Cristianismo e orientação sexual

As denominações cristãs têm uma variedade de crenças sobre orientação sexual, incluindo crenças sobre práticas sexuais entre pessoas do mesmo sexo e assexualidade. As denominações diferem na maneira como tratam lésbicas, bissexuais e gays; de forma diversa, essas pessoas podem ser impedidas de ser membros, aceitas como leigas ou ordenadas como clérigos, dependendo da denominação. Como a assexualidade é relativamente nova no discurso público, poucas denominações cristãs a discutem.[1][2] Assexualidade pode ser considerada a falta de orientação sexual, ou uma das quatro variações disso, ao lado da heterossexualidade, homossexualidade e bissexualidade.[3][4][5]

Homossexualidade
e cristianismo
Adventistas
Anglicanos
Batistas
Católicos
Ortodoxos
Luteranos
Metodistas
Mórmons
Pentecostais
Presbiterianos
Testemunhas de Jeová

Visão geralEditar

As denominações cristãs têm uma variedade de pontos de vista sobre questões relacionadas a orientação sexual e homossexualidade, que vão desde a condenação definitiva à aceitação completa. De acordo com os valores tradicionais das religiões abraâmicas,[6] a maioria das denominações cristãs acolhem as pessoas atraídas pelo mesmo sexo, mas ensinam que as relações e atos sexuais homossexuais são pecaminosos.[7][8] Estas denominações incluem a Igreja Católica Romana,[9] as Igrejas Ortodoxas Orientais,[10] as igrejas metodista,[11][12][13][14] e algumas outras denominações protestantes[15] Muitas igrejas pentecostais como a Assembléia de Deus,[16] bem como igrejas restauracionistas, como as Testemunhas de Jeová e os Mórmons, também assumem a posição de que a atividade sexual homossexual é algo imoral.[17][18]

Outras denominações cristãs não consideram relações homossexuais monogâmicas como pecaminosas e imorais. Estas incluem a Igreja Unida do Canadá e a Igreja Unida de Cristo.[19] Em particular, a Igreja da Comunidade Metropolitana foi fundada especificamente para servir a comunidade LGBT cristã. Na Europa, também há muitas igrejas cristãs que não consideram relacionamentos do mesmo sexo monogâmicos como pecaminosos ou imorais. Estas incluem todos os alemães luteranos, igrejas unidas e reformadas na Igreja Evangélica na Alemanha,[20] todas as igrejas reformadas suíças na Igreja Reformada Suíça, a Igreja Protestante da Holanda, a Igreja Nacional Dinamarquesa, a Igreja da Suécia, a Igreja da Islândia, a Igreja Evangélica Espanhola[21] e a Igreja da Noruega. A Igreja da Finlândia também permite oração para casais do mesmo sexo.[22]

Algumas denominações da mesma escola de pensamento cristão mantém posições opostas sobre o tema. Várias partes da Igreja Luterana mantém posições divergentes sobre a questão, com opiniões que vão desde que atos homossexuais são pecados à aceitação das relações homossexuais. Por exemplo, a Igreja Luterana - Sínodo de Missouri e a Igreja Luterana da Austrália reconhecem a conduta homossexual como intrinsecamente pecaminosa e procuram ministrar para aqueles que estão lutando contra inclinações homossexuais.[23][24] No entanto, o Igreja da Suécia realiza casamentos do mesmo sexo, enquanto a Igreja Evangélica Luterana na América abre o ministério da igreja para pastores gays e lésbicas e outros trabalhadores profissionais que vivem em um relacionamento afetivo.[25] A Sociedade Religiosa dos Amigos (Quakers) é também muito parecida com o luteranismo em relação à homossexualidade. Por exemplo, a Amigos Unidos e a Reunião Evangélica Internacional dos Amigos acreditam que as relações sexuais são toleradas apenas no casamento, que eles definem como sendo entre um homem e uma mulher.[26] No entanto, a Conferência Geral dos Amigos e os Amigos na Grã-Bretanha aprovam o casamento homossexual.[27][28] A maior parte da Comunhão Anglicana não aprova a atividade homossexual, com exceção da Igreja Episcopal dos Estados Unidos, que está enfrentando uma possível exclusão de organismos internacionais anglicanos sobre a questão.[29]

A maioria das denominações pentecostais se opõem fortemente ao comportamento homossexual,[carece de fontes?] mas há um crescente número de denominações e igrejas independentes que aceitam totalmente a homossexualidade e, inclusive, realizam casamentos homossexuais.[carece de fontes?]

Além disso, algumas denominações cristãs, como a Igreja Moraviana, acreditam que a Bíblia menciona atos homossexuais de forma negativa, embora ainda esteja a trabalhar na criação de políticas para a questão da ordenação e da homossexualidade, mantendo uma pesquisa sobre o assunto.[30]

Crenças e mitologiaEditar

BíbliaEditar

 
A destruição de Sodoma ilustrada por Sebastian Münster (1564)

Seguindo o exemplo do estudioso de Yale John Boswell, foi argumentado que vários dos primeiros cristãos (como os santos Sérgio e Baco) iniciaram relações homossexuais[31] e que certas figuras bíblicas tinham relações homossexuais, apesar das injunções bíblicas contra as relações sexuais entre membros do mesmo sexo. Os exemplos citados são Rute e sua sogra Noemi, Daniel e o oficial da corte Aspenaz e, mais notoriamente, Davi e Jônatas, filho do rei Saul.[32]

A história de Davi e Jônatas foi descrita como "a justificativa bíblica judaico-cristã mais influente do amor homoerótico".[33] O relacionamento entre Davi e Jônatas é abordado principalmente no Primeiro Livro de Samuel, do Velho Testamento, como parte da história da ascensão de Davi ao poder. A visão dominante encontrada na exegese bíblica moderna argumenta que a relação entre os dois é meramente uma amizade platônica próxima.[34][35] No entanto, alguns interpretaram o amor entre Davi e Jônatas como romântico ou sexual.[36][37][38][39] Embora David fosse casado (com muitas mulheres), ele articula uma distinção entre seu relacionamento com Jônatas e os laços que ele compartilha com as mulheres.

Outro herói bíblico, Noé, mais conhecido por construir uma arca para salvar animais e pessoas dignas de um dilúvio divinamente causado, mais tarde se tornou um vinicultor. Um dia ele bebeu muito vinho e adormeceu nu em sua tenda. Quando seu filho Cam entrou na tenda, ele viu seu pai nu, e seu filho, Canaã, foi amaldiçoado com o banimento e possivelmente a escravidão. Na tradição judaica, também é sugerido que Ham fez sexo anal com Noé ou o castrou.[40]

SantosEditar

 
São Sebastião, considerado por alguns o primeiro ícone LGBT do mundo

Embora altamente controversas, tentativas foram feitas para considerar certos santos cristãos como exemplos positivos de homossexualidade na história da Igreja:

  • Santos Sérgio e Baco: a relação estreita de Sérgio e Baco levou alguns comentaristas modernos a acreditar que eram amantes. A evidência mais popular para essa visão é que o texto mais antigo de seu martirológio, na língua grega, os descreve como "erastai", ou amantes.[41] O historiador John Boswell considerou o relacionamento deles um exemplo de união homossexual dos primeiros cristãos, refletindo sua visão contestada das atitudes tolerantes dos primeiros cristãos em relação à homossexualidade .[41] A posição oficial da Igreja Ortodoxa Oriental é que a antiga tradição oriental de adelphopoiia, que foi feita para formar uma "irmandade" em nome de Deus, e é tradicionalmente associada a esses dois santos, não tinha implicações sexuais.
  • Santos Cosmas e Damião:[42] Uma dificuldade com esta afirmação é que a maioria das hagiografias lista esses santos como irmãos ou gêmeos naturais.[43][44]
  • São Sebastião foi considerado o primeiro ícone gay do mundo.[45] A combinação de seu físico forte sem camisa, o simbolismo das flechas penetrando em seu corpo e a expressão de dor arrebatadora em seu rosto intrigou artistas gays e heterossexuais por séculos e deu início ao primeiro culto explicitamente gay no século XIX.[45] Richard A. Kaye escreveu: "Homens gays contemporâneos viram em Sebastian ao mesmo tempo uma propaganda impressionante do desejo homossexual (na verdade, um ideal homoerótico) e um retrato prototípico de uma caixa de armário torturada".[46][47]

EunucosEditar

A extensão e até mesmo a existência da castração religiosa entre os cristãos, com membros da igreja primitiva castrando-se para fins religiosos,[48] está sujeita a debate.[49] O primeiro teólogo Orígenes encontrou a justificativa bíblica para a prática em Mateus 19:12-NRSV,[50] onde Jesus diz: "Porque há eunucos que o são desde o nascimento, e há eunucos que foram feitos eunucos por outros, e há eunucos que se tornaram eunucos por amor do reino dos céus. Deixe quem pode aceitar isso. " (NRSV)

Ao descrever Jesus como um spado e Paulo de Tarso como um castratus em seu livro De Monogamia, Tertuliano, um Pai da Igreja do século II, usou palavras latinas que denotavam eunucos[51] para se referir à virgindade e continência.[52][53]

O significado da seleção do eunuco etíope como sendo o primeiro gentio convertido foi discutido como representativo da inclusão de uma minoria sexual no contexto da época.[54]

Orientações sexuais específicasEditar

Homossexualidade masculinaEditar

O cristianismo tradicionalmente considera o comportamento homossexual masculino uma prática imoral ou pecaminosa, e a maioria das denominações cristãs (contendo a maioria dos cristãos em todo o mundo) continua a ter essa opinião. Isso inclui a Igreja Católica Romana,[55] as igrejas Ortodoxas Orientais,[56] a Igreja de Jesus Cristo, os Santos dos Últimos Dias, os Irmãos em Cristo[57] e a Aliança Cristã e Missionária . Algumas denominações têm subgrupos que também mantêm essa crença, incluindo alguns sínodos conservadores da Igreja Luterana (por exemplo, Igreja Luterana - Sínodo de Missouri[58][59][60]), algumas igrejas protestantes evangélicas e a Convenção Batista do Sul.

Muitos cristãos hoje acreditam que o sexo gay não é uma prática inerentemente pecaminosa. As denominações que ocupam esta posição incluem a Igreja Unida do Canadá, a Igreja Unida de Cristo, a Igreja da Morávia, a Igreja da Comunidade Metropolitana, a Conferência Geral de Amigos, a Igreja Anglicana no Canadá, a Igreja Anglicana em Aotearoa, Nova Zelândia e Polinésia, o Anglicano Igreja Episcopal do Brasil, Igreja Episcopal dos Estados Unidos, Igreja Luterana da Noruega, Igreja Luterana da Islândia, Igreja Luterana da Finlândia, Igreja Luterana da Dinamarca, Igreja Protestante da Holanda, Igreja Luterana da Suécia, luterana, igrejas reformadas e unidas na Igreja Evangélica na Alemanha, as igrejas reformadas na Federação das Igrejas Protestantes Suíças, a Igreja Protestante Unida da França, a Igreja Protestante Reformada de Luxemburgo, a Igreja Protestante Unida na Bélgica, a Igreja Evangélica da Confissão de Augsburg na Áustria ou a Igreja Reformada na Áustria . Recentemente, a Igreja Presbiteriana dos EUA, a Igreja Reformada Unida, a Igreja Metodista da Grã-Bretanha,[61] e a Igreja Evangélica Luterana na América,[62] também determinaram que relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo não são inerentemente pecaminosos. A partir de 2018, a Igreja Metodista Unida está a debater esta questão e irá votar em junho de 2019 um plano que permitirá às conferências decidir se ordenam ou não clérigos LGBT e conduzem casamentos do mesmo sexo.[63]

A Comunhão Anglicana em todo o mundo experimentou um debate contínuo e controvérsia sobre a homossexualidade antes e depois que a Igreja Episcopal ordenou o primeiro bispo abertamente gay, Gene Robinson, em 2003.  A Igreja reafirma às pessoas com atração pelo mesmo sexo que são amadas por Deus e são bem-vindas como membros plenos do Corpo de Cristo . A liderança da Igreja tem uma variedade de pontos de vista em relação à expressão e ordenação homossexual. Algumas expressões de sexualidade são consideradas pecaminosas, incluindo "promiscuidade, prostituição, incesto, pornografia, pedofilia, comportamento sexual predatório e sadomasoquismo (todos os quais podem ser heterossexuais e homossexuais)". A Igreja está preocupada com as pressões sobre os jovens para se envolverem sexualmente e encoraja a abstinência.[64]

A Igreja da Comunidade Metropolitana foi fundada especificamente para servir a comunidade LGBT cristã. Seu fundador, Troy Perry, foi o primeiro ministro a conduzir um casamento do mesmo sexo em público, além de abrir a primeira ação judicial para o reconhecimento legal de casamentos do mesmo sexo nos Estados Unidos.[65]

LesbianidadeEditar

As lésbicas enfrentam preconceitos sociais e culturais diferentes dos homens gays. A experiência deles no cristianismo às vezes é diferente da dos gays, embora o lesbianismo também seja tradicionalmente considerado um pecado dentro da religião.[66] No entanto, algumas denominações cristãs contemporâneas, como a Igreja Unida de Cristo e a Igreja da Comunidade Metropolitana, não sustentam essa crença. Eles aceitam paroquianas lésbicas, realizam casamentos do mesmo sexo e ordenam mulheres que estejam em relacionamentos do mesmo sexo.

Em 1982, membros lésbicas do DignityUSA fundaram a Conferência para Lésbicas Católicas com a preocupação de que o DignityUSA fosse muito voltado para os homens.[67]

Em 1986, o Evangelical and Ecumenical Women's Caucus (EEWC) aprovou uma resolução afirmando: "Considerando que os homossexuais são filhos de Deus, e por causa do mandato bíblico de Jesus Cristo, somos todos criados iguais aos olhos de Deus, e em reconhecimento da presença da minoria lésbica em EWCI, EWCI toma uma posição firme a favor da proteção dos direitos civis para pessoas homossexuais. "[68]

Uma pesquisa com mulheres lésbicas autoidentificadas encontrou uma "dissonância" entre sua identidade religiosa e sexual. Essa dissonância estava relacionada a ser um cristão evangélico antes de se assumir.[69]

BissexualidadeEditar

Muito poucas igrejas divulgaram declarações sobre a bissexualidade, e a pesquisa sobre a comunidade cristã bissexual foi afetada pelo fato de que cristãos bissexuais são freqüentemente considerados iguais a cristãos lésbicos e gays.[70] No entanto, em 1972, um grupo Quaker, o Comitê de Amigos da Bissexualidade, emitiu a “Declaração de Ithaca sobre a Bissexualidade” apoiando os bissexuais.[71] A declaração, que pode ter sido "a primeira declaração pública do movimento bissexual" e "foi certamente a primeira declaração sobre a bissexualidade emitido por uma assembléia religiosa americana," apareceu na Quaker Friends Journal e The Advocate, em 1972.[72][73][74] Hoje, os quacres têm opiniões variadas sobre as pessoas e direitos LGBT, com alguns grupos quacres mais receptivos do que outros.[75]

AssexualidadeEditar

Assexualidade pode ser considerada a falta de orientação sexual, ou uma das quatro variações disso, ao lado da heterossexualidade, homossexualidade e bissexualidade .[76][77][78]

Como a assexualidade é relativamente nova no discurso público, poucas denominações cristãs a discutem e a Bíblia não apresenta claramente uma opinião sobre isso.[79][80] No entanto, algumas publicações cristãs recentemente fizeram declarações sobre o assunto. Na revista cristã Vision, David Nantais, SJ e Scott Opperman, SJ escreveram em 2002: "Pergunta: Como você chama uma pessoa que é assexuada? Resposta: Não é uma pessoa. Pessoas assexuadas não existem. A sexualidade é um dom de Deus e, portanto, uma parte fundamental da nossa identidade humana. Aqueles que reprimem sua sexualidade não estão vivendo como Deus os criou para ser: plenamente vivos e bem. Como tal, provavelmente são pessoas infelizes com as quais viver. ”[80][81] Mas, em contraste, Lisa Petriello escreveu o artigo “Por que nós, cristãos, devemos aceitar assexuais”, que foi publicado em 2020 na revista Katy Christian.[82]

Omnissexualidade e pansexualidadeEditar

Pansexualidade e onissexualidade estão intimamente relacionadas. A pansexualidade é atração sexual por pessoas independente de gênero. A onissexualidade é atração sexual por pessoas, de todos as identidades de gênero, consciente de gênero.[83][84]

A bíblia não menciona especificamente pansexualidade ou onissexualidade. Mas, uma vez que a pansexualidade e a onissexualidade podem envolver sexo com pessoas do mesmo sexo, as condenações bíblicas da homossexualidade se aplicariam igualmente àqueles que praticam pansexualidade ou onissexualidade. A tendência recente de ignorar o gênero ou mesmo negá-lo inteiramente é tida como absolutamente poucobólica.[85] Porém, assim como tentação nem sempre seja o ato do pecado, assim pode ser interpretada a atração, que não necessariamente implica num comportamento homossexual, pois em Hebreus 4:15 ensina-se que Jesus "[…] foi tentado, mas sem pecado. […]".[86] Logo, assim como um indivíduo, exclusivamente homossexual, pode abster-se das práticas sexuais, um pansexual ou onissexual pode não se relacionar sexualmente com pessoas do mesmo sexo, assim como certas organizações religiosas prescrevem.[87]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Smith, SE (21 de agosto de 2012). «Asexuality always existed, you just didn't notice it». The Guardian. Consultado em 11 de março de 2013 
  2. «Ace Week». Ace Week 
  3. Bogaert, Anthony F. (2004). «Asexuality: prevalence and associated factors in a national probability sample». Journal of Sex Research. 41: 279–87. PMID 15497056. doi:10.1080/00224490409552235 
  4. Melby, Todd (novembro de 2005). «Asexuality gets more attention, but is it a sexual orientation?». Contemporary Sexuality. 39: 1, 4–5. ISSN 1094-5725. Consultado em 20 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2015The journal currently does not have a website 
  5. Marshall Cavendish, ed. (2010). «Asexuality». Sex and Society. 2. [S.l.]: Marshall Cavendish. pp. 82–83. ISBN 978-0-7614-7906-2. Consultado em 27 de julho de 2013 
  6. «Abrahamic Religions» (PDF). William A. Percy. Consultado em 16 de maio de 2008 
  7. «Human Sexuality». The United Methodist Church. Consultado em 16 de maio de 2008 
  8. "Catechism of the Catholic Church"
  9. Catechism of the Catholic Church, § 2357,Criteria for the Discernment of Vocation for Persons with Homosexual Tendencies
  10. «On Marriage, Family, Sexuality, and the Sanctity of Life». Consultado em 10 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 9 de julho de 2011 
  11. «Human Sexuality». The United Methodist Church. Consultado em 16 de maio de 2008 
  12. «Stances of Faiths on LGBT Issues: African Methodist Episcopal Church». The Human Rights Campaign. Consultado em 25 de novembro de 2009. Arquivado do original em 21 de novembro de 2009 
  13. «The Christian Life – Christian Conduct». Free Methodist Church. Consultado em 16 de maio de 2008. Arquivado do original em 13 de maio de 2008 
  14. «British Methodists reject blessing of same-sex relationships». The United Methodist Church. Consultado em 16 de maio de 2007 
  15. «Summaries of General Synod Discussions and Actions on Homosexuality and the Rights of Homosexuals». Reformed Church in America. Consultado em 21 de novembro de 2009 
  16. «Homosexuality» (PDF). Consultado em 12 de novembro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 30 de abril de 2013 
  17. «O que a Bíblia diz sobre o homossexualismo?». jw.org. Consultado em 1 de agosto de 2016 
  18. «Same-Gender Attraction – LDS Newsroom». Newsroom.lds.org. Consultado em 12 de novembro de 2011 
  19. NYTimes.com "United Church of Christ Backs Same-Sex Marriage"
  20. «EKD:Verantwortung und Verlässlichkeit stärken (german)». Ekd.de. Consultado em 12 de novembro de 2011. Arquivado do original em 16 de novembro de 2011 
  21. El País: La Iglesia Evangélica Española se abre a los homosexuales.
  22. «Church of Finland allows prayer for same sex couples (In Finnish)». Mtv3.fi. Consultado em 12 de novembro de 2011 
  23. «What about Homosexuality?» (PDF). Lutheran Church–Missouri Synod. Consultado em 22 de novembro de 2009. Arquivado do original (PDF) em 4 de dezembro de 2004 
  24. «Are homosexuals accepted in WELS?». Wisconsin Evangelical Lutheran Synod. Consultado em 22 de novembro de 2009 
  25. «ELCA Assembly Opens Ministry to Partnered Gay and Lesbian Lutherans». Evangelical Lutheran Church in America. Consultado em 22 de novembro de 2009 
  26. «History of FUM policy regarding the appointment of homosexuals» (PDF). Friends United Meeting. Consultado em 22 de novembro de 2009. Arquivado do original (PDF) em 8 de outubro de 2010 
  27. Butt, Riazat (31 de julho de 2009). «Quakers said same-sex couples 'miss the public recognition of their partnership in a religious ceremony'». The Guardian. London. Consultado em 22 de novembro de 2009 
  28. «Homosexuality and Quakerism» (PDF). New England Yearly Meeting. Consultado em 22 de novembro de 2009. Arquivado do original (PDF) em 8 de outubro de 2010 
  29. Gledhill, Ruth (27 de junho de 2006). «ELCA Assembly Opens Ministry to Partnered Gay and Lesbian Lutherans». The Times. London. Consultado em 22 de novembro de 2009 
  30. «On Homosexuality and Ordination». The Moravian Interprovincial Faith & Order Commission. Consultado em 22 de novembro de 2009. Arquivado do original em 22 de julho de 2006 
  31. Boswell, John (1996). «The Marriage of Likeness. Same-Sex Unions in Pre-Modern Europe». Fontana 
  32. «SAME-SEX RELATIONSHIPS IN THE BIBLE: CONSERVATIVE AND LIBERAL VIEWPOINTS». www.religioustolerance.org 
  33. Haggerty, p.380
  34. DeYoung, p. 290
  35. Martti Nissinen, Kirsi Stjerna, Homoeroticism in the Biblical World, p. 56
  36. Boswell, John. Same-sex Unions in Premodern Europe. New York: Vintage, 1994. (pp. 135-137)
  37. Halperin, David M. One Hundred Years of Homosexuality. New York: Routledge, 1990. (p. 83)
  38. When Heroes Love:. The Ambiguity of Eros in the Stories of Gilgamesh and David (New York & Chichester, Columbia University Press, 2005), pp. 165-231
  39. Homosexuality and Liminality in the Gilgamesh and Samuel (Amsterdam, Hakkert, 2007), pp. 28-63
  40. Conner & Sparks p. 250, "Noah"
  41. a b Boswell, p. 154
  42. Jordan, Mark D. (2000). The silence of Sodom: homosexuality in modern Catholicism. Chicago: University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-41041-8  on the nature of "brotherly love", p.174
  43. Holy Wonderworking Unmercenary Physicians Cosmas and Damian at Rome, synaxarion, Orthodox Church in America
  44. troparia, All; saints, kontakia · All lives of. «Lives of the Saints». www.oca.org 
  45. a b «Subjects of the Visual Arts: St. Sebastian». glbtq.com. 2002. Consultado em 1 de agosto de 2007. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2007 
  46. Kaye, Richard A. (1996). Losing His Religion: Saint Sebastian as Contemporary Gay Martyr. 86. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-203-29128-3. doi:10.4324/9780203432433_chapter_five 
  47. «Arrows of desire: How did St Sebastian become an enduring, homo-erotic icon? - Features, Art». The Independent. 10 de fevereiro de 2008. Consultado em 16 de julho de 2009 
  48. Caner, Daniel (1997). «The Practice and Prohibition of Self-Castration in Early Christianity». Vigiliae Christianae. 51: 396–415. JSTOR 1583869. doi:10.1163/157007297X00291 
  49. Hester, David (2005). «Eunuchs and the Postgender Jesus: Matthew 19:12 and Transgressive Sexualities». Journal for the Study of the New Testament. 28: 13–40. doi:10.1177/0142064X05057772 
  50. Frend, W. H. C., The Rise of Christianity, Fortress Press, Philadelphia, 1984, p. 374, which in footnote 45 cites Eusebius, Historia Ecclesiastica VI.8.2
  51. «Words». Archives.nd.edu. Consultado em 24 de abril de 2014 
  52. Moxnes, By Halvor (2004). Putting Jesus in his place. [S.l.]: Westminster John Knox Press. ISBN 978-0-664-22310-6. Especially in De Monogamia it seems clear that Tertullian takes spado to mean a "virgin", but by using the word spado he employed a term that was in common use to refer to castrated men 
  53. Accordingly, Tertullian's text, "ipso domino spadonibus aperiente regna caelorum ut et ipso spadone, quem spectans et apostolus, propterea et ipse castratus, continentiam mavult" (De monogamia, 3) has been translated as "seeing that the Lord Himself opens 'the kingdoms of the heavens' to 'eunuchs', as being Himself, withal, a virgin; to whom looking, the apostle also--himself too for this reason abstinent--gives the preference to continence" (Roberts-Donaldson translation).
  54. Rogers, Jack (14 de abril de 2009). Jesus, the Bible, and Homosexuality, Revised and Expanded Edition: Explode the Myths, Heal the Church. [S.l.]: Westminster John Knox Press. ISBN 9781611640502 – via Google Books 
  55. Catechism of the Catholic Church, § 2357 and Criteria for the Discernment of Vocation for Persons with Homosexual Tendencies Arquivado em fevereiro 25, 2008[Erro data trocada], no Wayback Machine.
  56. «Holy Synod - Encyclicals - Synodal Affirmations on Marriage, Family, Sexuality, and the Sanctity of Life». www.oca.org 
  57. [1]
  58. Homosexual Policy Arquivado em 2004-03-23 no Archive.is, The Lutheran Church–Missouri Synod
  59. «What is the Missouri Synod's response to homosexuality? ». Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2010 
  60. «Commission on Theology and Church Relations - The Lutheran Church—Missouri Synod». www.lcms.org 
  61. Daniel Blake. «Methodist Conference to Reaffirm Church Tolerance for Homosexuality». Christianity Today 
  62. Evangelical Lutheran Church in America (19 de agosto de 2009). «A Social Statement on Human Sexuality, Gift and Trust» (PDF) 
  63. Council of Bishops, The United Methodist Church (9 de julho de 2018). «Amended Call for Special Session of the General Conference» (PDF) 
  64. «Section I.10 - Human Sexuality». anglicancommunion.org. Consultado em 4 de janeiro de 2020 
  65. «History of MCC – Metropolitan Community Churches». www.mccchurch.org (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2018 
  66. Mahaffy, Kimberly A. (1996). «Cognitive Dissonance and Its Resolution: A Study of Lesbian Christians». Journal for the Scientific Study of Religion. 35: 392–402. JSTOR 1386414. doi:10.2307/1386414 
  67. Hogan, Steve and Lee Hudson (1998). Completely Queer: The Gay and Lesbian Encyclopedia,. pg. 478. New York, Henry Holt and Company. ISBN 0805036296.
  68. Keller, Rosemary Skinner; Ruether, Rosemary Radford; Cantlon, Marie (1 de janeiro de 2006). Encyclopedia of Women and Religion in North America: Women and religion: methods of study and reflection. [S.l.]: Indiana University Press. ISBN 9780253346865 – via Google Books 
  69. Mahaffy, Kimberly A. (1996). «Cognitive Dissonance and Its Resolution: A Study of Lesbian Christians». Journal for the Scientific Study of Religion. 35: 392–402. JSTOR 1386414. doi:10.2307/1386414 
  70. Toft, Alex (15 de agosto de 2014). «Re-imagining bisexuality and Christianity: The negotiation of Christianity in the lives of bisexual women and men» (PDF). Sexualities (em inglês). 17: 546–564. ISSN 1363-4607. doi:10.1177/1363460714526128 
  71. «June 1972: The Ithaca Statement - BiMedia». 10 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2015 
  72. Donaldson, Stephen (1995). «The Bisexual Movement's Beginnings in the 70s: A Personal Retrospective». In: Tucker. Bisexual Politics: Theories, Queries, & Visions. [S.l.]: Harrington Park Press. pp. 31–45. ISBN 978-1-56023-869-0 
  73. Highleyman, Liz (11 de julho de 2003). «PAST Out: What is the history of the bisexual movement?». LETTERS From CAMP Rehoboth. 13 (8). Consultado em 18 de março de 2008. Cópia arquivada em 31 de maio de 2008 
  74. Martin, Robert (2 de agosto de 1972). «Quakers 'come out' at conference». The Advocate. 8 páginas 
  75. Campaign, Human Rights. «Stances of Faiths on LGBTQ Issues: Religious Society of Friends - Human Rights Campaign» 
  76. Bogaert, Anthony F. (2004). «Asexuality: prevalence and associated factors in a national probability sample». Journal of Sex Research. 41: 279–87. PMID 15497056. doi:10.1080/00224490409552235 
  77. Melby, Todd (novembro de 2005). «Asexuality gets more attention, but is it a sexual orientation?». Contemporary Sexuality. 39: 1, 4–5. ISSN 1094-5725. Consultado em 20 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2015The journal currently does not have a website 
  78. Marshall Cavendish, ed. (2010). «Asexuality». Sex and Society. 2. [S.l.]: Marshall Cavendish. pp. 82–83. ISBN 978-0-7614-7906-2. Consultado em 27 de julho de 2013 
  79. Smith, SE (21 de agosto de 2012). «Asexuality always existed, you just didn't notice it». The Guardian. Consultado em 11 de março de 2013 
  80. a b «Ace Week». Ace Week 
  81. «Eight myths about religious life - VISION Vocation Network for Catholic Religious Life & Priesthood - English». Consultado em 25 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2019 
  82. Petriello, Lisa (15 de dezembro de 2020). «Why We Christians Should Accept Asexuals» 
  83. «Out of the pansexual closet». christiantoday.com.au (em inglês). Consultado em 17 de maio de 2021 
  84. NYC, The Charles. «Coming Out As A Pansexual Christian: Because They First Loved Me». Believe Out Loud. Consultado em 17 de maio de 2021 
  85. «What does the Bible say about pansexuality / omnisexuality?». GotQuestions.org (em inglês). Consultado em 17 de maio de 2021 
  86. «Is Same Sex Attraction Sinful? - Association of Certified Biblical Counselors». https://biblicalcounseling.com/ (em inglês). Consultado em 17 de maio de 2021 
  87. Cooney, Rebecca. «Organisation that prescribes sexual abstinence for gay Christians achieves registration». www.thirdsector.co.uk. Consultado em 17 de maio de 2021