Hotaru no Haka

filme de animação japonês dirigido por Isao Takahata
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Hotaru no Haka (desambiguação).

Hotaru no Haka (火垂るの墓 Loudspeaker.svg? pronúncia? Brasil: O Túmulo dos Vagalumes ou Túmulo dos Vaga-Lumes / Portugal: O Túmulo dos Pirilampos) é um filme japonês de animação e drama, lançado em 1988. Dirigido por Isao Takahata e produzido pelo Studio Ghibli, o seu roteiro é baseado no romance semi-autobiográfico de Akiyuki Nosaka. Hotaru no Haka é situada na cidade de Cobe, no Japão, e conta a dura história de dois irmãos (Seita e Setsuko) lutando para sobreviver durante os meses finais da Segunda Guerra Mundial. O elenco da película é composto pelas vozes de Tsutomu Tatsumi, Ayano Shiraishi, Yoshiko Shinohara e Akemi Yamaguchi.

Hotaru no Haka
火垂るの墓
No Brasil
  • O Túmulo dos Vagalumes[1]
  • Túmulo dos Vaga-Lumes[2]
Em Portugal O Túmulo dos Pirilampos[3]
Japão
1988 •  cor •  89[4] min 
Direção Isao Takahata
Produção Toru Hara
Roteiro Isao Takahata
Baseado em "Hotaru no Haka", de Akiyuki Nosaka
Elenco
  • Tsutomu Tatsumi
  • Ayano Shiraishi
  • Yoshiko Shinohara
  • Akemi Yamaguchi
Gênero
Música Michio Mamiya
Cinematografia Nobuo Koyama
Edição Takeshi Seyama
Companhia(s) produtora(s) Studio Ghibli
Distribuição Toho
Lançamento 16 de abril de 1988 (1988-04-16)
Idioma japonês
Receita ¥ 590 milhões[7]

Para a produção de Hotaru no Haka, Takahata utilizou vivências pessoais de quando era criança para criar algumas cenas da animação, dentre elas a aflição e o bombardeio.[8] Aclamado pela crítica, a obra foi considerada pelo célebre crítico cinematográfico Roger Ebert como um dos melhores e mais importantes longas-metragens sobre a guerra, e em 2000, incluiu-o na sua lista dos melhores filmes de todos os tempos.[9] É reconhecido por analistas e estudiosos de cinema como um clássico cult e um dos filmes mais tristes da animação japonesa.[10] Também foi considerado, ao lado dos longas Schindler's List e The Pianist, como uma das melhores produções anti-guerra da história, embora esta interpretação tenha sido negada pelo diretor.[11] Após a versão animada duas versões em live action, também baseada na obra de Nosaka, foram lançadas; a primeira em 2005 e a outra em 2008.[12]

EnredoEditar

Nos últimos meses da Segunda Guerra Mundial, os irmãos Seita e Setsuko ficam órfãos após a morte da mãe num ataque aéreo em Cobe, no Japão.[13] Depois de um desentendimento com a tia — com quem moravam —, mudam-se para um abrigo abandonado no meio da floresta.[14][15] Sem parentes vivos e com pouca comida, Seita e Setsuko lutam para sobreviver.[16]

ElencoEditar

A seguir apresenta-se o elenco de Hotaru no Haka.[17][18]

  • Tsutomu Tatsumi como Seita Yokokawa (横川 清太?)
  • Ayano Shiraishi como Setsuko Yokokawa (横川 節子?)
  • Yoshiko Shinohara como Sr.ª Yokokawa (横川 さん?)
  • Akemi Yamaguchi como a tia de Seita e Setsuko

ProduçãoEditar

DesenvolvimentoEditar

 
Isao Takahata, diretor de Hotaru no Haka

Akiyuki Nosaka, autor do conto Hotaru no Haka, afirmou ter recebido muitas propostas para adaptações cinematográficas em live-action do seu conto.[19] Nosaka argumentou que "era impossível criar à terra árida e queimada que deveria ser o cenário da história", e que atores infantis não seriam capazes de interpretar os personagens de forma convincente.[19] O autor ficou surpreso quando uma versão animada foi oferecida, e após ver alguns storyboards, Nosaka concluiu que não era possível que tal história tivesse sido feita por qualquer outro método que não fosse a animação, e expressou surpresa pela precisão com que os arrozais e a paisagem da cidade foram retratadas.[19]

Isao Takahata viu-se obrigado a fazer o filme depois de ver como o personagem principal, Seita, era o único [na obra] do nono grau em tempo de guerra.[20] Takahata explicou que qualquer história de guerra (animada ou não) tende a ser comovente e que os jovens desenvolvem um "complexo de inferioridade", onde percebem que as pessoas em épocas de conflitos bélicos eram nobres e mais maduras, e, o público acredita que a história não tem nada a ver com eles, e o diretor queria dissipar essa mentalidade.[19] Sobre desenhar os personagens principais, o diretor disse que estava com dificuldade com Seita, pois nunca havia retratado um garoto com menos de cinco anos,[19] porém, afirmou que o filme é do ponto de vista de Seita.[21]

Takahata disse haver considerado a utilização de métodos de animação não tradicionais,[21] tendo dificuldade em esboçar o lugar retratado da obra, pois na animação japonesa "não é permitido representar o Japão de uma forma realista".[19] Os animadores viajavam para alguns países para saber como os retratar.[19] A maioria das ilustrações do filme são em marrom, ao invés do habitual preto; os contornos pretos só foram usados quando era absolutamente necessário, e isto foi feito para dar ao filme uma sensação de suavidade, segundo Michiyo Yasuda.[19]

Trilha sonoraEditar

A trilha sonora de Hotaru no Haka foi inteiramente composta por Michio Mamiya que é especialista em música barroca e clássica.[22] Foi originalmente lançada em 25 de junho de 1988, pela Tokuma Japan Communications,[23] contendo dezoito faixas e sendo relançada em 5 de abril de 1997.[24]

Alinhamento de faixas[25]
N.º Título Duração
1. "Setsuko to Seita ~ Main Title (節子と清太~メインタイトル?)"   2:57
2. "Yake Nohara (焼野原?)"   6:51
3. "Haha no Shi (母の死?)"   6:34
4. "Shoka (初夏?)"   3:14
5. "Ike no Hotori (池のほとり?)"   2:21
6. "Umi he (海へ?)"   1:37
7. "Namiuchigiwa (波打際?)"   1:37
8. "Higasa (日傘?)"   2:26
9. "Sakura no Shita (桜の下?)"   1:31
10. "Dorobbusu (ドロップス?)"   2:13
11. "Hikkoshi (引越し?)"   2:17
12. "Keimai (兄弟?)"   2:15
13. "Hotaru (ほたる?)"   4:12
14. "Hotaru no Haka (ほたるの墓?)"   1:46
15. "Yuuyake (夕焼け?)"   0:53
16. "Shura (修羅?)"   3:08
17. "Hika (悲劇?)"   3:12
18. "Futari ~ End Title (ふたり~エンドタイトル?)"   8:52
Duração total:
58:13

LançamentoEditar

DistribuiçãoEditar

Em seu lançamento nos cinemas, em 16 de abril de 1988, Hotaru no Haka foi lançando junto a Tonari no Totoro, de Hayao Miyazaki.[26][27] Tanto Isao Takahata como Miyazaki, ambos fundadores do Studio Ghibli, queriam mostrar "os dois lados da questão que tratavam".[28] Enquanto o público-alvo de Tonari no Totoro era o infantil, Hotaru no Haka era direcionado a um público mais velho; o primeiro filme mencionado obteve um enorme êxito comercial graças ao seu marketing, já o segundo não foi tão bem recebido devido à sua natureza adulta e realista sobre a Segunda Guerra Mundial no Japão.[29]

Cinco anos após o seu lançamento no Japão, Hotaru no Haka, foi lançado em países do Ocidente. Nos Estados Unidos foi lançado primeiramente no formato de VHS em 1993, pela Central Park Media,[30] e um ano após estreou no Festival Internacional de Cinema de Chicago.[31] Em 12 de agosto de 2018, estreou oficialmente nos cinemas estadunidenses,[32] além de ser distribuído nos formatos de home video (desta vez pela GKIDS) e em serviços de streaming.[33][34] A Versátil Home Vídeo ficou encarregada da distribuição de Hotaru no Haka no Brasil, que o lançou em blu-ray e DVD. Os extras dos produtos incluíram: storyboards originais e de cenas excluídas, depoimentos especiais, perspectiva histórica, vídeos promocionais, dentre outros.[35][36] Também no país, Hotaru no Haka foi exibido no Festival do Rio na cidade do Rio de Janeiro em 2015, dentro de uma mostra de nove filmes do Studio Ghibli.[37] Em Portugal a Outsider Films distribuiu o filme apenas em DVD como parte da "Coleção Studio Ghibli".[38] O seu lançamento na França ocorreu em 19 junho de 1996 e conseguiu atrair boa recepção por parte dos críticos.[39][40]

Classificação indicativaEditar

Classificação
Brasil:  L[41]/12[35][36]
Japão:  G[42]
Portugal:  M/12[38]

Em seu país de origem, Hotaru no Haka recebeu da Eirin a classificação "G" (一般指定?), e podendo ser assistida por todas as faixas etárias.[42] Nos Estados Unidos, o filme não classificado pela Motion Picture Association of America (MPAA) sendo categorizado como Not Rated (NR), mas foi descrito com cenas de "violência e distúrbio alimentares".[43] O senso comum do portal Common Sense Media sugere que a animação seria recomendada para maiores de 15 anos.[44] No Brasil, em seu lançamento para blu-ray e DVD, o filme recebeu a classificação de "impróprio para menores de 12 anos", conforme o Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação (DEJUS).[35][36] Por outro lado, no Ingresso.com —maior ticketeria online do país— foi classificado como "livre para todos os públicos".[41] Em Portugal, a organização de Inspecção-Geral das Actividades Culturais atribuiu uma classificação M/12. Assim, foi recomendado para maiores de 12 anos.[38]

RecepçãoEditar

BilheteriaEditar

No Japão, Hotaru no Haka arrecadou ao total 590 milhões de ienes,[7] tendo um sucesso modesto ao de Tonari no Totoro nas bilheterias.[45] Em seu lançamento oficial nos cinemas da América do Norte, em 12 de agosto de 2018, Hotaru no Haka arrecadou 158 101 dólares em sua estreia, em 715 cinemas.[46] No dia seguinte apresentou uma alta de 20,2% com uma receita de 190 019 dólares.[47] Já em seu quarto e último dia (15 de agosto) lucrou 168 842 dólares, ao total arrecadou — em 715 cinemas — 158 101 dólares.[32]

Resposta da críticaEditar

Hotaru no Haka obteve aclamação por parte dos críticos contemporâneos. No agregador de resenhas Rotten Tomatoes, o filme recebeu o "Certified Fresh" e marca uma pontuação de 100% com base em 40 resenhas e registra uma nota 9,30 de 10.[48] No Metacritic, que atribui uma média aritmética ponderada com base em 100 comentários de críticos mainstream, o filme recebe uma pontuação média de 94 pontos com base em 16 comentários, indicando "aclamação universal".[49]

Glenn Kenny, do aclamado The New York Times, fez uma crítica positiva ao filme, afirmando que "Hotaru no Haka continua sendo uma das animações mais surpreendentes e comoventes de todos os tempos. Foi considerado com "The 400 Blows", "Kes" e "Vagabond", um dos melhores filmes sobre ser jovem em um mundo indiferente".[50] "Uma experiência emocional tão poderosa que obriga a repensar sobre a animação", disse o crítico de cinema Roger Ebert em seu website.[51] Na publicação ao Entertainment Weekly, Michael Saulter escreveu: "o filme é tão profundamente triste que é às vezes difícil de ver, mas tão cheio de beleza que é impossível de desviar o olhar".[52] A mesma nota foi dada pelo IndieWire que além de chamá-lo de "insuportavelmente triste" elogiou o seu contexto.[53] Nota de cinco estrelas vieram de Steve Rose, do The Guardian e da revista Time Out; com o primeiro dizendo: "esta obra-prima japonesa é uma história de guerra tão dolorosa como qualquer longa-metragem em live-action".[54] "Hotaru no Haka não é um filme a ser levado de ânimo leve. Nem sequer ser apreciado. É uma obra que exige — e merece — concentração total e rendição emocional", registrou o editorial da Time Out.[55]

James Berardinelli, do Reelviews, premiou Hotaru no Haka com 4 estrelas, afirmando que "embora uma criança possa ser afetada no filme, leva um certo tempo para absorver completamente o que o diretor Isao Takahata quis dizer".[56] Além de ser descrito por sua ótima narrativa,[57] Takahata foi elogiado por não romantizar o sofrimento dos personagens.[58] Também foi descrito como um filme para não ser assistido com a família.[59] O website brasileiro Cinema com Rapadura atribui-lhe uma nota média de 10 pontos, com Davi Galantier Krasilchik registrando: "partindo de uma ótica extremamente intimista, Hotaru no Haka é uma das obras mais emocionantes a já ter vida nas telonas, dono de uma poderosa dupla de protagonistas e de atordoantes toques de realidade e melancolia".[60] As discussões trazidas pela obra foi um fato notado por Luiz Santiago do portal português Plano Crítico. Acrescentando que 'quando traçam um paralelo delas com a realidade de milhares de pessoas, em todas as idades, que não apenas morrem pela ação direta do fogo das muitas guerras em andamento, mas também por todos os outros males que elas trazem consigo'.[61]

Reação do públicoEditar

Após o seu lançamento internacional, notou-se que públicos diferentes interpretaram Hotaru no Haka de forma contrária devido a diferenças culturais. Por exemplo, quando o filme foi assistido pelos espectadores japoneses, a decisão de Seita de não voltar à casa da sua tia foi vista como uma decisão compreensível, pois conseguiram compreender como Seita havia sido criado para valorizar o seu orgulho e o de seu país. Mas, americanos e australianos foram mais propensos a perceber a decisão como pouco sensata, devido às diferenças culturais, de modo a tentar salvar a sua irmã e a si próprio.[62][63]

Temas e análisesEditar

Alguns críticos no Ocidente têm visto Hotaru no Haka como um filme anti-guerra devido à representação gráfica e emocional das tragédias deixadas pela guerra na sociedade e de seus indivíduos nela, a obra focaliza sua atenção quase inteiramente nas tragédias pessoais que a guerra provoca, em vez de tentar glamorizá-la como uma luta heroica entre nações inimigas.[64] Enfatizando que a guerra é o fracasso da sociedade em cumprir com o seu dever mais importante, o de "proteger seu próprio povo".[64]

No entanto, Takahata negou repetidamente que o filme fosse anti-guerra, e em suas próprias palavras: "não é de modo algum um anime anti-guerra e não contém absolutamente nenhuma mensagem desse tipo".[11] Em vez disso, Takahata tinha a intenção de transmitir uma visão dos irmãos vivendo uma vida fracassada devido ao seu isolamento da sociedade.[11] Como o filme dá pouco contexto à guerra, Takahata temia que algum político pudesse alegar que lutar é necessário para evitar tais tragédias e duvidada que às representações do sofrimento em obras semelhantes, como em Hadashi no Gen, preveniam conflitos bélicos.[65]

PrêmiosEditar

Ano Premiação Categoria Vencedor(es) e indicado(s) Resultado Ref.
1988 Blue Ribbon Awards Prêmio Especial Isao Takahata Venceu
[31]
1994 Chicago International Children's Film Festival Prêmio do Júri — Animação Venceu
Prêmio dos Direitos da Criança Venceu

Ver tambémEditar

Referências

  1. «O Túmulo dos Vagalumes (1988)». Cineplayers. Consultado em 14 de julho de 2021 
  2. «Túmulo dos Vaga-Lumes». AdoroCinema. Consultado em 14 de julho de 2021 
  3. Rodrigues, Carolina; Barreto, Diogo (26 de abril de 2018). «Já reparou neste pormenor do cartaz d'O Túmulo dos Pirilampos?». Sábado. Consultado em 14 de julho de 2021 
  4. «Grave of the Fireflies» (em inglês). British Board of Film Classification. Consultado em 14 de julho de 2021. Arquivado do original em 14 de agosto de 2015 – via Wayback Machine 
  5. «O Túmulo dos Pirilampos». Filmin. Consultado em 15 de julho de 2021 
  6. Chen, Heather (16 de abril de 2018). «Grave of the Fireflies: The haunting relevance of Studio Ghibli's darkest film» (em inglês). BBC News. Consultado em 15 de julho de 2021 
  7. a b Kanō, Seiji (1 de março de 2006). Hayao Miyazaki Complete Book 宮崎駿全書 (em japonês). Tóquio: Filmart. p. 123. 342 páginas. ISBN 978-4845906871 
  8. Alcântara, Tiago (10 de setembro de 2015). «De Gen Pés descalços ao Godzilla: como a bomba atômica inspirou a ficção japonesa». Com Ciência. Consultado em 18 de julho de 2021 
  9. Ebert, Roger (19 de março de 2000). «Grave of the Fireflies (1988)». Chicago Sun-Times (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021. Arquivado do original em 10 de março de 2005 – via Wayback Machine 
  10. Raysa, Rehenuma (13 de novembro de 2020). «Lose yourself in these five surreal cult titles from Studio Ghibli». The Daily Star (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  11. a b c Takahata, Isao (1 de agosto de 1991). 映画を作りながら考えたこと (em japonês). Tóquio: Tokuma Shoten. p. 471. 497 páginas. ISBN 9784195546390 
  12. Valdivia, Thais (14 de agosto de 2016). «La Tumba de las Luciérnagas - Crítica de la película de Isao Takahata». HobbyConsolas (em espanhol). Consultado em 18 de julho de 2021 
  13. Xue Ning, Alisia Pek (11 de março de 2013). «Weekly Classics: Grave of the Fireflies». Dawn.com (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  14. «The Grave of the Fireflies» (em inglês). US-China Institute. Consultado em 18 de julho de 2021 
  15. «Is Grave Of The Fireflies Based On A True Story». Looper (em inglês). 14 de junho de 2021. Consultado em 18 de julho de 2021 
  16. «7 Reasons Why 'Grave Of The Fireflies' Is the Saddest Japanese Movie Ever Made». Culture Trip (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  17. «Grave of the Fireflies (1989) - Cast and Crew». Moviefone (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2021 
  18. «Studio Ghibli's 'Grave of the Fireflies': A Devastating and Timeless Tale of the Second World War». Frieze (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2021 
  19. a b c d e f g h Animerica 1994, p. 8.
  20. Animerica 1994, p. 7.
  21. a b Animerica 1994, p. 10.
  22. «高畑勲は"音楽の演出"も抜きん出ていた 監督作品などから功績を辿る». Real Sound (em japonês). 15 de abril de 2018. Consultado em 20 de junho de 2021 
  23. «Grave of the Fireflies Original Soundtrack». Soundtrack Central (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2021 
  24. «間宮芳生「「火垂るの墓」サウンドトラック集」». Billboard Japan (em japonês). Consultado em 21 de junho de 2021 
  25. «間宮芳生/「火垂るの墓」サウンドトラック集» (em japonês). タワーレコード オンライン. Consultado em 21 de junho de 2021 
  26. Anderson, Kyle (16 de abril de 2018). «MY NEIGHBOR TOTORO, GRAVE OF THE FIREFLIES, and the Sad Nostalgia of youth». Nerdist (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2021 
  27. Schnelbach, Leah (7 de junho de 2017). «Studio Ghibli's Double Feature of Grave of the Fireflies and My Neighbor Totoro Was a Terrible Idea». Tor.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2021 
  28. García, Tania (13 de março de 2018). «El anime más realista que veras en tu vida». El Dictamen (em espanhol). Consultado em 7 de julho de 2021 
  29. Denichi, Mihael (21 de agosto de 2018). «'La Tumba de las Luciérnagas' se proyectará gratis en la CDMX». Wipy TV (em espanhol). Consultado em 12 de julho de 2021 
  30. Schnelbach, Leah (7 de junho de 2017). «Studio Ghibli's Double Feature of Grave of the Fireflies and My Neighbor Totoro Was a Terrible Idea» (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2021 
  31. a b «Animezing: Grave of the Fireflies» (em inglês). Japan Information & Culture Center. Consultado em 12 de julho de 2021 
  32. a b «Grave of the Fireflies — Domestic». Box Office Mojo (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2021 
  33. «Grave of the Fireflies» (em inglês). GKIDS Films. Consultado em 12 de julho de 2021 
  34. Gramuglia, Anthony (26 de janeiro de 2020). «One Studio Ghibli Film Is Notably Absent from Netflix's Collection. Why?». CBR.com (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2021 
  35. a b c «Túmulo dos Vagalumes». Versátil Home Vídeo. Consultado em 16 de agosto de 2021. Arquivado do original em 15 de julho de 2021 
  36. a b c «Blu-ray: Túmulo Dos Vagalumes - Studio Ghibli». Versátil Home Video. Consultado em 15 de julho de 2021 
  37. «Festival do Rio anuncia programação 2015». Festival do Rio. Consultado em 15 de julho de 2021 
  38. a b c «O Túmulo dos Pirilampos - DVD». Fnac Portugal. Consultado em 15 de julho de 2021 
  39. «Le Tombeau des lucioles». AlloCiné (em francês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  40. «Critiques Presse pour le film Le Tombeau des lucioles». AlloCiné (em francês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  41. a b «Túmulo dos vagalumes». Ingresso.com. Consultado em 15 de julho de 2021 
  42. a b «『火垂るの墓 (1988)』作品情報». Cinemacafe.net (em japonês). Consultado em 15 de julho de 2021 
  43. «Grave of the Fireflies». Reelviews Movie Reviews (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2021 
  44. «Grave of the Fireflies Movie Review». Common Sense Media (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2021 
  45. Runyon, Christopher (20 de novembro de 2013). «The Studio Ghibli Retrospective: 'Grave of the Fireflies'». Movie Mezzanine (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2021 
  46. «Domestic Box Office For Aug 12, 2018». Box Office Mojo (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2021 
  47. «Domestic Box Office For Aug 13, 2018». Box Office Mojo (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2021 
  48. «Grave of the Fireflies (1988)». Rotten Tomatoes (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2021 
  49. «Grave of the Fireflies (1988)». Metacritic (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2021 
  50. Kenny, Glenn (3 de janeiro de 2019). «'Grave of the Fireflies' Review: A Pioneering Animated Classic». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 17 de julho de 2021 
  51. Ebert, Roger (19 de março de 2000). «Grave of the Fireflies movie review (1988)». RogerEbert.com (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  52. Saulter, Michael (17 de março de 2020). «Grave of the Fireflies». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  53. «Studio Ghibli's Top 10 Films». IndieWire (em inglês). 15 de agosto de 2015. Consultado em 18 de julho de 2021 
  54. Rose, Steve (23 de maio de 2013). «Grave of the Fireflies – review». The Guardian (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  55. «Critic Reviews for Grave of the Fireflies (1988)». Metacritic (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  56. Berardinelli, James (9 de abril de 2018). «Grave of the Fireflies». Reelviews (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  57. Pardi, Robert. «Grave of the Fireflies Reviews». TV Guide (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  58. Cabin, Chris (30 de dezembro de 2018). «Review: Grave of the Fireflies». Slant Magazine (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  59. Jolin, Dan (1 de janeiro de 2010). «Grave Of The Fireflies Review». Empire (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  60. Galantier Krasilchik, Davi (24 de janeiro de 2020). «O Túmulo dos Vagalumes (1988): carta de amor à irmandade». Cinema com Rapadura. Consultado em 18 de julho de 2021 
  61. Santiago, Luiz (26 de janeiro de 2021). «Crítica: Túmulo dos Vagalumes». Plano Crítico. Consultado em 18 de julho de 2021 
  62. Takahata, Isao (2010). «Grave of the Fireflies». 100 Animated Feature Films (em inglês). ISBN 9781838710514. doi:10.5040/9781838710514.0035 
  63. Campbell, Kambole (19 de abril de 2018). «The Human Cost of War in Grave of the Fireflies». One Room With A View (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2021 
  64. a b Etherington, Daniel. «Grave of the Fireflies (Hotaru no haka)». Film4 (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2021. Arquivado do original em 22 de agosto de 2010 – via Wayback Machine 
  65. Takahata, Isao (1 de janeiro de 2015). «時代の正体〈47〉過ち繰り返さぬために». Kanagawa Shimbun (em japonês). Consultado em 24 de junho de 2021. Arquivado do original em 6 de março de 2016 – via Wayback Machine 

Citações literáriasEditar

  • «The Animerica interviews Takahata and Nosaka: Two Grave Voices In Animation». Animerica (em inglês). 2 (11). Novembro de 1994. 72 páginas 

Leitura adicionalEditar

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Hotaru no Haka:
  Citações no Wikiquote
  Categoria no Commons
  Base de dados no Wikidata