 9 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2018 
  76. InterTV dos Vales (10 de janeiro de 2019). «Ponte que liga Timóteo a Coronel Fabriciano é interdita para reformas». G1. Consultado em 16 de maio de 2019. Cópia arquivada em 16 de maio de 2019 
  77. Revista Caminhos Gerais, nº 35, pag 54.
  78. a b Jornal Vale do Aço (22 de dezembro de 2011). «Fabriciano: maior número de moradores em favelas». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  79. Jornal Vale do Aço (29 de janeiro de 2009). «Rio desaloja famílias em Monlevade e ameaça cidades do Vale do Aço». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  80. Jornal Diário do Aço (23 de dezembro de 2011). «Baixa o nível de água no Piracicaba». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  81. Jornal Vale do Aço (10 de janeiro de 2012). «Nível do Rio Piracicaba passa dos 5 metros». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  82. Folha Online (17 de janeiro de 2003). «Pior enchente de Minas Gerais foi em 79». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  83. Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce. «Diagnóstico dos Desastres Relacionados a Chuvas Intensas». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  84. Roberta Abreu (16 de dezembro de 2005). «Tragédia no Vale do Aço». Ministério da Integração Nacional. Consultado em 5 de agosto de 2010. Arquivado do original em 8 de julho de 2014 
  85. Jornal Diário Popular (27 de dezembro de 2013). «Temporal na madrugada arrasa bairros de Fabriciano». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  86. G1 (27 de dezembro de 2013). «Após chuvas, Coronel Fabriciano tem cenário de destruição». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  87. Jornal Vale do Aço (2 de dezembro de 2008). «A maldição dos anos terminados em 9». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  88. a b Jornal Diário do Aço (7 de outubro de 2011). «Paixão antiga pelo rádio». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  89. Cidades@ - IBGE (2010). «Censo Demográfico 2010: Características da População e dos Domicílios: Resultados do Universo». Consultado em 8 de julho de 2014 
  90. Cidades.Net. «Coronel Fabriciano - MG». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  91. Antônio Teixeira Cabral & Celso de Oliveira Loureiro (9 de setembro de 2002). «Modelamento hidrogeológico do Aquífero Aluvionário de Amaro Lanari». Associação Brasileira de Águas Subterrâneas (ABAS). Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  92. Rádio Educadora MG. «43 anos de pioneirismo». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  93. Tudo Rádio (22 de junho de 2010). «Nativa anuncia nova afiliada em MG». <crossmidia>. Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 22 de setembro de 2011 
  94. Daniel Starck (9 de julho de 2010). «Nativa prepara estréias em São Paulo e Minas Gerais». Tudo Rádio.com. Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 22 de setembro de 2011 
  95. Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag. 32.
  96. Jornal Vale do Aço (21 de fevereiro de 2007). «TV dos Vales terá bancada para debate sobre os times da região». Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 22 de setembro de 2011 
  97. Globo Minas (30 de julho de 2008). «A TV dos Vales, nova afiliada da Globo em Minas, passa a transmitir para 123 cidades». Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 22 de setembro de 2011 
  98. a b c d e Assessoria de Comunicação (1 de março de 2012). «Patrimônio Cultural». Prefeitura. Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 30 de outubro de 2013 
  99. Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag 25.
  100. a b c Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag 21.
  101. a b Jornal Vale do Aço (22 de julho de 2010). «Vale da Saudade». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  102. Jornal CRM (8 de julho de 2007). «Impasse vai ao MP». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  103. Unimed Vale do Aço. «Estrutura». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  104. Jornal Vale do Aço (30 de junho de 2011). «Ministério da Saúde pode fechar Siderúrgica». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  105. Jornal Diário do Aço (16 de julho de 2011). «Cinco mil atendimentos a menos». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  106. Jornal Vale do Aço (22 de julho de 2011). «Fabriciano decreta estado de calamidade pública». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  107. Jornal Vale do Aço (5 de agosto de 2011). «HMC: aumento nos atendimentos a fabricianenses». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  108. Jornal Vale do Aço (15 de julho de 2011). «Dia D para fechamento do Hospital Siderúrgica». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  109. Jornal Vale do Aço (20 de maio de 2012). «Antônio Jorge anunciará obras do Siderúrgica». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  110. Jornal Vale do Aço (31 de agosto de 2012). «Hospital São Camilo começa a atender à meia-noite». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  111. Jornal Diário do Aço (9 de maio de 2017). «Hospital terá gestão plena do município em Coronel Fabriciano». Consultado em 18 de maio de 2017. Cópia arquivada em 18 de maio de 2017 
  112. Portal ODM (2012). «1 - acabar com a fome e a miséria». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  113. Portal ODM (2012). «4 - reduzir a mortalidade infantil». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  114. Portal ODM (2012). «5 - melhorar a saúde das gestantes». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  115. Portal ODM (2012). «6 - combater a AIDS, a malária e outras doenças». Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 8 de julho de 2014 
  116. Jornal Diário do Aço (9 de julho de 2011). «Terreno é desapropriado para construção de quadra». Consultado em 9 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  117. a b Amir José de Melo. «História do Colégio Angélica» (PDF). Colégio Angélica. Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original (PDF) em 8 de julho de 2014 
  118. Revista Caminhos Gerais, nº 18, pag. 15.
  119. Moreira, Nathalie de Castro (2008). «Unileste: cultura organizacional e identidade» (PDF). Fundação Pedro Leopoldo (FPL): 62–64. Consultado em 16 de maio de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 8 de dezembro de 2017 
  120. Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste). «43 anos de tradição». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  121. Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste). «Biblioteca Dom Serafim Cardeal Fernandes Araújo (Biblioteca Central)». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  122. Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste) (23 de outubro de 2012). «Museu». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  123. Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste) (16 de dezembro de 2011). «Unileste é um dos vencedores do Prêmio Modernização de Museus». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  124. Jornal Diário do Aço (17 de outubro de 2014). «Museu de Fabriciano será inaugurado dia 22». Consultado em 17 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2014 
  125. Plox (27 de agosto de 2009). «Prefeitura de Coronel Fabriciano inaugura escola integral». Consultado em 8 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  126. a b c d e Dom Odilon Guimarães Moreira (2007). «Livro da Caminhada - Diocese de Itabira-Cel. Fabriciano» (PDF). p. 6–21; 32–34; 39–50. Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original (PDF) em 8 de julho de 2014 
  127. Congregação do Santíssimo Redentor. «Paróquia São Sebastião - Coronel Fabriciano». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  128. a b Catholic Hierarchy (27 de abril de 2013). «Diocese of Itabira-Fabriciano» (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2013 
  129. Jornal Diário do Aço (11 de março de 2011). «Melo Viana terá nova paróquia». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2012 
  130. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  131. Clube Casa de Campo. «Estrutura do Clube». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  132. Jornal Diário do Aço (24 de dezembro de 2013). «As "frenéticas" noites dos anos 60, 70 e 80 em Coronel Fabriciano». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  133. Jornal Vale do Aço (2 de dezembro de 2007). «Fabriciano lidera estatística de estabelecimentos gastronômicos com perfil turístico no Vale do Aço». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  134. Em Amo Ipatinga. «Linha do tempo - 19 de março de 1953». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  135. Jornal Vale do Aço (27 de agosto de 2009). «Mais escoteiros, melhores cidadãos!». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2012 
  136. Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag 37.
  137. Jornal Vale do Aço (25 de julho de 2007). «Sirenes históricas». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 29 de abril de 2014 
  138. Jornal Diário do Aço (21 de julho de 2013). «Catedral em Fabriciano completa 20 anos». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  139. Jornal Vale do Aço (25 de setembro de 2008). «Ruínas de um sonho esquecido». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  140. Maria das Graças Silvestre Ribeiro. «O Artesanato e o Turismo de Santa Vitória dos Cocais» (PDF). Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  141. Secretaria de Turismo de Minas Gerais (10 de março de 2014). «6º Salão Mineiro do Turismo apresenta agenda cultural popular». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2014 
  142. a b c Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag 29.
  143. O Gol. «Dr. Louis Ensch». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 23 de abril de 2014 
  144. a b Revista Caminhos Gerais, nº 21, pag 30.
  145. Jornal Vale do Aço (9 de dezembro de 2012). «Sai um Tigre, chegam três times». Consultado em 8 de julho de 2014. Cópia arquivada em 23 de abril de 2014 

Ligações externasEditar