O Huascarán ou Nevado Huascarán é uma montanha da Cordilheira Branca, parte dos Andes peruanos. Com 6 768 m, o mais meridional de seus picos (Huascarán Sur) é o mais alto do Peru e o sexto[2] da América do Sul após o Aconcágua, o Ojos del Salado, Monte Pissis, Bonete Chico e Tres Cruces Sul.

Huascarán
Huascarán
Huascarán visto do Cristo Redentor
Huascarán está localizado em: Peru
Huascarán
Coordenadas 9° 7' 17" S 77° 36' 32" O
Altitude 6768 m (22205 pés)
Proeminência 2776 m
Isolamento 2 196 km
Listas Ponto mais alto de um país
Ultra
Localização Ancash,  Peru
Cordilheira Cordilheira Branca (Andes)
Primeira ascensão 1932 por uma expedição austro-alemã.[1]

É a montanha mais alta de toda a zona tropical da Terra, além de seu cume ser o segundo ponto da superfície terrestre mais afastado do centro do Planeta (depois do Chimborazo, no Equador) e o ponto terrestre com a menor atração gravitacional.[3] O pico é formado pelos remanescentes erodidos de um estratovulcão ainda mais elevado que a montanha que hoje existe.

A montanha recebeu o seu nome de Huáscar, um chefe inca do século XVI que era o Sapa Inca do Império Inca.[4]

O Huascarán está tombado dentro de um parque nacional com o mesmo nome.

Em 1989, um grupo de oito montanhistas amadores, chamados "Social Climbers", fez o que foi reconhecido pelo Guinness Book of Records (ed. 1990) como o "mais alta festa de jantar do mundo" no topo do Huascarán, como documentaram Chris Darwin e John Amy no seu livro The Social Climbers, tendo recolhido 10 000 libras esterlinas para caridade.[5][6]

A periculosidade do Huascarán editar

1962 editar

Um deslizamento de terras em 11 de janeiro de 1962, causado por uma rápida subida de temperatura,[7] matou cerca de 4000 pessoas.[8]

1970 editar

 
Fotografia tirada após a avalanche de 1970 mostrando as cidades enterradas de Yungay e Ranrahirca

Em 31 de maio de 1970, o terremoto de Ancash causou o colapso de uma parte substancial do lado norte da montanha em uma avalanche com cerca de 80 milhões de metros cúbicos (2,8 bilhões de pés cúbicos) de gelo, lama e rocha, medidos cerca de 0,8 por 1,6 quilômetros. Ele avançou cerca de 18 km (11 milhas) a uma velocidade média de 280 a 335 km/h , enterrando as cidades de Yungay e Ranrahirca sob gelo e rocha, matando mais de 20 000 pessoas. Pelo menos 20 000 pessoas também foram mortas em Huaraz, local de uma avalanche em 1941. Estimativas sugerem que o terremoto matou mais de 66 000 pessoas. O balanço final foi de 67 000 mortos e 800 000 desabrigados, tornando este o pior desastre induzido por terremoto no Hemisfério Ocidental.[9][10][11][12]

 
Nevado Huascarán Sur visto de Callejón de Huaylas.

Ligações externas editar

Referências

  1. «1932 ascent». huascaranperu.net. Consultado em 29 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2012 
  2. Maximo Kausch (10 de fevereiro de 2011). «As 110 montanhas de 6000 nos Andes». AltaMontanha.com 
  3. Curtin University (4 de setembro de 2013). Science Daily, ed. «Gravity Variations Over Earth Much Bigger Than Previously Thought» (HTML) (em inglês). doi:10.1002/grl.50838. Consultado em 6 de março de 2018 
  4. Room, Adrian (1997). Placenames of the World. McFarland and Company. ISBN 0-7864-0172-9.
  5. Monge-Nájera, Julián (1995). ABC de la evolución. [S.l.]: EUNED. p. 58. ISBN 9977-64-822-0 
  6. «Mouth-watering challenge». Epping Forest Guardian. 21 de setembro de 2007. Consultado em 31 de maio de 2011 
  7. Sacred mountains: Myth and Morphology
  8. «1962: Thousands killed in Peru landslide». British Broadcasting Corporation. 11 de janeiro de 1962. Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  9. Plafker, George; Ericksen, George E.; Fernández Concha, Jaime (1971). «Geological Aspects of the May 31, 1970 Peru Earthquake» (PDF). Bulletin of the Seismological Society of America. 61 (2): 543–578. doi:10.1785/BSSA0610030543. Consultado em 1 de janeiro de 2014 
  10. Rachowiecki, Rob; Beech, Charlotte (2004). Peru. [S.l.]: Lonely Planet. p. 308 
  11. U.S. Dept. of the Interior (1970). «The Peru Earthquake: a Special Study». Bulletin of the Atomic Scientists. 26 (8): 17–19. Bibcode:1970BuAtS..26h..17.. doi:10.1080/00963402.1970.11457853 
  12. «The Village of Yungay and the Surrounding Countryside». Jay A. Frogel. Consultado em 5 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2012