Abrir menu principal

Wikipédia β

Como ler uma infocaixa de taxonomiaHomo erectus
Homo erectus - reconstrução artística
Homo erectus - reconstrução artística
Estado de conservação
Pré-histórica
Classificação científica
Domínio: Eukariota
Reino: Animalia
Sub-reino: Metazoa
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Infrafilo: Gnathostomata
Superclasse: Tetrapoda
Classe: Mammalia
Subclasse: Theria
Infraclasse: Placentalia
Superordem: Euarchontoglires
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Parvordem: Catarrhini
Superfamília: Hominoidea
Família: Hominidae
Subfamília: Homininae
Género: Homo
Espécie: H. erectus
Nome binomial
Homo erectus
(Dubois, 1894)

Homo erectus é uma espécie extinta de hominídeo que viveu entre 1,8 milhões de anos[1] e 300 000 anos atrás[2] (Pleistoceno inferior e médio).

Eles mediam entre 1,30 e 1,70 m de altura,[1] com 70 quilos[1] e seu volume craniano era entre 750 e 1250 cm³, um aumento de cerca de 50% em relação ao seu ancestral Homo habilis. Seus esqueletos fósseis datam de cerca de 1,5 milhão de anos atrás, e foram encontrados principalmente na África.

Habitantes de diversos ecossistemas diferentes, produziam e usavam ferramentas bem mais elaboradas (como machados de mão), que representam a primeira ocorrência no registro fóssil de um design consciente. Acredita-se que produziram ferramentas de madeira e armas, que não foram preservadas. Foram provavelmente os primeiros a usar o fogo, e a iniciar uma migração do continente africano para diversas regiões. Sua alimentação era composta de vegetais, frutas, folhas, raízes e animais.

Índice

DescobertaEditar

O mais antigo registro do Homo erectus foi encontrado pelo holandês Eugéne Dubois (1858-1940)[3], numa margem do rio Bengawan Solo em Trinil, região central de Java. Foram encontrados restos fossilizados com entre 50 e 100 mil anos em África (p.ex., Lago Turkana e Desfiladeiro Olduvai), Europa (Geórgia), Indonésia (p.ex., Sangiran e Trinil), e China (p.ex., Shaanxi).

Lista de Fósseis de H. erectusEditar

EvoluçãoEditar

Desde o descobrimento do Homo erectus, os cientistas questionam se esta espécie é um antepassado direto do H. sapiens, devido ao fato das investigações feitas não serem suficientes para se chegar a tal conclusão. As últimas populações de H. erectus - tais como as do rio Bengawan Solo, em Java - podem ter vivido há apenas 50 000 anos, simultaneamente com populações de H. sapiens, e se descarta que este tenha evoluído a partir destas últimas populações de H. erectus. Ainda que populações anteriores de H. erectus asiáticos poderiam ter dado lugar ao H. sapiens, hoje se considera mais provável que este evoluiu na África, provavelmente de populações africanas de H. erectus. Portanto, os primeiros H. sapiens teriam migrado desde o nordeste da África, há menos de 100 000 anos, até a Ásia, onde talvez tenha se encontrado com os últimos H. erectus.

Quanto à possível filogenia não parece provável o Homo habilis ter dado origem ao H. erectus de um modo direto, pois existiria uma probabilidade maior de ligação destas espécies com o H. rudolfensis. Tudo indica que os H. habilis viveram na África até mais ou menos 1 440 000 anos, indicando uma coexistência com H. erectus por um lapso de uns 500 000 anos.

Uma espécie que aparentemente descende tardiamente do Homo erectus é o pequeno Homo floresiensis que surgiu nas ilhas de Flores e Komodo após os Homo erectus terem lá chegado há cerca de 800 mil anos.

Organização SocialEditar

Apesar de muitos aspectos da organização social serem já herdados do Homo ergaster, o Homo erectus desenvolveu ainda mais estas características. O dimorfismo sexual em indivíduos masculinos de H. erectus era de cerca de serem 25% maiores do que as mulheres - o que é ligeiramente maior do que o observado no Homo sapiens (que é de 15%) mas menor do que o observado no gênero anterior: Australopithecus (que era de 50%). Diminuição do dimorfismo é especulado como um sinal de redução da concorrência entre os machos. Estudos sugerem que o dimorfismo sexual alcançou níveis próximo dos humanos modernos em torno do tempo do Homo erectus 2 a 0,5 milhões de anos atrás.[22]

Homo erectus foi provavelmente o primeiro hominídeo a viver em uma sociedade de caçadores-coletores, e antropólogos como Richard Leakey acreditam que o Homo erectus era socialmente mais similar aos seres humanos modernos do que as espécies de Australopithecus antes dele. Uma sociedade de caçadores-coletores tendem a ter um ethos social igualitário. O que pode ser observado em quase todas as sociedades de caçadores-coletores é que estas são igualitárias, com mulheres tão influentes e poderosas quanto os homens.[23] O igualitarismo típico dos caçadores e coletores humanos nunca é total, mas é impressionante quando visto em um contexto evolutivo. A espécie de primata mais próxima da humanidade, os chimpanzés, não podem ser considerados igualitários, pois estes formam hierarquias que são muitas vezes dominadas por um macho alfa. Os antropólogos sustentam que os caçadores/coletores humanos não têm líderes permanentes; Em vez disso, a pessoa que toma a iniciativa a qualquer momento depende da tarefa que está sendo executada.[24][25][26]

Assim como as sociedades de caçadores-coletores formadas por seus descendentes (incluindo o Homo sapiens), o erectus viveria em uma sociedade de bandos. Uma sociedade de bandos é a forma mais simples de sociedade humana. Um bando geralmente consiste em um grupo de parentesco pequeno, não maior do que uma família ou clã extenso. O consenso geral da antropologia moderna vê o número médio de membros de um bando social no nível simples de sociedades de forrageamento em torno de 30 a 50 pessoas[27] Bandos são distinguidos das tribos pelo fato das tribos serem geralmente maiores, constituídas por muitas famílias. As tribos têm mais instituições sociais, como um chefe, um grande homem ou um conselho de anciãos. As tribos também são mais permanentes do que os bandos; um bando pode deixar de existir se apenas um pequeno grupo se separar ou morrer.

A descoberta do "Menino de Turkana (H. ergaster) em 1984 evidenciou que, apesar de sua anatomia semelhante ao do Homo sapiens, os erectus poderiam não ter sido capaz de produzir sons comparáveis a fala humana moderna. É provável que se comunicavam em uma proto-linguagem sem a estrutura totalmente desenvolvida da linguagem humana moderna, mas mais desenvolvida do que a comunicação não-verbal usada pelos chimpanzés.[28] Esta inferência é desafiada pela descoberta em Dmanisi, na Geórgia, de uma vértebra de H. ergaster / erectus (pelo menos 150.000 anos antes do Menino de Turkana) que reflete capacidades vocais na faixa de H. sapiens.[29] Tanto o tamanho do cérebro como a presença da área de Broca também suportam o uso da linguagem articulada.[30] O aumento da capacidade craniana também levou a criação de ferramentas mais sofisticadas ocasionalmente encontradas com os fósseis.

A sua organização baseava-se em pequenas comunidades[1] com alguns abrigos de pedra pequenos e simples, mas mais sofisticados de que as dos seus antepassados Homo habilis. A guarda do grupo era feita com fogueiras, para se protegerem dos animais selvagens. Homo erectus foi provavelmente o primeiro hominídeo a viver em sociedades de bandos pequenos e familiares semelhantes às modernas sociedades de bandos de caçadores e coletores[31] e é pensado para ser a primeira espécie hominina a caçar em grupos coordenados, a usar ferramentas complexas, e cuidar de companheiros enfermos ou fracos.

A divisão do trabalho era baseada em tarefas: os talhadores de pedra (normalmente pessoas idosas já sem capacidade para caçar e crianças), os caçadores, e as mulheres, para tratar das crianças e fazer recoleção de frutos.

SubespéciesEditar

O Homo erectus pertence a uma das mais bem sucedidas e duradouras espécies do género Homo. É geralmente considerada a espécie que deu origem a um grande número de espécies descendentes e subespécies. Elas são:

Referências

  1. a b c d Redação - avph.com.br. «Homo erectus». avph.com.br. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2015 
  2. Redação - Infopédia. «Homo erectus». Infopédia. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2015 
  3. a b Swisher, Carl C. III; Curtis, Garniss H.; Lewin, Roger. (2000), Java Man: How Two Geologists Changed Our Understanding of Human Evolution, Chicago: University of Chicago Press, ISBN 0-226-78734-6.
  4. Shen, G; Gao, X; Gao, B; Granger, De (March 2009). "Age of Zhoukoudian Homo erectus determined with (26)Al/(10)Be burial dating". Nature. 458 (7235): 198–200. Bibcode:2009Natur.458..198S. doi:10.1038/nature07741. ISSN 0028-0836. PMID 19279636.
  5. «NG 6». Wikipedia (em inglês). 3 de julho de 2016 
  6. Schwartz, Jeffrey H.; Tattersall, Ian (2005). The Human Fossil Record, Craniodental Morphology of Genus Homo (Africa and Asia). John Wiley & Sons. p. 450. ISBN 9780471326441.
  7. Antón, Susan C. (1 de abril de 1997). «Developmental age and taxonomic affinity of the Mojokerto child, Java, Indonesia». American Journal of Physical Anthropology (em inglês). 102 (4): 497–514. ISSN 1096-8644. doi:10.1002/(SICI)1096-8644(199704)102:43.0.CO;2-P 
  8. «Sangiran 2». Wikipedia (em inglês). 1 de maio de 2016 
  9. a b c «List of human evolution fossils». Wikipedia (em inglês). 21 de dezembro de 2017 
  10. Harrison, Terry (1993). "Cladistic Concepts and the Species Problem in Hominoid Evolution". In William Kimbel and Lawrence Martin. Species, Species Concepts, and Primate Evolution. New York: Plenum Press. pp. 360–365.
  11. «HírTV - Kék hírek :: Megrongálta egy 14 éves Samu maradványait». 21 de julho de 2011. Consultado em 29 de dezembro de 2017. 
  12. Pu, Li; Fang, Chien; Hsing-hua, Ma; Ching-yu, Pu; Li-sheng, Hsing; Shih-chiang, Chu (1 de setembro de 1977). «Preliminary study on the age of Yuanmou man by paleomagnetic technique». Scientia Sinica. 20: 645–64 
  13. Aziz, F., H. Baba, and N. Watanabe. "Morphological study on the Javanese Homo erectus Sangiran 17 skull based upon the new reconstruction" Geol Res Dev Ctr Paleontol Ser 8 (1996): 11-25.
  14. Wood, Bernard A. Wiley-Blackwell encyclopedia of human evolution. John Wiley & Sons. ISBN 1-4051-5510-8.
  15. Walter Carl Hartwig (11 April 2002). The Primate Fossil Record. Cambridge University Press. pp. 423–424. ISBN 978-0-521-66315-1.
  16. Rukang, Wu, and X. Dong. "Preliminary study of Homo erectus remains from Hexian, Anhui Acta Anthropologica Sinica 1 (1982): 2-13.
  17. Asfaw, Berhane; Gilbert, W. Henry; Beyene, Yonas; Hart, William K.; Renne, Paul R.; WoldeGabriel, Giday; Vrba, Elisabeth S.; White, Tim D. (2002). «Remains of Homo erectus from Bouri, Middle Awash, Ethiopia». Nature (em inglês). 416 (6878): 317–320. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/416317a 
  18. Schwartz, Jeffrey H.; Tattersall, Ian; Chi, Zhang (25 de abril de 2014). «Comment on "A Complete Skull from Dmanisi, Georgia, and the Evolutionary Biology of Early Homo"». Science (em inglês). 344 (6182): 360–360. ISSN 0036-8075. PMID 24763572. doi:10.1126/science.1250056 
  19. Kappelman, John; Alçiçek, Mehmet Cihat; Kazancı, Nizamettin; Schultz, Michael; Özkul, Mehmet; Şen, Şevket (1 de janeiro de 2008). «First Homo erectus from Turkey and implications for migrations into temperate Eurasia». American Journal of Physical Anthropology (em inglês). 135 (1): 110–116. ISSN 1096-8644. doi:10.1002/ajpa.20739 
  20. Lordkipanidze, David; Vekua, Abesalom; Ferring, Reid; Rightmire, G. Philip; Zollikofer, Christoph P.E.; Ponce de León, Marcia S.; Agusti, Jordi; Kiladze, Gocha; Mouskhelishvili, Alexander (1 de novembro de 2006). «A fourth hominin skull from Dmanisi, Georgia». The Anatomical Record Part A: Discoveries in Molecular, Cellular, and Evolutionary Biology (em inglês). 288A (11): 1146–1157. ISSN 1552-4892. doi:10.1002/ar.a.20379 
  21. Lordkipanidze, David; León, Marcia S. Ponce de; Margvelashvili, Ann; Rak, Yoel; Rightmire, G. Philip; Vekua, Abesalom; Zollikofer, Christoph P. E. (18 de outubro de 2013). «A Complete Skull from Dmanisi, Georgia, and the Evolutionary Biology of Early Homo». Science (em inglês). 342 (6156): 326–331. ISSN 0036-8075. PMID 24136960. doi:10.1126/science.1238484 
  22. Arsuaga, J.L.; Carretero, J.M.; Lorenzo, C.; Gracia, A.; Martínez, I.; de Castro, Bermúdez; Carbonell, E. (1997). «Size variation in Middle Pleistocene humans». Science. 277: 1086–1088. doi:10.1126/science.277.5329.1086 
  23. Karen Endicott 1999. "Gender relations in hunter-gatherer societies". In R.B. Lee and R. Daly (eds), The Cambridge Encyclopedia of Hunters and Gatherers. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 411–8.
  24. Gowdy, John M. (1998). Limited Wants, Unlimited Means: A Reader on Hunter-Gatherer Economics and the Environment. St Louis: Island Press. p. 342. ISBN 1-55963-555-X 
  25. Dahlberg, Frances (1975). Woman the Gatherer. London: Yale University Press. ISBN 0-300-02989-6 
  26. Erdal, D. & Whiten, A. (1996) "Egalitarianism and Machiavellian Intelligence in Human Evolution" in Mellars, P. & Gibadfson, K. (eds) Modelling the Early Human Mind. Cambridge MacDonald Monograph Series
  27. Zatrev, Jordan (2014). «The co-evolation of human intersubjectivity, morality, and language». The Social Origins of Language. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 249–266 
  28. Ruhlen, Merritt (1994). The origin of language: tracing the evolution of the mother tongue. New York: Wiley. ISBN 0-471-58426-6 
  29. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Bower, Bruce 275–276
  30. Leakey, Richard (1992). Origins Reconsidered. [S.l.]: Anchor. pp. 257–58. ISBN 0-385-41264-9 
  31. Boehm, Christopher (1999). Hierarchy in the forest: the evolution of egalitarian behavior. Cambridge: Harvard University Press. p. 198. ISBN 0-674-39031-8 

Ligações externasEditar